O taikonauta, o astrônomo e o espaço | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/10/2008
O taikonauta, o astrônomo e o espaço
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O astrônomo se contorna como um mosquito azul pousado na sacada, imerso que está na noite desta cidade que é mais negra do que as outras. É por isso que ele se inclina sobre a ocular, ajusta o foco e observa, sentado numa das cadeiras da mesa de jantar.

Nesta noite, ele vai observar Júpiter, que, não fosse sua luminosidade intensa, mais pareceria a olho nu uma estrela qualquer a milhões de anos-luz. Através da luneta, esse planeta é aparentemente apenas uma bolinha de pingue-pongue. Uma olhada melhor e lá estão as duas faixas vermelhas, resultado da turbulência de sua atmosfera briguenta. O tableau vivant se completa com as quatro luas ao seu redor. Silencioso, o astrônomo compreende a magnitude do que vê através de sua pobre luneta e se emociona com a distância em que está seu objeto.

De fato, ao apontar seu pequeno telescópio no sentido da torre de Chartrons, um cume tão frágil quanto a ponta de um lápis, se surpreende ao observá-la agora com a minúcia de um microscópio. A torre da igreja era um crustáceo vivo, cheio de articulações, reentrâncias por onde o som dos sinos podia ecoar por toda a vila. Pelo menos é o que deveria acontecer, centenas de anos atrás. Hoje, lá está ela, petrificada no tempo, ainda que iluminada pela chancela da tradição e da beleza.

O astrônomo enxerga de repente a si mesmo, grudado às alturas da torre, o vento de outono batendo em seu rosto, desestruturando seus cabelos. Ainda que não possa tocar a lua, do alto da igreja ele admira o céu, sem se esquecer da Terra. Abre o olho e se encontra, mais um vez, na sacada, de onde focaliza agora o rosto da escultura numa praça próxima. É um rosto imenso, recoberto de cachos voluptuosos, o rosto impassível de estátua. Suas roupas estão recobertas por uma mistura de guano e óxidos. Mas se a obra deve ser vista pelos transeuntes, de baixo para cima, seria tão antiético quanto observar o intendente Tourny, vasculhar com a lente os apartamentos em frente?

Nesta mesma noite, o chinês Zhai Zhigang é um ponto branco levitando no espaço. E, ao contrário do astrônomo que apenas contempla, Zhigang faz parte de uma missão planejada pelo governo chinês. Enquanto o astrônomo passeia pelas estrelas da Via Láctea, Zhigang flutua pelo espaço preso à uma espécie de cordão umbilical junto à Nave Divina. O primeiro, cidadão universal, sente-se emocionado em viver neste planeta e a um só tempo pertencer ao infinito, que mapeia como projeto de vida; o segundo alia estratégia e dever, taikonauta com a missão de demarcar sem passos, mas com um vôo, o território chinês no espaço.

Ambos compartilham um momento, talvez o mais surpreendente para um terráqueo: estar fora da atmosfera em que se respirou pela primeira vez, a única em que é capaz sobreviver sem aparelhos (ao menos por enquanto); contemplar com humildade e espanto seu planeta azul como uma peça frágil do universo. A roupa especial faz do taikonauta um ser exótico. Não se pode ver nem ao menos seu rosto, mas pelo capacete o belo e perturbador reflexo das coisas vistas do espaço. Se acaso um observador externo o visse pela primeira vez, haveria um retrato sui generis da raça humana.

Está desamparado no vácuo negro, assumindo a fragilidade humana, mas ostentando a bandeira chinesa, "somos nós que fizemos a façanha de chegar no espaço, o terceiro povo da raça humana!". Não há desta vez nenhuma frase poética, o tempo é de necessidades e meios. A agência oficial de informações chinesa lançou a notícia de que a missão espacial começara antes mesmo do acontecimento. Tudo tem que correr bem, não há a mínima chance de imprevistos.

Como o do meteoro que passou. Ou estrela-cadente, para os leigos. Grata surpresa para aquele que ama os astros, este visgo de fogo no céu gerado por uma pedra qualquer se esfacelando em mil pedaços no contato com a atmosfera terrestre. Não houve tempo para pedidos, tão rápida a passagem. O astrônomo é extremamente emotivo e, ao mesmo tempo, tem um aguçado lado racional.

Inevitável que dirijam a ele esta pergunta, "Existe vida fora da Terra?". O astrônomo titubeia tímido e acaba não respondendo nada, embora saiba que é pouco provável que não haja vida em outro canto do universo, imenso. Espera que tenhamos sorte de encontrarmos ou sermos encontrados por um povo qualquer... pacífico.

O astrônomo, mesmo na incapacidade de seu pequeno telescópio, vê o passado das estrelas e o futuro da humanidade. Vê ainda outros taikonautas construindo uma estação espacial. Assim como outros países, mais ricos ou precavidos, preparando-se um dia para deixar a Terra, paraíso perdido, depósito de seu lixo final. O cosmos é um imenso playground, onde todos quem brincar. E não seria uma questão de tempo as guerras ganharem um status de "espacial", mais aterrorizante do que as das histórias em quadrinhos ou das séries da televisão?

Na escuridão daquela noite tão negra quanto o universo, o astrônomo, distraído com planetas e astronautas, não sabia de outros planos. A luneta branca deste cidadão do universo, um inseto em queda da varanda, talvez se parecesse mais com uma arma negra na noite escurecida em inquietudes.


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 23/10/2008


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2008
17h21min
Querida Elisa, o seu texto é tão belo quanto Bordeaux! É... e desse modo o século XXI configura-se: uma odisséia no espaço versus uma odisséia pelo corpo humano (engenharia genética). Céus, o resultado disso tudo me assusta e me fascina (ponto de partida para o ato de filosofar). Pena que não teremos existência suficiente para tudo conferir! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PASACALLE 1 GUÍA DIDÁCTICA
VÁRIOS AUTOR
SGEL
(1999)
R$ 15,00



TORTURA A HISTÓRIA DA REPRESSÃO POLÍTICA NO BRASIL 2977
ANTONIO CARLOS FON
GLOBAL
(1979)
R$ 10,00



IN CONCERT - STUDENTS BOOK
ANA MARIA CRISTINA CUDER
CNA
(1999)
R$ 5,00



METODOLOGIA GERAL - INTRODUÇÃO AO CONTRA-DISCURSO
NELSON DOS ANJOS
EDART LIVRARIA ED.
(1982)
R$ 12,00



ARTS AND CRAFTS OF MOROCCO
JAMES F. JEREB
THAMES AND HUDSON
(1995)
R$ 29,75
+ frete grátis



O QUE É TÊNIS - HISTÓRIA, REGRAS, CURIOSIDADES
SILVIA VIEIRA; ARMANDO FREITAS
CASA DA PALAVRA
(2009)
R$ 9,90



INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO NO BRASIL
OROZIMBO JOSÉ DE MORAES
ADUANEIRAS
(2003)
R$ 17,00



O OURO DAS GERAIS
JOÃO DORNAS FILHO
COMPANHIA NACIONAL
(1957)
R$ 100,00



GENESCO
THEODOMIRO ALVES PEREIRA
BIRA CÂMARA
(2016)
R$ 27,90



A IRMÃZINHA DE MAURÍCIO - A SOMA DAS VIRTUDES
ELFAY L. APPOLLO TEXTO
O CLARIM
(1990)
R$ 7,00





busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês