Sobre o ensaio de Gao Xingjian | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/10/2011
Sobre o ensaio de Gao Xingjian
Ricardo de Mattos

+ de 4300 Acessos


"Nesta época em que a política a tudo permeia e a lei do lucro mergulha o mundo na incalculável ganância humana, onde podemos encontrar a poesia?" (Gao Xingjian).

Gao Xingjian nasceu na China em 1940. Laureado em 2000, foi o primeiro escritor chinês a ganhar o prêmio Nobel de literatura. Além da escrita, dedica-se à pintura - são dele as imagens utilizadas nesta coluna -, à tradução, à crítica e ao teatro. Em 1987 deixou seu país natal e estabeleceu-se em Paris. Já foram traduzidos para o português seus livros A montanha da alma e Uma cana de pesca para meu avô sendo que há edição nacional do primeiro. Em 29 de junho deste ano, leu em Turim, durante o evento denominado Milanesiana, o ensaio intitulado Ideologia e literatura(1), que será objeto desta coluna.

Segundo o autor chinês, o século XX foi o período de tempo em que as ideologias influenciaram a literatura de forma mais marcante. Até então, existiam as escolas: um estilo literário, uma forma de escrita adquiria predominância e os candidatos às Letras ajustavam seus trabalhos conforme o riscado. A ideologia difere do idealismo pelo afã de impor o molde e excluir quem dele afastar-se. O autor passa a ser o executor da forma e o crítico assenhora-se do papel de capataz - ou vice-versa. Lembremos que Raquel de Queiroz precisou explicar-se a membros do Partido Comunista e enfrentá-los para ver publicado seu primeiro livro, O quinze. Por atitudes assim, Xingjian considera a ideologia o mal do século.

Podemos distinguir o ideólogo do idealista. O primeiro, busca reproduzir para seus contemporâneos a cartilha a qual está adstrito. Muda as palavras, capricha mais ou menos e nisto encontra seu prazer. Morre no seu século. O segundo, encontra ideias que julga salutares para a vida humana e para o convívio em sociedade e divulga-as de maneira mais ou menos inocente. Contudo, como consegue atingir os anseios arquetípicos da Humanidade, geralmente não morrem.

Segundo Xingjian, a ideologia é composta de estrutura filosófica e de valores. Isso parece-nos complicado, pois valores são categorias que importam por si, não são componentes de algo. Ao contrário, as ideologias tentam parasitá-los almejando respeitabilidade. A família é um valor em si e, no entanto, até o nazismo autoproclamou-se seu defensor. Utilizada como instrumento, a literatura - que deve gozar de independência e autonomia - tornou-se "acessório da ideologia", nas palavras do autor.

A vinculação reclamada por ele nada mais fez do que estragar a arte literária e deixá-la estragada. Assevera, inclusive, que o discurso ideológico desligado de prática política é vazio e de mínimo impacto. O campo político, por sua vez, não é adequado para que valores, princípios, ética, honra e ideais vicem. Neste ponto, não esqueçamos de Diogo Mainardi, que passou anos escrevendo contra o anterior presidente da República e, nem por isso, ele deixou de cumprir integralmente dois mandatos e garantir a sucessão. "A não ser que intelectuais se filiem a um partido político e se tornem políticos profissionais, será difícil que façam alguma diferença", diz Xingjian em trecho contundente. Entretanto, vivemos o momento que ele prefere chamar "pós ideológico", que por sua vez não é o mais seguro, visto o assédio dos modismos e o poder do mercado.

O escritor assegura que autores e poetas são pessoas que se envolveram com a criação literária quando confrontados com "uma necessidade interna que exija expressão". Literatura não é reconstituição de fatos, pois para isto existe a História - com perdão dos historiadores pelo reducionismo. Não é Filosofia, embora muitas vezes emparelhe-se com ela. Ameaçado pelas ideologias e agora espicaçado pelo lucro, aos escritores atuais Xingjian sugere providências que poderão salvar a arte literária. Para o sino-francês, o principal aspecto a ser considerado é a liberdade espiritual (sic) do autor. A substância da literatura encontrar-se-ia nesta independência. Diante de tantos senhores que se apresentam, ele reconhece que a liberdade de espírito é opcional.

Seriam três os meios propostos por Xingjian para o que ele chama "a salvação da literatura": desligamento de ideologias, ignorar modismos de mercado e enfrentamento dos problemas humanos presentes. Ele propõe a escrita como busca e forma de permitir a compreensão, não como atestado e submissão. Escutamos aqui um eco do suíço Carl Spitteler, Nobel de 1919: "Pois se conformamos a nossa maneira de viver com o exemplo comum, seremos de preço comum e nunca mais desfrutaremos nobres alegrias nem aquelas dores que enriquecem a alma!". Ele não menciona quais são os "problemas humanos presentes", o que nos dá liberdade de incluir entre eles a ausência de sentido existencial.

Xingjian convida o escritor - ou o autor, como prefere - a certo exercício de humildade. Convida a reconhecer que não é nem salvador do mundo, nem modelo de verdade e de dignidade. Não é juiz do certo e do errado, nem super-homem apto à substituição de Deus. O autor é um indivíduo autêntico e frágil, "com fraquezas e defeitos pessoais (...) de fato tão grandes quanto os das pessoas comuns". Abolindo delírios pessoais - mais estimulados que orientados - o autor poderá purificar-se - é a expressão que usa - e produzir algo digno de ser denominado trabalho literário.

Certas epessoas parecem fissuradas pela escrita e pela publicação. Incluímos em nosso questionamento qual mercado ela deseja conquistar. Tivemos acesso à primeira edição de Nos domínios da mediunidade, constante da série de livros em que Chico Xavier serve de intermediário ao espírito de André Luiz. Esta edição data de 1955, época em que a freqüência dos Centros Espíritas deveria ser registrada e regularmente informada à polícia. A primeira tiragem foi de quinze mil exemplares. A edição mais recente da obra que encontramos é a de número 34, o que corresponde do 412º ao 431º milheiro. Quem pretende lançar seu livro, hoje, terá qual tiragem em vista? Três mil? Ou recorrerá ao sistema Print on demand?

Despiciendo considerar o conflito entre o ensaio de Xingjian e as práticas contemporâneas. No momento em que ele afirma que "a literatura não é como uma mídia e não pode ser objeto de cobertura diária", tentamos localizar uma antologia de textos escritos com formatação própria para Twiter. Deste trecho, fizemos uma ponte com outro ensaio publicado no mesmo caderno, escrito pelo professor Francisco Foot Hardman (2) a respeito do ensaísmo contemporâneo. Segundo Hardman, a produção poética, artística ou cultural possuem "temporalidade próprias" para vicejar. São frutos do espírito: planta-se a semente, aduba-se - ou não -, acompanha-se o crescimento, poda-se, enxerta-se e, ao devido tempo, colhe-se a produção intelectual. Juntar duas palavras e esperar palmas não configura criação literária. Literatura em "tempo real" ou em "tempo zero", para usar expressões de Hardman, é uma das ilusões da atualidade. Nem erva-daninha germina em "tempo zero".

Cabe dizer também que, si arte combina bem com ideal e opção de vida, nem sempre acerta-se com retorno financeiro. Trabalho literário exige dedicação, escolha de palavras,elaboração de frases e transmissão de pensamento de forma tão fiel quanto possível. O impulso de escrever, aliviado no cotidiano dos blogs, por exemplo, e na busca imediatista de notoriedade podem minar forças destináveis a obras mais consistentes.

(1) http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,ideologia-e-literatura,754863,0.htm

(2) http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,um-oficio-escrito-no-plural,764315,0.htm


Ricardo de Mattos
Taubaté, 17/10/2011



Quem leu este, também leu esse(s):
01. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
02. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
03. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
04. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
05. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA NATURAL E AS POPULAÇÕES, VOL 3 TRATADO DO SER VIVO,
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 39,70



TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TWITTER
TADEU CARMONA
DIGERATI BOOKS
(2009)
R$ 4,00



UM MUNDO DESCONHECIDO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 8,00



TODOS OS PRONUNCIAMENTOS DO PAPA NO BRASIL
EDIÇÕES LOYOLA
LOYOLA
(1980)
R$ 14,00



AS MINAS DO REI SALOMÃO
HENRY RIDER HAGGARD
VIA LEITURA / EDIPRO
(2017)
R$ 39,90



BRINCANDO COM ADIVINHAS
CLAUDIO SCATAMACCHIA
PAULUS
(2006)
R$ 9,90



MALDIVES
JAMES LYON
LONELY PLANET
(1997)
R$ 4,99



A CAPACIDADE PARA GOVERNAR: INFORME AO CLUBE DE ROMA
YEHEZKEL DROR
EDICOES FUNDAP
(1994)
R$ 20,00



TRIÂNGULO VERMELHO
CATHERINE ROUX
OTTO PIERRE
(1980)
R$ 4,24



UMBANDA E MEIO AMBIENTE: AÇÕES SUSTENTÁVEIS E NOVOS PARADGMAS - 1ª ED.
GIOVANI MARTINS
ÍCONE
(2013)
R$ 33,54





busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês