O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters? | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/6/2006
O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters?
Marcelo Miranda

+ de 10600 Acessos

1.
O período entre maio e agosto é complicado para o cinema no Brasil. É quando as mega-produções de Hollywood desembarcam com tudo no país. Quando digo "com tudo", é no sentido literal da palavra. São estréias megalômanas, bancadas pelos estúdios de produção com toda a grana de marketing que eles tenham à disposição. A invasão inclui cartazes, imensos outdoors, comerciais de TV e, claro, a infinidade de cópias em cartaz do filme em questão. Mais uma vez, infinidade no sentido literal. Ou num país com pouco menos de 2 mil salas de exibição, O Código Da Vinci entrar em mais de 500 delas não é infinidade?

Aliás, o leitor já foi ver O Código Da Vinci? Ainda não? Bom, se já foi, pode esticar em seguida e ver X-Men: O Confronto Final. E depois, ainda pegar uma sessão de Missão Impossível 3. Fora esses três, sobra muito pouco, quase nada, a ser assistido. Cada um destes vem ocupando aproximadamente 400 salas desde suas estréias, o que dá espaço apenas ao resto do resto. Aqui em Juiz de Fora (MG), por exemplo, temos nove salas. TODAS, sem exceção, estão exibindo um dos três filmes. O único que não faz parte da trinca divide espaço, e não é lá muito estimulante — no caso, a animação A Era do Gelo 2.

Em São Paulo, arriscaram lançamentos junto com os mutantes duas outras produções, estas de bem menor porte: o musical americano Rent — Os Boêmios, de Chris Columbus; e o belga ganhador da Palma de Ouro em Cannes no ano passado, A Criança, de Jean-Pierre e Luc Dardenne. O primeiro está em três salas da capital paulista; o segundo, em cinco; e X-Men: O Confronto Final, em quase 90 salas. Difícil competir. Filmes brasileiros? Ainda em São Paulo, seis seguem enfrentando as adversidades. Sempre em, no máximo, duas salas.

Há diversas questões que rondam essa invasão. Não depende apenas do exibidor dar a palavra sobre o que ele escolhe para estampar a fachada de seu cinema. Muito da "culpa" pelo excesso de blockbusters é mesmo dos estúdios e distribuidoras, dispostos a tudo para colocar seus produtos à disposição do máximo de gente possível. O exibidor, que basicamente é um prestador de serviço e depende do consumidor para sobreviver, não tem como negar um produto que venda três, até cinco vezes mais, que outro. Além disso, estúdios fazem acordos intimidantes que inibem a rotatividade nas salas de exibição.

Voltando aos casos recentes de O Código Da Vinci e X-Men: O Confronto Final, boa parte dos donos de redes de cinema (não tenho certeza se todos, mas é provável) só recebeu permissão da distribuidora de colocar tais filmes em cartaz se assinassem um termo que obriga uma permanência mínima da produção (em geral, um mês) numa única sala e com horários e quantidade de sessões igualmente determinados. Uma rede pequena, de duas ou três salas, vê-se numa situação sem saída: ou aceita os termos e entope seu espaço com os filmões, que, como formigas, sempre aparecem em grupinhos; ou recusa, coloca em cartaz algo "menor" e toma imenso prejuízo, já que o vizinho concorrente aceitou o "acordo" e está nadando nos imensos números de bilheteria.

X-Men
X-Men: O Confronto Final: em mais de 500 salas de cinema

Não dá pra deixar de lado o preço dos ingressos. Aqui em Juiz de Fora, a coisa ainda vai calma, mas já batendo nos limites suportados pela cidade: entradas a até R$ 11. Em São Paulo, já beira o dobro disso. É simplesmente inimaginável as redes de cinema pensarem que, com valores assim, irão sair do buraco. Quando se pensa nesses preços, fica complicado aceitar o argumento de que o brasileiro vai pouco ao cinema. Particularmente, creio que se o ingresso custasse menos (bem menos), as coisas seriam diferentes. Aliás, idéia boa tem o Carlão Reichenbach, que vive sugerindo que o governo baixe alguma medida para o ingresso de filmes brasileiros custar apenas R$ 1. "Na minha época, eu deixava de comprar cigarro para ir ao cinema, e o dinheiro dava", costuma comentar Carlão aos quatro cantos. Realmente, eu queria ver se as salas não iam lotar se cobrassem quantias irrisórias. O estouro de 2 Filhos de Francisco tem muito disso: foi um blockbuster brasileiro, com toda a publicidade e inserção que esse tipo de filme tem. E na hora de escolher onde investir, o espectador escolheu a produção brasileira. Conseqüentemente, diversas outras obras ficaram sem público, porque não há condições de se gastar valores tão astronômicos mais de uma ou duas vezes por semana, como seria o ideal para uma cinefilia saudável.

Sendo assim, na visão deste colunista, os maiores vilões do cinema atualmente são a invasão desenfreada das superproduções, que praticamente tiram a liberdade do público de escolher o que ver; e os preços abusivos do ingresso. É um círculo vicioso, porém: enquanto o espectador se dispuser a pagar R$ 20 para ver X-Men: O Confronto Final, mais e mais exemplos do tipo nos serão despejados, para que essa mesma massa os consuma. Que o diga Superman — O Retorno, próximo arrasa-quarteirão, a ser lançado em julho no Brasil. Segurem-se na poltrona para ver apenas e somente ele, o Homem de Aço, nas telas.

2.
Ir ao Cinema: Um Olhar sobre Filmes (Musa Editora, 2005, 185 páginas) reúne críticas, resenhas, perfis e ensaios do filósofo Humberto Pereira da Silva sobre os mais variados assuntos ligados ao cinema. Apesar de não ser sua área assumida de atuação nem foco maior de seus estudos, os comentários cinéfilos de Humberto surgem como os de um experiente crítico, com todo o conhecimento e sensibilidade exigidos para tal atividade. A maioria dos textos foi publicada na Revista de Cinema. E o que mais torna a leitura agradável é que, mesmo escritos para outra mídia, os artigos permanecem com grande força quando lidos em livro. Essa universalidade é o que mais garante o bom nível de leitura que é essa antologia de Humberto.

A organização segue duas linhas. "Crônicas" conta com textos sobre diversos títulos brasileiros em análises breves e sempre instigantes. O autor utiliza conhecimentos em Filosofia mesclados ao entendimento da linguagem cinematográfica para discorrer sobre os filmes comentados e inserir raciocínios que vão sendo desenvolvidos sem atropelos, chegando a uma conclusão final. São praticamente dissertações: introdução, desenvolvimento, conclusão. O que pode parece formulaico é um trunfo, já que Humberto chega a reconstituir a trajetória de alguns cineastas ou mesmo de algum movimento antes de entrar no filme em questão. Ou ainda analisar a própria linguagem, como na crítica a Memórias Póstumas, de André Klotzel, que adapta a narrativa de Machado de Assis. "Como grande parte da literatura é feita para instigar a imaginação, a dificuldade para uma adaptação para o cinema consiste em buscar um ajuste entre a imagem imaginada pelo leitor e a imagem que ele vê na tela", escreve, já em trecho avançado e ainda sem citar o filme. Quando fala de Lavoura Arcaica, há novamente pensamentos sobre adaptações.

Ao falar de Tudo Sobre Minha Mãe, de Almodóvar, há um interessante e divertido pensamento sobre a gravidade de se contar ou não o final de um filme. Em Beleza Americana, há crescente e coerente olhar sobre o conservadorismo do filme de Sam Mendes e seus artifícios para parecer "moderninho". E por aí vai, passando por superproduções como Gladiador a jóias como o italiano O Quarto do Filho.

Já em "Breves Ensaios", Humberto Pereira mergulha na vida e carreira de cinco grandes cineastas — os ingleses Alfred Hitchcock e Peter Greenaway, o russo Andrei Tarkovski, o americano Elia Kazan e o francês Jean Renoir — e discorre de temas mais amplos e menos definitivos, como a relação entre personagens solitários no mexicano Amores Brutos e no japonês Brother e a ligação do cinema com a filosofia nos filmes de Tarkovski e do sueco Ingmar Bergman. Como diz o próprio autor na apresentação, são escritos "sem pretensão de estabelecer um ponto final". E pretensão, no sentido negativo da palavra, Humberto Pereira da Silva definitivamente não tem. Compartilhar de seu olhar sobre filmes é diversão e provocação das mais agradáveis.

Para ir além






Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 5/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo
02. Em defesa de Nuno Ramos e da arte de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA
PETER DRUCKER
PIONEIRA
(1999)
R$ 13,00



HUMOR 100% SEXUAL
NANI
DESIDERATA
(2007)
R$ 12,00



NINTENDO WORLD--6--NOS TEMOS A FORÇA!
CONRAD
CONRAD
R$ 18,00



ENFIM SÓS!...
MÁRCIA LEITE
SCIPIONE
(1991)
R$ 5,00



NEOCONSUMIDOR DIGITAL, MULTICANAL & GLOBAL
MARCOS GOUVEA DE SOUZA
GS & MD
(2009)
R$ 20,00



CHICO XAVIER E NOSSO LAR EM CORDEL F. A. LISBOA
F. A. LISBOA
CLARIM
(1994)
R$ 5,00



A SOLUÇÃO VIAGRA A CURA DA IMPOTÊNCIA
DR. STEVEN LAMM
RECORD
(1998)
R$ 26,91



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL 18
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



SENTIDO DINÂMICO DA DEMOCRACIA
ELIAS CHAVES NETO
BRASILIENSE
(1982)
R$ 25,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês