O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters? | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Recursos Minerais da região amazônica de Clara Martins Pandolfo pela Spvea (1955)
>>> Pérola Imperfeita: A História e as Histórias na Obra de Adriana Varejão de Lilia Moritz Schwarcz pela Companhia das Letras (2014)
>>> Seu Sami Hilal Sami Hilal de Hilal Sai Hilal pela Vale (2008)
>>> São Paulo de Piratininga - de Pouso de Tropas a Metrópole de José Alfredo Vidigal e Pontes pela Terceiro Nome (2003)
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
COLUNAS

Segunda-feira, 5/6/2006
O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters?
Marcelo Miranda

+ de 10700 Acessos

1.
O período entre maio e agosto é complicado para o cinema no Brasil. É quando as mega-produções de Hollywood desembarcam com tudo no país. Quando digo "com tudo", é no sentido literal da palavra. São estréias megalômanas, bancadas pelos estúdios de produção com toda a grana de marketing que eles tenham à disposição. A invasão inclui cartazes, imensos outdoors, comerciais de TV e, claro, a infinidade de cópias em cartaz do filme em questão. Mais uma vez, infinidade no sentido literal. Ou num país com pouco menos de 2 mil salas de exibição, O Código Da Vinci entrar em mais de 500 delas não é infinidade?

Aliás, o leitor já foi ver O Código Da Vinci? Ainda não? Bom, se já foi, pode esticar em seguida e ver X-Men: O Confronto Final. E depois, ainda pegar uma sessão de Missão Impossível 3. Fora esses três, sobra muito pouco, quase nada, a ser assistido. Cada um destes vem ocupando aproximadamente 400 salas desde suas estréias, o que dá espaço apenas ao resto do resto. Aqui em Juiz de Fora (MG), por exemplo, temos nove salas. TODAS, sem exceção, estão exibindo um dos três filmes. O único que não faz parte da trinca divide espaço, e não é lá muito estimulante — no caso, a animação A Era do Gelo 2.

Em São Paulo, arriscaram lançamentos junto com os mutantes duas outras produções, estas de bem menor porte: o musical americano Rent — Os Boêmios, de Chris Columbus; e o belga ganhador da Palma de Ouro em Cannes no ano passado, A Criança, de Jean-Pierre e Luc Dardenne. O primeiro está em três salas da capital paulista; o segundo, em cinco; e X-Men: O Confronto Final, em quase 90 salas. Difícil competir. Filmes brasileiros? Ainda em São Paulo, seis seguem enfrentando as adversidades. Sempre em, no máximo, duas salas.

Há diversas questões que rondam essa invasão. Não depende apenas do exibidor dar a palavra sobre o que ele escolhe para estampar a fachada de seu cinema. Muito da "culpa" pelo excesso de blockbusters é mesmo dos estúdios e distribuidoras, dispostos a tudo para colocar seus produtos à disposição do máximo de gente possível. O exibidor, que basicamente é um prestador de serviço e depende do consumidor para sobreviver, não tem como negar um produto que venda três, até cinco vezes mais, que outro. Além disso, estúdios fazem acordos intimidantes que inibem a rotatividade nas salas de exibição.

Voltando aos casos recentes de O Código Da Vinci e X-Men: O Confronto Final, boa parte dos donos de redes de cinema (não tenho certeza se todos, mas é provável) só recebeu permissão da distribuidora de colocar tais filmes em cartaz se assinassem um termo que obriga uma permanência mínima da produção (em geral, um mês) numa única sala e com horários e quantidade de sessões igualmente determinados. Uma rede pequena, de duas ou três salas, vê-se numa situação sem saída: ou aceita os termos e entope seu espaço com os filmões, que, como formigas, sempre aparecem em grupinhos; ou recusa, coloca em cartaz algo "menor" e toma imenso prejuízo, já que o vizinho concorrente aceitou o "acordo" e está nadando nos imensos números de bilheteria.

X-Men
X-Men: O Confronto Final: em mais de 500 salas de cinema

Não dá pra deixar de lado o preço dos ingressos. Aqui em Juiz de Fora, a coisa ainda vai calma, mas já batendo nos limites suportados pela cidade: entradas a até R$ 11. Em São Paulo, já beira o dobro disso. É simplesmente inimaginável as redes de cinema pensarem que, com valores assim, irão sair do buraco. Quando se pensa nesses preços, fica complicado aceitar o argumento de que o brasileiro vai pouco ao cinema. Particularmente, creio que se o ingresso custasse menos (bem menos), as coisas seriam diferentes. Aliás, idéia boa tem o Carlão Reichenbach, que vive sugerindo que o governo baixe alguma medida para o ingresso de filmes brasileiros custar apenas R$ 1. "Na minha época, eu deixava de comprar cigarro para ir ao cinema, e o dinheiro dava", costuma comentar Carlão aos quatro cantos. Realmente, eu queria ver se as salas não iam lotar se cobrassem quantias irrisórias. O estouro de 2 Filhos de Francisco tem muito disso: foi um blockbuster brasileiro, com toda a publicidade e inserção que esse tipo de filme tem. E na hora de escolher onde investir, o espectador escolheu a produção brasileira. Conseqüentemente, diversas outras obras ficaram sem público, porque não há condições de se gastar valores tão astronômicos mais de uma ou duas vezes por semana, como seria o ideal para uma cinefilia saudável.

Sendo assim, na visão deste colunista, os maiores vilões do cinema atualmente são a invasão desenfreada das superproduções, que praticamente tiram a liberdade do público de escolher o que ver; e os preços abusivos do ingresso. É um círculo vicioso, porém: enquanto o espectador se dispuser a pagar R$ 20 para ver X-Men: O Confronto Final, mais e mais exemplos do tipo nos serão despejados, para que essa mesma massa os consuma. Que o diga Superman — O Retorno, próximo arrasa-quarteirão, a ser lançado em julho no Brasil. Segurem-se na poltrona para ver apenas e somente ele, o Homem de Aço, nas telas.

2.
Ir ao Cinema: Um Olhar sobre Filmes (Musa Editora, 2005, 185 páginas) reúne críticas, resenhas, perfis e ensaios do filósofo Humberto Pereira da Silva sobre os mais variados assuntos ligados ao cinema. Apesar de não ser sua área assumida de atuação nem foco maior de seus estudos, os comentários cinéfilos de Humberto surgem como os de um experiente crítico, com todo o conhecimento e sensibilidade exigidos para tal atividade. A maioria dos textos foi publicada na Revista de Cinema. E o que mais torna a leitura agradável é que, mesmo escritos para outra mídia, os artigos permanecem com grande força quando lidos em livro. Essa universalidade é o que mais garante o bom nível de leitura que é essa antologia de Humberto.

A organização segue duas linhas. "Crônicas" conta com textos sobre diversos títulos brasileiros em análises breves e sempre instigantes. O autor utiliza conhecimentos em Filosofia mesclados ao entendimento da linguagem cinematográfica para discorrer sobre os filmes comentados e inserir raciocínios que vão sendo desenvolvidos sem atropelos, chegando a uma conclusão final. São praticamente dissertações: introdução, desenvolvimento, conclusão. O que pode parece formulaico é um trunfo, já que Humberto chega a reconstituir a trajetória de alguns cineastas ou mesmo de algum movimento antes de entrar no filme em questão. Ou ainda analisar a própria linguagem, como na crítica a Memórias Póstumas, de André Klotzel, que adapta a narrativa de Machado de Assis. "Como grande parte da literatura é feita para instigar a imaginação, a dificuldade para uma adaptação para o cinema consiste em buscar um ajuste entre a imagem imaginada pelo leitor e a imagem que ele vê na tela", escreve, já em trecho avançado e ainda sem citar o filme. Quando fala de Lavoura Arcaica, há novamente pensamentos sobre adaptações.

Ao falar de Tudo Sobre Minha Mãe, de Almodóvar, há um interessante e divertido pensamento sobre a gravidade de se contar ou não o final de um filme. Em Beleza Americana, há crescente e coerente olhar sobre o conservadorismo do filme de Sam Mendes e seus artifícios para parecer "moderninho". E por aí vai, passando por superproduções como Gladiador a jóias como o italiano O Quarto do Filho.

Já em "Breves Ensaios", Humberto Pereira mergulha na vida e carreira de cinco grandes cineastas — os ingleses Alfred Hitchcock e Peter Greenaway, o russo Andrei Tarkovski, o americano Elia Kazan e o francês Jean Renoir — e discorre de temas mais amplos e menos definitivos, como a relação entre personagens solitários no mexicano Amores Brutos e no japonês Brother e a ligação do cinema com a filosofia nos filmes de Tarkovski e do sueco Ingmar Bergman. Como diz o próprio autor na apresentação, são escritos "sem pretensão de estabelecer um ponto final". E pretensão, no sentido negativo da palavra, Humberto Pereira da Silva definitivamente não tem. Compartilhar de seu olhar sobre filmes é diversão e provocação das mais agradáveis.

Para ir além






Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 5/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto de Marcelo Spalding
02. Eleição nas prateleiras (ou todo dia tem eleição) de Marcelo Spalding
03. Votos Úteis de Lisandro Gaertner
04. O império marítimo português para aquém da cultura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Calabar
Chico Buarque de Holanda
Civilização Brasileira
(1987)



Le Soleil et La Terre
André Boischot
Presses Universitaires
(1966)



Saudade de Mirene Tomo I - 3ª Parte - Héxagono Vol V
Dilson de Alvarenga Menezes
Não Identificada (rj)
(2002)



New England Sampler: a Treasury of Home Plans and Decorating
Home Planners
Home Planners
(1993)



O Misterioso Homem de Macapá
José Américo de Lima
Atual
(1988)



Legends, Lies & Cherished Myths of World History
Richard Shenkman (capa Dura)
Harper Collins
(1993)



Rofinha e os Amigos de Oito Patas
Rogerio Araujo
Garcia
(2014)



Ciência & Ambiente 27 - Agricultura Sustentável
Universidade Federal de Santa Maria
Ufsm
(2003)



Direcção Científica da Sociedade Socialista
K. Varlámov
Edições Progresso
(1982)



A Cidade do Rio de Janeiro
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (césar Maia
Iplan Rio
(1993)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês