O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters? | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Melhores Blogs
>>> Dilbert
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Mais Recentes
>>> Tudo valeu a pena de Zibia Gasparetto pela Vida e consciencia (2003)
>>> Concurso de Credores de Sylvio Martins Teixeira pela Jacintho (1936)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.4 (Processo de Execução Processo Cautelar Parte Geral) de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.3 ( Processo de Conhecimento) 2ª Parte de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Codigo do processo Civil e Commercial do Estado de São Paulo (Annotações) de João Evangelista Rodrigues pela Revista dos Tribunais (1930)
>>> Traité Des Preuves En Droit Civil Et En Drit Criminel de Édouard Bonnier pela Librairie Plon (1888)
>>> Embargos de Nulidade e Infringentes do Julgado de E.D. Moniz de Aragão pela Saraiva (1965)
>>> Introdução ao estudo do processo Civil de Eduardo J. Couture pela José Bushatsky (1951)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1947)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1946)
>>> Eficácia e Autoridade da Sentença e ouros escritos sobre a coisa Julgada. de Enrico Tullio Liebman pela Forense (1984)
>>> Princípios Gerais do Direito Processual de Anésio de Lara Campos Junior pela José Bushatsky (1964)
>>> Doutrina das Acções de José Homem Corrêa Telles pela H. Garnier (1902)
>>> Como Requer em Juízo ( Formulário Cível) de Yara Muller Leite pela Freitas Bastos (1967)
>>> Decisões de Decio Cesario Alvim pela Officinas do Centro da Boa Imprensa (1930)
>>> O Procedimento Sumaríssimo de Domingos Sávio Brandão Lima pela José Bushatsky (1977)
>>> Aspectos Fundamentais das Medidas Liminares de R. Reis Friede pela Forense (1993)
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume 3 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Curso de direito Processual Civil Volume 1 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela José Bushatsky (1976)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1980)
>>> Consultor Civil Acerca de Todas as Acções Seguidas no Fôro Civil de Carlos Antonio Cordeiro e Oscar de Macedo Soares pela H. Garnier (1910)
>>> O Brasil na vidão do artista. O país e sua cultura de Frederico Morais pela Prêmio (2003)
>>> Um certo ponto de vista. Pietro Maria Bardi 100 anos de Emanoel Araújo. Curadoria pela Burti (2000)
>>> A riqueza de um vale. A richly endowed valley de Ricardo Martins pela Kongo (2011)
>>> Tomie Ohake de Ana Paula Cavalcanti Simioni pela Folha de S.Paulo (2013)
>>> Bez Batti. Esculturas de Instituto Moreira Salles pela Ims (2006)
>>> Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Yussef Said Cahali (Coordenador) pela Saraiva/ SP. (1984)
>>> O Problema da Língua Brasileira de Homero Senna (Entrev. c/ Prof. Souza da Silveira) pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ. (1953)
>>> A Trégua de Mario Benedetti pela Alfaguara (2007)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 1 de Divaldo Franco pela Intelitera (2010)
>>> Sonhos de J. J. Benitez pela Record (1995)
>>> Hora de Poesia de Ivan Luís Corrêa da Silva pela Modelo (2008)
>>> (In) Quietude Narrativas de Mim de Walkiria Helena pela Catalão em Prosa e Verso (2010)
>>> O Diário das Bruxas Parte I de F. A. F. Melo pela Catalão em Prosa e Verso (2008)
>>> Resgatando o Capital Humano de Roberto Boclin pela Folha Dirigida (2015)
>>> Personas Sexuais de Camille Paglia pela Companhia das Letras (1994)
>>> Uma Vida com Karol de Cardeal Stanislaw Dziwisz pela Objetiva (2007)
>>> Quem Me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> Saúde de Miramez João Nunes Maia pela Fonte Viva (2016)
>>> Ataque do Comando P. Q. Descobrindo os Clássicos de Moacyr Scliar pela Ática (2004)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 2 de Divaldo Franco pela Intelitera (2013)
>>> The Colour Of Memory de Geoff Dyer pela Canongate (2012)
>>> Dark Places de Gillian Flynn pela Phoenix (2009)
>>> O Livro que Ninguém Leu de Owen Gingerich pela Record (2008)
>>> Coisas que Todo Professor de Português Precisa Saber a Teoria na Prática de Luciano Amaral Oliveira pela Parábola (2010)
>>> Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos de Xoán Carlos Lagares Marcos Bagno pela Parábola (2011)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Barnes & Noble Classics (2003)
>>> Sense And Sensibility de Jane Austen pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> Muito Antes de 1500 de Epiága R. T. pela Madras (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/6/2006
O vilão é Magneto ou a invasão dos blockbusters?
Marcelo Miranda

+ de 10500 Acessos

1.
O período entre maio e agosto é complicado para o cinema no Brasil. É quando as mega-produções de Hollywood desembarcam com tudo no país. Quando digo "com tudo", é no sentido literal da palavra. São estréias megalômanas, bancadas pelos estúdios de produção com toda a grana de marketing que eles tenham à disposição. A invasão inclui cartazes, imensos outdoors, comerciais de TV e, claro, a infinidade de cópias em cartaz do filme em questão. Mais uma vez, infinidade no sentido literal. Ou num país com pouco menos de 2 mil salas de exibição, O Código Da Vinci entrar em mais de 500 delas não é infinidade?

Aliás, o leitor já foi ver O Código Da Vinci? Ainda não? Bom, se já foi, pode esticar em seguida e ver X-Men: O Confronto Final. E depois, ainda pegar uma sessão de Missão Impossível 3. Fora esses três, sobra muito pouco, quase nada, a ser assistido. Cada um destes vem ocupando aproximadamente 400 salas desde suas estréias, o que dá espaço apenas ao resto do resto. Aqui em Juiz de Fora (MG), por exemplo, temos nove salas. TODAS, sem exceção, estão exibindo um dos três filmes. O único que não faz parte da trinca divide espaço, e não é lá muito estimulante — no caso, a animação A Era do Gelo 2.

Em São Paulo, arriscaram lançamentos junto com os mutantes duas outras produções, estas de bem menor porte: o musical americano Rent — Os Boêmios, de Chris Columbus; e o belga ganhador da Palma de Ouro em Cannes no ano passado, A Criança, de Jean-Pierre e Luc Dardenne. O primeiro está em três salas da capital paulista; o segundo, em cinco; e X-Men: O Confronto Final, em quase 90 salas. Difícil competir. Filmes brasileiros? Ainda em São Paulo, seis seguem enfrentando as adversidades. Sempre em, no máximo, duas salas.

Há diversas questões que rondam essa invasão. Não depende apenas do exibidor dar a palavra sobre o que ele escolhe para estampar a fachada de seu cinema. Muito da "culpa" pelo excesso de blockbusters é mesmo dos estúdios e distribuidoras, dispostos a tudo para colocar seus produtos à disposição do máximo de gente possível. O exibidor, que basicamente é um prestador de serviço e depende do consumidor para sobreviver, não tem como negar um produto que venda três, até cinco vezes mais, que outro. Além disso, estúdios fazem acordos intimidantes que inibem a rotatividade nas salas de exibição.

Voltando aos casos recentes de O Código Da Vinci e X-Men: O Confronto Final, boa parte dos donos de redes de cinema (não tenho certeza se todos, mas é provável) só recebeu permissão da distribuidora de colocar tais filmes em cartaz se assinassem um termo que obriga uma permanência mínima da produção (em geral, um mês) numa única sala e com horários e quantidade de sessões igualmente determinados. Uma rede pequena, de duas ou três salas, vê-se numa situação sem saída: ou aceita os termos e entope seu espaço com os filmões, que, como formigas, sempre aparecem em grupinhos; ou recusa, coloca em cartaz algo "menor" e toma imenso prejuízo, já que o vizinho concorrente aceitou o "acordo" e está nadando nos imensos números de bilheteria.

X-Men
X-Men: O Confronto Final: em mais de 500 salas de cinema

Não dá pra deixar de lado o preço dos ingressos. Aqui em Juiz de Fora, a coisa ainda vai calma, mas já batendo nos limites suportados pela cidade: entradas a até R$ 11. Em São Paulo, já beira o dobro disso. É simplesmente inimaginável as redes de cinema pensarem que, com valores assim, irão sair do buraco. Quando se pensa nesses preços, fica complicado aceitar o argumento de que o brasileiro vai pouco ao cinema. Particularmente, creio que se o ingresso custasse menos (bem menos), as coisas seriam diferentes. Aliás, idéia boa tem o Carlão Reichenbach, que vive sugerindo que o governo baixe alguma medida para o ingresso de filmes brasileiros custar apenas R$ 1. "Na minha época, eu deixava de comprar cigarro para ir ao cinema, e o dinheiro dava", costuma comentar Carlão aos quatro cantos. Realmente, eu queria ver se as salas não iam lotar se cobrassem quantias irrisórias. O estouro de 2 Filhos de Francisco tem muito disso: foi um blockbuster brasileiro, com toda a publicidade e inserção que esse tipo de filme tem. E na hora de escolher onde investir, o espectador escolheu a produção brasileira. Conseqüentemente, diversas outras obras ficaram sem público, porque não há condições de se gastar valores tão astronômicos mais de uma ou duas vezes por semana, como seria o ideal para uma cinefilia saudável.

Sendo assim, na visão deste colunista, os maiores vilões do cinema atualmente são a invasão desenfreada das superproduções, que praticamente tiram a liberdade do público de escolher o que ver; e os preços abusivos do ingresso. É um círculo vicioso, porém: enquanto o espectador se dispuser a pagar R$ 20 para ver X-Men: O Confronto Final, mais e mais exemplos do tipo nos serão despejados, para que essa mesma massa os consuma. Que o diga Superman — O Retorno, próximo arrasa-quarteirão, a ser lançado em julho no Brasil. Segurem-se na poltrona para ver apenas e somente ele, o Homem de Aço, nas telas.

2.
Ir ao Cinema: Um Olhar sobre Filmes (Musa Editora, 2005, 185 páginas) reúne críticas, resenhas, perfis e ensaios do filósofo Humberto Pereira da Silva sobre os mais variados assuntos ligados ao cinema. Apesar de não ser sua área assumida de atuação nem foco maior de seus estudos, os comentários cinéfilos de Humberto surgem como os de um experiente crítico, com todo o conhecimento e sensibilidade exigidos para tal atividade. A maioria dos textos foi publicada na Revista de Cinema. E o que mais torna a leitura agradável é que, mesmo escritos para outra mídia, os artigos permanecem com grande força quando lidos em livro. Essa universalidade é o que mais garante o bom nível de leitura que é essa antologia de Humberto.

A organização segue duas linhas. "Crônicas" conta com textos sobre diversos títulos brasileiros em análises breves e sempre instigantes. O autor utiliza conhecimentos em Filosofia mesclados ao entendimento da linguagem cinematográfica para discorrer sobre os filmes comentados e inserir raciocínios que vão sendo desenvolvidos sem atropelos, chegando a uma conclusão final. São praticamente dissertações: introdução, desenvolvimento, conclusão. O que pode parece formulaico é um trunfo, já que Humberto chega a reconstituir a trajetória de alguns cineastas ou mesmo de algum movimento antes de entrar no filme em questão. Ou ainda analisar a própria linguagem, como na crítica a Memórias Póstumas, de André Klotzel, que adapta a narrativa de Machado de Assis. "Como grande parte da literatura é feita para instigar a imaginação, a dificuldade para uma adaptação para o cinema consiste em buscar um ajuste entre a imagem imaginada pelo leitor e a imagem que ele vê na tela", escreve, já em trecho avançado e ainda sem citar o filme. Quando fala de Lavoura Arcaica, há novamente pensamentos sobre adaptações.

Ao falar de Tudo Sobre Minha Mãe, de Almodóvar, há um interessante e divertido pensamento sobre a gravidade de se contar ou não o final de um filme. Em Beleza Americana, há crescente e coerente olhar sobre o conservadorismo do filme de Sam Mendes e seus artifícios para parecer "moderninho". E por aí vai, passando por superproduções como Gladiador a jóias como o italiano O Quarto do Filho.

Já em "Breves Ensaios", Humberto Pereira mergulha na vida e carreira de cinco grandes cineastas — os ingleses Alfred Hitchcock e Peter Greenaway, o russo Andrei Tarkovski, o americano Elia Kazan e o francês Jean Renoir — e discorre de temas mais amplos e menos definitivos, como a relação entre personagens solitários no mexicano Amores Brutos e no japonês Brother e a ligação do cinema com a filosofia nos filmes de Tarkovski e do sueco Ingmar Bergman. Como diz o próprio autor na apresentação, são escritos "sem pretensão de estabelecer um ponto final". E pretensão, no sentido negativo da palavra, Humberto Pereira da Silva definitivamente não tem. Compartilhar de seu olhar sobre filmes é diversão e provocação das mais agradáveis.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 5/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
03. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUSCLE INFORM Nº 56
VÁRIOS AUTORES
MUSCLE INFORM
R$ 5,00



ROBIN HOOD - COLECAO REENCONTRO LITERATURA
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(2013)
R$ 39,00



ALIENAÇÃO E CAPITALISMO
LAYMERT G. DOS SANTOS
BRASILIENSE (SP)
(1982)
R$ 30,28



VINGT MILLE LIEUES SOUS LES MERS - TEXTES EN FRANÇAIS FACILE
JULES VERNE
HACHETTE (PARIS)
(1971)
R$ 14,28



TERMELETRICIDADE - GERAÇÃO DIRETA
HENRIQUE ALENCAR UND CICERO SOUTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



PROCESSO CIVIL - RECURSOS
GILSON DELGADO MIRANDA E PATRICIA MIRANDA PIZZOL
ATLAS
(2001)
R$ 10,00



DISCURSO SOBRE O MÉTODO
RENÉ DESCARTES
HEMUS
(1978)
R$ 6,00



MENINOS EM GUERRA
JERRY PIASECKI
ATICA
(2011)
R$ 16,00



COLEÇÃO OBJETIVO TRIGONOMETRIA E GEOMETRIA PLANA LIVRO 24
JORGE KRIKORIAN / MAURO GRESPAN
CERED
R$ 8,00



PERCEPÇÕES DE SUSTENTABILIDADE EM INDÚSTRIAS DE CALÇADOS GRANDE PORTE
ALESSANDRO CARLONI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês