O dia dos namorados e os clichês | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/6/2006
O dia dos namorados e os clichês
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4000 Acessos

flor
Ilustração by Tartaruga Feliz

No dia dos namorados, a venda de flores aumenta muito em relação a um dia normal. É um belo clichê chegar em casa ou no restaurante com um monte de rosas embaixo do braço. Vejam só: segundo o site Clientesa.com.br, as flores respondem apenas por 4% das intenções de presente do consumidor de 2006. Do outro lado da moeda, só 4% das pessoas ficarão felizes ao ganhar flores. Não é engraçado? Vamos torcer para que esses 4% se encontrem!

Lembro-me até hoje da primeira vez em que recebi um buquê de rosas. Foi quando fiz 15 anos e o namorado fez o que todo namorado fazia: dava flores e um belo anel. O primeiro dos presentes já morreu murcho e desidratado faz tempo. O segundo está guardado em algum lugar. Nem me cabe mais nos dedos.

Devo contar em uma mão espalmada as vezes que ganhei flores na vida. Não sou lá moça com cara de que goste, embora isso possa ser um ledo engano. No lugar do clássico buquê, já ganhei bonsai e pelúcia. O bonsai morreu logo, já que cuidar daquilo me parecia tarefa que se dá a quem está de castigo. As pelúcias estão todas guardadas. Almofadas que têm braços, ursos de todas as cores, celhos e cachorros. Uma joaninha macia e um Garfield pequeno. Tudo sobrevive, embora nem sempre com limpeza.

As flores de plástico são mais práticas, mas parecem mesmo artificiais. As flores de verdade morrem, o que deixa uma lástima escondida no olhar assim que a gente ganha o presente. Não me lembro é se já dei flores a um homem. Não conheci muitos que pudessem recebê-las com delicadeza, mas alguns amigos compreenderiam o presente numa boa. Outros, toscos como os pés da mesa, teriam medo de se enbichar para sempre só porque ganharam rosas cor-de-rosa.

Desde pequena escuto falar sobre os códigos secretos das cores das plantas. Vermelhas significam paixão; rosas querem dizer amor; amarelas são sinal de amizade; brancas são para a paz. Acho que daquelas que recebi, 75% eram vermelhas. Talvez isso retrate minhas relações-relâmpago.

Durante longos meses, tive raivas imensas de receber flores. Um oneroso namorado vivia às turras comigo e sempre tentava me comprar, levando embaixo das axilas um buquê de rosas belíssimas. Mas não me amolecia com aquele papo mole. Fui ficando com raiva das flores até o dia em que as joguei, inteirinhas, no lixo do corredor da empresa em que eu trabalhava. Acodiram logo todas as secretárias para dizer que era uma pena, um desperdício, coitado do bofe, que nessas horas os homens sempre são santos.

Minha atitude não podia ser exatamente considerada um impulso nervoso. Jogar fora as rosas era mesmo parte do meu retorno ao expediente. O problema era que aquelas plantas arrancadas do pé não me diziam mesmo nada.

E, diga-se a verdade, o que mais importa não são as plantas, que essas o tempo se encarregará de secar, mas o cartão. Quem não corre ávido a ler o pequeno cartão? Por vezes meia-dúzia de palavras amigas. Outras tantas, devastadoras declarações de amor. Picantes, vez em quando. Os cartões, sim, ficam guardados no baú de memórias cristalizadas.

Nem todo dia dos namorados deixa as pessoas animadas. As filas nos restaurantes, nos motéis, nos salões de beleza. Quando você sai vem logo um farol do carro que entra bater na sua cara. O garçom quer que você coma logo e dê o lugar a um novo casal, ainda com a nuca molhada de espuma ruim. Nos salões, as moças se esforçam por atender aos pedidos curiosos dos parceiros presenteados. Dados sacanas, calcinhas exóticas, livros didáticos para a arte de amar. Até os sex shops fazem plantão.

Mas que não se duvide: um clichê bem aplicado terá sempre seu valor.

Nota do Editor
Leia também "Entre São Valentim e os Lupercais"


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 21/6/2006

Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês