Porque crescer não é fácil | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/11/2005
Porque crescer não é fácil
Guilherme Conte

+ de 4600 Acessos

Gustavo Machado, Silvia Lourenço e Paulo Vilhena (Foto/ Divulgação)

A juventude é um tema constante nas letras. Seja como forma de se auto-examinar e/ou de exorcizar fantasmas, seja de uma ótica externa, mais analítica. A literatura é cheia de ótimos "romances de formação", sempre inquietantes. O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger, talvez seja o mais célebre. Nos últimos tempos, um que causou bastante barulho foi Norwegian Wood, de Haruki Murakami, retrato contundente do Japão nos anos 1960/ 70.

No teatro o panorama não é diferente. Vira e mexe aparece alguma peça sobre a adolescência e a passagem para a vida adulta. Muita porcaria, diga-se de passagem: há peças claramente escritas para o próprio autor resolver alguma questão sem pagar um analista. Não é nem de longe o caso da ótima Essa nossa juventude, de Kenneth Lonergan. Dirigida por Laís Bodanzky, com Gustavo Machado, Paulo Vilhena e Silvia Lourenço, ela segue em cartaz no Teatro SESC Anchieta até o dia 18 de dezembro.

"Uma peça adulta para jovens." Assim definiu a atriz Maria Luisa Mendonça, que produziu a montagem assinou a tradução, dividindo ambas as tarefas com Christiane Riera. E é exatamente isso. Um recorte de 48 horas na vida de três jovens - Dennis (Machado), Warren (Vilhena) e Jessica (Lourenço) - em plena Nova York nos idos de 1982. Num universo de drogas, álcool e rock'n'roll, eles são atropelados pela dureza da vida em meio a sua busca frenética por dinheiro e prestígio. O lado b do american way of life.

Nenhum acontecimento espetacular toma corpo nestes dois dias. O território é o apartamento de Dennis. Jovens brigando com os pais ou namoradas, buscando drogas, procurando algum tipo de curtição para espantar o tédio. Mas algo de significativo acontece sim na vida daquelas pessoas. "É um rito de passagem, uma sofrida tomada de consciência. Um clique sutil", aponta a diretora Laís Bodanzky. "Ali eles se percebem sozinhos e sacam que vão ter que enfrentar o mundo." A sensação de que a farra acabou.

O texto tem nesse ponto o mérito de não cair no moralismo ou na doutrinação. Lonergan não trata seus jovens como idiotas, nem sequer ensaia nenhum tipo de julgamento. Os personagens não terminam a peça saindo em busca de emprego, mulher e filhos. Não saem simples pagadores de impostos que não estacionam o carro em lugar proibido. Os caminhos ficam abertos - é só a ficha que caiu. "É uma reflexão importante. A vida pode acabar. Quê que eu fiz até agora?", continua Laís.

Montagem prima pelo naturalismo (Foto / Divulgação)

A aparente vacuidade daquelas existências gradativamente dá lugar a uma angústia que ressoa em todos nós. Crescer é muito difícil. Cair em si e se perceber sozinho dói. A platéia vai do riso fácil ao constrangido nó na garganta. A passagem é sutil. Sem grandes eventos, definitivamente alguma coisa aconteceu ali. Em todos nós.

Kenneth Lonergan nasceu em Nova York em 1963. Está sempre pulando o muro entre o teatro e o cinema, se dando bem e ganhando prêmios nos dois lados. Ele é mais conhecido por aqui pela telona: são dele os roteiros de Gangues de Nova York, de Martin Scorsese, e Máfia no Divã, de Harold Ramis. Além disso, ele assinou e dirigiu o longa Conte Comigo. Essa nossa juventude estreou em Nova York em 1996, foi remontada em 1998 e em 2001 foi parar no West End, em Londres, meca da dramaturgia contemporânea.

Esse diálogo entre o teatro e o cinema, muito presente na forma de estruturação do texto, é ponto fundamental na montagem. Não foi à toa a escolha de Laís Bodanzky para a direção. Embora com origens nos palcos - estudou atuação e direção com Antunes Filho no CPT - Laís estourou com o filme Bicho de Sete Cabeças, uma porrada bem dada nas clínicas psiquiátricas e em todo o pensamento sobre drogas na sociedade. Essa nossa juventude é sua estréia na direção teatral.

A levada da peça é cinematográfica. "Enquanto ensaiávamos, eu olhava para os atores e via cenas, via o enquadramento da câmera", conta. Doce e sorridente, é rigorosíssima na direção. Seu pulso forte buscou o naturalismo nas cenas, o que tornou as atuações extremamente verossímeis e construiu uma sólida ponte na comunicação com o público. "Quis buscar marcas imperceptíveis, como se estivesse no set, buscando a vida como ela é. Só ia tocar música se um dos personagens fosse até o toca-discos e ligasse a música."

Este diálogo é sempre arriscado. Teatro é teatro e cinema é cinema. Essa conversa pode ser uma simples muleta de um encenador inseguro. Mas a competência de Laís, sua sólida formação teatral e seu olhar sensível não deixam que isso aconteça. Essa nossa juventude é uma peça, não finge ser um filme.

Uma sutil tomada de consciência (Foto / Diuvlgação)

O resultado é ótimo. A grande atuação fica a cargo de Gustavo Machado. Ele é o dono do palco, um verdadeiro trator. Impressiona pela naturalidade e pela transição de estados emocionais. Ora manipulador, opressivo, ora um jovem sozinho, com medo do que vem pela frente, apavorado com a morte. Segurança de atuação e maturidade raras.

Seus colegas não fazem feio. Silvia Lourenço emociona como a garota que quer entrar para turma. Uma "pseudo-descolada", segundo a atriz. É um vai-e-vém entre reações explosivas e uma candura afetuosa. Sua entrada é ótima, cria uma empatia imediata. Já Paulo Vilhena destoa um pouco dos outros dois, embora tenha momentos bons. Ele ainda está entrando no teatro; falta-lhe o traquejo, aquele andar espontâneo pelo palco.

Destaque para o belíssimo cenário de Cássio Amarante e Marcelo Larrea. Nos sentimos de fato dentro do apartamento de Dennis. O figurino de Verônica Julian é convincente e a iluminação de Alessandra Domingues inteligente, também pautada pelo naturalismo. Tudo soa e aparece verdadeiro.

A tradução de Maria Luisa Mendonça e Christiane Riera é excelente. "O texto guarda muitas coloquialidades precisas", apontou Gustavo. "Aparentemente é um blablablá sem fim, mas é dificílimo." Elas contaram com a colaboração de Bráulio Mantovani, roteirista do Bicho, que "sujou" o texto. "Ele botou uns 'caralho!' e uns 'merda' ali no meio, que aproximaram o texto da realidade", sorri Maria Luisa.

Um texto muito bom em uma feliz montagem. É difícil não se identificar ali. Um retrato fiel de uma juventude enfrentando um momento-chave. Emocionante.

Para ir além

Essa nossa juventude - Teatro SESC Anchieta - R. Dr. Vila Nova, 245 - Vila Buarque - (11) 3256-3381 - Quinta à sábado, 21h; domingo, 20h - R$ 10,00 (quinta) e R$ 20,00 (demais dias) - Até 18/12.

Notas

* Uma montagem para agradar os puristas. Se você acha que o que falei aí em cima é bobagem e que para se fazer teatro só o ator é necessário, vá assistir a ótima Daqui a duzentos anos, do Ateliê de Criação Teatral (ACT), de Curitiba, baseada em contos do russo Anton Tchekhov. A direção e a dramaturgia são de Márcio de Abreu (da corajosa Cia. Brasileira de Teatro), e no elenco estão Luís Melo, André Coelho e Janja, com participação de Edith de Camargo. Uma das peças mais festejadas do FIT em São José do Rio Preto, reúne só os atores e algumas cadeiras. O protagonista é a palavra. Seu ofício, a arte de contar histórias. Destaque para o brilhante desempenho de Luís Melo, que apaga os outros dois (embora André seja uma promessa). Preste atenção na beleza das narrativas e na atualidade de Tchekhov. Sábados e domingos, 19h, no Galpão 1 do SESC Belenzinho (R. Álvaro Ramos, 915 / Belenzinho / (11) 6602-3700). R$ 15,00. Até 11/12.

* Olha ele aí de novo: Gerald Thomas reestréia em São Paulo sua falada Um circo de rins e fígados. Poucos dramaturgos dividem tanto as opiniões como Thomas. O time dos que amam e o time dos que odeiam são veementes em suas defesas e costumam aborrecer todos os que tiveram o azar de estar no bar quando o assunto foi levantado. Poucos são indiferentes. Como a maioria dos autores profícuos, Thomas tem coisas boas e ruins. Um circo de rins e fígados é razoável. Marco Nanini, encarnando um homem chamado Marco Nanini, recebe caixas misteriosas de um tal de João Paradeiro, contendo "documentos secretos". A partir daí uma série de acontecimentos se desenrola em ritmo alucinante. O texto, embora inteligente e com algumas boas sacadas, cansa e chega a esbarrar na chatice. E por que ver, então? Pela abissal atuação de Marco Nanini, o maior ator de teatro deste país. Ele faz miséria. Sextas e sábados, 21h; domingos, 19h, no SESC Vila Mariana (R. Pelotas, 141, Vila Mariana / (11) 5080-3000). R$ 30,00. Até 11/12.

* Às vezes chatos, às vezes interessantíssimos, diários são sempre documentos históricos importantes. Primando por serem indevassáveis, são registros íntimos escritos no calor dos acontecimentos. Não só para quem se interessa por teatro, mas pela história do século XX, recomendo o Diário de Trabalho, de Bertolt Brecht, lançado (em três volumes) pela Editora Rocco. Franco e minucioso, constrói o retrato de uma época. Destaque para o segundo volume, que cobre o período de seu auto-exílio nos Estados Unidos, entre 1941 e 1947. Para se ter uma idéia, ele conta sobre seu convívio com gente do calibre de Kurt Weil, Theodor Adorno, Charles Chaplin, Jean Renoir e Orson Welles. Fala sobre a criação da peça O círculo de giz caucasiano. Discute Rilke, Gide e Goethe. Detalhe interessante: está registrado ali o suicídio de Walter Benjamin. Uma ótima maneira de mergulhar no universo deste dramaturgo que mudou os rumos do teatro.


Guilherme Conte
São Paulo, 16/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A difícil arte de viver em sociedade de Luis Eduardo Matta
02. Promessas de Bruno Garschagen


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. Rindo de nossa própria miséria - 21/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS DE UM ESCRITOR SOLITÁRIO
SAM SAVAGE
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 34,00



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 25,00



A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA ALMA
ALEXIS RIAUD
QUADRANTE
(1998)
R$ 20,00



COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS/ DE BOLSO
VICTOR CIVITA
NOVA CULTURA
(2005)
R$ 8,57



TRANSFORMANDO GRAMA EM OURO
JULIO CASARES
GENTE
(2014)
R$ 15,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 13,00



EMERGÊNCIAS CLÍNICAS ABORDAGEM PRÁTICA - 9456
HERLON SARAIVA MARTINS E OUTROS
MANOLE
(2006)
R$ 12,00



ESTAÇÃO DAS CLINICAS
IACYR ANDERSON FREITAS
ESCRITURAS
(2016)
R$ 25,04



O AMOR CHEGOU
MARISA DE LOS SANTOS
RECORD
(2008)
R$ 10,00



O MUNDO É PLANO
SERGIO DUARTE; BRUNO CASOTTI; CRISTINA CAVALCANTI
OBJETIVA
(2009)
R$ 6,00





busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês