Um repórter a mil calorias por dia* | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Lady gaga de Brandon hurst pela Madras (2010)
>>> Orientaçoes curriculares para o ensino medio--1--linguagens,codigos e tecnologias. de Mec pela Mec
>>> Vida silvestre:o estreito limiar entre preservaçao e destruiçao. de Coordenadora angela maria branco pela Dupligrafica (2007)
>>> Grandes imperios e civilizaçoes--frança--volumes:1 e 2. de Delprado pela Delprado
>>> Cerrado e pantanal--areas e açoes prioritarias para conservaçao da biodiversidade. de Ministerio do meio ambiente pela Mma (2007)
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/9/2001
Um repórter a mil calorias por dia*
Paulo Polzonoff Jr

+ de 6300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

O sonho de nove em cada dez pessoas que têm um ou dois quilinhos além do "peso ideal" é freqüentar um spa por uma semana e voltar à rotina em plena forma, para ser admirado por todos, em casa e no escritório. A rigor, um spa é um lugar idealizado como um pequeno paraíso terrestre, onde a gordura é barrada por vigilantes arcanjos da balança. As paisagens bucólicas destes lugares são um convite à perda de lipídios. Vaquinhas plácidas e um horizonte marcado por colinas pontuadas por araucárias compõem o visual de relaxamento, que na verdade esconde um ritual espartano.

Pelo menos é assim na Clínica Lapinha, um spa que fica na região metropolitana de Curitiba e que é freqüentado sobretudo por paulistas com ou sem nomes conhecidos, mas com bastante dinheiro no bolso. Gente como Bóris Casoy e Marta Suplicy já passaram pelos aconchegantes quartos da Lapinha, a fim de se tornarem "pessoas diferentes", como reza o discurso decorado deste tipo de lugar. Estive neste templo da "vida saudável", da "qualidade de vida", e o que pude constatar está descrito no texto que se segue.

1. Os personagens

Ninguém vai para um spa obrigado. A maioria que ali está o fez por vontade própria, por se olhar no espelho e não gostar do próprio corpo. Ou por recomendação médica diante do perigo de infarto iminente. Isto explica porque ninguém reclama das dietas rígidas e dos horários que muitas vezes lembram os de um quartel. Só a disciplina levará à glória, como diria um destes livros de auto-ajuda ou manuais da Escola Superior de Guerra. Os freqüentadores de spa são, em geral, executivos ou senhoras que querem se livrar do estresse acumulado pela labuta diária. As conversas giram em torno de assuntos importantes, como o Rolex que se vendeu por um preço abaixo do esperado, e por uma ou outra piadinha acerca de um virtual Big Mac.

Nenhuma censura quanto a isso, claro. A dádiva do dinheiro foi feita para ser gasta do modo que se quiser. Cabe-nos, aqui, apenas um relato breve do que são alguns dias neste antro do bem-viver, ao lado de tão interessantes personagens, no cenário campestre da cidade da Lapa.

2. Chegada

O atendimento é de primeira. Sou recepcionado por um belo sorriso em uma boca fina, que me indica o quarto e rapidamente oferece-se para me acordar amanhã às 6 horas, ao que concordo imediatamente, sem nem termos tempo para pensar. Ela explica o funcionamento do spa, sem muito entusiasmo mas também sem o tédio que é característico nos atendentes de hotel. Os hóspedes dormem cedo, às 21h30. Nenhum barulho é permitido depois deste horário. Nada mal para as pessoas que, na vida agitada das cidades, estão acostumadas a dormirem depois da meia-noite. Meio abobalhado, pergunto se posso usar o celular. Ela diz que sim e só então descubro que o aparelho está fora da área de serviço.

3. Madrugueiro

O método de acordar os hóspedes é simples mas eficaz: batidas na porta e o anúncio "Bom dia, são 6 horas". É hora de levantar para a caminhada, mas, como descobri mais tarde (tarde demais) só levanta a este horário quem quer. Quanto chego ao lobby, percebo que todos ali querem sentir o frescor do nascer do dia. São comuns entre os hóspedes lugares-comuns como estes, que exaltam os valores do campo. Como a maioria dos que ali estão mora em São Paulo (apesar de ficar a cerca de 100 quilômetros de Curitiba, a maior parte da clientela do spa da Lapinha é de paulistanos), não é difícil imaginar por quê. A injeção de oxigênio com baixo teor de poluição parece evocar nas pessoas uma genuína vocação para as atividades campestres. Todos alongam (alguns desajeitadamente) e vamos andar.

4. Cifras

Começamos a andar. Eu me junto a uma turma de executivos de São Paulo. Um deles é empresário do setor têxtil. O outro é um alto funcionário do governo de São Paulo. Chamemo-los de Horácio e Augusto. São amigos. Horácio está no spa apenas para descansar. Já Augusto está ali por recomendação médica. Ambos aderiram à Semana do Executivo, com uma série de palestras e atividades voltadas para este público específico. Mesmo andando numa estrada de chão, cercados por plantação de cevada, vacas ruminando o tempo e insistentes sabiás, mesmo assim falam de negócios. Perguntam-me coisas a respeito da política no Paraná; falam do "apagão", do quanto gastaram para diminuir seus respectivos consumos; e cifras, muitas cifras. Os homens só pensam em cifras.

Hora de dar meia-volta. Aproximo-me de uma mulher, Alzira, assessora de imprensa. E eu, para o meu desespero - e, acho, o dela - apresento-me como jornalista também. E então fico sabendo que ela trabalha assim e assado, que gosta de São Paulo, que acha que eu deveria ir para lá para alavancar minha carreira. Concordo com ela plenamente. Já estamos quase chegando ao spa novamente quando penso se devo ou não perguntar se ela está ali para perder peso ou somente para descansar. A silhueta dela, muito bem esculpida, dispensa minha pergunta.

5. Desjejum

Não se trata de preciosismo usar o termo desjejum ao invés de café-da-manhã para o que nos foi servido neste meu primeiro dia no spa. Depois de levantar às seis da manhã e andar uns cinco ou mais quilômetros, era de se esperar que estivesse faminto. Cafés-da-manhã de hotéis são famosos pela fartura. E é isso que imagino.

Engano-me, obviamente. O café-da-manhã é algo desalentador. Em pensar que aquilo de que disponho tem de durar até o meio-dia. Um prato com cerca de 150 gramas de granola com frutas, um copo de iogurte natural, duas exíguas fatias de pão preto, um naquinho de queijo (ricota?) e três opções de bebidas: chá de camomila, chá de alguma outra erva e leite. Como com avidez a granola e as fatias de pão, que besunto com o máximo de mel que consigo. Bebo o leite e imediatamente me sinto culpado, porque descubro que, se esta é a refeição farta, o que é, então, a refeição SS.

Explico: os hóspedes mais afoitos em perder peso denominam de SS a dieta de 420 calorias, que promete um resultado rápido de desintoxicação e, claro, o que interessa: perda de peso. SS quer dizer suco & sopa. É só disso que se alimentam os mais corajosos. Maria Helena, uma discreta e alegre gordinha sentada ao meu lado, diz que o nome verdadeiro da dieta é SSS (suco, sopa e sobras). É que são poucos os que conseguem sobreviver com tão pouco; logo, pegam um pouquinho de cada coisa que os demais hóspedes deixam na mesa.

Claro que isso é proibido.

6. Hidroginástica

Depois de caminhar, tomar um café da manhã mínimo e colocar o calção de banho, entro na piscina para a sessão de hidroginástica. Uma hora exaustiva de movimentos dispensáveis dentro d'água, ao som de bossa-nova (João Gilberto, para ser mais exato). Todos riem. Como são felizes as pessoas na hidroginástica. A sessão dura uma longa hora e termina às 10h30. Só consigo pensar uma coisa: falta uma hora e meia para o almoço.

7. O almoço

Durante a hora e meia que antecedeu o almoço, tirei sangue para exames e me submeti a exames médicos que me permitiam massagens pelo corpo todo. Só conseguia, contudo, pensar em almoço, almoço, almoço. Foi neste clima que conheci um senhor que me falou das maravilhas que era o almoço do spa para quem não estava lá para fazer dieta, o meu caso.

O almoço é anunciado a todos por um gongo. Os famintos correm, sem muita dissimulação, para o refeitório. Cada um tem sua própria mesa e a minha é a de número 12. Quando me aproximo dela, vejo meu prato: verde, verde, verde e mais verde. Com um pouquinho de caroteno, digo, cenoura, por cima.

É a tão temível salada.

Que vem acompanhada de uma porção escassa de arroz integral (acho que sem sal), almôndegas (de soja?) e vagens cozidas. O pior é que isso tem de durar até o jantar.

8. A tarde

Com fome e cansado, o negócio é tentar ler. Só que a fome não deixa que eu me concentre. Então eu durmo até as 5 horas, quando desço ao lobby para investigar a vida das pessoas que freqüentam um spa. Há um grupo lendo numa espécie de jardim de inverno. Um lê Noites Tropicais, de Nelson Motta. Outro um livro do Moacyr Scliar, que reconheci pela capa. É quando começam a conversar, alheios a minha presença. Eu me escondo atrás de um grosso volume de Fernando Sabino. Reproduzo aqui alguns trechos da conversa:

- Vendi bem o meu Rolex. Ele valia $3,300 e eu vendi por $2,500.

- Mas fez mau negócio no lustre.

- É. O lustre valia $5 mil e eu vendi pela metade.

- Achei melhor pensar no jantar, que prometia.

9. O jantar

O jantar consistia em uma rala sopa verde.

10. A noite

Depois de me "fartar" da sopa verde, fui para o quarto. Não havia muito o que fazer se não rezar para que a noite passasse rápida e o café da manhã chegasse mais rápido ainda. Rezar para que a caminhada fosse rápida e indolor (a bolha no pé agradeceria).

A noite, entretanto, mostrou-se dolorosa para quem, como eu, está acostumado a um jantar reforçado e um lanchinho lá pelas 2 horas da madrugada. Dor-de-cabeça, fome, fome, mais fome e pensamentos obscenos envolvendo uma xícara de café. Este foi meu pesadelo. A hora não passava. Foi quando finalmente escutei as batidas na porta me chamando para a caminhada. Ah, as doces (com o perdão do pecado capital) batidas na porta me chamando para a caminhada. Tomei um banho rápido e saí correndo. Logo eu era mais um entusiasmado.

11. O entusiasmo

O entusiasmo tem uma explicação plausível. Não era fruto de alucinação causada pela fome. É que, no dia anterior, fiquei sabendo de um estratagema comum entre os hóspedes do spa: esticar a caminhada até um lugar onde tenha uma mísera xícara de café à venda.

Não achei tal lugar. O café ficaria para o dia seguinte, quando voltaria para Curitiba, para a rotina normal de, segundo um dos médicos do local, "destruição do meu aparelho digestivo", que ele considera "tão importante quanto o neurológico".

12. Momentos finais

Os momentos finais no spa foram os melhores. Porque finais. As recepcionistas continuaram a me tratar muito bem - não posso reclamar do atendimento. No refeitório fui convidado a participar de uma consulta-palestra sobre plano de carreira. Lembrem-se de que era a semana do executivo. Não fui à palestra. Eu queria mesmo era um Big Mac.

Antes, porém, participei de mais um "evento": a famosa massagem subaquática. Trata-se de entrar numa banheira de aço inoxidável, com água quente, apoiar a cabeça numa tira de couro, de preferência fechar os olhos e ter seu corpo massageado por um jato d'água conduzido por uma profissional. É deveras relaxante.

13. Histeria da desintoxicação

O que se percebe nas pessoas que freqüentam o spa da Lapinha (e, creio, outros spas) é o que chamo de "histeria da desintoxicação". Vítimas da vida moderna, eles sentem verdadeira compulsão em relaxarem, em pensarem que seus corpos estão livres das toxinas do dia-a-dia, em ao menos acharem que estão mais saudáveis, mais jovens durante aquela semana que passam no spa. É um sentimento muitas vezes difuso, que pode ser melhor visualizado na cena a seguir.

Eu estava esperando para fazer a tal massagem subaquática quando sou interpelado por um senhor de seus 50 anos. Tem a barba por fazer e olheiras fundas. É de São Paulo. Sentado, ele esfrega os pés em pequenos rolinhos que, segundo ele, ajudam a relaxar e a desintoxicar (?), porque atingem os pontos certos na planta do pé. Qualquer coisa que se diga que faz bem, é aceita sem a menor discussão. Mistura-se massagem com exercícios aeróbicos com medicina oriental com orientação cristã. O senhor ao meu lado começa, depois de me explicar o funcionamento dos rolinhos de madeira, a cantar a ladainha da desintoxicação no spa.

Não é sem certa tristeza que olho para ele e penso que, em uns poucos dias, aquele senhor estará novamente no ar poluído de São Paulo, trabalhando 14 horas por dia e comendo em cinco minutos um suspeito cheese-salada na lanchonete da esquina. Nada disso importa para ele, contudo, se durante aquela semana ele vive uma vida condizente com as manchetes das páginas de saúde dos jornais, que proclamam os benefícios de tal e tal alimento, de tal e tal hábito.

E se durante aquela semana, somente aquela semana, ele alimente (sem trocadilho) a esperança de que o câncer não venha antes da hora.

* Vale aqui uma grande ressalva. Este texto não se pretende a plágio do livro O Diário de um Magro, de Mário Prata, que relatou sua experiência num spa em São Paulo, há alguns anos. Até porque Prata esteve, ao que eu saiba, no spa para uma desintoxicação alcoólica, enquanto eu fui a convite do próprio spa da Lapinha.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 5/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. Esquerda x Direita de Marta Barcellos
04. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
05. O Direito mediocrizado de Celso A. Uequed Pitol


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2002
23h30min
Gostaria de ssaber quais os benefícios da granola, bem como seu valor nutrivo. Como age no organismo????
[Leia outros Comentários de Sylvania Morais]
31/1/2002
09h17min
Não sou especialista neste assunto. Dependendo do tipo, a granola até que é gostosinha, comparada com outros cereais do gênero. Dizem, ainda, que faz bem para o intestino, o que não posso comprovar porque o meu sempre funcionou bem. Quanto ao valor nutritivo, fontes especializadas (mulheres) dizem que engorda pra caramba.
[Leia outros Comentários de Paulo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECORAÇÃO DE JANELAS AS MAIS CRIATIVAS IDEIAS E SOLUÇOES PARA DECORAR JANELAS -ARQUITETURA
ADRIANA DIAS E OUTROS
DECOR
(2005)
R$ 40,00



RADIANTE
ALYSON NOËL; FLAVIA SOUTO MAIOR
INTRINSECA
(2011)
R$ 5,00



CASAS-ABRIGO: NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO - 1ª EDIÇÃO
LOURDES DE MARIA LEITÃO NUNES ROCHA
VERAS
(2007)
R$ 58,95



CINCO MINUTOS / A VIUVINHA
JOSÉ DE ALENCAR
ÁTICA
(2001)
R$ 15,00



O SUPLÍCIO DO PAPAI NOEL
CLAUDE LÉVI STRAUSS; DENISE BOTTMANN
COSAC & NAIFY
(2008)
R$ 30,00



A FILHINHA DE JAIRO
ENID BLYTON
MUNDO CRISTÃO
(1996)
R$ 10,00



EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A LÓGICA DAS COMPETÊNCIAS
FERNANDO FIDALGO/ MARIA AUXILIADORA/ NARA LUCIENE
VOZES
(2007)
R$ 18,00



MAX PERKINS - UM EDITOR DE GÊNIOS
A. SCOTT BERG
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 39,99



O TEAR DAS ILUSÕES - AUTOGRAFADO
OSEAS ARAÚJO
POESIA
(1994)
R$ 15,00



PLANTE NO SÍTIO (FRUTAS, RAÍZES, HORTALIÇAS E FLORES)
ROSANA MAMANI
TRÊS
(1987)
R$ 12,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês