A crise da mulé | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/9/2001
A crise da mulé
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Daniela Mountain

Se você achou que o termo usado no título deste texto é ofensivo, melhor parar por aqui. Usei-o justamente com o propósito de afastar as mais exaltadinhas. Isto porque o texto a seguir contém alto teor de sexismo, se bem que nem contra nem a favor das mulheres. É o sexismo natural que o assunto evoca. O que pretendo - e volto a salientar isso mais tarde - é apontar para uma crise pela qual passam as mulheres de hoje em dia.

É ilusório achar que as mulheres estão por cima neste começo de século, como apregoam os manuais do neo-feminismo. As mulheres passam por uma crise semelhante à do homem, hoje despido de seu papel de macho provedor e confinado a um não-sei-que-função na sociedade do futuro, com suas promessas de clones, filhos perfeitos e vibradores de última geração. É uma crise que tem sua geração justamente na falsa liberdade de que dispõem as mulheres hoje em dia, graças aos movimentos revolucionários da década de 70. Filhas ou mesmo netas destes movimentos, as mulheres de hoje estão divididas entre seguir o comportamento liberal que lhes foi outorgado por herança recente ou dar uma guinada de volta às origens, ou seja, ao lar.

Pode parecer uma coisa machista dizer isso, mas não é. Nem uma nem outra decisão das mulheres aqui é julgada. Todas são, à priori, erradas, uma vez que geram crises. Ademais, num texto como este trata-se sempre de exemplos extremos, não cabendo aqui as várias nuances do tão sutil - e admirável - comportamento feminino. Aliás, vale aqui uma nota: este texto foi baseado num conhecimento empírico, numa exaustiva pesquisa realizada nos últimos dois anos e só agora devidamente tabulada.

Se não, vejamos. O primeiro objeto de pesquisa foi também o mais interessante. O espécime A era bela em seus 1,70 de altura muito bem distribuídos. Uma boca interessante foi o que, àquela época, mais me chamou a atenção. Além de, claro, aqueles olhos oblíquos de Capitu. Pois bem, A se dizia uma mulher liberal. Não era virgem desde os 14 anos - e se orgulhava disso. Apregoava a todas as mulheres de seu vasto círculo de influência os benefícios do esperma na pele. Seu discurso, contudo, no relacionamento, era outro; queria amor e carinho em suas formas mais piegas. Adorava um poeminha de amor, daqueles que rimam com dor. Este era seu lado preponderante, ainda que ela insistisse nas traições para afirmar o quanto podia se igualar aos homens.

Neste ponto interrompo o relato para reproduzir uma observação de um sábio amigo meu, que diz que o grande problema do feminismo é que ele só tende a copiar as coisas ruins que o homem fez ou faz. Entre estas coisas, a promiscuidade. (E-mails para este colunista não devem conter insultos.)

Voltando a A, clássica mulher em crise. Hoje, está namorando firme um homem que lhe dá poemas de amor (dor, dor, dor), que lhe dá sexo e, ao que me conta no telefone, como um homem que se vangloria da transa da noite passada, não liga a mínima para seus relacionamentos esporádicos com homens (e mulheres) anônimos pela cidade.

Claro que a minha constatação de que a mulher está numa crise tão grave quanto a do homem não pode vir de uma só mulher, com quem tive um relacionamento intenso, porém passageiro. Como contraprova temos C, que inexplicavelmente, neste texto, vem antes do B. C era um espécime mais baixo, com cerca de 1,50, e magérrima, ainda que tivesse as curvas bem demarcadas. Era um pocinho de hormônios prestes a explodir. Na minha mão, eu bem queria. C, contudo, tinha sérios problemas. Educada rigidamente, ao contrário de A, C reagia refratariamente ao sexo. Ainda que o desejasse alucinadamente, era fiel às tradições da família. Eu disse fiel? Minto. C tampouco era virgem. Tivera um relacionamento, apenas um, que lhe proporcionara o velho e ruim sexo doído que o segundo ou terceiro ou quarto namorados têm de curar. Apesar deste deslize (sic) causado pelo poço de hormônios, C era fiel às tradições de sua família. E, em seu idiossincrático conservadorismo, era como um monstro anacrônico, prestes a quebrar as jaulas que a aprisionavam. Pior para quem estivesse por perto. C, falsa puritana, cheia de culpas pelo hímen perdido, era o contraponto a B, que agora sim tem sua vez. Porque era de uma fidelidade absurda aos ritos que fizeram dela mulher, na acepção mais restrita - e machista - do termo, ou seja, um ser para ser tão-somente fecundado, depois de devidamente enlaçada pela eternidade do matrimônio infeliz, de grinalda-e-véu. (E-mails para este colunista não devem conter insultos.)

B, como eu dizia, era um contraponto a C. Não chegava a ser promíscua como A (pelo menos não apregoava isso), mas tampouco era recatada como a C. Não era também melosa como a A, nem sonhadora como C. Não era, a rigor, uma mulher, a não ser pelos trajes (adorava usar belas saias pretas que me deixavam maluco) e pelo sorriso maroto, em quem absolutamente tudo lembrava uma viúva machadiana. Em nossos momentos mais íntimos, contudo, ela dava mostras de não estar muito bem naquele papel de ser completamente auto-suficiente, tanto sexual quanto (quimera!) afetivamente. Logo, era de se supor que B não era um ser humano. A rigor.

Que dizer, então, de D, meus leitores e, principalmente, leitoras? Se considerava virgem, mas não era. Novamente cedera aos encantos de um louro malvado, que à força (sempre é à força?, pergunto) lhe deflorara (sic). Como resultado, dera uma guinada radical, convertendo-se a uma igreja evangélica. Quando ela por fim achou que eu deveria ter a honra de ser seu namorado, já estava convertida. Resultado: iria casar virgem comigo (sim, porque milagrosamente tinham-lhe restaurado a inocência perdida) - e logo.

Como não deve ter passado despercebido pelas leitoras inteligentes, a virgindade é um tabu que acompanha a mulher de hoje, em crise. Algumas tratam logo de se livrar da "membrana social" que tanto lhes aflige. Outras a preservam, mesmo que apenas em suas imaginações. Num texto antigo, dizia que à mulher só restava um tabu a ser derrubado: o da masturbação. Enganei-me, pois, já que a virgindade é ainda algo muito periclitante no mundo feminino. (E-mails para este colunista não devem conter insultos.)

Falei das mulheres em suas vivências pessoais, que são bastante frágeis como prova (se é que estou tentando provar alguma coisa) de que passam as moçoilas por uma crise existencial geral. Quero dizer, frágeis para quem não tem a mínima imaginação ou cuja imaginação está cheia de ranço sexista.

Ponto algo mais objetivo talvez sejam as ambições profissionais das mulheres pesquisadas. É neste âmbito que revelam toda a sua confusão neuro-hormonal. Divididíssimas entre a realização profissional e a pessoal, muitas mulheres acabam por viver uma dicotomia. E entre os dois pólos não enxergam a terra-de-ninguém que se convencionou chamar de felicidade. Ambivalentes, as mulheres acabam por escolher a profissão. Estas, como as senhoras. A e B, são pequenos monstrinhos loucas para serem as melhores em suas atividades, para se mostrarem melhores que os ícones masculinos ligados a suas respectivas áreas. Chegam à beira do ridículo, com sua falsa frieza. E com suas gigantescas carências genuinamente feminina, que escondem sob o pesado manto do contracheque. Por outro lado, temos as senhoras. C e D, ambas ligando pouco para o trabalho, monstros também por suas vivências elizabetanas, encarceradas no lar, sob os auspícios de um marido não-raro elizabetano também.

Às poucas mas felizes leitoras que aqui chegaram, revelo minha "matéria dos sonhos" para este texto. Não, não se trata de um caso de decepção amorosa recente, como já devem estar pensando aquelas que têm tufos de feminimo sob as axilas. É simplesmente o livro O Diário de Bridget Jones, cujo primeiro volume acabei de ler, movido pela comicidade do filme. Quis ver no livro uma aproximação com Partículas Elementares ou Alta Fidelidade, livros que revelam a falência do macho, assunto sobre o qual já escrevi. Fui feliz ao constatar que a mulher está, sim, tão em crise quanto o homem e que, muitas vezes, elas são mantidas vivas graças ao instinto materno, que a revolução sexual por um triz não aniquilou. Digo que fui feliz porque a leitura do livro não me foi vã, não que a constatação desta situação toda me deixe particularmente sorridente.

Assim, de mãos dadas com uma destas mulheres em crise neste domingo quase invernal na sempre instável Curitiba (daqui a pouco, vocês verão, há de sair um sol de semi-árido nordestino em filme de Glauber Rocha), de mãos dadas concluo que o melhor mesmo é esquecer as elucubrações de gênero, os sonhos de superioridade do homem sobre a mulher e vice-versa, as teorias sexistas que impregnam as conversas de bar, e vivermos juntos uma grande noite, ao som de Ella Fitzgerald cantando Cole Porter, embaixo de um cobertor de juras falsas (de ambos os lados) de amor.

Ah, antes que eu me esqueça: e-mails para este colunista não devem conter insultos.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 26/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo
04. Link-se: a mídia mudando a arte de Gian Danton
05. Considerações sobre Michael Jackson de Julio Daio Borges


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2001
00h00min
Fique tranquilo, este e-mail nao contem insultos! O que voce disse eh verdade: nos mulheres estamos confusas. Tao confusas quanto voces, pobres homens. Porem, ao contrario dos homens, o que nos aflige nao eh a necessidade de redescobrir um papel no mundo e sim, de descobri-lo, de, pela primeira vez, entendermos qual nossa funcao neste mundo. Pela primeira vez na historia nos (mulheres) temos liberdade o bastante para viver como queremos e para ser o que escolhemos. E eh muito decepcionante perceber que, neste momento, nos escolhemos ser.... HOMENS! Homenzinhos de saias (irrrrc!). Agora, vou lhe dar uma informacao, daqui do ponto de vista feminino, ok? Sinto informar que A, B, C e D nao sao mulheres. Na-na-ni-na-nao. Sao papeis que as mulheres se habituaram a representar para justificar suas atitudes e explicar suas decisoes. Afinal, eh mais facil "culpar" o louro malvado, a familia repressora, o mundo machista, a profissao escravizante. Mais facil sofrer pela "opressao" do que assumir os proprios desejos, paixoes, erros, medos, etc. Triste, nao? Algumas linha e nenhum insulto. Nada mal, nao? Alias, gostei! Kelly.
[Leia outros Comentários de Kelly C. Hatanaka]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREDDIE S WAR LEVEL 6 - ANO
JANE ROLLASON
CAMBRIDGE
(2010)
R$ 19,90



MONSTRO DO PÂNTANO - RAÍZES DO MAL - VOLUME 1
GRANT MORRISON; MARK MILLAR; PHIL HESTER
PANINI
(2017)
R$ 24,90



O ESPECTADOR NOTURNO
JERÔME PRIEUR
NOVA FRONTEIRA
(1995)
R$ 13,39



EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA DOS 70 ANOS DO UNIBANCO
INSTITUTO MOREIRA SALLES
IMS
(1994)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 10,00



SUJEITO DAGOBERTO
ALBERTO ALECRIM
ROCCO
(2006)
R$ 4,90



BIOLOGIA REVISADA - 1ª EDIÇÃO
WILLIS HARMAN
CULTRIX
(2013)
R$ 37,95



ANATOMIA DA CRÍTICA
NORTHROP FRYE
CULTRIX
(1973)
R$ 60,00



CONDUTA ESPIRITA
WALDO VIEIRA ANDRE LUIZ
FEB
(1995)
R$ 9,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO VEJA LAROUSSE 22
ABRIL
ABRIL
(2006)
R$ 5,50





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês