Silêncio | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto aborda riqueza da tradicional Festa da Carpição
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice
>>> Assim ninguém leva meus livros
>>> Dia Marisa: todas as mulheres merecem
>>> O Filho da Noiva
>>> O rei nu do vestibular
>>> Selvageria Nunca Sai de Moda
>>> Você cumpre as promessas de final de ano?
>>> A cabeça de Steve Jobs
>>> O sublime Ballet de Londrina
>>> A vida subterrânea que mora em frente
Mais Recentes
>>> Midiologia para Iniciantes - Uma Viagem Coloquial ao Planeta Mídia de José Marques de Melo pela Educs (2005)
>>> The Teoretical Foundations of Chinese Medicine de Manfred Porkert pela The MIT Press (1979)
>>> Apologética Cristã Para o Século XXI de Louis Markos pela Central Gospel (2017)
>>> Ensina a Criança Histórias para Aprender e Crescer de Hideíde Brito Torres pela Cedro (2021)
>>> História da arte como História da cidade de Argan pela Martins Fontes (1989)
>>> História da arte como História da cidade de Argan pela Martins Fontes (1989)
>>> Livro - Ramsés: O filho da Luz (Vol. 1) de Christian Jqacq pela Bertrand Brasil (1998)
>>> Organon de la Medicina - Edicion 6b Organon del arte de curar. de Samuel Hahnemann pela Hochstetter y Cia (Chile). (1974)
>>> Pepo - O cavalinho que nasceu do coração de Rossana Ramos pela Cortez (2004)
>>> A Utopia de Platão: Uma Análise da Cidade Imaginária na República de Lutecildo Fanticelli pela Educs (2014)
>>> As aventuras do capitão Klutz. O mais maluco do Mad apresenta: de Don Martin pela Record (1974)
>>> Canguruzinho, Canguruzão de Mery Weiss Canini pela Scipione (2003)
>>> Revolução Industrial de Francisco M. P. Teixeira pela Ática (1988)
>>> Breve História da Conquista do Oeste de Gregorio Doval; Gabriela Beatriz Ferro pela Versal Editores (2013)
>>> Running Free de Sue Leather and Julian Thomlison pela Heinle (2017)
>>> Running Free de Sue Leather and Julian Thomlison pela Heinle (2017)
>>> Running Free de Sue Leather and Julian Thomlison pela Heinle (2017)
>>> É Por Isso Que O Brasil Não Vai de Age pela Age (2021)
>>> Equinox de Jambo pela Jambo (2021)
>>> Planejamento e Organização do Turismo de Ivan Fernandes pela Campus Elsevier (2021)
>>> Equipes Campeãs - Potencializando o Desempenho de Sua Equipe de Sebrae pela Sebrae (2021)
>>> Star Wars - Império e Rebelião - o Fio da Navalha de Martha Wells pela Universo Geek (2017)
>>> O Cozinheiro do Rei D. João VI de Hélio Loureiro pela Planeta (2014)
>>> A Conspiração Colombo de Steve Berry pela Record (2014)
>>> Sobreviventes do Holandês Voador de Brian Jacques pela Bertrand Brasil (2008)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/2/2007
Silêncio
Verônica Mambrini

+ de 4000 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Ilustra by Guga Schultze

Os ônibus rugindo presos sobre as avenidas, as maritacas em revoada barulhenta e algazarra, pessoas matraqueando cada vez mais alto em ambientes fechados. O rádio de um vizinho, a televisão eternamente ligada, o barulho do Messenger chamando insistentemente. O zumbido interminável e subterrâneo das CPUs processando, dos ventiladores esfriando as máquinas pensantes. A balada barulhenta na rua de baixo, os cachorros que latem dia e noite, as motos competindo num racha de madrugada. Turbinas de aviões vibrando, marteladas e furadeiras em uma reforma que nunca termina, música surgindo abafada não se sabe de onde, todos os sons transformados numa compacta massa sonora. A pancada aguda e impiedosa de um tiro. Pneus derrapando, burburinho, chuva, o metralhar nas teclas do computador. O motor da geladeira, a bomba de ar no aquário, a resistência aquecendo a água do chuveiro. A madeira da casa e dos móveis estalando, a respiração suja e rouca, as patas das baratas se arrastando por baixo dos móveis. A freqüência sutil e persistente da rede elétrica por dentro das paredes. E mesmo sendo uma ausência, em qualquer casa urbana o silêncio surge como uma ilha, material e sólido.

Ruído e silêncio em excesso são, ambos, enlouquecedores. Mas, em nome de valores como progresso e de uma suposta civilização, a sociedade ocidental contemporânea se construiu no som, optou por ele. O ruído é um resíduo da modernidade do qual parecemos nem mesmo nos dar conta. O efeito-estufa, a implosão da continuidade do tempo e a fragmentação da realidade, o excesso de imagens e a rapidez com que elas passam e se alternam diante do olhar, todos esses sintomas da pós-modernidade e da sociedade industrializada já foram de um modo geral assimilados, mas ainda incomodam, atordoam. O ruído, efeito colateral menor, não é percebido tão intensamente não porque não incomode; mas porque sua abundância afeta a capacidade de sentir, pouco a pouco.

As novas gerações já assimilaram o excesso visual, ainda que ele seja incômodo. É impossível não ceder, já que ele vem da televisão há muito tempo, do computador recentemente, e constantemente surgem novas mídias como suporte para um fluxo cada vez maior de informação. No que se refere a urbanismo, por exemplo, surgiu recentemente a tentativa de domar o cenário urbano por meio da lei "Cidade Limpa", que regulamenta a publicidade em outdoors e fachadas em São Paulo desde janeiro deste ano. Independentemente de dar certo, é uma tentativa de construir uma cidade visualmente mais harmoniosa. O mais perto que existe de uma lei para minorar o problema da poluição sonora em São Paulo é o "Psiu" (executado pela Divisão Técnica de Fiscalização do Silêncio Urbano), que fiscaliza o barulho de casas noturnas e restaurantes, templos religiosos e outras atividades cuja natureza cause poluição sonora. Mas, conforme dizem as leis que determinam a ação do Psiu, é preciso que o nível de ruído seja prejudicial à saúde ou bem-estar da população. Geralmente, quando esse tipo de fiscalização pública entra em ação, os níveis já extrapolaram o saudável há tempos e estão no limiar do suportável. O som ambiente sobe subrepticiamente, continuamente.

O som e o silêncio se tornaram uma questão fundamental para mim. A audição, como todos os sentidos, pode ser treinada, estimulada. Simplesmente refletir sobre ela, focar a atenção no que (não) se ouve é suficiente para começar a ouvir melhor. Respeitadas as limitações orgânicas de cada aparelho auditivo, é sempre possível ouvir mais. O inferno começou para mim de forma banal: um dia, ao desligar o computador, percebi que o ambiente que parecia silencioso para mim na verdade tinha o ruído forte de fundo da máquina. Barulho menor e uniforme, mas imperceptível até ser interrompido - um artifício do cérebro para manter a sanidade. Uma caixa de Pandora que mudou não só minha audição, mas como meus outros sentidos mediam minha percepção de mundo. É por isso que mais barulho automaticamente significa menos sensibilidade, incapacidade de captar nuances.

Desde então tento manter períodos de "jejum de sons"; literalmente um protesto silencioso. Pessoas que ligam a TV apenas para interromper o silêncio me incomodam, e não é pelo barulho em si, é pela falta de capacidade de lidar com o que o silêncio simbolicamente sugere: solidão, por exemplo. Metrô, motocicleta, tráfego de caminhão, caminhão de lixo: ruídos que estão constantemente na rotina, e que sequer entrariam numa descrição de romance urbano (mais charmoso falar de um barulho qualquer isolado na madrugada). Mas esses ruídos oscilam entre 90 e 120 decibéis, nível que pode causar perda irreversível da audição. Não é alarmismo: esse grau de ruído já foi socialmente assimilado como normal, sem ser. Uma solução prática para o problema é inviável, porque interfere na economia. Não dá para parar ônibus e metrô, tampouco imagino que existam empresários dispostos a investir em redução de emissão sonora no transporte público. Essa questão, perto de mil outras mais urgentes, é totalmente irrevelante.

(Levanto e vou até a cozinha buscar um copo d'água. Pela janela, vejo o lampejo claro da lua, por trás de uma camada de névoa. Resolvo sair até o quintal e olhar com calma, na noite de lua e verão, uma paisagem querida - é o último mês na casa em que cresci e vivi até hoje. Não só a paisagem, mas o ambiente sonoro é familiar. O vento ciciante, baixinho, uma ou outra motocicleta - sempre há uma, não importa a hora - e grilos, constantes, eternos, som de fundo da minha vida desde sempre. Uma combinação de sons tão poderosa quanto um cheiro da infância, como a voz de uma pessoa amada que já morreu.)

Creio que, com o perdão do terrível trocadilho, não haja eco para um breve manifesto em favor do silêncio, em seus infinitos graus de diluição. Mas ainda assim, é possível deixar de fazê-lo?

Nota do Editor
Leia também "Ensaios sobre o silêncio"


Verônica Mambrini
São Paulo, 12/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
02. O goleiro que ganhou o Nobel de Celso A. Uequed Pitol
03. Convite ao 'por quê?' de Edson Vitoretti
04. No meio do caminho: 80 anos de Cristiane Carvalho
05. Como se fosse fácil escrever de Eduardo Carvalho


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
15h32min
Cara Verônica, seu texto Silêncio é de uma sensibilidade gritante ("terrível trocadilho", né?). Há eco sim para manifestos como o seu. Parabéns de um leitor que se encantou com o que você escreveu. Se puder, veja os filmes "Os Cinco Sentidos" (de Jeremy Podeswa) e "O Segredo de Beethoven" (de Agnieszka Holland). Acho que você gostará. Tudo de bom!
[Leia outros Comentários de Marcus Terra]
14/2/2007
22h44min
Verônica, achei teu texto brilhante. Também sou contra o som e a fúria. Me incomoda, me agride, me irrita. Tem outra: em viagem recente, notei que, naqueles países mais miseráveis e debilitados, o nível de barulho aumenta. Na Áustria, por exemplo, nada se escuta, ninguém grita ou buzina. Na Romênia, a zoeira chega a incomodar a visão. E existe um célebre (para mim) aviso num subúrbio muito calmo da Austrália: "Não buzine, zona residencial". Pode?
[Leia outros Comentários de Cíntia Moscovich]
15/2/2007
11h27min
O silêncio sempre mora dentro de nós, mas, por medo do que ele possa nos dizer, nunca queremos ouvi-lo. E ficamos insistindo em abafar os nossos sentidos com barulhos que não nos dizem nada. Devemos parar e ouvir o que o silêncio que nos dizer.
[Leia outros Comentários de felipe coutinho]
21/2/2007
10h24min
Os contrastes, as pausas, as inflexões e tudo de que é constituído o silêncio; o prenúncio da mensagem, o instante exato da captura da atenção. Acho que é deste "estar" e "não estar" que vivenciamos, e nos ruídos ordinários onde se oculta tudo o que não é análogo, que se oculta o silêncio. O fundo sonoro numa grande cidade diluí nossa identidade no excesso de informação e rouba da nossa atenção a possibilidade de estabelecer uma relação densa com o objeto observado. Creio que a cena rural também tenha sua cortina de ruídos, com evolução seguramente menos tensa; e ainda assim desorienta. Precisamos aguçar os sentidos para ouvir o silêncio e além do ruído. As mensagens chegam do deserto, da conjunção de estrelas, dos mortos de quaisquer guerras insanas, e o silêncio ecoa questinador e urgente. Estamos alijados pela compreensão imediata do sonoro em detrimento da ausência das palavras. Às vezes choramos e todo o significado se estabelece, noutras nos calamos, eloquentes, num significado vasto e pleno.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Analfabetismo No Brasil
Ana Maria Araújo Freire
Cortez
(1993)



Fernando Pessoa para Crianças
Jakson de Alencar
Paulus
(2009)



A Inserção da Saúde Mental no Hospital
Leila Damasio Lopes
Ciência Moderna
(2000)



A Alma do Negocio - para uma Gestão Positiva - Serie Gestão Empresa
Keno Donnell
Gente
(1992)



Dom Quixote das Crianças
Monteiro Lobato
Ciranda Cultural
(2019)



Descomplique - Seja Leve - 1ª Edição
Wanderley Oliveira
Dufaux
(2016)



Fisica Ser Protagonista Volume 1
Ana Fukui/madson de Melo Molina
Sm
(2009)



Anatomia para Dentistas
Harry Sicher e Julius Tandler
Atheneu
(1981)



Seguindo Em Seus Passos
Elza Candido dos Santos
Egm
(2011)



Cem Noite Tapuias
Ofélia e Narbal Fontes
Ática
(1982)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês