Silêncio | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/2/2007
Silêncio
Verônica Mambrini

+ de 3600 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Ilustra by Guga Schultze

Os ônibus rugindo presos sobre as avenidas, as maritacas em revoada barulhenta e algazarra, pessoas matraqueando cada vez mais alto em ambientes fechados. O rádio de um vizinho, a televisão eternamente ligada, o barulho do Messenger chamando insistentemente. O zumbido interminável e subterrâneo das CPUs processando, dos ventiladores esfriando as máquinas pensantes. A balada barulhenta na rua de baixo, os cachorros que latem dia e noite, as motos competindo num racha de madrugada. Turbinas de aviões vibrando, marteladas e furadeiras em uma reforma que nunca termina, música surgindo abafada não se sabe de onde, todos os sons transformados numa compacta massa sonora. A pancada aguda e impiedosa de um tiro. Pneus derrapando, burburinho, chuva, o metralhar nas teclas do computador. O motor da geladeira, a bomba de ar no aquário, a resistência aquecendo a água do chuveiro. A madeira da casa e dos móveis estalando, a respiração suja e rouca, as patas das baratas se arrastando por baixo dos móveis. A freqüência sutil e persistente da rede elétrica por dentro das paredes. E mesmo sendo uma ausência, em qualquer casa urbana o silêncio surge como uma ilha, material e sólido.

Ruído e silêncio em excesso são, ambos, enlouquecedores. Mas, em nome de valores como progresso e de uma suposta civilização, a sociedade ocidental contemporânea se construiu no som, optou por ele. O ruído é um resíduo da modernidade do qual parecemos nem mesmo nos dar conta. O efeito-estufa, a implosão da continuidade do tempo e a fragmentação da realidade, o excesso de imagens e a rapidez com que elas passam e se alternam diante do olhar, todos esses sintomas da pós-modernidade e da sociedade industrializada já foram de um modo geral assimilados, mas ainda incomodam, atordoam. O ruído, efeito colateral menor, não é percebido tão intensamente não porque não incomode; mas porque sua abundância afeta a capacidade de sentir, pouco a pouco.

As novas gerações já assimilaram o excesso visual, ainda que ele seja incômodo. É impossível não ceder, já que ele vem da televisão há muito tempo, do computador recentemente, e constantemente surgem novas mídias como suporte para um fluxo cada vez maior de informação. No que se refere a urbanismo, por exemplo, surgiu recentemente a tentativa de domar o cenário urbano por meio da lei "Cidade Limpa", que regulamenta a publicidade em outdoors e fachadas em São Paulo desde janeiro deste ano. Independentemente de dar certo, é uma tentativa de construir uma cidade visualmente mais harmoniosa. O mais perto que existe de uma lei para minorar o problema da poluição sonora em São Paulo é o "Psiu" (executado pela Divisão Técnica de Fiscalização do Silêncio Urbano), que fiscaliza o barulho de casas noturnas e restaurantes, templos religiosos e outras atividades cuja natureza cause poluição sonora. Mas, conforme dizem as leis que determinam a ação do Psiu, é preciso que o nível de ruído seja prejudicial à saúde ou bem-estar da população. Geralmente, quando esse tipo de fiscalização pública entra em ação, os níveis já extrapolaram o saudável há tempos e estão no limiar do suportável. O som ambiente sobe subrepticiamente, continuamente.

O som e o silêncio se tornaram uma questão fundamental para mim. A audição, como todos os sentidos, pode ser treinada, estimulada. Simplesmente refletir sobre ela, focar a atenção no que (não) se ouve é suficiente para começar a ouvir melhor. Respeitadas as limitações orgânicas de cada aparelho auditivo, é sempre possível ouvir mais. O inferno começou para mim de forma banal: um dia, ao desligar o computador, percebi que o ambiente que parecia silencioso para mim na verdade tinha o ruído forte de fundo da máquina. Barulho menor e uniforme, mas imperceptível até ser interrompido - um artifício do cérebro para manter a sanidade. Uma caixa de Pandora que mudou não só minha audição, mas como meus outros sentidos mediam minha percepção de mundo. É por isso que mais barulho automaticamente significa menos sensibilidade, incapacidade de captar nuances.

Desde então tento manter períodos de "jejum de sons"; literalmente um protesto silencioso. Pessoas que ligam a TV apenas para interromper o silêncio me incomodam, e não é pelo barulho em si, é pela falta de capacidade de lidar com o que o silêncio simbolicamente sugere: solidão, por exemplo. Metrô, motocicleta, tráfego de caminhão, caminhão de lixo: ruídos que estão constantemente na rotina, e que sequer entrariam numa descrição de romance urbano (mais charmoso falar de um barulho qualquer isolado na madrugada). Mas esses ruídos oscilam entre 90 e 120 decibéis, nível que pode causar perda irreversível da audição. Não é alarmismo: esse grau de ruído já foi socialmente assimilado como normal, sem ser. Uma solução prática para o problema é inviável, porque interfere na economia. Não dá para parar ônibus e metrô, tampouco imagino que existam empresários dispostos a investir em redução de emissão sonora no transporte público. Essa questão, perto de mil outras mais urgentes, é totalmente irrevelante.

(Levanto e vou até a cozinha buscar um copo d'água. Pela janela, vejo o lampejo claro da lua, por trás de uma camada de névoa. Resolvo sair até o quintal e olhar com calma, na noite de lua e verão, uma paisagem querida - é o último mês na casa em que cresci e vivi até hoje. Não só a paisagem, mas o ambiente sonoro é familiar. O vento ciciante, baixinho, uma ou outra motocicleta - sempre há uma, não importa a hora - e grilos, constantes, eternos, som de fundo da minha vida desde sempre. Uma combinação de sons tão poderosa quanto um cheiro da infância, como a voz de uma pessoa amada que já morreu.)

Creio que, com o perdão do terrível trocadilho, não haja eco para um breve manifesto em favor do silêncio, em seus infinitos graus de diluição. Mas ainda assim, é possível deixar de fazê-lo?

Nota do Editor
Leia também "Ensaios sobre o silêncio"


Verônica Mambrini
São Paulo, 12/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
02. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel de Paulo Polzonoff Jr


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
15h32min
Cara Verônica, seu texto Silêncio é de uma sensibilidade gritante ("terrível trocadilho", né?). Há eco sim para manifestos como o seu. Parabéns de um leitor que se encantou com o que você escreveu. Se puder, veja os filmes "Os Cinco Sentidos" (de Jeremy Podeswa) e "O Segredo de Beethoven" (de Agnieszka Holland). Acho que você gostará. Tudo de bom!
[Leia outros Comentários de Marcus Terra]
14/2/2007
22h44min
Verônica, achei teu texto brilhante. Também sou contra o som e a fúria. Me incomoda, me agride, me irrita. Tem outra: em viagem recente, notei que, naqueles países mais miseráveis e debilitados, o nível de barulho aumenta. Na Áustria, por exemplo, nada se escuta, ninguém grita ou buzina. Na Romênia, a zoeira chega a incomodar a visão. E existe um célebre (para mim) aviso num subúrbio muito calmo da Austrália: "Não buzine, zona residencial". Pode?
[Leia outros Comentários de Cíntia Moscovich]
15/2/2007
11h27min
O silêncio sempre mora dentro de nós, mas, por medo do que ele possa nos dizer, nunca queremos ouvi-lo. E ficamos insistindo em abafar os nossos sentidos com barulhos que não nos dizem nada. Devemos parar e ouvir o que o silêncio que nos dizer.
[Leia outros Comentários de felipe coutinho]
21/2/2007
10h24min
Os contrastes, as pausas, as inflexões e tudo de que é constituído o silêncio; o prenúncio da mensagem, o instante exato da captura da atenção. Acho que é deste "estar" e "não estar" que vivenciamos, e nos ruídos ordinários onde se oculta tudo o que não é análogo, que se oculta o silêncio. O fundo sonoro numa grande cidade diluí nossa identidade no excesso de informação e rouba da nossa atenção a possibilidade de estabelecer uma relação densa com o objeto observado. Creio que a cena rural também tenha sua cortina de ruídos, com evolução seguramente menos tensa; e ainda assim desorienta. Precisamos aguçar os sentidos para ouvir o silêncio e além do ruído. As mensagens chegam do deserto, da conjunção de estrelas, dos mortos de quaisquer guerras insanas, e o silêncio ecoa questinador e urgente. Estamos alijados pela compreensão imediata do sonoro em detrimento da ausência das palavras. Às vezes choramos e todo o significado se estabelece, noutras nos calamos, eloquentes, num significado vasto e pleno.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS LEOPARDOS DE KAFKA
MOACYR SCLIAR
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 10,00



OS TRÊS MOSQUETEIROS
BENJAMIN SANTOS
SERV NACIONAL DO TEATRO (RJ)
(1972)
R$ 31,28



A DAMA DOS CRAVOS - 9ª EDIÇÃO
A. J. CRONIN
RECORD
(1976)
R$ 7,00



ATLAS GEOGRÁFICO MUNDIAL
FOLHA DE SÃO PAULO
NEMO
(1988)
R$ 10,00



IL TROVATORE - GIUSEPPE VERDI - TEMPORADA 2014
THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO
THEATRO MUNICIPAL
(2014)
R$ 16,30



ATLAS DE CIRURGIA OCULAR
NORMAN S. JAFEE ORG
MANOLE
(1991)
R$ 126,50



CIAK SI MANGIA: DIZIONARIO DEL CINEMA IN CUCINA
SALVATORE GELSI
TRE LUNE
(2000)
R$ 60,00



AS BOAS COISAS DA VIDA
RUBEM BRAGA
RECORD
(1988)
R$ 25,90



O OUTRO LADO DO PODER
HUGO ABREU
NOVA FRONTEIRA
(1979)
R$ 15,00



CURA PROFUNDA - A PERSPECTIVA HOLOTRÓPICA
STANISLAV GROF
CAPIVARA
(2015)
R$ 239,90





busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês