Escritor, jovem escritor | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Quarta-feira, 30/5/2007
Escritor, jovem escritor
Guga Schultze

+ de 4600 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Formando palavras

Muitos anos depois, em frente ao pelotão de fuzilamento (ou seja, a autocrítica), o ex-jovem escritor haveria de se lembrar daquela tarde remota em que seu editor o levou para conhecer o gelo da opinião pública...

Esse romance, Cem anos... Ah, não sou lerdão, poderia começar assim. Ou já começou porque, como diz o título, nenhum jovem escritor é lerdo. Ou não quer se passar por lerdo - devagar e sempre é a vó, e com esse divagar (de divagação) não se vai ao longe, nem ao perto, nem a lugar nenhum. É verdade, não se chega a lugar nenhum e não existe a menor possibilidade de refrear um jovem escritor às vésperas de sua estréia pública.

Pública, de publicar, de publicidade - essas coisas são irresistíveis, é claro. Mas o termo jovem escritor também não é apropriado. Atualmente (ou sempre?) se insinua nele um tom pejorativo, que provoca um certo automatismo nas pessoas, quando elas ouvem falar do jovem escritor:

- Hmm... que novidade. Mais um?!

De forma que, na justa medida das circunstâncias, é necessário mudar o termo, trocando apenas a ordem das palavras: escritor jovem. Já melhora muito, já é outra coisa, porque para a literatura (blá, blá, blá) existe o escritor, apenas. O fato de ser jovem, ou não, é completamente descartável. Pra falar a verdade, a juventude é descartável, infelizmente, por mais que nos agarremos a ela, com unhas e dentes e botox. Não no sentido de ser desprezível, não é isso, mas no sentido de que será descartada. Será carta jogada pra fora do jogo; não por nossas mãos, vixe, mas pelas mãos daquele sujeito de barbas brancas e tal, que carrega a ampulheta. Ninguém se lembra muito dele, mas nem por um único segundo ele se esquece de nós.

Estamos de mãos atadas quanto a isso e o escritor jovem, enquanto literato, é, quase por definição, o sujeito que não sentiu ainda a força constritora dessas amarras.

Qual a idade de um escritor? O fato da gente ver, em velhas fotografias, a barba branca de Tolstoi, é só uma miragem. A cara bochechuda de Neruda, na meia idade, não revela o moço de dezenove anos, vestido de preto, autor de Vinte poemas de amor e Uma canção desesperada. As poucas imagens de Emily Dickinson não falam nada de suas gavetas cheias de tempo e poemas, nenhum deles publicado em vida. Quem era mais velho, ou mais jovem: o adolescente Rimbaud ou o velho Walt Whitman? Quantos anos tinha Castro Alves, ao morrer, aos vinte e quatro anos?

São questões irrelevantes, é fácil perceber, mas é mais difícil perceber as diferenças entre um jovem escritor e um escritor jovem. Talvez um pequeno questionário, endereçado aos interessados, ajude o discernimento:

1. Você voltaria pra trás, numa viagem de férias, para escrever algo, porque teve uma súbita inspiração?

2. Deixaria uma festa, ou a possibilidade de um encontro, digamos, amoroso, pelo mesmo motivo?

3. Esqueceria, enquanto escreve, sem se dar conta, da hora do almoço? Ou do jantar? Ou ambas? Com a barriga dando roncos, audíveis a mais de quatro metros?

4. Acredita em inspiração?

5. Tem alguma idéia sobre o que seria a inspiração?

6. Sente de repente, sentado no cinema, que o último tango em Cabul, ou o Homem Aranha XIX está, na verdade, atrapalhando a teia dos seus pensamentos?

7. Presta muita atenção aos letreiros dos filmes?

8. Gostaria de formar parte de um grupo de escritores?

9. Já pensou em qual é a melhor coisa que você já leu? E a pior?

10. Já pensou nos dez livros que te acompanhariam, para sempre, numa ilha deserta? (supondo que tenha lido, pelo menos, dez livros...)

Bem, antes de continuar, é bom deixar claro que não me considero sábio o suficiente para responder, ou mesmo esperto, ou experto o suficiente para ter feito tais perguntas; elas são um recurso, meio idiota, de seguir em frente. Mas vamos lá.

(1, 2, 3.) A primeira, a segunda e a terceira são perguntas claramente coercivas; o escritor jovem responderá "sim" às três, ainda que não totalmente convicto de que as coisas tenham que chegar a esse ponto. É, não tem mesmo. Mas é uma bela postura. Garcia Márquez respondeu "sim" à primeira e foi escrever, durante os dezoito meses seguintes, Cem anos de solidão. A segunda foi respondida por Paulo Mendes Campos, se não me engano. E a terceira por Faulkner, enquanto escrevia Enquanto Agonizo, à mão, um caderno sobre os joelhos, sentado num porão, junto ao gerador que supria uma universidade onde ele trabalhava como uma espécie de zelador. Todas as respostas foram "sim".

(4, 5.) A quarta e a quinta pergunta são mais capciosas, ou ardilosas. Acredito que o jovem escritor poderá responder "não" às duas, mas o escritor jovem deverá, forçosamente, responder "sim" pelo menos à quarta pergunta. A famosa frase dos "noventa por cento de transpiração e dez de inspiração", aplicada a qualquer trabalho criativo, é a preferida das mentalidades burocráticas, que deslocaram a frase de seu contexto original, para cobrir com ela os rastros surpreendentes da genialidade.

A frase foi cunhada por Thomas Edson, o inventor norte-americano, que não era escritor nem artista e, evidentemente, aquilo foi só o desabafo de um homem genial e exausto. O escritor jovem não deve acreditar piamente na propaganda da disciplina pura, não deve se fiar em procedimentos espartanos da educação e exercícios obstinados de uma datilografia, quase sempre medíocre, que promete transformá-lo em escritor. Nada vai transformar alguém em escritor. Quem não é, não é, e sem inspiração, nada feito. Sue a camisa, certo, mas ponha relâmpagos nessas páginas, meu.

(6.) Ok, a pergunta seis: sim, o afegão apaixonado atrapalha, o Homem Aranha atrapalha, Britney Spears atrapalha, os macacos do ártico, do pólo norte ou de qualquer outro lugar atrapalham; um escritor não é muito chegado em distrações, não procura se distrair do jeito compulsivo que quase todo mundo apresenta. Muitos escritores são simplesmente chatos, pessoas meio fechadas que não querem ir ao circo, cinema, festas, shoppings, restaurantes, raves, campeonatos de vôlei, o tempo todo. Quando bebem, se bebem, não é socialmente. É pra ficar tonto, pra dar uma pausa no livro em andamento. Todo escritor tem esse livro em andamento, na cabeça.

(7.) Não disse nada ainda a respeito, mas já é tempo: escritor é todo aquele que produz escritos, é certo. Mas me parece haver três tipos básicos de escrita: de poesia, de ficção e de registro. Os limites são muito difusos, sem dúvida, e todo mundo entende, mais ou menos, o que é poesia ou ficção. Uso aqui o termo registro, para o terceiro tipo, porque não encontro outro melhor.

O escritor de registro é o cara que dá notícia de tudo, não fica em casa imaginando um herói, vai atrás dele para ver o que ele faz, e registra. Preocupa-se com o que dizem as pessoas, o que elas fazem ou deixam de fazer. Quando escreve bem, é o bom jornalista, crítico, ensaísta, biógrafo, historiador. Às vezes produz romances, teatro ou coisa que o valha, mas traz a marca inconfundível da análise e vibra sempre com as precisões. É o sujeito que lê um poema num pergaminho e se preocupa muito mais com a origem do papel e da tinta; é capaz de ler uma bula de remédio assim impávido, sem problema, e procura, num texto, a frase errada ou comprometedora. Em casos extremos, vira um stalker, o fuinha do texto. O negócio dele é a informação, lê mais as entrelinhas e escreve sobre elas, é o Sherlock Holmes literário. A internet é cheia deles, alguns até muito bons. De forma que a pergunta sete é respondida, positivamente, só por esse tipo de escritor.

(8.) A pergunta oito tem uma intenção sexual... êpa, melhor dizer: antropológica. Separando os sexos. A maioria das escritoras jovens responderia "sim" a essa pergunta.

As mulheres costumam zonear com a tradicional postura literária masculina, de introspecção e solidão. Estão alegremente dispostas a participar de reuniões, saraus e debates. Mostram seus originais para a roda de amigos, para professores, para desconhecidos, estão abertas às críticas e orientações por parte dos demais, acham natural a dinâmica da troca de opiniões enquanto se trabalha um texto. Acreditam, em suma, que a literatura possa ser um trabalho coletivo. Por que não?

Paradoxalmente, o sexo feminino produz o que há de mais individualista, pessoal, egocêntrico (no sentido de girar sobre seu próprio eixo), na literatura. De Virginia Woolf a Clarice Lispector, de Emily Brontë a Adélia Prado e, talvez em menor grau, é assim a maioria das grandes escritoras.

Talvez o individualismo feroz da mulher a proteja naturalmente das associações, de forma que ela pode se dar ao luxo de compartilhar coisas que para um homem seria impensável. Escritores homens não deixam vazar os sentimentos, as energias que promovem sua literatura. Não é só porque não queiram. Simplesmente não podem, senão sifu.

(9, 10.) As últimas perguntas, nove e dez, valem pra todos, mas também é dirigida especialmente para as mulheres, que não gostam de fazer comparações genéricas. Normalmente são muito seguras do próprio tino em dizer eu gosto disso, eu não gosto daquilo; mas se abstêm de comparar coisas entre si, coisas que estão mais ao longe e que não as afetam pessoalmente.

O velho Harold Bloom, o crítico americano que todo mundo leu e não gostou, diz uma coisa fundamental: ao ler um texto, todo crítico deveria se perguntar "melhor, igual ou pior a quê?". Estamos aqui falando de escritores, mas é necessário que o escritor tenha um mínimo de senso crítico. É bom que ele procure sua turma nas letras, que tenha seus heróis ou modelos, que tenha seus inimigos desprezíveis.

Alguns escritores se movem exclusivamente contra a sua nemesis, contra a sua insuportável sensação de déja-vu, contra o fantasma de um outro escritor, que lhe sorri zombeteiramente e que ele não consegue alcançar. A resposta do escritor jovem às últimas perguntas, creio, deveria ser "sim". A literatura, esse mar tempestuoso, agradece.

Enfim, tenho certeza de que o escritor jovem (ou iniciante, que seja), vai mesmo publicar seu livro. Tudo bem, no final das contas. Mas, pelo menos, que tente não ser apenas mais um jovem escritor.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 30/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
03. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2007
11h33min
Nossa! Você viajou para poder compôr esta linha de raciocínio, heim! Nunca tinha pensado na maioria destes pontos. Achei até meio sem sentido, mas é uma reflexão aprofundada sobre o que é ser um jovem escritor, na sua opinião. Parece um daquelas check-lists de Nova, tipo "Veja se seu homem te trai". Tem-se que fazer algum esforço intelectual para se encaixar nas tuas definições, Guga. Acho difícil que alguém tome isso como reflexão minimamente séria. Boa crônica, contudo.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
30/5/2007
15h30min
Ao contrário de Albarus Andreos, acho que o seu texto deve ser levado bem a sério por qualquer pessoa que se pretende escritor(a). Independente de se ser Sherlock das entrelinhas ou apenas decodificador das linhas, os argumentos usados nos dão uma dimensão bem aprofundada do que é ser um, mesmo não o sendo. A diferença proposta entre a atitude masculina e feminina em relação às respectivas produções literárias é real, embora muitos discordem (ou por um certo machismo ou feminismo). Mesmo o texto trazendo aspectos humorísticos, irônicos ou sarcásticos o conteúdo ou a mensagem é bastante relevante. Se fizermos uma analogia de seu teste com os testes de CLÁUDIA ou NOVA, certamente saberíamos a enorme diferença entre eles. Aí, percebe-se o verdadeiro artista, ou o verdadeiro escritor. E você é um deles. Bj. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
30/5/2007
15h51min
hahaha... legal, Albarus. Obrigado pelo comentário. Meu questionário é mesmo tipo revista Nova e não pretende mais que isso... como poderia? Mesmo porque não dá pra falar muito a sério com um jovem escritor, hmm, não sei se ele entenderia. Agora, o sentido geral é muito simples: jovem escritor é o jovem que acha que é escritor. Escritor jovem é um escritor que, por acaso, ainda é jovem. Capice? A propósito, de onde veio esse nome de tribuno romano? Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
30/5/2007
19h17min
Tribuno romano? O Julio disse que parece com os nomes que o pessoal da família Gasparetto utiliza para os espíritos...rsrsrsrs. E você vem agora com essa de tribuno... Vocês andaram trocando idéia? O engraçado é que nesse assunto de espíritos todo mundo foi imperador, tribuno e por aí afora, não é? Mas é por causa do meu livro. Escrevi uma saga de literatura de fantasia e achei um nome que poderia convencer o povo de que eu não era brasileiro (em algum momento achei que isso pudesse ajudar, mas já não lembro por quê...). Acho que, se soubessem que sou brasileiro, não comprariam o livro pois existe aquela coisa de que santo de casa não faz milagre. Meu nome real é muito longo: A. A. A. Aguiar (iam achar que estou tentando imitar Tolkien até nisso!), e se era para abreviar o nome e usar algo diferente, optei por inventar algo mais exótico (não é todo mundo que tem um nome alemão bonito como o seu, não é? Tipo, "irmão caçula de piloto de Messershimitt").
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
30/5/2007
19h19min
Outra razão é que, para o mercado editorial brasileiro, fantasia é como livro espírita: ninguém considera literatura (dá uma passada no meu blog. Falo sobre coisas assim lá. Vai lá... Tem um texto do Carpinejar. Você vai gostar...), por isso o nome como se fosse de um autor estrangeiro que tivesse sido traduzido para publicar aqui (isso as editoras fazem de monte. Coisa triste, não?). Outra razão é que era esse nome que eu usava pra jogar Diablo. Espero que um crítico blogueiro como você entenda! Mas Lemony Snicket também inventou o nome e deve ter respondido qualquer bobagem para justificar o porquê (como se um pseudônimo precisasse de razão de ser). E você, de onde tirou este nome tipo "tenista catarinense"? Ah! Seria bom se você tentasse entender como falar com um jovem escritor, pois parece que escrever em blogs é seu hobby e é um canal onde muitos deles estarão ávidos para seguir dicas e conselhos de como escrever. Você pode ser útil para eles.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
30/5/2007
23h14min
Muito bom, Albarus, esse nome. No sério. Continuo achando que poderia ser um dos senadores que tramaram a morte de Julio Cesar. Agora, o meu... Schultze, na Alemanha é algo como Silva ou Souza no Brasil, nada demais. Povão. Chucrute. Batata e cerveja. Guga é tatibitate de nenem. Meu irmão, desde nenem, me chamava assim. Pegou. Não tenho muito o que dizer aos jovens escritores porque ainda estou numa conversa antiga com os velhos e me falta tempo. Esses velhos são absorventes pra caramba. Eu tenho curiosidade em saber dessa sua saga de fantasia, já que você citou. Onde é que ela tá? Uma hora dessas eu passo no seu blog, apesar do texto do Carpinejar... rsrsrs. Brincadeira. Carpinejar é legal. Vou lá, depois te falo. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
31/5/2007
16h44min
Concordo com a Adriana. Na verdade, o Humor mesmo, "de verdade", é sempre inteligente. Não tem um texto do Guga "sério" ou "sisudo" - e ele tira um sarro legal (discretamente), na minhão percepção, de muita coisa, inclusive dos "aspirantes a escritor", o que é um barato. O García Márquez, só pra citar um, também tem um humor fantástico (fantástico mesmo) no jeito de enxergar o mundo (até o Euclides da Cunha tem, ou desperta). Belo texto, abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
31/5/2007
21h08min
Guga, sempre achei que escritor começasse no leitor, que tornasse escrever necessário e o rigor de escrever com apuro fosse latente. Vejo a disciplina como parte de um compromisso consigo mesmo, em aprimoramento e experimentações. O tanto que já se falou de escritor bom ou ruim, dos aspirantes a escritor; faz parecer uma religião de talento mediunico. Alguns grandes escritores sofrem de uma certa decrepitude dos modelos cosmogônicos em que investiram, então eles ficam repetitivos, perdem de certa forma a capacidade de nos surpreender, mas acredito que isto não os transforme em escritores ruins. Dentro da polêmica alimentada sobre o escritor iniciante, pouco se falou da queda de nível da crítica que celebra uma busca por cânones, é mais fácil. Então que suprimam o sujeito e critiquem textos apócrifos sem referencia pessoal. Escritores jovens ou jovens escritores, não sei... Frequento livros, experimento formas, percebo alguns estilos e reconheço ao menos a ousadia de experimentar.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
1/6/2007
19h14min
Gostaria de chamar atenção para uma matéria na revista "Mente-Cérebro & Filosofia", número 2, da Editora Duetto. Nesse número há um artigo sobre o filósofo britânico Shaftesbury, mais precisamente sobre seu livro "Soliloquy or advice to an author". Acredito que aspirantes a escritor, assim como autores "consumados", tirarão valiosas lições da filosofia de Shaftesbury. Uma das questões a se pensar é a seguinte: ser escritor não é somente saber escrever bem; outrossim, é dar expressão a assuntos que realmente importam. Para tanto, o escritor deve, antes de mais nada, conhecer a si mesmo, saber suas motivações, enfim, autocriticar-se sem autocondescendência. Digo isso porque, para mim, o que há de mais enfadonho na maioria dos blogs é o caráter narcisista dos escritos. Shaftesbury analisa como esse tipo de escritos são levianos e vaidosos. Enfim, se você quer ser um escritor de verdade, precisa se preparar para isso. "Soliloquy or advice for an author" é um ótimo começo.
[Leia outros Comentários de Renato Kinouchi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês