Batom, kichute e literatura | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/10/2007
Batom, kichute e literatura
Pilar Fazito

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dia desses, li n'algum lugar o resultado de mais um estudo óbvio. Finalmente, pesquisadores se deram conta do que as mulheres já estão carecas de saber: a demonstração da ira feminina no trabalho sempre leva a pior em relação à do sexo dito "mais forte".

Dizem os doutores, desta vez, que uma mulher que demonstra raiva ou impaciência no meio profissional sempre é mal vista por seus colegas. Mesmo que tenha todos os motivos para subir nas tamancas. E boa parte desses colegas que a julgam mal, pasmem, também são mulheres.

Segundo o estudo, o faniquito masculino é uma prova da virilidade e da autoridade do gajo, atestando sua capacidade de controlar as coisas no serviço. Já uma alteração de voz ou uma expressão carrancuda num corpo cheio de curvas seria um sinal de destemperança e desequilíbrio hormono-emocional. Em termos vulgares, praticados às escondidas nos almoxarifados de toda empresa, trata-se de uma "mal-amada", "dona Maria", "dona onça" que, provavelmente, estaria "naqueles dias", "de chico", "TPM" ou "na menopausa". Qualquer época do mês explicaria esse achaque "desnecessário".

Pois é. Demorou, mas os cientistas conseguiram comprovar esse senso comum.

Nunca me dei conta de sofrer na pele uma discriminação por ser mulher até bem pouco tempo. Antes disso, achava que tudo não passava de assunto da mídia, vitimização, coisa de feminista ou uma realidade vivida apenas pelas minhas avós e, talvez, tias e mãe. Enfim, águas passadas.

Fui uma menina-moleque. Cresci rodeada de primos e participava de muitas brincadeiras próprias do universo masculino. Jogava bola, brincava de Playmobil e cheguei a usar Kichute na escola. Eu me sentia mais à vontade descendo a rua de carrinho de rolimã do que brincando de casinha com minhas primas frescas. Brincadeira de menino sempre foi mais legal. A gente corria o risco, entende? Era a "Turma Zezinho da Silva" que corria pelos quarteirões do bairro, fugindo dos donos de carros alvejados por sementes de mamona. Uma turma de 5 primos que "assaltava" os transeuntes com pistolas espaciais de plástico, verdes e alaranjadas. O mesmo grupo que preferia passar numa padaria sete quarteirões mais distante de casa só para incluir, no roteiro, excursões ao apartamento de uma tia. Na volta, comíamos os biscoitos pimentinha, abríamos uma ponta do saco de leite para aplacar a sede e ainda vínhamos apertando tudo quanto era campainha e saindo correndo.

Eu era a única menina ali. Uma menina que achava mais divertido o papo dos garotos do que aquela ladainha de casinha-boneca das meninas. Tive uma deliciosa infância de moleque. Quando o traseiro grande e os peitos que brotavam começaram a me fazer passar vergonha e ter dificuldades para trepar em árvore foi que percebi a minha sina: "nascestes mulher, garota".

Aí começou essa bobagem que ainda hoje a sociedade propaga. Desde que tirei minha carteira de motorista, não canso de ouvir que eu dirijo "como homem". Toda vez, rebato a assertiva, perguntando se aquilo é um elogio ou uma ofensa. Ao que os incautos concluem: "mas eu tô dizendo que você dirige bem!" A minha pergunta continua: devo tomar isso como um elogio ou uma ofensa, afinal? É como se mulher não pudesse dirigir bem. Ou como se mulher, para ter valor, tivesse que ser "mulher-macho", como observei no tempo em que morei no nordeste.

Nunca parei para pensar nessa guerra dos sexos porque sempre achei uma perda de tempo. E às vezes me irrita o fato de a própria literatura fomentar essa questão. É o caso da classificação da literatura feminina. Até hoje me pergunto o que caracteriza a dita literatura feminina. Será o fato de ser escrita por uma mulher? É só isso? Se for só isso, toda a discussão na internet e em trabalhos acadêmicos pode ser descartada.

Um trabalho que analise uma escrita feminina deveria desconsiderar o sexo do autor. Por mais que as experiências de um escritor de carne-e-osso moldem sua forma de escrever, ele não interessa para a trama. A manifestação do "autor-empírico", como chama Umberto Eco, só atrapalha a leitura. E o leitor, por sua vez, não tem o direito de importuná-lo. Esse é o tipo de relação que funciona melhor à distância, um ignorando a realidade do outro.

Imagino uma análise da literatura feminina sob outro ponto de vista, pouco explorado em nossas universidades cartesianas: a concepção do Yin e Yang. Considerando as características femininas e masculinas que se complementam e dão o equilíbrio a diversas situações, seria interessante estudar personagens, narradores, mitos e arquétipos que ainda hoje são uma referência para a identidade de todo mortal.

Aí sim, seria um trabalho interessante, porque não se basearia no sexo do escritor para identificar o tom feminino no texto. A obra de Guimarães Rosa, por exemplo, alterna trechos de singeleza feminina e outros de virilidade masculina. E isso não tem nada a ver com batom e Kichute. Tem a ver com o que está lá dentro de quem escreve. O tal lado feminino e masculino do escritor (e da escritora).

A sociedade sempre confundiu feminino/masculino com fêmea/macho. Dirigir mal independe de gênero. Gritar sem razão ou ter motivos para isso, também. Na escrita, então, nem se fale. É tanta variedade de tom e estilo que já está bom demais se o texto do sujeito for considerado algo próximo da literatura. Para quê esmiuçar mais?


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 1/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
02. Caí na besteira de ler Nietzsche de Marol Azevedo
03. Vai lavar uma pia de louça que passa de Adriana Baggio
04. A Virada, de Stephen Greenblatt de Ricardo de Mattos
05. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito de Gian Danton


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2010
08h30min
Vivemos numa época em que ninguém sabe mais informar quem é o homem ou a mulher, e, na verdade, estamos em fase de transição identitária na nossa sociedade. Coisas do mundo contemporâneo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
2/11/2010
17h34min
Um texto que será, sempre, atual. Como a própria humanidade, macho e fêmea, masculino e feminino. Escrever é um ato "sexual" e "não sexual". O que se escreve também. Pode "ter" e "dar" prazer. Mulheres, à frente e avante. Com ou sem faniquitos, são maravilhosas.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1979)
R$ 14,00



EDUCAÇÃO, ESTÁGIO E TRABALHO
ARNALDO NISKIER
INTEGRARE
(2006)
R$ 19,83



AS MIL E UMA NOITES(DAMAS INSIGNES E SERVIDORES GALANTES)
VÁRIOS AUTORES
BRASILIENSE
(1991)
R$ 15,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
PAE
R$ 6,00



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,80



GESTÃO COM SUCESSO UMA ABORDAGEM ORGANIZACIONAL FOCADA EM PESSOAS
DAVID MILLER
INTEGRARE
(2012)
R$ 24,00



AUTOMAÇÃO DO SISTEMA NFT NO CULTIVO DE ALFACE HIDROPÔNICA
FELLIPE COELHO DE MORAIS UND JOSÉ ALEXANDRE DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



FEIRA DE CIÊNCIAS
JOÃO MAURÍCIO ZANDOMÊNICO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



NOVO DICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA 1ª EDIÇÃO
AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA
NOVA FRONTEIRA
(1975)
R$ 34,90



LIMITES DO SOFRIMENTO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
(2010)
R$ 10,00





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês