Batom, kichute e literatura | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/10/2007
Batom, kichute e literatura
Pilar Fazito

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dia desses, li n'algum lugar o resultado de mais um estudo óbvio. Finalmente, pesquisadores se deram conta do que as mulheres já estão carecas de saber: a demonstração da ira feminina no trabalho sempre leva a pior em relação à do sexo dito "mais forte".

Dizem os doutores, desta vez, que uma mulher que demonstra raiva ou impaciência no meio profissional sempre é mal vista por seus colegas. Mesmo que tenha todos os motivos para subir nas tamancas. E boa parte desses colegas que a julgam mal, pasmem, também são mulheres.

Segundo o estudo, o faniquito masculino é uma prova da virilidade e da autoridade do gajo, atestando sua capacidade de controlar as coisas no serviço. Já uma alteração de voz ou uma expressão carrancuda num corpo cheio de curvas seria um sinal de destemperança e desequilíbrio hormono-emocional. Em termos vulgares, praticados às escondidas nos almoxarifados de toda empresa, trata-se de uma "mal-amada", "dona Maria", "dona onça" que, provavelmente, estaria "naqueles dias", "de chico", "TPM" ou "na menopausa". Qualquer época do mês explicaria esse achaque "desnecessário".

Pois é. Demorou, mas os cientistas conseguiram comprovar esse senso comum.

Nunca me dei conta de sofrer na pele uma discriminação por ser mulher até bem pouco tempo. Antes disso, achava que tudo não passava de assunto da mídia, vitimização, coisa de feminista ou uma realidade vivida apenas pelas minhas avós e, talvez, tias e mãe. Enfim, águas passadas.

Fui uma menina-moleque. Cresci rodeada de primos e participava de muitas brincadeiras próprias do universo masculino. Jogava bola, brincava de Playmobil e cheguei a usar Kichute na escola. Eu me sentia mais à vontade descendo a rua de carrinho de rolimã do que brincando de casinha com minhas primas frescas. Brincadeira de menino sempre foi mais legal. A gente corria o risco, entende? Era a "Turma Zezinho da Silva" que corria pelos quarteirões do bairro, fugindo dos donos de carros alvejados por sementes de mamona. Uma turma de 5 primos que "assaltava" os transeuntes com pistolas espaciais de plástico, verdes e alaranjadas. O mesmo grupo que preferia passar numa padaria sete quarteirões mais distante de casa só para incluir, no roteiro, excursões ao apartamento de uma tia. Na volta, comíamos os biscoitos pimentinha, abríamos uma ponta do saco de leite para aplacar a sede e ainda vínhamos apertando tudo quanto era campainha e saindo correndo.

Eu era a única menina ali. Uma menina que achava mais divertido o papo dos garotos do que aquela ladainha de casinha-boneca das meninas. Tive uma deliciosa infância de moleque. Quando o traseiro grande e os peitos que brotavam começaram a me fazer passar vergonha e ter dificuldades para trepar em árvore foi que percebi a minha sina: "nascestes mulher, garota".

Aí começou essa bobagem que ainda hoje a sociedade propaga. Desde que tirei minha carteira de motorista, não canso de ouvir que eu dirijo "como homem". Toda vez, rebato a assertiva, perguntando se aquilo é um elogio ou uma ofensa. Ao que os incautos concluem: "mas eu tô dizendo que você dirige bem!" A minha pergunta continua: devo tomar isso como um elogio ou uma ofensa, afinal? É como se mulher não pudesse dirigir bem. Ou como se mulher, para ter valor, tivesse que ser "mulher-macho", como observei no tempo em que morei no nordeste.

Nunca parei para pensar nessa guerra dos sexos porque sempre achei uma perda de tempo. E às vezes me irrita o fato de a própria literatura fomentar essa questão. É o caso da classificação da literatura feminina. Até hoje me pergunto o que caracteriza a dita literatura feminina. Será o fato de ser escrita por uma mulher? É só isso? Se for só isso, toda a discussão na internet e em trabalhos acadêmicos pode ser descartada.

Um trabalho que analise uma escrita feminina deveria desconsiderar o sexo do autor. Por mais que as experiências de um escritor de carne-e-osso moldem sua forma de escrever, ele não interessa para a trama. A manifestação do "autor-empírico", como chama Umberto Eco, só atrapalha a leitura. E o leitor, por sua vez, não tem o direito de importuná-lo. Esse é o tipo de relação que funciona melhor à distância, um ignorando a realidade do outro.

Imagino uma análise da literatura feminina sob outro ponto de vista, pouco explorado em nossas universidades cartesianas: a concepção do Yin e Yang. Considerando as características femininas e masculinas que se complementam e dão o equilíbrio a diversas situações, seria interessante estudar personagens, narradores, mitos e arquétipos que ainda hoje são uma referência para a identidade de todo mortal.

Aí sim, seria um trabalho interessante, porque não se basearia no sexo do escritor para identificar o tom feminino no texto. A obra de Guimarães Rosa, por exemplo, alterna trechos de singeleza feminina e outros de virilidade masculina. E isso não tem nada a ver com batom e Kichute. Tem a ver com o que está lá dentro de quem escreve. O tal lado feminino e masculino do escritor (e da escritora).

A sociedade sempre confundiu feminino/masculino com fêmea/macho. Dirigir mal independe de gênero. Gritar sem razão ou ter motivos para isso, também. Na escrita, então, nem se fale. É tanta variedade de tom e estilo que já está bom demais se o texto do sujeito for considerado algo próximo da literatura. Para quê esmiuçar mais?


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 1/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Diz-que-diz de Ana Elisa Ribeiro


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Revisitar-se ou não, eis a questão - 9/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2010
08h30min
Vivemos numa época em que ninguém sabe mais informar quem é o homem ou a mulher, e, na verdade, estamos em fase de transição identitária na nossa sociedade. Coisas do mundo contemporâneo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
2/11/2010
17h34min
Um texto que será, sempre, atual. Como a própria humanidade, macho e fêmea, masculino e feminino. Escrever é um ato "sexual" e "não sexual". O que se escreve também. Pode "ter" e "dar" prazer. Mulheres, à frente e avante. Com ou sem faniquitos, são maravilhosas.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês