Batom, kichute e literatura | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/10/2007
Batom, kichute e literatura
Pilar Fazito

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dia desses, li n'algum lugar o resultado de mais um estudo óbvio. Finalmente, pesquisadores se deram conta do que as mulheres já estão carecas de saber: a demonstração da ira feminina no trabalho sempre leva a pior em relação à do sexo dito "mais forte".

Dizem os doutores, desta vez, que uma mulher que demonstra raiva ou impaciência no meio profissional sempre é mal vista por seus colegas. Mesmo que tenha todos os motivos para subir nas tamancas. E boa parte desses colegas que a julgam mal, pasmem, também são mulheres.

Segundo o estudo, o faniquito masculino é uma prova da virilidade e da autoridade do gajo, atestando sua capacidade de controlar as coisas no serviço. Já uma alteração de voz ou uma expressão carrancuda num corpo cheio de curvas seria um sinal de destemperança e desequilíbrio hormono-emocional. Em termos vulgares, praticados às escondidas nos almoxarifados de toda empresa, trata-se de uma "mal-amada", "dona Maria", "dona onça" que, provavelmente, estaria "naqueles dias", "de chico", "TPM" ou "na menopausa". Qualquer época do mês explicaria esse achaque "desnecessário".

Pois é. Demorou, mas os cientistas conseguiram comprovar esse senso comum.

Nunca me dei conta de sofrer na pele uma discriminação por ser mulher até bem pouco tempo. Antes disso, achava que tudo não passava de assunto da mídia, vitimização, coisa de feminista ou uma realidade vivida apenas pelas minhas avós e, talvez, tias e mãe. Enfim, águas passadas.

Fui uma menina-moleque. Cresci rodeada de primos e participava de muitas brincadeiras próprias do universo masculino. Jogava bola, brincava de Playmobil e cheguei a usar Kichute na escola. Eu me sentia mais à vontade descendo a rua de carrinho de rolimã do que brincando de casinha com minhas primas frescas. Brincadeira de menino sempre foi mais legal. A gente corria o risco, entende? Era a "Turma Zezinho da Silva" que corria pelos quarteirões do bairro, fugindo dos donos de carros alvejados por sementes de mamona. Uma turma de 5 primos que "assaltava" os transeuntes com pistolas espaciais de plástico, verdes e alaranjadas. O mesmo grupo que preferia passar numa padaria sete quarteirões mais distante de casa só para incluir, no roteiro, excursões ao apartamento de uma tia. Na volta, comíamos os biscoitos pimentinha, abríamos uma ponta do saco de leite para aplacar a sede e ainda vínhamos apertando tudo quanto era campainha e saindo correndo.

Eu era a única menina ali. Uma menina que achava mais divertido o papo dos garotos do que aquela ladainha de casinha-boneca das meninas. Tive uma deliciosa infância de moleque. Quando o traseiro grande e os peitos que brotavam começaram a me fazer passar vergonha e ter dificuldades para trepar em árvore foi que percebi a minha sina: "nascestes mulher, garota".

Aí começou essa bobagem que ainda hoje a sociedade propaga. Desde que tirei minha carteira de motorista, não canso de ouvir que eu dirijo "como homem". Toda vez, rebato a assertiva, perguntando se aquilo é um elogio ou uma ofensa. Ao que os incautos concluem: "mas eu tô dizendo que você dirige bem!" A minha pergunta continua: devo tomar isso como um elogio ou uma ofensa, afinal? É como se mulher não pudesse dirigir bem. Ou como se mulher, para ter valor, tivesse que ser "mulher-macho", como observei no tempo em que morei no nordeste.

Nunca parei para pensar nessa guerra dos sexos porque sempre achei uma perda de tempo. E às vezes me irrita o fato de a própria literatura fomentar essa questão. É o caso da classificação da literatura feminina. Até hoje me pergunto o que caracteriza a dita literatura feminina. Será o fato de ser escrita por uma mulher? É só isso? Se for só isso, toda a discussão na internet e em trabalhos acadêmicos pode ser descartada.

Um trabalho que analise uma escrita feminina deveria desconsiderar o sexo do autor. Por mais que as experiências de um escritor de carne-e-osso moldem sua forma de escrever, ele não interessa para a trama. A manifestação do "autor-empírico", como chama Umberto Eco, só atrapalha a leitura. E o leitor, por sua vez, não tem o direito de importuná-lo. Esse é o tipo de relação que funciona melhor à distância, um ignorando a realidade do outro.

Imagino uma análise da literatura feminina sob outro ponto de vista, pouco explorado em nossas universidades cartesianas: a concepção do Yin e Yang. Considerando as características femininas e masculinas que se complementam e dão o equilíbrio a diversas situações, seria interessante estudar personagens, narradores, mitos e arquétipos que ainda hoje são uma referência para a identidade de todo mortal.

Aí sim, seria um trabalho interessante, porque não se basearia no sexo do escritor para identificar o tom feminino no texto. A obra de Guimarães Rosa, por exemplo, alterna trechos de singeleza feminina e outros de virilidade masculina. E isso não tem nada a ver com batom e Kichute. Tem a ver com o que está lá dentro de quem escreve. O tal lado feminino e masculino do escritor (e da escritora).

A sociedade sempre confundiu feminino/masculino com fêmea/macho. Dirigir mal independe de gênero. Gritar sem razão ou ter motivos para isso, também. Na escrita, então, nem se fale. É tanta variedade de tom e estilo que já está bom demais se o texto do sujeito for considerado algo próximo da literatura. Para quê esmiuçar mais?


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 1/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
04. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2010
08h30min
Vivemos numa época em que ninguém sabe mais informar quem é o homem ou a mulher, e, na verdade, estamos em fase de transição identitária na nossa sociedade. Coisas do mundo contemporâneo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
2/11/2010
17h34min
Um texto que será, sempre, atual. Como a própria humanidade, macho e fêmea, masculino e feminino. Escrever é um ato "sexual" e "não sexual". O que se escreve também. Pode "ter" e "dar" prazer. Mulheres, à frente e avante. Com ou sem faniquitos, são maravilhosas.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A GRAFOLOGIA 4ª EDIÇÃO
HERBERT HERTZ
EUROPA-AMERICA PUBLICACOES
(1996)
R$ 31,70



DICIONÁRIO GASTRONÔMICO VINHO COM SUAS RECEITAS
JEZEBEL SALEM; CHRISTIAN FORMON
BOCCATO
(2013)
R$ 70,00
+ frete grátis



ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



SAIBA O QUE RESPONDER - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TEMAS DO JUDAISMO
SHIMSHOM BISKER
MAKON
(2012)
R$ 85,90



TESTEMUNHOS E ENSINAMENTOS
MILTON CAMPOS
JOSÉ OLYMPIO
(1951)
R$ 14,00



EXPLICANDO AS ESCRITURAS - LIÇÕES PARA A ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
VÁRIOS AUTORES
IGR. METODISTA WESL.
(1997)
R$ 7,00



OS CADERNOS DE DON RIGOBERTO
MARIO VARGAS LLOSA
PLANETA
(2004)
R$ 37,00



OBRAS DE ÁLVARO BRITO - EDIÇÃO, INTRODUÇÃO E NOTAS POR ISABEL A..
ISABEL ALMEIDA
LISBOA
(1997)
R$ 27,90



A GUERRA DAS PRIVATIZAÇÕES
NEY CARVALHO
CULTURA
(2009)
R$ 60,00



A FONTE DA LIDERANÇA
DAVID M. TRAVERSI
CULTRIX
(2011)
R$ 19,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês