Na praia | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
Mais Recentes
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> A Estranha Maldição de Dashiell Hammett pela Civilizacao Brasileira
COLUNAS

Sexta-feira, 5/10/2007
Na praia
Rafael Rodrigues

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O escritor britânico Ian McEwan é um dos autores mais elogiados da literatura contemporânea. Seus romances Sábado e Reparação (este último, principalmente) são citados em qualquer lista de melhores livros dos últimos anos que almeje o mínimo de dignidade e credibilidade (mesmo que o leitor da lista não tenha lido ambos livros...).

Aqui, não discutiremos nenhuma das duas obras, até porque não as li (ainda). A razão desta coluna é Na praia (Companhia das Letras, 2007, 128 págs.), novela de McEwan recentemente publicada no Brasil. Não considero ser um romance, por conta do número de páginas e também por causa de uma das definições de romance - a que mais me apraz - dizer que "romance" é uma narrativa com diversas ações acontecendo paralelamente, com tais ações tendo uma ligação entre si.

Em Na praia há uma ação, uma história, e há também outras, mas que são contadas em flashbacks. Existe uma ligação, mas não são paralelas. E uma ação não interfere na outra.

Florence e Edward, os protagonistas da novela, são dois jovens ingleses recém-casados, que estão numa praia, em noite de núpcias. A época, início da década de 1960, um "tempo em que conversar sobre as dificuldades sexuais era completamente impossível", diz o narrador. O caminho até ali não foi tão complicado. Namoro, noivado, casamento. McEwan dá a impressão de que foi quase tudo muito simples, entre o casal.

Florence é de família rica, teve uma vida tranqüila, nunca precisou trabalhar, nem passou por dificuldades financeiras. É violinista, tem uma formação cultural mais "clássica", tradicional, digamos. Edward é de família simples, desde garoto sabe o que são dificuldades - sua mãe sofreu uma lesão cerebral e seu pai, ele e suas duas irmãs são quem cuidam dos afazeres domésticos -, mas é do tipo esforçado (com arroubos de jovem inconseqüente de vez em quando) e estudou História. Ambos se conheceram em uma reunião de um grupo da Campanha pelo Desarmamento Nuclear. Romântico, não?

Deixemos a política de lado e falemos um pouco mais sobre o livro. Na praia é uma novela, acima de tudo, divertida de ser lida. Prefiro enxergá-la como uma obra juvenil de McEwan. Não que tenha sido escrita para o público juvenil, não é isso. Mas a história, os personagens e até mesmo a maneira como o autor conduz a narrativa é revigorante. O resultado é uma leitura rápida, conseqüência também da escolha de McEwan em contar apenas o essencial. O que sobra, em Na praia, é muito pouco, e rende boas risadas. Como quando ele compara os políticos ingleses com os políticos americanos.

Mas o que move mesmo o livro é a noite de núpcias do casal protagonista. E, mais especificamente, o que não acontece nela. Edward e Florence não fazem jus ao nome da noite. Florence não consegue se desvincular do medo que tem do sexo; ela não revela seus receios ao marido e, pior, continua agindo como a "recém-esposa" que vai finalmente perder a virgindade com ele. Edward não percebe nada de estranho, até o momento em que um incidente deixa a ingênua e pura Florence aterrorizada. O casal não consuma o ato sexual e ela sai em disparada do quarto do hotel, rumo à praia.

Edward, atônito, tenta entender o que aconteceu e encontrar uma explicação racional para o ocorrido. Depois de algum tempo, sem respostas definitivas, vai atrás de Florence. Antes disso, uma das frases mais sagazes do livro: "Não é fácil perseguir verdades tão duras descalço e de cuecas".

Ele a encontra encostada em uma árvore caída. Nesse reencontro, o casal tem uma conversa áspera, dolorida. Edward não consegue enxergar outro lado que não o seu, e seus lábios pronunciam as frases mais cruéis da conversa. Não há reconciliação após o diálogo, tampouco há final feliz para Florence e Edward, juntos. Depois da praia, cada um segue seu rumo (por motivos óbvios, os detalhes da conversa e do ocorrido entre os dois não será relatado aqui). Sem direito a um novo encontro ou qualquer tipo de contato.

Ambos seguem suas vidas. Florence realiza seu objetivo de ser uma talentosa e reconhecida violinista. Edward, que antes do rompimento queria escrever livros de História, envereda pelo caminho da organização de shows de rock e acaba tornando-se sócio de uma loja de discos. A história de amor que imaginava-se eterna tem seu fim no mais improvável dos momentos, a noite de núpcias. O inusitado do acontecido é apenas a ponta do iceberg que é Na praia. O sexo tem um peso diferenciado para homens e mulheres. E, às vezes, ele pode não ter importância nenhuma para alguém, seja esse alguém homem ou mulher. Na praia é, no fundo, sobre isso. Sobre como homens e mulheres vêem o sexo, como podem existir visões tão discrepantes sobre um mesmo assunto. Homens são criados para serem viris, "machos", "pegadores". As mulheres ainda são criadas para serem ingênuas, puras, virgens até o casamento. Era assim na época em que se passa a história, e continua sendo assim hoje.

É também uma história sobre escolhas. Sobre amor e paciência, sobre o que poderia ter sido e não foi. Uma escolha mal feita, uma palavra mal dita, pode ser o fim não só de um destino, mas de vários. E quando um livro proporciona ao leitor uma reflexão desse porte, pode-se dizer que sua missão foi cumprida.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 5/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Espírito e Cura de Ricardo de Mattos
04. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
05. A viagem e a experiência de Marta Barcellos


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/10/2007
10h52min
Pô, Rafa, encontro pelo desarmamento nuclear romântico? Até um show do Ari Toledo é mais romântico! =] E, bom, não li o livro ainda, mas já tenho certeza que a guria fez a coisa certa. Que sujeito panaca. Salute, dear fella.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
27/1/2009
14h39min
Parabéns pela resenha. Perfeita. Fiquei até com vergonha de escrever a minha (rsrs). É que eu achei a leitura um pouco chata, maçante, sem ação nenhuma. Só que você contou o final do livro (rs).
[Leia outros Comentários de Gustavo do Carmo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Destino, Liberdade e Alma
Osho
Planeta
(2017)



Árvores e Madeiras Úteis do Brasil - Manual de Dendrologia Brasil
Carlos Toledo Rizzini
Blucher
(2019)



The Complete Sherlock Holmes Ii
Sir Arthur Conan Doyle
Barnes & Noble Classics
(2007)



Depressao Doenca: o Grande Mal do Seculo Xxi
Carlos Vieira
Vozes
(2016)



Paris Legal
Cynthia Camargo
Best Seller
(1998)



Historia dos Martyres da Liberdade
A. Esquiros
Instituto Historico
(1872)



Levementeleve
Laura Medioli
Leitura
(2010)



Cérebros e Computadores a Complementaridade Analógico Digital
Robinson Moreira Tenório
Escrituras
(1998)



Artrogripose - Minha Vida, Minha História!
Jacqueline Mendonça
Do Autor
(2012)



Um Caminho de Esperança - uma Autobiografia
Lech Walesa
Best Seller
(1987)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês