As trevas modernas de Arcand | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 15/1/2008
As trevas modernas de Arcand
Marília Almeida

+ de 4900 Acessos

Após mais de vinte anos, finalmente o diretor quebequiano Denys Arcand termina sua trilogia sobre a depressão e os conflitos causados pela modernidade com A época da inocência (L'Age des Ténèbres, 2007), inspirado pelo sucesso dos filmes anteriores. O encerramento, definitivamente, não é feito com chave de ouro após o ótimo Invasões Bárbaras (Les Invasions Barbares, 2003), que recebeu os prêmios de melhor atriz e melhor roteiro no Festival de Cannes e concorreu a Palma de Ouro no mesmo ano de seu lançamento; e o engajado O declínio do Império Americano (Declin de L' Empire Americain, 1986), ambas seqüências que contam duas etapas diferentes da vida do socialista boêmio e apaixonado pela vida, Remy, passando por temas como a americanização da cultura, a sociedade do consumo, a poligamia, a família fragmentada e até a eutanásia.

O filme começa mecânico, sem surpresas e demora a engrenar. Logo percebemos que o ordinário funcionário Jean-Marc, interpretado pelo popular ator cômico de TV do país, Marc Labrèche, se esconde atrás de delírios eróticos para fugir da dura realidade colocada à sua frente: um emprego banal, uma chefe autoritária, uma mulher empresária e duas filhas adolescentes que o ignoram. Seus sonhos são compostos basicamente por duas mulheres opostas: a princesa medieval e mulher perfeita, no papel de Diane Kruger, e a figura moderna de mulher superficial e carnal, uma jornalista que adora fazer sexo com as celebridades que entrevista, no caso, Jean-Marc transformado em um escritor célebre, na pele de Emma de Caunes. Ambas parecem exercer a mesma força na mente de Jean-Marc, que parece sempre dividido entre o amor e o sucesso, entre cair de cabeça no novo mundo que se apresenta diante dele, com todo seu egoísmo e jogo de interesses; ou conservar os valores antigos de outrora, como a compreensão e o companheirismo.

Um jogo linear e tedioso entre sonho e realidade cede, enfim, a uma lenta subida até o ápice desse estado sufocante, cuja passagem mais notável é um original jogo de final de semana em um castelo, ao estilo dos atuais RPGs e que encontra paralelo no virtual Second Life. É nessas cenas que se concentra o maior humor do filme e Jean-Marc percebe, finalmente, que não está sozinho em sua fuga. Uma vida sem grandes feitos parece desesperar cada vez mais o protagonista, que se vê rodeado somente por estereótipos e caricaturas de pessoas, e não o contrário. Não há alguém que seja real e espontâneo. Todos parecem usar máscaras e atuar em um mundo de aparências. É clara a ausência do engajamento político e aberto do primeiro filme. Aqui, ele é muito mais um existencialismo mórbido e pessimista: um reflexo dos tempos modernos? Ele exaspera e faz com que o protagonista, finalmente, comece a agir e o filme a efetuar sua descida rumo a um pouco de esperança.

A primeira impressão é que o filme retrata um homem na andropausa, a menopausa masculina. Afinal, ele passa pelo peso de ver sua mulher ser mais bem sucedida que ele próprio, suas filhas começarem a fazer sexo, além de sentir falta do amor de uma mulher bela e jovem. Mas, para quem conhece os dois outros filmes do diretor, sabe que o filme vai além. Afinal, não é somente o sucesso, mas o seu preço, no caso, o abrir mão da própria família por prêmios artificiais; e não é o sexo, mas os valores que ele destrói, sugados pela tecnologia que fragmenta relações. Uma cena caricata e realista é quando Jean-Marc diz a suas filhas que irá se separar e recebe em troca uma exclamação sem surpresas ― todos o fazem, não seria diferente com eles - ou quando o filme mostra um passeio de família no campo, nem por isso salvo de todo tipo de tecnologia, que parece onipresente e principal instrumento desse cenário desolador.

A época da inocência não pode, enfim, ser classificado apenas como comédia satírica. Na verdade, há menos humor do que drama. Tudo é cru diante dos olhos do espectador. O emprego de Jean-Marc, como agente de informação na comissão de proteção dos direitos do cidadão, na província de Quebec, não poderia ser mais ilustrativo para percebermos com mais força a decadência da humanidade através da corrupção política e de leis burocráticas. Ele é também um instrumento para que o filme mostre o espírito da época com ironia mordaz. Como não poderia deixar de ser, o filme passa pela fila que nunca termina, o "nos preocupamos com você, te escutamos e daremos uma resposta quando chegar a sua vez" e até as sessões de psicologia quase espirituais para motivar funcionários insatisfeitos.

Sentimos falta, no final da trilogia, do personagem carismático de Remy e seus amigos inseparáveis. Agora, não há qualquer relação com esses personagens a não ser o mesmo sentimento e equipe técnica do filme anterior. Lá estão o mesmo cenário urbano e pesado em contraste com o calor e calma do campo, os planos fechados e intimistas e caracterização impecável de personagens, tipos bem realistas, apesar de caricatos. Arcand, transportando as invasões e declínios de antigos impérios para hoje, parece dizer que tudo ruma para a Idade das Trevas, quando a história nos diz que ela já acabou. Mas, comparando-a com fatos atuais, o filme parece dizer para revermos esse conceito.


Marília Almeida
São Paulo, 15/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
04. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
05. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O VAQUEANO - OBRAS IMORTAIS DA NOSSA LITERATURA 26
APOLINÁRIO PORTO-ALEGRE - CAPA DURA
TRÊS
(1973)
R$ 7,40



CRIAÇÃO DE VALOR COMPARTILHADO
MAURICIO FERNANDES PEREIRA, SIQUEIRA MORAIS NETO
ATLAS
(2014)
R$ 57,00



HISTÓRIA DO BRASIL
EDUARDO BUENO PROJETO
ZERO HORA / RBS JORNAL
R$ 40,00



O REI HENRIQUE VI TERCEIRA PARTE TRAGÉDIA EM CINCO ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE TRAD. HENRIQUE BRAGA
LELLO & IRMÃO
(1988)
R$ 15,63



SÓ HÁ FELICIDADE, PENSANDO BEM
SARAH KILIMANJARO
LEB
(1998)
R$ 6,56



O FUTURO DA INTERNET
CHUCK MARTIN
MAKRON
(2000)
R$ 7,90



O BRASIL QUE DÁ CERTO - 7709
STEPHEN KANITZ
MAKRON BOOKS
(1995)
R$ 11,00



MAXI-MARKETING: OS VENCEDORES
STAN RAPP & THOMAS L. COLLINS
MAKRON BOOKS / MC GRAW HILL
(1994)
R$ 10,00



VOCABULÁRIO PRÁTICO DE TECNOLOGIA JURÍDICA E DE BROCARDOS LATINOS
IÊDO BATISTA NEVES
APM
(1987)
R$ 9,99



CATECISMO DA IGREJA RESPONDE DE A A Z
FELIPE AQUINO
LOYOLA
(2002)
R$ 20,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês