As trevas modernas de Arcand | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
Mais Recentes
>>> Doce Água Doce de Regina Rennó pela Mercuryo Jovem (2008)
>>> Quando Chega o Natal de Mauro Camargo pela Lachãtre (2013)
>>> Educação é a Solução de Mauro Mourão pela Js
>>> Ensopados e Cozidos Culinária Ilustrada Passo a Passo de Anne Willan pela Publifolha (1999)
>>> Til de José de Alencar pela Melhoramentos (2012)
>>> Delicia Receber de Lenny Niemeyer pela Fontanar (2009)
>>> Vinheta: do Pergaminho ao Vídeo de Sidney Carlos Aznar pela Unimar (1997)
>>> As Sandalias do Pescador de Morris West pela Circulo do Livro
>>> Confrontando o Esquema Acabe de Maurivam Galdino Costa pela Imprensa da Fé (2009)
>>> Histórias das Ruas do Rio - 5ª Edição de Brasil Gerson pela Bem-te-vi (2000)
>>> Introdução ao Pert de Harry F Evarts pela Atlas (1977)
>>> Coleção Aplauso Perfil - a Estrela, o Mistério - Marisa Prado de Luiz Carlos Lisboa pela Imprensa Oficial (2006)
>>> Skyline Students Book 2 de Kate Fuscoe pela Macmillan Education (2001)
>>> Minhas Vidas Passadas de Shirley Maclaine pela Record (1983)
>>> Conecte Química 1 - Caderno de Competências de Editora Saraiva pela Saraiva (2014)
>>> Sussurre Coisas Eróticas para Mim de Sallie Tisdale pela Objetiva (1995)
>>> Biblioteca do Lider - Vol. 5 de Prof. Alberto Montalvão pela Nova Brasil (1978)
>>> A Dádiva da Esperança de Robert Veninga pela Círculo do Livro (1991)
>>> Edipo Rei. Antigona - Sofocles de Sófocles pela Martin Claret (2008)
>>> Seleções de Livros - o Testamento; Inveja +2 de John Grisham pela Seleções do Readers Digest (2002)
>>> O Caminho do Louco Guerras do Tarot Vol 1 de Alex Mandarino pela Avec (2016)
>>> A Mae no Terceiro Milenio de Simone Martins pela Butterfly (2003)
>>> Contrato de Seguro - Novos Paradigmas de Walter Antonio Polido pela Roncarati (2010)
>>> Tempo de Camélia de Zelita Seabra pela Record (1996)
>>> Gilles e Jeanne de Michel Tournier pela Bertrand Brasil (1983)
COLUNAS

Terça-feira, 15/1/2008
As trevas modernas de Arcand
Marília Almeida

+ de 6000 Acessos

Após mais de vinte anos, finalmente o diretor quebequiano Denys Arcand termina sua trilogia sobre a depressão e os conflitos causados pela modernidade com A época da inocência (L'Age des Ténèbres, 2007), inspirado pelo sucesso dos filmes anteriores. O encerramento, definitivamente, não é feito com chave de ouro após o ótimo Invasões Bárbaras (Les Invasions Barbares, 2003), que recebeu os prêmios de melhor atriz e melhor roteiro no Festival de Cannes e concorreu a Palma de Ouro no mesmo ano de seu lançamento; e o engajado O declínio do Império Americano (Declin de L' Empire Americain, 1986), ambas seqüências que contam duas etapas diferentes da vida do socialista boêmio e apaixonado pela vida, Remy, passando por temas como a americanização da cultura, a sociedade do consumo, a poligamia, a família fragmentada e até a eutanásia.

O filme começa mecânico, sem surpresas e demora a engrenar. Logo percebemos que o ordinário funcionário Jean-Marc, interpretado pelo popular ator cômico de TV do país, Marc Labrèche, se esconde atrás de delírios eróticos para fugir da dura realidade colocada à sua frente: um emprego banal, uma chefe autoritária, uma mulher empresária e duas filhas adolescentes que o ignoram. Seus sonhos são compostos basicamente por duas mulheres opostas: a princesa medieval e mulher perfeita, no papel de Diane Kruger, e a figura moderna de mulher superficial e carnal, uma jornalista que adora fazer sexo com as celebridades que entrevista, no caso, Jean-Marc transformado em um escritor célebre, na pele de Emma de Caunes. Ambas parecem exercer a mesma força na mente de Jean-Marc, que parece sempre dividido entre o amor e o sucesso, entre cair de cabeça no novo mundo que se apresenta diante dele, com todo seu egoísmo e jogo de interesses; ou conservar os valores antigos de outrora, como a compreensão e o companheirismo.

Um jogo linear e tedioso entre sonho e realidade cede, enfim, a uma lenta subida até o ápice desse estado sufocante, cuja passagem mais notável é um original jogo de final de semana em um castelo, ao estilo dos atuais RPGs e que encontra paralelo no virtual Second Life. É nessas cenas que se concentra o maior humor do filme e Jean-Marc percebe, finalmente, que não está sozinho em sua fuga. Uma vida sem grandes feitos parece desesperar cada vez mais o protagonista, que se vê rodeado somente por estereótipos e caricaturas de pessoas, e não o contrário. Não há alguém que seja real e espontâneo. Todos parecem usar máscaras e atuar em um mundo de aparências. É clara a ausência do engajamento político e aberto do primeiro filme. Aqui, ele é muito mais um existencialismo mórbido e pessimista: um reflexo dos tempos modernos? Ele exaspera e faz com que o protagonista, finalmente, comece a agir e o filme a efetuar sua descida rumo a um pouco de esperança.

A primeira impressão é que o filme retrata um homem na andropausa, a menopausa masculina. Afinal, ele passa pelo peso de ver sua mulher ser mais bem sucedida que ele próprio, suas filhas começarem a fazer sexo, além de sentir falta do amor de uma mulher bela e jovem. Mas, para quem conhece os dois outros filmes do diretor, sabe que o filme vai além. Afinal, não é somente o sucesso, mas o seu preço, no caso, o abrir mão da própria família por prêmios artificiais; e não é o sexo, mas os valores que ele destrói, sugados pela tecnologia que fragmenta relações. Uma cena caricata e realista é quando Jean-Marc diz a suas filhas que irá se separar e recebe em troca uma exclamação sem surpresas ― todos o fazem, não seria diferente com eles - ou quando o filme mostra um passeio de família no campo, nem por isso salvo de todo tipo de tecnologia, que parece onipresente e principal instrumento desse cenário desolador.

A época da inocência não pode, enfim, ser classificado apenas como comédia satírica. Na verdade, há menos humor do que drama. Tudo é cru diante dos olhos do espectador. O emprego de Jean-Marc, como agente de informação na comissão de proteção dos direitos do cidadão, na província de Quebec, não poderia ser mais ilustrativo para percebermos com mais força a decadência da humanidade através da corrupção política e de leis burocráticas. Ele é também um instrumento para que o filme mostre o espírito da época com ironia mordaz. Como não poderia deixar de ser, o filme passa pela fila que nunca termina, o "nos preocupamos com você, te escutamos e daremos uma resposta quando chegar a sua vez" e até as sessões de psicologia quase espirituais para motivar funcionários insatisfeitos.

Sentimos falta, no final da trilogia, do personagem carismático de Remy e seus amigos inseparáveis. Agora, não há qualquer relação com esses personagens a não ser o mesmo sentimento e equipe técnica do filme anterior. Lá estão o mesmo cenário urbano e pesado em contraste com o calor e calma do campo, os planos fechados e intimistas e caracterização impecável de personagens, tipos bem realistas, apesar de caricatos. Arcand, transportando as invasões e declínios de antigos impérios para hoje, parece dizer que tudo ruma para a Idade das Trevas, quando a história nos diz que ela já acabou. Mas, comparando-a com fatos atuais, o filme parece dizer para revermos esse conceito.


Marília Almeida
São Paulo, 15/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria de Jardel Dias Cavalcanti
03. Páginas do Diário de Um Leitor de Ricardo de Mattos
04. Norah Jones e a massa de Ana Elisa Ribeiro
05. Mário Faustino e a poesia de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. O diário de Genet - 31/10/2006
05. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Novo Dicionário Folha Websters - Inglês/português - Português/inglês
Antônio Houaiss / Ismael Cardim
Folha de S. Paulo
(1985)



Publications Du Centre de Recherches Latino Americaines
Clarice Lispector Drummond Graciliano 3 Mlivre
Poitiers
(1973)



Collaborative Divorce
Pauline & Thompson Tesler
Harpercollins
(2006)



Um Amor Submisso
Sophie Morgan
Fontanar
(2013)



Novo Atlas do Corpo Humano - Vol 3
Editora Agora
Agora
(2001)



Lolo E O Computador
Maria Julieta Drummond De Andrade
Companhia Nacional
(2005)



Calvin, o detetive: Crimes e mistérios que só a matemática resolve
Bill Wise
Melhoramentos
(2007)



Brasil Pós-Crise
Fabio Giambiagi e Octavio de Barros
Elsevier
(2009)



Revista Asas nº102 - Tiger Meet 2018
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2018)



Os Investidores Institucionais no Brasil
Claudio R. Contador
Ibmec
(1975)





busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês