Crise (de vergonha na cara?) | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A visão certa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Asia de volta ao mapa
>>> 7 de Setembro
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
Mais Recentes
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
>>> Ficção e Confissão de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Essencial padre Antônio Vieira: o que o turista deve ver de Vieira, Padre Antônio and Bosi, Alfredo pela Penguin (2020)
>>> Gibi Mônica N°83 A árvore encantada de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2013)
>>> Escravidão - Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2020)
>>> Esaú e Jacó de Assis, Machado de pela Abc (2020)
COLUNAS >>> Especial Crise

Quinta-feira, 19/3/2009
Crise (de vergonha na cara?)
Adriana Baggio

+ de 3100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Você, com certeza, toma café, almoça e janta a tal da crise. Mas na opinião de um executivo das Casas Bahia (li isso no editorial do jornal do mercado publicitário Meio&Mensagem de 2 de fevereiro), as classes mais populares continuam consumindo porque não estão impactadas pelas notícias alarmantes. O assunto é abordado com mais profundidade em veículos/programas jornalísticos que teriam menos audiência nas classes C, D e E. Então, como "quando os olhos não veem, o coração não sente", o pessoal segue comprando.

Já as classes mais abastadas e bem-informadas, mesmo que não estejam sentindo na prática os aguilhões da recessão cutucando o bolso, botam o pé no freio por prevenção. E, assim, o mercado sente a diminuição na compra de carros e vinhos importados, mas não na de feijão, arroz e geladeiras à prazo.

Passados quatro ou cinco meses do início da crise, já se começa a falar que ela não está tão forte. Alguns pensam que nem mesmo chegou por aqui. Parece aqueles furacões que desviam a rota antes de atingir determinada região. O problema com a crise é que ela não aparece nas imagens de satélite. E aí tudo cheira a especulação.

Será que a crise existe mesmo? Eu poderia dizer que sim porque, teoricamente, senti na pele. Um contrato definitivo de trabalho, em certa instituição de ensino de Curitiba, virou temporário. Nem dá para reclamar muito, se for comparar com os professores que estavam lá há anos e foram demitidos praticamente no fim do ano letivo, quando já era tarde para buscar emprego em outras faculdades. O motivo alegado, nem preciso falar: cortes para sobreviver à crise.

Com certeza existem situações em que as vendas foram afetadas, os prejuízos tomaram o lugar dos lucros, a sombra da bancarrota pairou sobre as cabeças. Porém, muita gente se questiona: a crise não acabou virando desculpa para algumas empresas tomarem certas medidas, que vão da demissão ao aumento de preços, e que teriam sido extremamente impopulares em um período de bonança?

Complexos cenários econômicos, impactados por variáveis inalcançáveis para a maior parte dos mortais, tornam difícil a um leigo ter uma opinião técnica sobre o assunto. Mas a gente pode traçar um paralelo com a vida pessoal, e aí fica mais fácil entender.

Sabe aquele namoro que não vai muito bem das pernas, mas onde não existe nenhum grande motivo para terminar? Quem quer terminar não tem coragem de ficar de vilão. E aí, o que essa pessoa faz? Arranja um pretexto. Qualquer situação pode ser transformada em motivo para "demitir" o namorado ou a namorada. Não que as coisas estivessem às mil maravilhas. Mas a crise em si não é tão grande que justifique o rompimento. A pessoa que quer terminar às vezes não tem coragem de revelar seus verdadeiros sentimentos. Então, aproveita qualquer bobagem para justificar "atitudes impopulares". Eu, por exemplo, já levei um fora por causa de um frango defumado, acredita?

Em alguns lugares, a crise deve existir mesmo. Mas no Brasil? Os bancos continuam lucrando bem direitinho e não baixaram os juros proporcionalmente à diminuição da Selic, estratégia do governo para manter/aumentar o consumo. As montadoras, que encheram a burra de dinheiro em 2008, talvez tivessem reservas suficientes para segurar as demissões mais um tempo (agora estão até recontratando). Os hotéis do Nordeste estiveram lotados no carnaval. E diz (novamente) o Meio&Mensagem de 16 de fevereiro que muitas das maiores agências de propaganda do Brasil não chegaram a perder dinheiro, em comparação com o início de 2008. Algumas empataram, outras até aumentaram o faturamento. Mesmo assim, esse mercado está sendo bastante atingido por demissões desde o fim do ano passado.

Qual seria a vantagem de demitir profissionais se a situação está regular, se existe até uma expectativa de crescimento? Afinal, essas pessoas não vão fazer falta? Suspeito que as empresas acham que essas coisas precisam acontecer de tempos em tempos. Uma espécie de limpeza, meio sem saber onde e nem por que fazer.

Ondas de demissões geram uma sensação ambígua em quem fica: alívio por ter sobrevivido junto com o medo de ser o próximo. Essas pessoas vão suportar trabalho e pressão dobrados, motivadas por essa sensação ― "puxa, eles gostam de mim; ops, preciso fazer das tripas coração para continuar com o emprego". Com isso, a empresa tem a mesma produtividade pagando menos salários.

Depois de um tempo, claro, os profissionais que acumularam o trabalho dos demitidos vão começar a fraquejar ― ninguém aguenta a pressão muito tempo. E aí, coitados, também eles serão mandados embora, taxados de incompetentes, por serem incapazes de suportar indefinidamente essa situação absurda. Troca todo mundo de novo, aumenta o quadro funcional, as coisas vão bem por um tempo até... surgir a próxima crise.

Não desanime, isso não é o apocalipse. Se perdeu o emprego, um cliente, um contrato (ou até mesmo o namorado) com a desculpa esfarrapada de uma crise, tente tirar algum proveito disso. As épocas ruins nos fazem cortar os excessos, valorizar o essencial, descobrir novas maneiras de viver. Lembra do apagão elétrico, quando teve aquela onda de racionamento? As pessoas reclamaram, foi péssimo no começo. Mas depois que o racionamento acabou, muita gente manteve os hábitos de economia de luz, porque descobriram no bolso os benefícios.

Seja meio falsa ou totalmente verdadeira, a crise talvez possa nos ensinar alguma coisa. Podíamos começar aprendendo a "dar o fora" em empresas (e pessoas) que se aproveitam de uma situação ruim, de fragilidade, para explorar os outros. Afinal, será que não está faltando um pouquinho de vergonha na cara dessa gente?


Adriana Baggio
Curitiba, 19/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
04. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
05. O cão da meia-noite de Gian Danton


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2009
14h20min
Impressionante como crises, de qualquer espécie, revelam facilmente o jogo que todos nós praticamos: presas e predadores. Em tempos de crise, não sei o que é mais vantajoso: ser ou torcer pela terceira opção, os carniceiros.
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
19/3/2009
07h51min
A necessidade de uma crise é evidente, pra quem respira a sedução da mercadoria e tem os empresários todos fazendo com que todos consumam seus produtos. E isto vale pra quem não tem o dinheiro, mas tem o creédito, e segue até o dia em que pagar é o problema. A bola de neve é tão grande que passam a hipotecar todos os seus bens, daí surge a crise, de forma violenta. Ou seja, ela faz parte do sistema capitalista, e Keynes já taxou isto de obsolescência da mercadoria. E há uma obra de Marx que em 1865 já previa a crise do consumo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/3/2009
11h02min
As empresas estão aproveitando da "crise" para enxugar o quadro, fazendo "dos que ficam" vitoriosos, mas com o trabalho "de quem se foi" a fazer...
[Leia outros Comentários de Adriano]
19/3/2009
17h14min
Penso que esta crise no Brasil é mais psicossomática. Daí se cria uma neurose acreditando que ela realmente existe. Pode ser que exista alguma crise, em determinados setores. Se levarmos a sério tudo que a Míriam Leitão fala logo de manhã, nosso dia estaria perdido. Seu texto vai ao encontro do que realmente acho sobre esta "crise".
[Leia outros Comentários de Marcos Arrebola]
20/3/2009
09h01min
Esse oportunismo não é de hoje. Enquanto nos EUA o mercado de trabalho cresce e diminui rapidamente, sempre amparado pelo dinamismo da estrutura econômica com poucos gargalos, aqui qualquer sintoma de recessão vira catarse. A questão central é cultural: lá, o valor é o trabalho, aqui, na maioria dos casos, é apenas o lucro, ainda que esse pessoal não entenda que ele não é gerado espontaneamente...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
21/3/2009
00h55min
Estimada Adriana, adorei o texto! Na verdade, devemos festejar o fim da farra monetarista dos figurões do neoliberalismo (crise pra eles, pra Davos!). Que é isso afinal de passar uma existência inteira a reboque do irracional mercado mundial financeiro?!! Em 2002 desisti da docência universitária, em universidades e faculdades particulares, preferi o desemprego, a miséria, a assistir ao sucateamento do saber promovido por estúpidos tecnocratas do "saber"... ganhar dinheiro! Oxalá, a partir de agora, eles possam nos restituir com juros e com os juros dos juros a perdida dignidade do campo educacional brasileiro.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOM DIA LEITURAS DIÁRIAS VOLUME 2
MAX LUCADO
MUNDO CRISTÃO
(2014)
R$ 15,00



A RIQUEZA NA BASE DA PIRÂMIDE
C. K. PRAHALAD
BOOKMAN
(2005)
R$ 30,00



INVESTIGAÇÃO PREPARATÓRIA
ADEL EL TASSE
JURUÁ
(2010)
R$ 44,00



RAH, O MENSAGEIRO DO SÉTIMO RAIO
LUCI GUIMARÃES WATANABE
ATUAL
(1995)
R$ 6,90



AGUA VIVA
FORREST TOMAS
LOYOLA
(1991)
R$ 19,99



EL ZAPATO SUCIO (TEATRO CUBANO) - EM ESPANHOL
AMADO DEL PINO
EDICIONES ALARCOS
(2002)
R$ 14,00



DON QUIJOTE DE LA MANCHA 2 - NIVEL 3
MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA
EDELSA GRUPO DIDASCA
(1996)
R$ 5,50



A FELICIDADE NÃO SE COMPRA
IRWIN SHAW
CÍRCULO DO LIVRO
(1981)
R$ 5,00



TROCA D ARMAS
LUISA VALENZUELA
ART
(1986)
R$ 5,00



LA EDUCACION POR LA DANZA: ENFOQUE METODOLÓGICO
P. OSSONA
PAIDOS (BUENOS AIRES)
(1976)
R$ 30,28





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês