singelo concerto em sol menor | Suzi Hong | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> Microsoft Computer Security
>>> Wanda Louca Liberal
>>> Rasgos de memória
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
Mais Recentes
>>> Boas-vindas, Bebê 2 - dos 3 Meses aos Dois Anos de Idade de Dra Ana Escobar pela Principium (2014)
>>> Jesus - A Dor e a Origem de sua Autoridade de Paiva Netto pela Elevação (2015)
>>> Dicionario Etimologico da Lingua Portuguesa de Antonio Geraldo da Cunha pela Lexikon (2010)
>>> A construçao do livro de Emanuel Araujo pela Lexikon (2008)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela Ciranda cultural (2019)
>>> A volta de sherlock holmes de Sir Arthur Conan doyle pela Martin Claret (2011)
>>> Introdução a estilistica: a expressividade na lingua portuguesa de Nilce Sant`anna Martins pela Edusp (2012)
>>> O portugues da gente: lingua que estudamos a lingua que falamos de Rodolfo Ilari e Renato Basso pela Contexto (2017)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Principes (2019)
>>> O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação de Haruki Murakami pela Objetiva (2014)
>>> Morte e Vida Severina e outros contos de joão Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2007)
>>> Mãe recem-nascida de Thais Vilarinho pela Buzz (2019)
>>> O que Budismo? de Hsing Yün pela Escrituras (2010)
>>> Dicionário de linguistica de Tradução Isidoro Blikstein pela Cultrix (2006)
>>> O assassinato de roger ackroyd de Agatha Christie pela Record (1926)
>>> A metamorfose/e /O veredito de Franz Kafka pela L&PM (2001)
>>> Nova reunião 23 livros de poesia de Carlos Drumond de Andrade pela BestBolso (2013)
>>> TIL de Jose de Alencar pela Melhoramentos (2012)
>>> O Livro de areia de Jorge luis Borges pela Coleção Folha (2012)
>>> Estetica da criação verbal de Mikhail Bakhtin pela Martins Fontes (2011)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> No Urubuquaquá, no Pinhém de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2001)
>>> Literatura e Sociedade de Antonio Candido pela Ouro sobre azul (2014)
>>> Qual é a tua obra? de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2015)
>>> Os quatros amores de C.S.Lewis pela Thomas Nelson Brasil (2017)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/11/2001
singelo concerto em sol menor
Suzi Hong

+ de 2200 Acessos

Eu dormia quando bati meu carro no poste da garagem.

Eu chovia quando o ônibus intermunicipal amassou toda a lateral direita do meu carro, arrancando-lhe o espelho retrovisor e me arrancando acessos de raiva histérica e muitos palavrões.

Eu bebia na casa de amigos quando bateram no pára-choques traseiro do meu carro estacionado na rua.

O pobre coitado, antes de começar a criar ferrugem, mofo, gnomos e alienígenas, está agora no conserto desde segunda-feira. Não sei quando o verei ainda, novo, piscando os faróis para mim.

Estou a pé e transporte público no meio da multidão de São Paulo. Anônima e desajeitada na hora de me equilibrar no metrô lotado e epiléptico, parecendo uma senhora gorda e esclerosada na hora de descer no ponto de ônibus, com meus reais 45 kg e surreais 26 anos.

Sinto-me perdida porque não sei mais os itinerários de quase todas as principais linhas de ônibus como sabia quando era estagiária de Direito; não sei mais dormir no metrô em pé, como quando demorava quase uma hora e meia para chegar às sete da manhã no colégio onde estudava. Esbarro nas pessoas, tropeço em buracos do chão. Só tenho o samba no pé do acelerador, freio e da embreagem. Só toco Debussy com as mãos no volante e os dedos postos sobre a marcha.

Sou uma passista patética, uma pianista decadente nas ruas de São Paulo. Há de existir um regente para guiar meus passos, batuques e cadências.

Não estou chateada com minha falta de jeito. Não me importo se minha esvoaçada mente sem direção e meus itinerários todos toscos são apenas conseqüências merecidas da vida pequeno-burguesa percorrida dentro de um bólido vermelho, cuja falta não sinto tanto assim.

Importa-me agora que existem pessoas que ainda falam boa tarde ao motorista de ônibus. Pessoas que me ajudam a levantar do chão depois de tropeçar no buraco. Homens cansados a caminho do trabalho que se oferecem a segurar minha pasta cheia de papéis. Mulheres despenteadas que perguntam onde comprei minha bolsa e aproveitam para conversar sobre o tempo, o antraz, o marido (ah, os homens...) e sorriem num consolo dizendo que sou jovem e tenho a vida inteira pela frente, para ser sofrida, amada, sonhada. “Quantas guerras terei que vencer por um pouco de paz? E amanhã se esse chão que eu beijei for meu leito e perdão, vou saber que valeu delirar e morrer de paixão. E assim, seja lá como for vai ter fim a infinita aflição e o mundo vai ver uma flor brotar do impossível chão”.

São rostos desconhecidos, cansados, alguns alienados, mas todos guardam uma essência em comum que não sei se tenho. São, sim, “flores que brotam do impossível chão”, inesperadas, abençoadas. Será que essas pessoas também chovem ouvindo o barulho da cidade lá fora que procuro tanto negar e lavar de mim? Não... acho que agradecem o orvalho que lhes cobrem todas as manhãs.

O “sonho impossível” tem beijo no fim da estrada. Meu carro tem conserto. Também o mundo, ainda que inóspito. Basta afinar alguns pianos, trocar as cordas de certos violinos e as baquetas quebradas por novas feitas de cedro, saudar o maestro com o olhar compenetrado e a alma pronta para ser devota ao concerto em Sol menor que a poucos iluminam, ainda que o auditório esteja repleto de cadeiras vazias.

Eu... bom, eu. Acho que não tenho conserto, porque rebelde que sou, quero me abster de um concerto triste que me tiram lágrimas abortadas. Quando o teatro estiver com a lotação esgotada, então, por favor, guardem um assento para que eu possa apreciar um mundo regido com maestria, paixão e notas acolhedoras, aquelas únicas e raras capazes de nos levar, em ônibus, metrôs e caminhadas, à tal essência comum às pessoas que brotam do impossível.

Para ir além

SpamZine


Suzi Hong
São Paulo, 12/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo de Humberto Pereira da Silva
02. Por que Harry Potter é boa literatura de Fernanda Prates


Mais Suzi Hong
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tudo Sobre Meninos para Meninas!
Cláudia Felício
Planeta Jovem
(2006)



A culpa não é minha!?
Adryanah Carvalho, Allessandra Canuto, Ana Luiza Isoldi
Literare Books International
(2018)



Carona para o mundo
Fred Mesquita
Literare Books International
(2018)



Tupi na Feira
Nara Salamunes e Mayli Colla
Base Geral
(2009)



Por que virei à direita
Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé
Três Estrelas
(2012)



Irmandade da Adaga Negra, Vol. 7 - Amante Vingado - 1ª Edição
J. R. Ward
Digerati
(2011)



Abraços para Crianças
Mary Hillingsworth
Atos
(2002)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Las Explicaciones Causales
Jean Piaget / R Garcia
Barral Editores
(1973)



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês