Cigarro, apenas um substituto da masturbação? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 1/9/2009
Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 19800 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Freud dizia que o cigarro é apenas o substituto da masturbação. Numa civilização repressora dos instintos sexuais, que prefere investir sua energia libidinal mais no trabalho que no prazer, o stress gerado pela ausência de uma satisfação plena criaria uma tensão que deveria ser sublimada de alguma forma.

A masturbação seria o calmante necessário para essa energia reprimida e acumulada dentro do corpo do homem impedido pelo "princípio da realidade" de ter tanto prazer quanto desejasse.

Mas como nossa cultura culpabiliza este ato solitário (mais barato e mais seguro que uma prostituta, mas menos prazeroso que o amor pago ou não pago), resta ao homem o estravazamento no vício (cigarro, drogas e bebida), na neurose ou na violência. Quem não consegue liberar a tensão de alguma forma, termina com um câncer inusitado (somatização) ou comendo feito um maluco (principalmente chocolate e gordura) e morrendo por doenças ligadas ao consumo destes alimentos.

O uso do cigarro seria uma das saídas mais decentes. O vício seria, portanto, apenas uma forma de se compensar instintos latentes que os costumes de um mundo civilizado empurram para as regiões misteriosas do inconsciente. A satisfação gerada pelo cigarro produz uma sensação de libertação desta tensão entre desejo e insatisfação. Essa sensação é similar ao relaxamento gerado pelo orgasmo.

Há explicações químicas para o prazer gerado pelo cigarro. Segundo a médica Paula Basinelli, "se fumar não fosse prazeroso, ninguém o faria. O fato é que o cigarro se firma cada vez mais como uma das drogas mais eficazes para combater a ansiedade e depressão, estados emocionais típicos do nosso estilo de vida". "A nicotina ativa neurotransmissores no cérebro responsáveis pela liberação de substâncias como a Dopamina e a Serotonina, que são poderosos antidepressivos", explica a cardiologista Jaqueline Scholz Issa, autora do livro Deixar de fumar ficou mais fácil. Para Basinelli, "a dupla Dopamina + Serotinina parece mesmo imbatível. A primeira dá sensação de alegria, felicidade e bem-estar. Já a Serotonina é um estimulante que dá coragem, bom humor e controla o apetite. Perfeito, não?".

Mas há questões que vão além da química. O cigarro tem um valor cultural que ultrapassa a leitura simplória do vício causado pela nicotina ou pela leitura freudiana da questão. Desde o glamour dos fumantes no cinema, quando o fumante de tabaco se eleva à condição existencial de uma personalidade psicológica intensa, até à ideia de um companheiro para a solidão, o cigarro ocupa nossas vidas há séculos fazendo parte de rituais sociais significativos para nossa convivência sócio-cultural.

Uma vez perguntaram a Freud por que ele fumava tantos charutos se sabia que o cigarro era apenas um substituto das frustrações. Ele respondeu peremptoriamente: "Às vezes, um cigarro é apenas um cigarro".

Sim, é possível, caro Sigmund. No vício ou uso do cigarro (pois há usuários, como eu, que não são viciados) há implicações de várias naturezas. Entre elas, uma que está sendo desrespeitada atualmente ao se colocar o fumante quase que na posição de um criminoso social: a liberdade do cidadão de fazer o que quiser com sua própria vida, dedicando-se a um prazer de livre escolha.

Junto a essa proibição, o controle sobre a propriedade privada dos bares, impedidos de permitirem o uso do cigarro (mesmo em fumódromos). Como alertou João Pereira Coutinho, no seu artigo publicado no caderno "Ilustrada" da Folha de São Paulo, do dia 18/08/09, "proibir o fumo em lugares fechados, como bares ou restaurantes, é um ataque à propriedade privada e à liberdade de cada proprietário decidir que tipo de clientes quer acolher no seu espaço. O mesmo raciocínio aplica-se aos clientes, impedidos de decidir livremente onde desejam ser acolhidos".

O que se deve garantir é o direito do cidadão em decidir que bar ele quer frequentar; se odeia cigarro, ele é livre para que procure um bar de não fumantes. Quem está desrespeitando a lei é o Estado, que deveria ser processado pelos donos de bares. Se o cigarro fosse um produto proibido, como a maconha o é, aí, sim, o Estado poderia impedir os bares de liberarem o fumo, mas sendo livre o uso de cigarro (e outros entorpecentes como o uísque, vodka, cerveja etc.) é incoerente a sua proibição em estabelecimentos particulares.

É incoerência dizer que o cigarro mata num país onde os índices de criminalidade são terríveis, onde a poluição ambiental e sonora e a química dos enlatados envenenam diariamente as células de nossos corpos tornando-os propensos, por isso, ao câncer. Mas... outro dado médico: viver em uma cidade poluída é mais arriscado que fumar um maço de cigarros por dia? Segundo o Dr. Alessandro Loiola: "Fique sabendo que o risco de câncer associado à poluição é 100 vezes menor que o risco trazido pelo cigarro. Largue este hábito maldito agora".

E o excesso de trabalho a que é submetido o trabalhador mal pago do terceiro mundo? Doenças na coluna, nas mãos, nas pernas, tensões do trânsito, alimentação pobre, lazer precário e noites mal dormidas (em São Paulo, para se chegar ao trabalho a classe pobre e média acorda às 5 da manhã e chega em casa às 9 da noite ― perde-se quatro horas da vida dentro de ônibus lotados, que não andam, às vezes tendo-se de fazer o trajeto de pé). Consequência: morte tão lenta quanto a causada pelo cigarro.

Se pensarmos em termos freudianos, o cigarro, como a prostituta, tem uma função social bem positiva. Se a prostituição fosse proibida, com certeza o número de estupros aumentaria substancialmente. Com a proibição ao cigarro o nervosismo vai subir, pois está se criando uma espécie de proibição moral ao se demonizar o fumante. A culpa gerada pelo fato de se ser usuário do pequeno cilindro de fumo e fumaça vai levar muitas pessoas a abandonarem o vício e o grau de stress vai explodir em vários lugares como consequência disso.

Quantos casamentos, quantas amizades, quantas relações empregado-empregador continuam a existir apenas porque se pode acender um cigarro e pensar dez vezes antes de se explodir com alguém?

Mallarmé dizia que entre ele e o mundo deveria existir uma leve cortina de fumaça, esta produzida pelo charuto que sempre carregava e que pode ser visto no seu belo retrato pintado por Manet. Talvez o primeiro retrato existencialista da história. Nessa afirmação do poeta francês está implícita também uma concepção de poesia e arte apenas como sugestão, como a imagem das coisas tornadas indefinidas por causa da fumaça do cigarro.

Eu tenho uma amiga, Vreni Widmer, que se mudou da Suíça para o Brasil, que sempre acende um cigarro, apenas um, no fim do dia, reservando esse momento ritual para repensar a vida diariamente. O cigarro sendo o elemento que faz sua ligação com as correntes subterrâneas do seu ser.

Já outra querida amiga, que é cantora, a Marie Irene, tem sentido como positiva a ausência de fumo nos bares em que ela canta, pois sua voz melhorou significativamente e está livre daquele cheiro horrível de cigarro que fica encrustrado na roupa de quem frequenta ambientes com fumantes.

Eu sou um fumante irregular. Se estou em um bar bebendo posso acender um cigarro e fazer dele uma companhia agradável, que aumenta meu prazer e relaxamento nesse raro momento de lazer. Se me sento para escrever e me sinto bloqueado, um cigarro pode ser o disparador das frases que sucessivamente vão acontecer em seguida. Também posso ficar meses sem fumar, como agora, sem o mínimo incômodo.

Não me irrito com a presença de fumantes em bares, restaurantes, reuniões. Ao contrário, a presença do cigarro dá um charme ao ambiente e a quem estiver fumando. Sempre deixo cigarros e charutos em casa para visitas poderem se deliciar com o prazer do fumo.

No entanto, o beijo feminino cheirando a cigarro me incomoda um pouco. Não vejo sentido no uso do cigarro numa ocasião tão especial como o encontro amoroso. O cigarro impede a absorção do cheiro natural da pele, elemento que aguça nossa sensibilidade erótica. Também me causa estranheza o prazer do cigarro após o ato amoroso, já que deveríamos estar bastante relaxados. Para algumas pessoas, o cigarro pós-ato é um ampliador do prazer que se acabou de ter; para outros, o cigarro antes da relação seria uma espécie de calmante para se entrar de forma segura na aventura das trocas afetivo-sexuais. A cada um seu prazer e sua dor.

Eu tive uma namorada que fumava bastante e o quanto isso era charmoso é indescritível. Que classe a menina tinha ao portar um cigarro na mão e levá-lo à boca! Essa imagem vale por todos os prazeres que se pode ter. Como a imagem de uma grande obra de arte, esta imagem não abandonará nunca a minha mente.

Mas o charme não é comum a todos os fumantes. Há aqueles que nem conseguem segurar direito o cigarro e o tragam de uma forma tão nervosa e desajeitada que o tornam o gesto de fumar insignificante. O fumante charmoso é aquele que leva o cigarro à boca e o traga como se estivesse tendo uma grande ideia ou movendo o universo no seu gesto.

O ex-fumante é um chato, mas não deixa de ser também um sujeito que teve uma melhoria significativa da saúde. Segundo pesquisas médicas, ao se largar o cigarro em poucos dias nota-se uma melhora do paladar, da tosse, da capacidade física, do olfato, da potência sexual e da autoestima. Em seis meses melhora-se a circulação sanguínea e o risco de infecções respiratórias. Em um ano cai 50% o risco de morte por problemas vasculares. Em dez anos reduz-se o risco de morte por câncer pulmonar.

As doenças geradas pelo cigarro são apenas o sinal da vingança do corpo contra o espírito liberto pela tragada do cigarro. Sendo sublime e terrível, segundo uma famosa frase do escritor Oscar Wilde, "o cigarro é a forma perfeita de prazer: elegante e jamais satisfaz".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/9/2009


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2009
01h20min
No caso do citado Freud, que fumava cerca de 20 charutos por dia, o tabaco, disse ele, tornou-se "um meio de trabalho", sendo que se cogita o fato de as sessões se encerrarem a cada 55 minutos. Para constatar quão é demagoga essa lei "São Paulo respira melhor", faço uma comparação com a matéria que saiu na Veja São Paulo, de 29 de abril de 2009, sobre o ar de são Paulo. Diz a matéria, mencionando algumas avenidas: "Todas têm em comum o fato de concentrar um fluxo diário de caminhões e ônibus, movidos a diesel, responsáveis por 80% do total de partículas finas emitidas pela frota paulistana. Não por acaso, quando um desses grandalhões cruzava o caminho da reportagem, soltando aquela fumaça preta e malcheirosa, os números do medidor atingiam picos de 836 microgramas por metro cúbico: 33 vezes o limite da OMS... O diesel que abastece ônibus e caminhões deveria conter menos enxofre... Um acordo entre Ministério Público e os governos federal e estadual adiou a medida para 2012". Acreditamos?
[Leia outros Comentários de Oriebir Socram]
2/9/2009
09h31min
Caros leitores, sou fumante ocasional, a exemplo do argumento do Jardel, o autor do texto. O que me assusta nestes "novos tempos antitabaco" é a censura desmesurada. Ainda ontem, eu fumava na calçada de um supermercado: fui convidado, indelicadamente, a me distanciar uma quadra do prédio! A avenida, em frente ao supermercado, em meio ao barulho ensurdecedor de carros, ônibus, emitindo... eia, gás carbônico! (altamente cancerígeno). Pelas ruas e avenidas, cada vez mais escassa está a flora: apenas contemplo tocos de árvores violentamente decepadas: para o brasileiro é um insulto uma folhinha de árvore pousar sobre a "lata velha"! Pelos deuses, tudo isso é um paradoxo, ou melhor, gestos de totalitarismo! Hoje é a proibição do cigarro, amanhã será qualquer outra coisa ou tantas outras coisas... vivemos tempos sombrios.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
14/9/2009
23h03min
1. O autor, tão preocupado com o sofrido trabalhador brasileiro, vítima das longas jornadas de labuta, deveria pensar em quem trabalha nos bares e tem que respirar fumaça horas a fio, durante anos. Essas pessoas, sim, não têm liberdade, e fazem parte da tal classe de trabalhadores do terceiro mundo. Aliás, a defesa simultânea do povo mítico e da propriedade privada indica que tais argumentos são sociologia pra boi dormir (fedendo a cigarro). 2. Também é falacioso falar de criminalidade e poluição. A existência de problemas maiores não impede a tentativa de solucionar algum que seja menor. 3. As informações do penúltimo parágrafo, no qual é mencionada a melhora do paladar, da tosse [sic], da potência sexual e da autoestima do ex-fumante parecem inviabilizar o quadro catastrófico da "explosão do grau de stress em vários lugares", que o autor teme ser a consequência de uma eventual redução da quantidade de fumantes.
[Leia outros Comentários de Ricardo Antunes]
14/9/2009
23h05min
4. Entre o suposto charme do cigarro e, na sua ausência, o aguçamento da "sensibilidade erótica", fico com o segundo. E se o charme é tão importante, que pelo menos os referidos sem-charme, criticados pelo autor, fossem proibidos de fumar - já seria um alivio para os nossos pulmões e para os olhos dos estetas. 5. Se casamentos, amizades e relações de trabalho dependem tanto do cigarro, como foi colocado, é sinal de que precisamos de Freud como nunca antes.
[Leia outros Comentários de Ricardo Antunes]
15/9/2009
00h58min
"O cigarro nos impede de matar os outros", disse um leitor sobre meu texto. Como um poeta me disse: "se não fosse poeta, seria assassino". Conversa pra boi dormir é a pessoa se fazer de vítima de uma fumacinha qualquer enquanto se envenena se entupindo de enlatados, poluição, trabalho mal pago... chega de bodes expiatórios (não bastou o nazismo?).
[Leia outros Comentários de jardel dias cavalcan]
17/9/2009
16h32min
Também achei que defender o cigarro como forma de prevenir violência e nervosismo foi de lascar... e perder a classe no comentário, então... nem se fala!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
17/9/2009
18h50min
Resposta ao comentário 5: Quem se vitimiza é o fumante, e isso fica claro nessa menção absurda ao nazismo. Espero que o comentário não queira comparar os fumantes aos grupos perseguidos por Hitler. Seria patético, além de desrespeitoso. Já chamar a fumaça do cigarro de "fumacinha qualquer" é ignorância completa, além de destoar da excelência poética com a qual nos brinda o autor. Mallarmé e Wilde revolvem-se em seus túmulos.
[Leia outros Comentários de Ricardo Antunes]
27/9/2009
04h11min
Comparar o nazismo com a lei antifumo é totalmente análogo, pois assim como nos regimes totalitaristas o que o Estado faz é tentar criar uma nova raça, a dos puritanos. E com isso cria-se a lógica: eu não fumo, sou bom; ele fuma, logo é mau. É ótimo que os moralistas vençam, assim teremos menos pensadores e mais cristãos-malhados.
[Leia outros Comentários de Oriebir Socram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E A COROA DA MADONA
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 99,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
OBELISCO
R$ 6,77



SUPERINTERESSANTE A VERDADE SOBRE CHE Nº 261
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 6,99



AFRODIÁSPORA 1 - 3º ONGRESSO DE CULTURA NEGRA DAS AMÉRICAS
VÁRIOS
IPEAFRO
(1983)
R$ 30,00



A HISTÓRIA DE EDGAR SAWTELLE
DAVID WROBLEWSKI; JOSÉ RUBENS SIQUEIRA
INTRINSECA
(2009)
R$ 7,00



TEORIA E POLÍTICA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
CELSO FURTADO
ABRIL
(1983)
R$ 20,00



REFORMA ESPIRITUAL
MIGUEL THOMAZ
DO AUTOR
(2004)
R$ 10,00



AMANTE RENASCIDO
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANSIEDADE E GRAVIDEZ
NADIR FARAH (DEDICATÓRIA)
FACULDADE DE MEDICINA
(1964)
R$ 18,82



ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - 2012
FREI EDRIAN JOSUÉ PASINI (ORG.)
VOZES
(2012)
R$ 8,81





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server