A marca do fútil | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/4/2010
A marca do fútil
Daniel Bushatsky

+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Recentemente a Veja se comparou ao jornalista e escritor norte-americano Gay Talese, um dos criadores do movimento Novo Jornalismo, que incorporava no jornalismo características de literatura (descrição de cenas, diálogos e ponto de vista dos personagens) e que ficou famoso na década de 60, por "entrevistar" Frank Sinatra para a revista Esquire. Na verdade, como não foi possível uma entrevista nos moldes convencionais com o dono da voz mais charmosa que já existiu, Talese se contentou em perseguir o astro para depois descrevê-lo em um artigo não apenas profundo, mas que lhe rendeu fama e uma enorme projeção.

Com certeza esse não foi o início dos jornalistas inconvenientes ou das pseudo-entrevistas. Esses jornalistas não respeitam a intimidade das pessoas e, lógico, possuem na ponta da língua a resposta que lhes dá legitimidade para o que fazem, e não é "nós somos chatos mesmo", mas sim "há liberdade de imprensa" e "a população tem direito de saber a verdade". Se inspiraram nele, mas não entenderam Talese.

Questiono a verdade de que? A população tem direito de saber que dois jornalistas deram uma de Gay Talese e investigaram a vida de Ronaldo, o Fenômeno, mesmo sem este querer. Ou a população tem o direito de saber que o restaurante argentino Pobre Ruan deixa Ronaldo entrar de bermuda, enquanto os outros fregueses, menos famosos, devem vestir calça?

A população também precisa saber, com certeza, como os famosos se vestem ou como se comportam em casa, mesmo contra as suas vontades. Uns podem argumentar que eles que escolheram ser famosos, mas peraí: já não basta as entrevistas concedidas por livre e espontânea vontade?

Pior, já tivemos lições que esta invasão pode resultar em morte ― ou vocês não se lembram da Lady Di?

Pelo menos o escritor americano não se contentou em relatar a vida social e financeira do astro, fazendo análise bem mais profunda e muito mais inovadora.

Mas acho que não muito longe desse tipo de comportamento está a manipulação da mídia no caso Nardoni. Por opção, vi e li pouco sobre o show. O melhor foi a manchete de alguns jornais que diziam que agora a justiça brasileira provou que pode ser célere. Convenhamos, ela só foi célere porque a população precisa de pão e circo! Tanto circo que após a sentença ter sido lida pelo juiz da causa houve queima de fogos de artifício.

Tanto o "julgamento" de Ronaldo ― que não quis dar uma exclusiva e foi punido com dois jornalistas na suas costas, quanto o dia a dia do casal Nardoni só provaram duas coisas: a mídia nos manipula e nós gostamos do que nos é vendido!

Ahh, já estava esquecendo o apaixonante BBB 10. No primeiro, torci para ninguém assistir, mas no décimo, e ainda com essa audiência, vi que estou condenado e ficar de lado em algumas conversas de bar.

Se não houvesse a manipulação da nossa futilidade, ninguém estaria tão interessado em saber dos carros do Ronaldo ou da crueldade dos Nardoni. Existem pessoas interessantes dispostas a dar entrevista e crimes mais cruéis do que o de Isabela para nos interessarmos e estudarmos profundamente.

Porém, o que parece, é que gostamos da superficialidade. É melhor sermos fantoches, acompanhando estaticamente o que a mídia comum nos oferece, em vez de nos revoltarmos e buscarmos informações mais precisas em sites e livros especializados ou em podcasts.

A questão é que esta futilidade não tem origem somente na mídia. A propaganda também tem sua parcela de culpa.

Somos bombardeados diariamente com inúmeras marcas e seus respectivos logotipos e desenhos gráficos que as representam. Elas são a representação, em geral, de uma empresa. Se você se lembra da marca, é porque a empresa é famosa e construiu muito bem sua reputação em volta dela.

Há marcas de alto renome, que são aquelas que são famosas no país de origem a ponto de poderem ter proteção em outras localidades. Há, também, as marcas notórias, que são reconhecidas em qualquer lugar do mundo, como a Coca-Cola ou a Havaianas.

Cinco franceses, muito criativos, escolheram mais de 2 mil marcas notórias e filmaram o curta ganhador do Oscar (apenas 17 minutos) que se passa em uma típica cidade americana. O filme joga com o espectador o conhecimento das marcas, logotipos e ícones comerciais que ganham vida e coloca como personagens principais os bonecos da Michelin e Ronald McDonald.

Considerando que os criadores do curta são franceses, quem vocês acham que faz o papel de mau?

O filme demonstra como somos bons de marca. Duvido que qualquer leitor consiga citar 2 mil instituições de caridade, mas aposto que todos conseguirão reconhecer 80% das marcas.

O universo paralelo construído me fez refletir desde o óbvio consumismo em excesso, passando pelo poder das marcas, pelas reportagens dos pseudo-Gay Talese até a nossa futilidade.

Como não nos revoltamos com o excesso de exposição que somos obrigados a aguentar diariamente, permitimos que marcas sejam mais poderosas que pessoas, e acabamos por ter uma visão limítrofe da realidade.

Ronaldo é, com certeza, uma marca notória, e do mesmo jeito que temos interesse em saber que existem Havaianas que valem milhares de dólares, queremos também saber quanto ele dá de gorjeta.

Quanto mais esses assuntos te deixarem irritado, mais perto você estará de ver o fútil das marcas.

Quanto mais esses assuntos te interessarem, mais perto você estará de ser a marca do fútil.


Daniel Bushatsky
São Paulo, 5/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
02. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
03. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
04. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
05. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2010
01. Big Brother da Palmada - 9/8/2010
02. Simplicidade ou você quer dormir brigado? - 31/5/2010
03. A interpretação dos chatos - 1/3/2010
04. Simplesmente tive sorte - 8/2/2010
05. Dilma e o Big Mac - 1/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2010
09h10min
Parabéns, Daniel, gostei muito do texto. Como precisamos deste contraponto e de espírito crítico como esse! Toda essa futilidade é, além de tudo, perversa, pois trabalha com uma lógica excludente.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
21/4/2010
16h23min
O texto parece o "samba do crioulo doido"! A "entrevista" do Sinatra por Gay Talese é tão fútil quanto a do Ronaldo pela Veja. A primeira pode ter sido melhor escrita e ocupado mais espaço na imprensa, mas a futilidade de ambas é a mesma. E no mundo moderno quase tudo são marcas: Sinatra, Ronaldo, Talese, Veja, Havaianas, Coca-cola, Michelin... até Digestivo Cultural!
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVA MAIS - VENÇA E PREVINA A DEPRESSÃO
IZAIAS CLARO
SOLIDUM
(2012)
R$ 8,90



ADVERTÊNCIAS ESPIRITUAIS - O CONSELHO PLANETÁRIO
FRANCISCO EDERALDO KORNALEWSKI
MADRAS
(2000)
R$ 12,89



LINGUAGEM LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
HEITOR MEGALE & MARILENA MATSUOKA
FTD
R$ 10,00



A 600º CELSIUS
STANLEY WILLIAMS / FEN MONTAIGNE
OBJETIVA
(2002)
R$ 11,00



VICENTE FERRER: LA REVOLUCION SILENCIOSA
ALBERTO OLIVERAS
PLANETA
(2000)
R$ 52,28



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - OS GRANDES CLÁSSICOS DA LITERATURA
JULIO VERNE
NOVO HORIZONTE
(1983)
R$ 10,00



O TELEJORNAL E O SERVIÇO PÚBLICO
FELIZBELA LOPES
MINERVA
(1999)
R$ 39,08



O GARANHÃO - 11ª EDIÇÃO
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1971)
R$ 7,00



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 5,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês