Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
Mais Recentes
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 4/12/2001
Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar
Rafael Lima

+ de 6100 Acessos

A notícia fala por si própria: amanhã, dia 5, está prevista a chegada nas lojas do primeiro capítulo da mini-série The Dark Knight Strikes Back, a continuação de The Dark Knight Returns (O Cavaleiro das Trevas), totalmente escrita e desenhada por Frank Miller. Qualquer um que tenha lido o que saiu em quadrinhos nos últimos dez anos, pelo menos já ouviu falar no Cavaleiro das Trevas. Aos que moravam em outro planeta, essa coluna pode ajudar em alguma coisa.

Desde que começaram a aparecer nos EUA do final da década de 30, como uma estilização dos personagens da pulp fiction - Doc Savage, o "homem de bronze"; O Sombra - os super-heróis passaram por poucas e boas. De sub-sub-subliteratura (se pulp fiction já era considerada baixaria entre os bem letrados, até por ser impressa em papel mais barato, restos de polpa de árvore - daí o nome - imagine só o que não diziam das histórias em quadrinhos, pulp fiction feita para adolescentes) à respeitabilidade das críticas em suplementos literários de domingo dos grandes jornais, foi uma escalada tumultuada e incompreendida - sobre a qual já andei escrevendo - que não cansava de se olhar no espelho e se perguntar o que via.

Alan Moore sacou isso: desde a Era de Ouro, todos os super-heróis que surgiram foram reinterpretações, descontruções ou análises dos heróis originais. Mesmo dentro da Era de Ouro, pode-se dizer que todos os protagonistas (Átomo, Flash, Capitão Marvel, até a Mulher Maravilha) eram variações do Super-Homem, o primeiro, mais perfeito e maior de todos os super-heróis. Além de caber perfeitamente nos moldes do mito, ainda encarnava a pujança da modernidade, um símbolo para o american way of life. É tremendamente curioso que o primeiro protagonista da Era de Ouro baseado nele tenha sido quase um reverso no baralho, uma assustadora criatura das sombras, um ser cavernoso que beirava o crime em suas ações. Batman.

Em meados da década de 80 as revistas dos principais personagens da DC Comics, editora de Super-Homem e Batman, não faziam muito sucesso. Para se ter uma idéia do baixo astral, quem arrastava o público para as convenções era o gibi do Monstro do Pântano. À beira dos 50 anos, nem o anel do Lanterna Verde parecia capaz de fazer o público enxergar o potencial daqueles símbolos tão esvaziados. Foi uma tentativa desesperada de resgatar os significados perdidos que fez a DC entregar de mão beijada seu panteão, a essa altura mundialmente influentes (do carnaval recifense ao interior da Noruega é possível encontrar crianças fantasiadas de Super-Homem), a jovens autores em ascensão. Com carta branca, a equipe responsável pelo Demolidor, estrondoso sucesso da concorrente Marvel, Frank Miller-Klaus Janson, e mais a colorista Lynn Varley, foi convocado para trabalhar com o Batman.

Cavaleiro das Trevas - Capa O Cavaleiro das Trevas pegou todo mundo de calça curta em 1986. Foi revolucionário sob diversos aspectos. Era uma mini-série em quatro capítulos, formato ainda incomum; impressa em luxuoso papel baxter, para melhor reproduzir o colorido especial de Lynn Varley, enfim, tinha cuidados ainda muito raros em se tratando de gibis de super-heróis naqueles dias. Aqui no Brasil, lançada no ano seguinte, foi a primeira revista de super-heróis em formato americano e impressão bem cuidada a chegar nas bancas tupiniquins. No interior, Frank Miller mostraria que não tinha medo de jogar em time grande.

Sua primeira providência foi dividir a página simetricamente em 16 quadros, não por acaso a mesma malha básica utilizada em Watchmen, conferia unidade visual e grande versatilidade na diagramação. A segunda foi retalhar a página em longos quadros horizontais ou verticais, como já havia feito no Demolidor, dando muito dinamismo às cenas de ação. Além de truques de câmera cinematográficos, criando um punhado de seqüências de grande impacto dramático, Miller achou espaço para espalhar algumas splash pages (páginas ocupadas por uma imagem só) ao longo da história, para homenagear seu mestre Jack Kirby. Utilizou novamente a narrativa em primeira pessoa, em off, como numa novela policial noir, e colocou vários coadjuvantes para impulsionarem a história, quebrando a narrativa. Mas foi ao manipular conceitos que o Cavaleiro das Trevas mostrou a que tinha vindo.

A história é situada em "algum lugar do futuro", quando a televisão é descaradamente sensacionalista, a insegurança domina as ruas de Gotham City, assoladas por gangues adolescentes ultra-violentas e o péssimo clima da iminência de uma guerra nuclear com a União Soviética é palpável nos cartazes "O Fim está proximo". O presidente norte-americano é uma caricatura de Reagan, e governa com aquele mesmo estilo caubói de filme B. Batman está fora de cena há 10 anos, aposentado compulsoriamente por seu alter ego, Bruce Wayne, depois de um decreto presidencial que baniu o vigilantismo dos super-heróis. Cercado de motivos por todos os lados, Wayne quebra o voto de silêncio e resolve voltar (triunfalmente?) à ação. Ao contrário do que se poderia imaginar, não é bem recebido pela mídia, ainda mais depois do reaparecimento do Duas Caras e do Curinga.

Não há nenhum quadrinho, e também nenhum filme que sintetize e transmita tão bem aquele momento político norte-americano como The Dark Knight Returns. Seu impacto foi imenso não porque nunca tinham se feito histórias em quadrinhos de conteúdo adulto, mas porque era a primeira história adulta com super-heróis - e logo com um ídolo das crianças. Lembro que na época saiu uma reportagem com essa comparação: O Cavaleiro de Miller é o Blade Runner de Batman. Tinha que se buscar símiles no cinema, porque inexistiam nas Hqs; porém, apenas essa história foi capaz de inverter o fluxo: se você achou sua ambientação familiar, semelhante a algum filme que viu há muito tempo atrás, agora já pode saber de onde RoboCop chupou suas melhores idéias. É só procurar o nome de Frank Miller nos créditos do roteiro das duas continuações. Em 1989 veio Batman, o filme, que mesmo embalado para o mercado ainda trouxe muito da arquitetura gótica, do clima sombrio e do jeito caladão do morcego-humano. O Batman de Dark Knight é alguém atormentado pela morte dos pais e assombrado por um morcego que invadiu seu quarto quando criança; é carrancudo, violento ao nível do sadismo, curto e grosso - e ainda faz humor negro. A encadernação dos quatro capítulos foi uma das primeiras histórias em quadrinhos a invadir as livrarias, como graphic novel.

Batman e Catgirl Quinze anos depois, uma continuação, ainda que pelos mesmos criadores, poderia soar como um simples golpe de vendas. No entanto, é mais razoável supor que o motivo seja o mesmo de quinze anos atrás: o gênero dos super-heróis está esgotado. A rigor, o conjunto de hoje é ainda mais aterrador, por conta da infinidade de imitações baratas no vácuo do Cavaleiro, uma penca de heróis de capa esvoaçante, extremamente violentos, mau encarados, incapazes de articular pensamentos em mais de 3 linhas - ou seja, caricaturas do Batman, sem um pingo de sua motivação. Frank Miller já não mexia com super-heróis há um bom tempo, já tinha feito a história para a qual nascera (Sin City), portanto, poderia se considerar alguém realizado e dar tudo de si: "Se eu vou fazer uma HQ de super-heróis, tem que ser em grande estilo", disse. "As coisas estão lúgubres demais. Os heróis ficaram tão feios que até seus músculos têm músculos. A elegância de Gil Kane desapareceu. Não se vê mais o regozijo absoluto do anel energético do Lanterna Verde ou a magia do Flash, que se move tão rápido que ninguém o vê".

Um bom motivo - o melhor, a meu ver - para se comprar correndo é que, exceção feita à graphic novel Elektra Vive, é a primeira vez que Miller volta a desenhar super-heróis com seu próprio punho há 20 anos: quem conhecia a dupla Miller-Janson dos tempos de Demolidor sabia que o trabalho de Klaus na arte-final sempre fora muito mais do que apenas "cobrir de tinta os traços do desenhista"; há algum tempo Frank só fazia a diagramação das páginas e o lay out dos quadros. No duro, foi Klaus Janson quem desenhou o Cavaleiro das Trevas. Como a DC Comics cometeu a mesma insanidade de dar liberdade completa de mexer com os personagens clássicos, inclusive licença para matar, Miller resolveu fazer o jogo sujo sozinho dessa vez, sem Janson. E mais uma vez o jovem gênio não se fez de rogado e prometeu sacudir o barraco.

Se a primeira série era um excelente retrato da era Reagan, Guerra Fria, agora, após os politicamente corretos anos Clinton, prosperidade econômica e a chance de um avião cair na sua cabeça a qualquer momento, não será diferente. Miller sabe que o inimigo pode vir de qualquer canto, e prometeu comentar o atentado ao World Trade Center. A história se passa 3 anos depois do término da primeira, num mundo risonho porém não franco, onde as circunstâncias fazem Batman mais uma vez intervir - e, dessa vez, ele vai ao encontro dos super-heróis banidos. Saber o que aconteceu com cada um deles será um dos grandes atrativos da história, porque foi convocado praticamente todo o dream team da DC. Os super-heróis simbolizarão posições políticas: mais uma vez, o Super-Homem será a direita, o defensor do sistema, enquanto Oliver Queen, o Arqueiro Verde, que aparece com um braço amputado no quarto capítulo da primeira série (atenção para a sutileza: um arqueiro de braço amputado), será a extrema esquerda. O Batman? Desfilará com as cores da anarquia.

Um hot site foi colocado no ar para ir esquentando os tamborins, e apesar de já gastarem alguns bits para colocar à venda uma estatueta promocional, é possível ver a capa, sketches originais, páginas finalizadas, um resumo do argumento e até assistir uma animação feita para instigar o leitor. Quem nunca ouviu falar pode querer correr atrás, e essa história deve ser um ótimo exemplo para mostrar que história em quadrinhos, até as de super-herói, também pode ser séria, inteligente, profunda, para quem nunca leu. E quem já leu, bom, quem já leu provavelmente largou esse texto no fim do primeiro parágrafo e foi correndo atrás do seu.

The Dark Knight Strikes Again :: DC Comics, Frank Miller & Lynn Varley, em três partes, 80 páginas cada.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 4/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
02. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
03. Sultão & Bonifácio, parte I de Guilherme Pontes Coelho
04. Neon Genesis Evangelion de Duanne Ribeiro
05. Por que as curitibanas não usam saia? de Adriana Baggio


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATITUDE: UM JOVEM VENCEDOR
ÁRVORE DA VIDA
ÁRVORE DA VIDA
(2012)
R$ 5,00



ONDE NÃO HÁ DENTISTA
MURRAY DICKSON
PAULINAS
(1985)
R$ 39,00



MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO
VÁRIOS AUTORES
MASSP
(1970)
R$ 8,38



DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNI...
MEC
BRASILIA MEC
(2004)
R$ 5,00



UM BRASILEIRO EM TERRAS PORTUGUÊSAS - 780
GILBERTO FREYRE
JOSÉ OLYMPIO
(1953)
R$ 20,00



A ARCA DE NOÉ
REGINA CHAMLIAN
PAULINAS
(1999)
R$ 6,00



COMMENT RÉAMÉNAGER NOTRE RUSSIE? REFLEXIONS DANS LA MESURE DE ME
ALEXANDRE SOLJENITSYNE
FAYARD
(1990)
R$ 37,82



GIRL A REVISTA DA LUMA
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2006)
R$ 6,00



SONHOS DOURO - 1º VOLUME
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1960)
R$ 12,00



OS 12 TRABALHOS
CLÁUDIO YOSIDA E RICARDO ELIAS
IMPRENSA OF. ESTADO SP
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês