A estreia de Luís Henrique Pellanda | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> Marketing Médico - Criando Valor ao Paciente de Renato Gregório pela Doc (2009)
>>> Bango, o Vendedor de Maçãs de Woo-Joo Hong (Autor), Jin-Joo Chae (Autor) pela Ftd (2012)
>>> Falando Com as Estrelas de Juan Arias; Mari Ines Piekas pela Paulinas (2011)
>>> O Livro Completo de Etiqueta de Amy Vanderbilt de Nancy Tuckerman & Namcy Dunnan pela Nova Fronteira (2000)
>>> As Pessoas da Idade Média de Robert Fossier pela Vozes (2018)
>>> Os escorpiões contra o círculo de fogo de Ignácio de Loyola Brandão pela Global (2009)
>>> Revelação Em Preto E Branco. A Imagem Com Qualidade de Millar W. L . Schisler pela Marins Fontes (1995)
>>> O Corpo Fala de Pierre Weil evRoland Tompakow pela Vozes (2000)
>>> Vícios privados , Benefícios Públicos de Eduardo Giannetti da Fonseca pela Companhia das Letras (1993)
>>> Sete Cavalos na Berlinda de Sidónio Muralha (Autor) pela Global (1997)
>>> Outra Vez de Ernesto Che Guevara pela Ediouro (2004)
>>> O mque Esperar do Segundo Ano - de 12va 24 meses de Heidi Murkoff ; Sharon Mazel pela Record (2022)
>>> A revolta dos guarda-chuvas de Eva Furnari; Sidónio Muralha pela Global (1998)
>>> Os Caminhos de Mandela : Lições de vida, amor e coragem de Richard Stengel pela Globo (2010)
>>> Do outro lado do espelho de Lewis Carroll; Tony Ross; Ricardo Gouveia pela Martins Fontes (1997)
>>> Puro de Andrew Miller pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Educar sem Violência - criando filhos sem palmadas de Ligia Moreiras Sena / Andréiac C. K. Mortensen pela 7 Mares (2014)
>>> Azul Alentejo de Monica Ali pela Rocco (2007)
>>> Legend: A Verdade se Tornará Lenda de Marie Lu pela Prumo (2012)
>>> Os Desafios da Terapia de Irvin D. Yalon pela Ediouro (2006)
>>> Meu primeiro Maluquinho em quadrinhos de Ziraldo (Autor) pela Globo (2011)
>>> Al - Gharb 1146 de Alberto Xavier pela Bertrand (2006)
>>> Histórias Da Velha Totonia de José Lins do Rego pela Jose Olympio (2010)
>>> O Livro das Princesas de Meg Calbot; Paula Pimenta; Lauren kate pela Galera Record (2015)
>>> Como os médicos pemsam de Jeromev Groopman pela Agir (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/8/2010
A estreia de Luís Henrique Pellanda
Luiz Rebinski Junior

+ de 5000 Acessos

Pode não parecer, mas Curitiba sempre revelou bons escritores. A diferença é que o escritor curitibano não muda de postura quando resolve encarar a carreira literária; geralmente não faz questão de botar o nariz para fora e dizer: "olha, eu agora tenho um livro, leiam minha obra, eu existo". Não, ele fica exatamente no mesmo lugar, sem ser notado. Melhor assim, pensa. O que certamente é uma espécie de suicídio literário. Mas que não chega a preocupar o escritor curitibano.

É só pensar em Newton Sampaio. Alguém conhece? Bem, Newton Sampaio foi o maior contista do Estado do Paraná. Isso quem diz é justamente aquele que é conhecido como o maior contista do Paraná (para muitos, do Brasil): Dalton Trevisan. Está registrado: "O maior contista do Estado foi um moço chamado Newton Sampaio". E Jamil Snege, alguém conhece? Foi um escritor meio experimental que nasceu e morreu em Curitiba sem ser notado nacionalmente. E alguém já leu Comendo Bolacha Maria no Dia de São Nunca, do Manoel Carlos Karam? E quem, fora da cidade, conhece a história (real) de Emiliano Perneta, que um dia foi coroado "príncipe dos poetas paranaenses" em uma cerimônia kitsch no Passeio Público de Curitiba, em 1911?

Bem, tudo indica que esse não será o caminho de Luís Henrique Pellanda, apesar de ser um curitibano comprometido com as nossas piores qualidades e com os nossos melhores defeitos. Pellanda fez sua estreia nacionalmente há pouco com O macaco ornamental (Bertrand Brasil, 2009, 192 págs.). A estreia, no caso de Pellanda, pode-se dizer que foi tardia. O escritor tem apenas trinta e poucos anos, mas é veterano das letras e do jornalismo. Já escreveu romances refugados pela autocrítica e é autor de peças de teatro, sem contar seu trabalho no jornalismo voltado aos livros, primeiro no jornal Gazeta do Povo e, agora, no Rascunho, onde é um dos editores. Essa experiência se revela nos quatorze contos de seu livro. Definitivamente não é uma coletânea de iniciante, já que Pellanda destila um domínio narrativo pouco comum para debutantes.

Se fosse resumir em uma linha a temática do livro, o que certamente não faria jus ao conteúdo, diria que são histórias sobre o passado, sobre aquelas lembranças que ficam escondidas nos porões da mente e que, sem aviso prévio, um dia vêm à tona e nos deixam atordoados. É assim com o personagem de "Caldônia Beach", um ex-estudante de pintura que, aos trinta e cinco anos, se vê abalado por lembranças de sua adolescência, quando recebe a notícia da morte de seu professor e mestre de pintura. Remexendo seus arquivos, encontra o primeiro desenho que fez de uma modelo nua ― a Caldônia do título. A partir daí começa uma busca pelo paradeiro da modelo, que, na verdade, é a busca pela trajetória do narrador. Esse exercício de memória demonstra a complexidade do personagem que, aparentemente, é um loser não muito interessante, mas que, aos poucos, vai revelando suas idiossincrasias.

"Não vem ao caso, agora, te contar os maus rumos que minha vida tomou nesses últimos vinte anos. Mas digo que, quando soube da morte do professor, me senti gelado. Como há anos não me sentia. E fui em busca de um calor no cruzamento entre a minha vida e a dele", diz o narrador Sileu. Esse conto é o pé na porta de Pellanda. Pra deixar o leitor em alerta e lhe dizer, subliminarmente: "você vai encontrar mais disso aqui nas próximas páginas, siga em frente". O recurso da memória está presente também em contos como "Ladrão de cavalos" e "O buquê", em que Quitéria, uma mulher rancorosa, narra o enterro da amiga morta e discorre sobre o passado de ambas. Com um pezinho nas histórias rodrigueanas, o conto aparentemente é sobre um amor não correspondido entre a narradora Quitéria e a morta Ondina. Mas, realmente, não dá para saber.

Pellanda, mesmo com narrativas em primeira pessoa, consegue fugir da auto-adulação que virou regra na literatura brasileira dos últimos tempos. Seus personagens soam bastante autênticos e sua narrativa não deixa aquela impressão, comum nos livros de jovens escritores, de que estamos lendo um diário travestido de ficção. É notória a opção do autor por uma narrativa mais introspectiva, em que as divagações dos personagens, quase sempre se remetendo ao passado, são responsáveis pelos detalhes da história. Esses contos, guardadas as devidas proporções, lembram as primeiras histórias de João Gilberto Noll em O cego e a dançarina, volume de contos em que já é possível ouvir os primeiros ecos da inconfundível voz literária do autor gaúcho, mais tarde estabelecida em seus grandes romances dos anos 1990.

Assim como Noll, Pellanda equilibra bem a vocação para a digressão de seus personagens com a trama, também conhecida como história. Mas, mesmo com esse domínio sobre seus personagens e suas elucubrações, um dos melhores momentos do livro se dá quando o autor segue um caminho, digamos, mais conservador.

"Little boat of Love" conta a história de uma trip entre amigos que, em pleno carnaval, descem o litoral paranaense para ganhar uns trocados tocando em bares. Apesar de curto, o texto tem grande intensidade e remete às melhores histórias do malucão Irvine Welsh, com uma pegada pop bacana. Mais uma vez, o corte no tempo serve para que o narrador conte uma história paralela que dará sentido ao conto. Junto com "Caldônia Beach", é a melhor história da coletânea.

Sempre achei perigoso quando um personagem divaga demais em um texto ficcional, pois, a depender da erudição de seu autor, a chance de o texto virar um rosário de bobagens, de confissões sentimentalóides, é bastante grande. Por isso me rendi à primeira coletânea de contos de Pellanda. É lenha um autor iniciante adentrar nesse terreno em que as ideias dos personagens, como forma de reflexão diante da vida, assumem as rédeas da narrativa. E, nas entrelinhas, pode-se ler discussões inteligentes sobre sexo, morte, amizade, etc. Em histórias como "Amigo vivo, amigo morto" e "Ingratidão", Pellanda, em apenas um mísero parágrafo, aplica um soco no estomago do leitor com contos que adquirem jeitão de máxima. Deleite para os admiradores do miniconto.

"Ela cuidou de mim por quinze anos, gerou e criou meus dois filhos, perdeu o terceiro no parto, me preparou cinco mil almoços, coou todos os cafés que bebi, lavou minhas roupas na mão e meu corpo durante a febre, suportou quatro surras até me afastar da bebida, lutou comigo contra o câncer e a maledicência dos que me chamavam de inconstante, mas bastou um sorriso teu, só um, pra eu desejar que ela estivesse morta". Foda.

É sempre animador ler um bom livro de estreante não só pelo conteúdo, claro, mas principalmente porque livros como O Macaco Ornamental soam como um ótimo prenúncio de que coisas ainda melhores vêm por aí. Esperemos, Pellanda.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado de Diogo Salles
02. Intolerâncias e inconsequências de Rafael Azevedo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
02. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde
Mário de Carvalho
Companhia das Letras
(2006)



Gestos de Equilíbrio
Tarthang Tulku
pensamento
(1997)



Enciclopédia Olímpica Brasileira
Varios Autores
Mp
(2015)



Goosebumps - Acampamento Fantasma
R. L. Stine
Fundamento
(2006)



The Third Man and the Fallen Idol
Graham Greene
Penguin Books
(1977)



Os Sujeitos no Universo da Escola -
Verónica Edwards
Ática
(1997)



O Anel de Policrates e Outras Historias (favor Ler a Descrição)
Vários Autores
Cered Objetivo
(2014)



O Efeito Vinculante na Jurisdição Constitucional - Confira!
Roger Stiefelmann Leal
Saraiva
(2006)



Real Talk Series
Wise Up
Wise Up
(2015)



Bertolt Brecht - Teatro Hoje
Paolo Chiarini
Civilização Brasileira
(1967)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês