Tempo vida poesia 5/5 | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
>>> Ainda quer prestar jornalismo?
>>> Bendito Nelson Rodrigues
>>> Tell me all about it
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Mais Recentes
>>> Pop Art de Timan Osterwold pela Taschen (1994)
>>> La Gestion Del Proyecto En Arquitectura de Edward D. Mills pela Gg (1985)
>>> Dalton Paula: O Sequestrador De Almas de Dalton Paula pela Obogo (2022)
>>> Gravura de Itajahy Martins pela Fundaçao Nestlé de Cultura (1987)
>>> Livro Ilustrado De Lingua Brasileira De Sinais de Márcia Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Cronista da América de Francis Ford Coppola pela Minesterio da Cultura (2015)
>>> Heróis de Areia de Noelly Russo pela Fabbrica (2022)
>>> National Parks Of Latin America de Luciana Napchan pela Ministério Da Cultura (2005)
>>> Vontade Construtiva Na Coleco Fadel de Paulo Harkenhoff pela Mam (2014)
>>> Tatuagens Urbanas E O Imaginario Carioca de Eduardo Paes pela Nau Das Letras (2015)
>>> Apoema Português - 7 Ano de Lucia Teixeira pela Do Brasil (2018)
>>> Teláris - Arte - 6º Ano de Eliana Pougy pela Ática (2019)
>>> Araribá Plus - História - 8º Ano de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2018)
>>> Teláris - Matemática - 6º Ano de Luiz Roberto Dante pela Ática (2019)
>>> Conexões Com A Física 2º Ano de Blaidi Sant´anna pela Moderna (2010)
>>> Alice Brill de Reinhard Andress, Alice Brill, Carla Ogawa pela Fundacao Armando Alvares Penteado (2007)
>>> Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos (guia Pmbok) de Project Management Institute pela Global Standard (2008)
>>> Gmat Official Guide 2019 de Gmac pela Wiley (2018)
>>> Abz Do Ziraldo de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2003)
>>> La Casa D´epoca de Quaderni Di Restauro pela DeAgostini (1996)
>>> Descobrindo A Historia Da Arte de Graça Proença pela Ática (2005)
>>> The Economics Book de Dk pela Dk Publishing (2012)
>>> Arturo Di Stefano de Jonh Berger pela Merrel (2001)
>>> Parques São paulo de Cassiano José Pimentel pela Prosperidade (2013)
>>> SãopauloSeculoXXI de Fausto Chermont pela Terra Virgem (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/10/2010
Tempo vida poesia 5/5
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4000 Acessos


foto: Alberto Krone-Martins

"El cuerpo del sueño corre y se dispersa, vuela y se agrega
a los torrentes,
una por una tiemblan todas sus materias. (...)
a muy lenta marcha pasea el tiempo por los afluentes
del cuerpo" (Alejandro Ortiz González)

"Detrás del tórax-mesa-vidrio-tubo,
sortea toda pared, todo tejido (.)
hasta encontrar principio último tramo,
el más central, cercano de los mundos." (Carla Faesler)

No torvelinho das sensações gastas estou deitada numa maca macia, plumas espumas flutuantes, apenas uma camisola de pano bruto cobrindo o corpo, na cabeça uma leve touca, são muitas as luzes, rostos disformes, até que ponto posso distinguir entre o sonho e o real, aonde vou e o compasso que me leva, impulsiona, o guerreiro-águia sobe as escadas correndo, mete siriguelas na boca, ah, eu quero viver, beber perfumes, vou rangendo dentes e rodas até o centro cirúrgico, na coxia outros doentes aguardam, o médico fala no celular palavras também ininteligíveis, mas reconheço o timbre tenro, logo mais ele irá tocar meu ombro, morrer... quando este mundo é um paraíso, dissuadir-me do perigo, dormir, de vez, ao sabor da anestesia, mais rostos falantes, enormes e risonhos, morrer ― é trocar astros por círios, depois uma tela de alta resolução onde meu joelho será devassado, esta que será uma das duas mil cirurgias, mas o momento não é banal, eu iria declamar uma poesia, sete anos de pastor Jacó servia, mas a língua derreteu, uma leve picada de inseto em meu braço é o suficiente para entorpecer o corpo-consciência da palavra.

Ainda antes, na internação, flauta mágica, abro a boca, inclino o pescoço para trás e demonstro que não haverá problema se necessário entubar, você é jovem, magra, tudo bem, sem risco, a paciente está doente, mas parece acompanhante de convalescente, a altura das catedrais já não enfastia, da leitura dos poemas, dos sermões e das rezas restaram as palavras soltas, ditas como explicação dos males, quero boiar à tona das espumas, a cirurgia é pouco invasiva, mera rotina, eles sobem em pânico as escadas do templo, o alimento do sol será este sangue, mas não há profecia alguma de que os astecas devam procurar pés prateados cobertos por pedrarias raras (nelas estão as almas), e oferecer seu dono em sacrifício, embora o povo não se cansasse de olhar para os meus, envoltos em barata indumentária, ou seria meu passo manco, agora prestes a ser curado? Despedem-se de mim, com um leve aceno, as amenas antenas da cucaracha, o vinho do viver ante mim passa. Quando a poesia invade uma vida, fica difícil delimitar o que é a vida e o que é poesia. Quando a vida invade a poesia, não se distingue mais entre o que foi escrito, o que foi vivido e o que foi delírio.

Bajando por esta calle que tiembla desde la puerta hacia
sus cloacas enormes donde el sueño cae brillando como las monedas (Ernesto Carrión)

One-two-three-four Uno-do'-tres-cuatro O zumbido do ventilador só faz relembrar que está muito quente no subsolo do hospital I know you want me you know I want cha I know you want me you know I want cha Aquela mesma risadinha idiota do rapper Pitbull ressoa na rádio local. São Paulo, a princípio sem grandes novidades, é a mesma de sempre: grande, ruidosa, congestionada. Como a capital mexicana, mas diferente. Aqui a aparência é de realidade, urbanidade que vai se contornando como um traço cinza que se insinua, e mais um, e um viaduto, e um esboço de esqueleto se forjando em prédio novo, e um formigamento humano crepitando além das forças. Enquanto as músicas se repetem, a secretária preenche meus dados para as sessões de fisioterapia, que, após a cirurgia, deve reabilitar meu joelho. A viagem até as pirâmides e os passeios intermináveis pelo Centro Histórico mexicano romperam algo que eu não esperava. Depois, uma fissura incomensurável em alguma artéria mais frágil do meu coração. Agora eu não mais me arrasto pelo Paseo de la Reforma em busca de livrarias de poesia e artesanato mexicano, na esperança de que o Ángel de la Independéncia me tome pelos braços e me leve tão alto quanto a coroa de louro em suas mãos. No entanto, a ousadia de conhecer a beleza é merecedora de todas as cicatrizes e chagas que dela decorram.

Saio do hospital com o andar manco e os olhos cansados, em busca do silêncio e da frescura da capela São Joaquim. Os ambulantes me observam como observam qualquer transeunte cambaleante. Logo abaixo está o precipício que leva à via expressa 23 de Maio. Desvio, e me dirijo ao gradeado cubista. Subo a pequena escadaria. Uma mulher acende a vela e ajeita o microfone no altar. Clac, clac, cac, CLAC, vão se acendendo as luzes, da frente para trás, e o topo do grande lustre de cristal oferece um ultimato à penumbra. No calor de trinta graus da capital paulistana, a capela é um refrigério para ossos e alma, refúgio, leve fuga da outra vida, em meio às buzinas, que aguarda do lado de fora. Uma luz azul-amarelada se difrata através dos vitrais ― pela superfície translúcida vislumbram-se copas de árvores balouçando; passarinhos cantam e o ruído do tráfego a poucos metros se difunde doce aos ouvidos. Locus amenus. Como não poderia deixar de ser num ambiente árcade demais. Acaso a poesia seria outra se as cidades fossem assim, pouco citadinas, na cadência dos sinos? Fugere urbe. A fuga é inútil quando as amarras não se podem ver.

"Quem fica na frente é melhor", ordena brandamente a freira que me estende uma folha com hinos. Penso, "os últimos serão os primeiros", localizando chicletes colados no banco de madeira. Poderia desta vez até dobrar os joelhos sãos se quisesse; mas minha oração é leve, ondula sem necessidade de cerimonial ou imagem, embora hoje se insinue um ritual. A capela está relativamente vazia para as 17h27 de uma quarta-feira. A essa hora, a Basílica de Guadalupe deve estar lotada de fiéis. Ah, as loucuras das peregrinas que acampam descerimoniosamente no pátio externo e comem frango, se fartam de orações, as tranças bem presas e sujas. Aqui, a fé é mais contida.

Enfim, o religioso, que estava sentado até o momento encarando de leve o pequeno público, começa a falar. Esforço-me para compreender as linhas gerais do sermão, mas os ventiladores estão sempre aí, deturpando a fala dos padres e dos poetas. Os hinos são entoados como uma grande poesia ― fervorosa pelos mais experientes, tímida para os recém-chegados e, atrás de mim, uma voz ecoa numa estridência familiar. Ah, mas as leituras de poesia são assim, algumas estrondosas como os portentosos pulmões dos venezuelanos e dos equatorianos, algumas no ritmo sincopado do sono, outras ainda nos levam a lugares perdidos na memória, reconfortando dores amortecidas. "Come isto". E a hóstia, hora gloriosa do verbo palatável, começa a se dissolver em minha língua, embora um naco endurecido resista no céu da boca.

Nota do Editor
Leia também "Tempo vida poesia 1/5", "Tempo vida poesia 2/5, "Tempo vida poesia 3/5" e "Tempo vida poesia 4/5".


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 14/10/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. E Benício criou a mulher... de Gian Danton
02. Julie & Eu de Marta Barcellos
03. A descida aos subterrâneos do humano de Guilherme Conte
04. Um século de paixão pela arte de Luis Eduardo Matta


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
02. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Tempo vida poesia 1/5 - 5/8/2010
05. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Password English 2
Amadeu Marques
Ática
(1997)



Umbanda dos pretos velhos
Antonio Alves Teixeira
Eco



Redençao
Leon Uris
Record
(1996)



Livro Literatura Brasileira O Conto Brasileiro Contemporâneo
Alfredo Bosi/ Outros
Cultrix



O Santo Inquerito
Dias Gomes
Nova Fronteira - Grupo Ediouro
(2013)



Livro Sociologia Aprendendo a Incluir e Incluindo para Aprender
Isabel Prolin
Pulso
(2006)



Rebeldes e Sedutores
Higino Junior
Asa
(1992)



Loiseau Aveugle - Elles
François Bourgeat
Lansman
(2003)



O Lado Bom Da Vida
Matthew Quick
Intrinseca
(2013)



Gestão da Escola Fundamental
Jean Valerien
Cortez
(2002)





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês