E você, já disse 'não' hoje? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/10/2011
E você, já disse 'não' hoje?
Adriana Baggio

+ de 30200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em 1982, início de carreira, Lulu Santos emplacava nas paradas de sucesso as músicas do álbum Tempos modernos. A canção-título falava de uma nova vida, um novo começo de era, "de gente fina, elegante e sincera/com habilidade/pra dizer mais sim do que não".

Era o final da ditadura. Os exilados estavam de volta. A liberdade, devolvida aos poucos. Se esse período de trevas, repressão e perda de direitos civis podia ser associado a alguns aspectos da época medieval, nada mais justo que chamar os novos tempos, menos despóticos e mais iluminados, de "modernos".

Depois de tanto medo e tantas proibições, havia um desejo louco de tirar o atraso: "Hoje o tempo voa, amor/escorre pelas mãos/mesmo sem se sentir/e não há tempo que volte, amor/vamos viver tudo que há pra viver/vamos nos permitir..."

Essa é a música do Lulu que eu mais gosto. Mas hoje, há quase 30 anos do seu lançamento, fico pensando se a mensagem primordial não teria perdido o sentido. Discordâncias teóricas à parte, vivemos em uma pós-modernidade. Já não precisamos brigar para viver tudo o que desejamos. O "permitir-se" foi apropriado pela retórica publicitária, como se precisássemos de justificativa para consumir mais.

Temos poder para tudo. Infelizmente, não nos tornamos mais finos, elegantes ou sinceros. Parece-me que a música, se fosse composta hoje, traria uma inversão: será que não está na hora de resgatar a habilidade de dizer mais "não" do que "sim"?

O "sim" já está previsto, pressuposto, é mais fácil. Muitas vezes, quando você vai escolher entre receber ou não a publicidade de alguma empresa por e-mail, o quadrinho do "sim" já está marcado. Esses dias precisei abrir uma conta corrente (não tive poder para dizer "não" a isso) e o contrato já trazia, assinalados, diversos produtos bancários que não eram do meu interesse. Desmarquei todos. O gerente precisou imprimir o contrato de novo e perdi bastante tempo com isso.

Ou seja, dizer "não" dá trabalho. As mães que o digam. A criança insiste, chora, berra. Haja disposição e força de vontade para manter a posição diante de uma situação dessas. Mas a se a negativa é justa, só fará bem. Os especialistas em educação infantil vivem alertando: as crianças estão recebendo poucos "nãos". Ficam sem saber como lidar com a frustração, na época em que isso deve ser aprendido. Mais tarde, serão confrontadas com frustrações bem maiores. Sofrerão mais, ou reagirão de forma destrutiva - para elas e para os outros. Não preciso citar exemplos. Leia agora a página policial de algum jornal e você vai encontrá-los.

Mesmo os adultos apreciam os limites. Meus alunos universitários, às vezes, são como crianças: insistem, mesmo sabendo que não têm razão. Pensa que é fácil manter um "não" para uma turma de 30, 40 jovens adultos? Também dá trabalho. Mas quando chegam os resultados das avaliações institucionais, sempre existe uma porcentagem deles, nada desprezível, que acredita que os professores deveriam ser mais exigentes...

Outra dificuldade em dizer "não" parece vir de uma desaprovação social. Pessoas que se posicionam contra algo já consolidado socialmente, mesmo que ofensivo ou prejudicial, acabam tachadas de chatas, encrenqueiras, mal-humoradas. Muitas deixam de se manifestar, de dar sua opinião, com medo dessas reações. E assim, percebemos que a liberdade, aparentemente reconquistada há quase 30 anos, não nos tornou tão livres assim.

Mesmo no consumo, você acha que é livre para escolher? As pesquisas de reclamações feitas ao Procon mostram um índice altíssimo de insatisfação com alguns segmentos específicos, como o de telefonia. Preços altos, serviço ruim e atendimento insatisfatório são enfiados goela abaixo do consumidor. A concorrência que existe entre as empresas é uma ilusão: sair de uma para a outra se trata, normalmente, de mera troca de problemas.

Porém, ainda que dizer "não" acarrete tantas dificuldades, ele é o poder que as pessoas têm para tentar mudar as coisas: não comprar tal marca, não votar naquele político, não concordar com as pequenas corrupções que beneficiam você. Sim, dizer "não" é abrir mão. Mas quem disse que a liberdade não tem um preço?

O "não" é o primeiro ato consciente que a criança aprende. É um manifesto de independência. Isso acontece por volta dos 18 meses. Até então, o bebê rejeita por meio de ações: se afasta, empurra, cospe, joga longe. Quando aprende o significado do meneio de cabeça, é um grande momento do seu desenvolvimento. Ele passa a se comunicar, a negociar com o outro, a se relacionar socialmente.

Todo esse processo é belamente explicado no livro O não e o sim: a gênese da comunicação humana, do médico e psicanalista austríaco René Spitz (Martins Fontes, 1998, 158 p.), publicado originalmente na década de 1950. O Dr. Spitz pesquisou o "movimento cefalogírico negativo" em bebês, desde o nascimento até o segundo ano de vida. A origem deste movimento - assim como o balançar da cabeça que significará o "sim" - está na alimentação, na amamentação.

Até os três meses de idade, esse movimento (de "fuçamento") tem a função de busca do seio para mamar. A partir daí, com o reforço da musculatura do pescoço e da percepção da mãe como um não-eu, o movimento serve para rejeitar o peito após a saciedade. Mas então a criança cresce, começa a conquistar mais autonomia, aprende a andar. Mexe aqui, quer ir até ali, ninguém segura o bebê: a não ser a mãe, o pai ou a pessoa responsável por seus cuidados.

Dessas pessoas, a criança começa a ouvir uma infinidade de "nãos", acompanhados do gesto correspondente: o menear da cabeça. Esse sujeito "negador" frustra as vontades da criança. Ao mesmo tempo, ele é seu objeto de amor. Portanto, ela se identifica com ele. Então, um belo dia, ao invés de empurrar a comida para longe, ela vai fazer como aprendeu com a mamãe (o papai, a tia da escolinha): vai dizer "não", vai balançar a cabecinha, trocando a ação pela comunicação.

Vale ressaltar o quanto o momento da aquisição do "não" semântico é importante para o desenvolvimento do bebê. O sucesso desse aprendizado aparecerá mais tarde, no modo com o adulto vai se relacionar com os momentos dolorosos da vida. É o que nos faz aprender com as experiências.

Ao contrário do que cantava Lulu Santos, não precisamos de muita habilidade para dizer "sim". Ele é da ordem do inconsciente, já nascemos com ele. O que nos torna sujeitos, conscientes e independentes, é o aprendizado do "não". Apesar de não estar sendo muito encorajado ultimamente, acho que vale a pena arriscar, dizendo "não" para quem precisa dele e também para quem o merece.

Só enquanto escrevo essa frase já me veio uma listinha de pessoas/marcas/atitudes que devem ganhar um sonoro #not. E você, pensou na sua?


Adriana Baggio
São Paulo, 19/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. O blog no espelho de Marta Barcellos
04. Considerações de um Rabugento de Abdalan da Gama
05. Bienal do Livro em Minas e o acesso à cultura de Pilar Fazito


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. Moda em 20 textos - 1/8/2011
05. Os sapatos confessam - 10/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2011
16h15min
Eu demorei para aprender a dizer não. Mas acho que minha filha não sofre desse problema. Aos 8 meses ela já acenava o não com a cabeça e com 12 já falava não. Agora, com 17 meses ela fala não em vários tons diferentes, inclusive de raiva quando a gente insiste. (Tô muito orgulhosa dela).
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
27/10/2011
12h04min
Esse texto é simplemente fantástico! todos nós ditos "modernos" deveríamos lê-lo e principalmente quem trabalha dentro de hierarquias fechadas. Olha , não a conhecia, serei sua seguidora de carteirinha. E que forma gostosa de escrever! Comecei o dia muito bem. Peço licença para colocá-lo no meu blog.
[Leia outros Comentários de maria aparecida ribe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERINTERESSANTE SEXO Nº 189
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2003)
R$ 6,99



ADAM SMITH/RICARDO (OS PENSADORES) - FILOSOFIA/ECONOMIA
ADAM SMITH/DAVID RICARDO
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 12,00



PODER, AMBIÇÃO E GLÓRIA
STEVE FORBES, JOHN PREVAS
ROCCO
(2010)
R$ 24,00



MERCADO MUNICIPAL DE SÃO PAULO: 70 ANOS DE CULTURA E SABOR
VÁRIOS AUTORES
ABOOKS
(2004)
R$ 59,48
+ frete grátis



A ARTE DA GUERRA
SUN PIN
RECORD
(1999)
R$ 15,00



PREVENÇÃO DAS DOENÇAS DO CORAÇÃO: FATORES DE RISCO
CELSO FERREIRA E MARIA TERESA CARNEIRO
ATHENEU
(1999)
R$ 21,00



JURISPRUDÊNCIA DA SEPARAÇÃO E DO DIVÓRCIO
R LIMONGI FRANÇA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1983)
R$ 4,99



INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA QUEM QUER PUBLICAR UM LIVRO
JOÃO SCORTECCI E MARIA ESTHER M. PERFETTI
SCORTECCI
(2004)
R$ 10,00



AS ARVORES DOS MEUS DOIS QUINTAIS
JONAS RIBEIRO
PAULUS
(2012)
R$ 20,00



POEMAS SOLITUDES (AUTOGRAFADO) - 6289
CORDÉLIA CANABRAVA ARRUDA
HAMBURG
(1980)
R$ 40,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês