Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
>>> Amor fati
Mais Recentes
>>> Fábulas Fabulosas 5ª Edição Ilustrada de Millôr Fernandes pela Nórdica
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 4 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
>>> O livreiro de cabul de Asne Seierstad; Grete Skevik pela Record (2006)
>>> O livro do bar de Carlos hauber pela Ediouro (1987)
>>> Ramses v.2 - the eternal temple de Christian Jacq pela Warner Books (1998)
>>> A Travessa Americana de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1985)
>>> Educar sem Culpa - a Gênese da Ética de Tania Zagury pela Record (2003)
>>> A História da Aranha de Berny Stringle (Autor), Jackie Robb (Autor) pela Atica (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 31/1/2012
Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 12000 Acessos

Espécies de irmãs revolucionárias, a obra As Senhoritas de Avignon, de Picasso, e A Sagração da Primavera, de Stravinsky, colocam na ordem do dia a conjunção entre as forças primitivas e o experimentalismo levado às últimas consequências. E é incrível a proximidade entre as datas das duas obras, abrindo o século XX com tamanha transgressão (a obra de Stravinsky foi apresentada em 1913 e Picasso mostrou sua obra aos amigos em 1907).

Conforme já comentei em um artigo no Digestivo sobre a obra de Stravinsky, segundo Stuckenschmidt, "o que faz a Sagração uma obra única no seu gênero é a reunião de elementos que parecem provenientes da primeira idade do mundo e do modernismo mais avançado."

No caso de Picasso, ele percebeu que era o momento da arte se emancipar de vez das aparências visuais naturalistas e construir um mundo novo, particular à própria esfera da tela, o que o levou no diálogo com a arte primitiva a adotar formas mais abstratas e estilizadas.

O artista renascentistas, e seu legado na história da arte até o século XIX, procurou tornar-se o modelo único da pintura: o fim a atingir era o de desenhar os corpos como corpos, de explorar a natureza pela natureza, de, usando-os como modelos, reencontrar-lhes as harmonias e reproduzir-lhes as aparências até o mais perfeito tromp-l´oeil. Para isso foram desenvolvidas técnicas adequadas para criar na superfície pintada a mais completa ilusão de realidade dos corpos, dos seus contornos exatos, do seu volume e de sua profundidade.

Picasso destruiu este sistema ao demonstrar que, apesar de seu caráter matemático e racional, se tratava de um método artificioso que criara uma armadura rígida para o olhar Ocidental.

A ruptura com os cânones clássicos se deu em As Senhoritas de Avignon sobre múltiplos planos.

Em primeiro lugar, pelo abandono do relevo, repartindo-se o modelado em superfícies lisas de cor, com planos contornados por traços vindos até à superfície, ao nível da figuras em primeiro plano.

Os planos, tornados geométricos, encaixam-se, separados um dos outros, apenas por uma bordadura branca ou sombria, que ajuda na constituição do corpo humano.

As relações com o espaço são marcadas pela coloração de diferentes planos, com sombras que bordam os corpos fragmentados, como se vê nos traços dos seios da mulher de pé, da direita, e pela aresta côncava, fortemente sombreada, do nariz.

As cabeças evocam as primeiras visões da humanidade: a fonte são as máscaras africanas, de forma oval, com órbitas vazias e com um olho pintado de frente num rosto de perfil, à maneira egípcia. Os corpos são decompostos em planos distintos, a curva aparece cada vez menos, para dar lugar às linhas diretas, semelhantes às arestas de um cristal.

Os granes traços simplificadores criam a decomposição das figuras, que deixam de ser contornos para se tornar os limites de um prisma fragmentado, onde aparecem presas as figuras. Os corpos são integrados ao espaço e o fundo é da mesma natureza que as figuras. Constituem parte de um único todo. A unidade do quadro nasce do campo de força onde seres e espaço obedecem a um ritmo único. Se existe equilíbrio é o do quadro e nunca somente o das figuras.

Este espaço afasta o modelado e o relevo como parte constituinte e formadora das figuras. No que diz respeito à figura do primeiro plano à direita já não é sequer possível definir a posição exata do braço apoiado. Corpo e cabeça têm uma formação completamente diferente, mostrando simultaneamente as costas e a cara. Os olhos e a boca contradizem qualquer lei da natureza. Atrás, outra mulher, com sua cabeça deformada, um focinho de cão, a cara desmontada num tracejado verde-vermelho, o corpo fragmentado em partículas incompatíveis umas com as outras. A quinta mulher, no lado esquerdo da tela, encontra-se em estado de imobilidade, a cara empedernida, como uma máscara.

Todas as figuras são submetidas a uma geometrização radical, o artista deformando-as à sua livre vontade, fundindo-as com o pano de fundo; o espaço parece corrompido, a falta de modelação das figuras consuma a ruptura das formas naturais, e os vários ângulos que formam as figuras cria tipos humanos jamais vistos na natureza.

Se existe relevo, ele faz parte da repartição nova dos corpos humanos conduzidos à autonomia dos elementos fragmentados. Na tela, todos os elementos, todos os objetos submetem-se à mesma lei de construção, a cortina enrugando-se em várias faces, às quais um azul sombreado e de claridades brancas criam seu aspecto de prisma de cristal.

A nova geometria de Picasso, com seus retângulos ou triângulos de seios, de troncos ou de joelhos, não é mais a geometria plana. Fundamenta-se agora uma representação não-euclidiana do mundo, contestando a idéia de que seja possível apenas um único sistema de representação do espaço. Picasso rejeitou a concepção da perspectiva monocular e da quadratura geométrica simples do espaço, admitindo o espaço plural e a multiplicidade, e mesmo a simultaneidade dos pontos de vista.

Uma tal decomposição do objeto ajuda-nos a tomar consciência de que olhar é um ato que corresponde, para além das convenções contemplativas da pintura renascentista, à experiência de um homem que explora ativamente o mundo e as coisas.

André Masson dizia que "a grande pintura é uma pintura onde os intervalos estão carregados de tanta energia quanto as figuras que a determinam". Como não pensar em Picasso ao ler esta formulação?

Picasso cria para os expectadores novas exigências em relação à linguagem plástica, convidando-o também a participar não só de forma contemplativa, mas de forma ativa na construção dos significados da obra.

Picasso é o primeiro a afirmar o primado da vontade da construção da obra, ou seja, a pintura como ato deliberado de organização arquitetônica. Sua rebelião situa-se no plano plástico, colocando em causa, simultaneamente, a concepção de realidade e a concepção de beleza. Procura definir a realidade pictórica sob novas leis, independentes das leis naturais do mundo dos corpos e da paisagem, e define a beleza sob novas normas independentes das que tinham sido codificadas até o momento por seus séculos de pintura européia.

A síntese mental das formas que a pintura de Picasso exigirá do expectador obriga-nos a tomar consciência da nossa própria atividade na ordenação geral do mundo que sentimos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana de Pilar Fazito


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Problemas da Revolução Científica
R. Harré
Itatiaia
(1976)



A Sombra do Vento
Carlos Ruiz Zafón
Suma de Letras
(2007)



História de uma Porta
Camilo Castelo Branco
7 Letras
(2009)



Aquém da Identidade e da Oposição - Formas na Cultura Mestiça
Amálio Pinheiro
Unimep
(1994)



More Words You Need
Rudzka
Pearson English Language Teac
(1985)



A semente da Vitõria
J.E. Lourenço
Ibcb
(1986)



Financial Accounting
Clyde P. Stickney e Outros
South Western
(2010)



Serviços - os Primeiros Passos para o Sucesso
David Gonçalves
Hd Livros



O Fantasma no Campo de Futebol
Thomas Brezina
Ática
(2003)



O Prologo do Quarto Evangelho
A Feuillet
Paulinas
(1971)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês