Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
>>> Dramaturgo Ed Anderson lança livro com textos de espetáculos
>>> Encomenda De Livro On-Line É Disparo Para Novo Espetáculo Do Grupo Pano
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
>>> 31 de Maio #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Sexualidade na maturidade de Luciana Nobile pela Brasiliense (2002)
>>> Cristologia Narrativa do Novo Testamento de Frank J. Matera pela Vozes (2003)
>>> Monica and Friends Nº 5 - In an Elephant in the Room ... de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2015)
>>> Livro de bolso - Romanceiro da Imigração Japonesa - Série Imigração de Célia Sakurai pela Sumaré Fapesp (1993)
>>> Arquipélago Gulag II - 1918-1956 de Alexandre Soljenitsin pela Difel (1976)
>>> Reflexões sobre Maquiavel de Leo Strauss pela É Realizações (2015)
>>> Livro de bolso - The Revenge Of Gaia de James Lovelock pela Penguin Books (2007)
>>> Tratamentos Naturais Saúde através do Naturismo 303 de Antônio Thomé pela Vida Plena (2003)
>>> A Hora é Agora! 303 de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2015)
>>> Livro de bolso - Livro - A República de Weimar e a Ascenção do Nazismo - Tudo é história 58 de Angela Mendes de Almeida pela Brasiliense (1982)
>>> Entre os fiéis: Irã, Paquistão, Malásia, Indonésia de V. S. Naipaul pela Companhia das letras (1999)
>>> Comece onde você está 303 de Pema Chodron pela Sextante (2003)
>>> Livro de bolso - Como Aprimorar As Vendas - Série Sucesso Profissional - Seu Guia de Estratégia Pessoal de Robert Heller pela Publifolha (2000)
>>> Noites Felinas 303 de Cyril Collard pela Brasiliense (1993)
>>> A Nova História de Jacques Le Goff, Le Roy Ladurie, Georges Duby e Outros pela Edições 70 (1977)
>>> Monica and Friends Nº 32 de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2017)
>>> O Mapa da Felicidade 303 de heloísa Capelas pela Gente (2014)
>>> Livro - Peter Pan - Texto Integral de James Barrie , Ana Maria Machado pela Ftd (1992)
>>> Arquipélago Gulag I - 1918-1956 de Alexandre Soljenitsin pela Círculo do livro (1975)
>>> Livro - Gente, Bicho, Planta: O Mundo Me Encanta de Ana Maria Machado pela Global (2010)
>>> O Zahir 303 de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Universo e Vida 303 de Hernani T. Sant'Anna pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Mecânica dos fluidos de Victor L. Streeter pela McGraw-Hill do Brasil (1974)
>>> As duas faces do gueto de Loic Wacquant pela Boitempo (2008)
>>> Livro - International Guy - Paris Nova York Copenhague - Três cidades, três homens sedutores, três histórias da mesma série em um único volume de Audrey Carlan pela Verus (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 31/1/2012
Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 12500 Acessos

Espécies de irmãs revolucionárias, a obra As Senhoritas de Avignon, de Picasso, e A Sagração da Primavera, de Stravinsky, colocam na ordem do dia a conjunção entre as forças primitivas e o experimentalismo levado às últimas consequências. E é incrível a proximidade entre as datas das duas obras, abrindo o século XX com tamanha transgressão (a obra de Stravinsky foi apresentada em 1913 e Picasso mostrou sua obra aos amigos em 1907).

Conforme já comentei em um artigo no Digestivo sobre a obra de Stravinsky, segundo Stuckenschmidt, "o que faz a Sagração uma obra única no seu gênero é a reunião de elementos que parecem provenientes da primeira idade do mundo e do modernismo mais avançado."

No caso de Picasso, ele percebeu que era o momento da arte se emancipar de vez das aparências visuais naturalistas e construir um mundo novo, particular à própria esfera da tela, o que o levou no diálogo com a arte primitiva a adotar formas mais abstratas e estilizadas.

O artista renascentistas, e seu legado na história da arte até o século XIX, procurou tornar-se o modelo único da pintura: o fim a atingir era o de desenhar os corpos como corpos, de explorar a natureza pela natureza, de, usando-os como modelos, reencontrar-lhes as harmonias e reproduzir-lhes as aparências até o mais perfeito tromp-l´oeil. Para isso foram desenvolvidas técnicas adequadas para criar na superfície pintada a mais completa ilusão de realidade dos corpos, dos seus contornos exatos, do seu volume e de sua profundidade.

Picasso destruiu este sistema ao demonstrar que, apesar de seu caráter matemático e racional, se tratava de um método artificioso que criara uma armadura rígida para o olhar Ocidental.

A ruptura com os cânones clássicos se deu em As Senhoritas de Avignon sobre múltiplos planos.

Em primeiro lugar, pelo abandono do relevo, repartindo-se o modelado em superfícies lisas de cor, com planos contornados por traços vindos até à superfície, ao nível da figuras em primeiro plano.

Os planos, tornados geométricos, encaixam-se, separados um dos outros, apenas por uma bordadura branca ou sombria, que ajuda na constituição do corpo humano.

As relações com o espaço são marcadas pela coloração de diferentes planos, com sombras que bordam os corpos fragmentados, como se vê nos traços dos seios da mulher de pé, da direita, e pela aresta côncava, fortemente sombreada, do nariz.

As cabeças evocam as primeiras visões da humanidade: a fonte são as máscaras africanas, de forma oval, com órbitas vazias e com um olho pintado de frente num rosto de perfil, à maneira egípcia. Os corpos são decompostos em planos distintos, a curva aparece cada vez menos, para dar lugar às linhas diretas, semelhantes às arestas de um cristal.

Os granes traços simplificadores criam a decomposição das figuras, que deixam de ser contornos para se tornar os limites de um prisma fragmentado, onde aparecem presas as figuras. Os corpos são integrados ao espaço e o fundo é da mesma natureza que as figuras. Constituem parte de um único todo. A unidade do quadro nasce do campo de força onde seres e espaço obedecem a um ritmo único. Se existe equilíbrio é o do quadro e nunca somente o das figuras.

Este espaço afasta o modelado e o relevo como parte constituinte e formadora das figuras. No que diz respeito à figura do primeiro plano à direita já não é sequer possível definir a posição exata do braço apoiado. Corpo e cabeça têm uma formação completamente diferente, mostrando simultaneamente as costas e a cara. Os olhos e a boca contradizem qualquer lei da natureza. Atrás, outra mulher, com sua cabeça deformada, um focinho de cão, a cara desmontada num tracejado verde-vermelho, o corpo fragmentado em partículas incompatíveis umas com as outras. A quinta mulher, no lado esquerdo da tela, encontra-se em estado de imobilidade, a cara empedernida, como uma máscara.

Todas as figuras são submetidas a uma geometrização radical, o artista deformando-as à sua livre vontade, fundindo-as com o pano de fundo; o espaço parece corrompido, a falta de modelação das figuras consuma a ruptura das formas naturais, e os vários ângulos que formam as figuras cria tipos humanos jamais vistos na natureza.

Se existe relevo, ele faz parte da repartição nova dos corpos humanos conduzidos à autonomia dos elementos fragmentados. Na tela, todos os elementos, todos os objetos submetem-se à mesma lei de construção, a cortina enrugando-se em várias faces, às quais um azul sombreado e de claridades brancas criam seu aspecto de prisma de cristal.

A nova geometria de Picasso, com seus retângulos ou triângulos de seios, de troncos ou de joelhos, não é mais a geometria plana. Fundamenta-se agora uma representação não-euclidiana do mundo, contestando a idéia de que seja possível apenas um único sistema de representação do espaço. Picasso rejeitou a concepção da perspectiva monocular e da quadratura geométrica simples do espaço, admitindo o espaço plural e a multiplicidade, e mesmo a simultaneidade dos pontos de vista.

Uma tal decomposição do objeto ajuda-nos a tomar consciência de que olhar é um ato que corresponde, para além das convenções contemplativas da pintura renascentista, à experiência de um homem que explora ativamente o mundo e as coisas.

André Masson dizia que "a grande pintura é uma pintura onde os intervalos estão carregados de tanta energia quanto as figuras que a determinam". Como não pensar em Picasso ao ler esta formulação?

Picasso cria para os expectadores novas exigências em relação à linguagem plástica, convidando-o também a participar não só de forma contemplativa, mas de forma ativa na construção dos significados da obra.

Picasso é o primeiro a afirmar o primado da vontade da construção da obra, ou seja, a pintura como ato deliberado de organização arquitetônica. Sua rebelião situa-se no plano plástico, colocando em causa, simultaneamente, a concepção de realidade e a concepção de beleza. Procura definir a realidade pictórica sob novas leis, independentes das leis naturais do mundo dos corpos e da paisagem, e define a beleza sob novas normas independentes das que tinham sido codificadas até o momento por seus séculos de pintura européia.

A síntese mental das formas que a pintura de Picasso exigirá do expectador obriga-nos a tomar consciência da nossa própria atividade na ordenação geral do mundo que sentimos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/1/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Col Dona Benta 12 Volumes
Vários Autores
Gold
(2009)



Arte Vida Sul Bahia
Rosa de Luca
Alles Trede
(2008)



Vamos ao Sitio Aprender Numeros - Coleção Sara e Daniel
Cristina Rodrigues
Impala
(2001)



Invasão do Mundo da Superfície
Mark Cheverton
Galera Record
(2015)



A Mansão da Pedra Torta
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1995)



Maluquinho por Futebol
Ziraldo Alves Pinto
Globinho
(2015)



Nova Ortografia da Língua Portuguesa
Sérgio Nogueira
Iesde Brasil
(2009)



Toinzinho e o Anjo Galdino- Serie Infanto Juvenil
M. B. Tamassia
Lake
(1998)



Dicionario Inglês Português de Termos Econômicos e Comerciais
José Cândido Marques Cavalcante
Vozes
(1984)



O Pensamento Católico no Brasil
Antonio Carlos Villaça
civilização brasileira
(2006)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês