Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eucanaã Ferraz
>>> Um século de paixão pela arte
>>> Meus melhores discos de 2008
>>> O guia do consumidor de livros
>>> Unsigned and independent
>>> Os Insones, de Tony Belloto
>>> 27 de Agosto #digestivo10anos
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Filosofia cai no gosto popular
>>> Bailes & Festas
Mais Recentes
>>> As Profecias de Saint Germain para o Novo Milenio - Esoterico de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2000)
>>> Território, Participação Popular e Saúde: Manguinhos em Debate de Carla Moura Lima e Leonardo Brasil Bueno pela Enesp (2010)
>>> Recuperar a salvação de Andrés T. Queiruga pela Paulus (2005)
>>> Começar de Novo O Divircio na terceira idade - Psicologia de Deirdre Baiar pela Rocco (2010)
>>> A Dança do Universo - Edição de Bolso de Marcelo Gleiser pela Companhia das Letras (2006)
>>> Lei e Evangelho de Stanley Gundry pela Vida
>>> Legislação Indigenista Brasileira e Normas Correlatas de Edvard Dias Magalhães pela Dedoc Funai (2002)
>>> Obras Dostoievsky 10 volumes de Dostoiévski pela Clássico (1989)
>>> A Luneta Âmbar de Philip Pullman pela Objetiva (2013)
>>> O último dia de um condenado á morte de Victor Hugo pela Integral (1993)
>>> Elis: Uma Biografia Musical de Arthur de Faria pela Arquipélago (2015)
>>> The Greek New Testament de United biblie societies pela United biblie societies (1984)
>>> Os Romanov: O Fim da Dinastia de Robert K. Massie pela Rocco (2017)
>>> Fgv-Gestão de pessoas - de Sylvia Constant Vergara pela FGV (2014)
>>> Fgv-Gestão de pessoas - de Sylvia Constant Vergara pela FGV (2014)
>>> Os Catadores de Conchas de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Crônicas do brasil contemporâneo de José Sarney pela A Girafa (2004)
>>> O pastor desnecessário de Eugene H. Peterson / Marva Dawn pela Textus (2001)
>>> CLT Organizada 2019 de Beatriz Casimiro Costa, Manoel Casimiro Costa pela Ltr (2019)
>>> Sobrevivente de Chuck Palahniuk pela Leya (2012)
>>> Orlando Brum – Angiologia Básica de Edda Maria Therezinha Bernardini, Elizabeth Salles pela Rubio (2013)
>>> As Flechas de Apolo de Deolindo Couto Junior pela Rubio (2013)
>>> Leucemias e Linfomas - Atlas do Sangue Periférico - 2ª Ed de Márcio Melo, Cristina da Silveira pela Rubio (2012)
>>> Cuidador de Crianças e de Idosos de Senac Sp pela Senac Sp (2013)
>>> Memória na Prática da Terapia Ocupacional e da Fonoaudiologia de Andréa Fabíola Tinoco Carvalho pela Rubio (2012)
>>> Temas para a Dança Brasileira de Sigrid Nora pela Sesc (2010)
>>> Lustrum de Robert Harris pela Record (2010)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2014)
>>> A Gramática Política do Brasil de Edson de Oliveira Nunes pela Garamond (2017)
>>> Ensaios Escolhidos de Alberto da Costa e Silva pela José Olympio (2007)
>>> Ética, Pesquisa e Políticas Públicas de Flávia Mori Sarti, Gislene Aparecida dos Santos pela Rubio (2010)
>>> Investigando Psicanaliticamente as Psicoses - 2ª Ed de Decio Tenenbaum pela Rubio (2010)
>>> Autismo e Morte de Letícia C. Drummond Amorim pela Rubio (2011)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Farmacologia Em Pneumologia de João Claudio B. Pereira pela Rubio (2013)
>>> A maldição do Cristo genérico de Eugene H. Peterson pela Mundo Cristão
>>> Diário de um Banana Volume 9: Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana Volume 8: Maré de Azar de Jeff Kinney pela V&R (2014)
>>> De volta á fonte de Eugene H. Peterson pela Encontro (2000)
>>> Diário de um Banana Volume 3: A Gota d'Água de Jeff Kinney pela V&R (2010)
>>> O caminho missionário de Deus de Timóteo Carriker pela Palavra (2005)
>>> Nas noites árabes de Tahir Shah pela Roça Nova (2009)
>>> Língua e Liberdade: por uma nova concepção de língua materna de Celso Pedro Luft pela Ática (2003)
>>> Ariadne contra o Minotauro de Marie- Odile Hartmann pela Sm (2006)
>>> Física 3 – Os Fundamentos da Física – Parte II de Ramalho Nicolau Toledo pela Moderna
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 3 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Física Aula Por Aula – Volume 2 de Claudio Xavier & Benigno Barreto pela Ftd (2010)
>>> Coleção Química Volume 3 - Meio ambiente, Cidadania, Tecnologia de Martha Reis pela Ftd (2010)
>>> Química 2 - Conexões com a Química – Parte 1 de Marcelo Dias Pulido pela Moderna (2015)
>>> Química na Abordagem do Cotidiano – Suplemento de Teoria e Tabelas Para Consulta de Tito & Canto pela Moderna
COLUNAS

Terça-feira, 31/1/2012
Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10900 Acessos

Espécies de irmãs revolucionárias, a obra As Senhoritas de Avignon, de Picasso, e A Sagração da Primavera, de Stravinsky, colocam na ordem do dia a conjunção entre as forças primitivas e o experimentalismo levado às últimas consequências. E é incrível a proximidade entre as datas das duas obras, abrindo o século XX com tamanha transgressão (a obra de Stravinsky foi apresentada em 1913 e Picasso mostrou sua obra aos amigos em 1907).

Conforme já comentei em um artigo no Digestivo sobre a obra de Stravinsky, segundo Stuckenschmidt, "o que faz a Sagração uma obra única no seu gênero é a reunião de elementos que parecem provenientes da primeira idade do mundo e do modernismo mais avançado."

No caso de Picasso, ele percebeu que era o momento da arte se emancipar de vez das aparências visuais naturalistas e construir um mundo novo, particular à própria esfera da tela, o que o levou no diálogo com a arte primitiva a adotar formas mais abstratas e estilizadas.

O artista renascentistas, e seu legado na história da arte até o século XIX, procurou tornar-se o modelo único da pintura: o fim a atingir era o de desenhar os corpos como corpos, de explorar a natureza pela natureza, de, usando-os como modelos, reencontrar-lhes as harmonias e reproduzir-lhes as aparências até o mais perfeito tromp-l´oeil. Para isso foram desenvolvidas técnicas adequadas para criar na superfície pintada a mais completa ilusão de realidade dos corpos, dos seus contornos exatos, do seu volume e de sua profundidade.

Picasso destruiu este sistema ao demonstrar que, apesar de seu caráter matemático e racional, se tratava de um método artificioso que criara uma armadura rígida para o olhar Ocidental.

A ruptura com os cânones clássicos se deu em As Senhoritas de Avignon sobre múltiplos planos.

Em primeiro lugar, pelo abandono do relevo, repartindo-se o modelado em superfícies lisas de cor, com planos contornados por traços vindos até à superfície, ao nível da figuras em primeiro plano.

Os planos, tornados geométricos, encaixam-se, separados um dos outros, apenas por uma bordadura branca ou sombria, que ajuda na constituição do corpo humano.

As relações com o espaço são marcadas pela coloração de diferentes planos, com sombras que bordam os corpos fragmentados, como se vê nos traços dos seios da mulher de pé, da direita, e pela aresta côncava, fortemente sombreada, do nariz.

As cabeças evocam as primeiras visões da humanidade: a fonte são as máscaras africanas, de forma oval, com órbitas vazias e com um olho pintado de frente num rosto de perfil, à maneira egípcia. Os corpos são decompostos em planos distintos, a curva aparece cada vez menos, para dar lugar às linhas diretas, semelhantes às arestas de um cristal.

Os granes traços simplificadores criam a decomposição das figuras, que deixam de ser contornos para se tornar os limites de um prisma fragmentado, onde aparecem presas as figuras. Os corpos são integrados ao espaço e o fundo é da mesma natureza que as figuras. Constituem parte de um único todo. A unidade do quadro nasce do campo de força onde seres e espaço obedecem a um ritmo único. Se existe equilíbrio é o do quadro e nunca somente o das figuras.

Este espaço afasta o modelado e o relevo como parte constituinte e formadora das figuras. No que diz respeito à figura do primeiro plano à direita já não é sequer possível definir a posição exata do braço apoiado. Corpo e cabeça têm uma formação completamente diferente, mostrando simultaneamente as costas e a cara. Os olhos e a boca contradizem qualquer lei da natureza. Atrás, outra mulher, com sua cabeça deformada, um focinho de cão, a cara desmontada num tracejado verde-vermelho, o corpo fragmentado em partículas incompatíveis umas com as outras. A quinta mulher, no lado esquerdo da tela, encontra-se em estado de imobilidade, a cara empedernida, como uma máscara.

Todas as figuras são submetidas a uma geometrização radical, o artista deformando-as à sua livre vontade, fundindo-as com o pano de fundo; o espaço parece corrompido, a falta de modelação das figuras consuma a ruptura das formas naturais, e os vários ângulos que formam as figuras cria tipos humanos jamais vistos na natureza.

Se existe relevo, ele faz parte da repartição nova dos corpos humanos conduzidos à autonomia dos elementos fragmentados. Na tela, todos os elementos, todos os objetos submetem-se à mesma lei de construção, a cortina enrugando-se em várias faces, às quais um azul sombreado e de claridades brancas criam seu aspecto de prisma de cristal.

A nova geometria de Picasso, com seus retângulos ou triângulos de seios, de troncos ou de joelhos, não é mais a geometria plana. Fundamenta-se agora uma representação não-euclidiana do mundo, contestando a idéia de que seja possível apenas um único sistema de representação do espaço. Picasso rejeitou a concepção da perspectiva monocular e da quadratura geométrica simples do espaço, admitindo o espaço plural e a multiplicidade, e mesmo a simultaneidade dos pontos de vista.

Uma tal decomposição do objeto ajuda-nos a tomar consciência de que olhar é um ato que corresponde, para além das convenções contemplativas da pintura renascentista, à experiência de um homem que explora ativamente o mundo e as coisas.

André Masson dizia que "a grande pintura é uma pintura onde os intervalos estão carregados de tanta energia quanto as figuras que a determinam". Como não pensar em Picasso ao ler esta formulação?

Picasso cria para os expectadores novas exigências em relação à linguagem plástica, convidando-o também a participar não só de forma contemplativa, mas de forma ativa na construção dos significados da obra.

Picasso é o primeiro a afirmar o primado da vontade da construção da obra, ou seja, a pintura como ato deliberado de organização arquitetônica. Sua rebelião situa-se no plano plástico, colocando em causa, simultaneamente, a concepção de realidade e a concepção de beleza. Procura definir a realidade pictórica sob novas leis, independentes das leis naturais do mundo dos corpos e da paisagem, e define a beleza sob novas normas independentes das que tinham sido codificadas até o momento por seus séculos de pintura européia.

A síntese mental das formas que a pintura de Picasso exigirá do expectador obriga-nos a tomar consciência da nossa própria atividade na ordenação geral do mundo que sentimos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simplicidade: um objetivo cultural de Ram Rajagopal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO ESTIMULAR A MEMÓRIA
ROSÉ MARY BUENO P. A. CUNHA
GOLD
(2007)
R$ 8,00



PRESS CONTROL AROUND THE WORLD
JANE LEFTWICH CURRY E JOAN R. DASSIN
PRAEGER
(1982)
R$ 62,82



POLÔNIA A CRISE DE 500 DIAS QUE ABALOU O SOCIALISMO
CARLOS CASTILHO / WILLIAM WAACK
CODECRI
(1982)
R$ 10,00



FALOU E DISSE - 1ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GEEM
(1978)
R$ 7,00



EMOÇÕES SEM NÓ
ESTHER SERRUYA AZULAY
NORDICA
(1996)
R$ 6,90



O DIA DO CHACAL - CLÁSSICOS MODERNOS 6
FREDERICK FORSYTH
ABRIL CULTURAL
(1974)
R$ 18,00
+ frete grátis



NOITE CONTRA NOITE E UM RAMO PARA LUÍZA - OBRAS ESCOLHIDAS III
JOSE CONDE
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1977)
R$ 6,90



PERFECT PHRASES FOR CUSTOMER SERVICE: HUNDREDS OF TOOLS, TECHNIQU
ROBERT BACAL
MCGRAW-HILL
(2004)
R$ 29,82



A OUTRA FACE
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2013)
R$ 9,00



A CONQUISTA DA MATEMÁTICA 8º ANO 7ªSÉRIE COM PROJETO INTERDISCIPLINAR
GIOVANNI CASTRUCCI GIOVANNI JR
FTD
(2007)
R$ 13,00





busca | avançada
57128 visitas/dia
2,0 milhão/mês