Modernidade explicada às crianças | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 19/3/2013
Modernidade explicada às crianças
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos

A modernidade nasceu colocando o mundo de cabeça para baixo, ou cortando sua cabeça, ou, se preferirmos ser literais, colocando as suas tripas para fora. A Primeira e a Segunda Guerra fizeram a razão prática e o fuzil marcharem juntos pelo Capital - esse vampiro que suga a força vital dos trabalhadores, na denúncia de Marx. Como consequência, o modernismo nas artes liberou forças tão profundas de crítica à cultura (e ao humanismo) que as formas de expressão explodiram em várias direções (a vanguarda dadaísta, surrealista, futurista e cubista o comprovam).

Apreender o mundo moderno com uma arte moderna era, portanto, fazer uma arte da crise: formas fragmentárias, estruturas estranhas e parodísticas, ambiguidades, ironia trágica - uma arte para uma época fragmentada, pluralista, doente e estranha. As civilizações que o artista deveria confrontar eram a antiga, que Ezra Pound chamou de "uma velha cadela desdentada", e a moderna, que T. S. Eliot chamou de "a terra estéril".

O Zaratustra, personagem de Nietzsche, já prenunciava a tarefa que se impunha de criação e destruição: "Todo aquele que quiser ser criativo no bem e no mal deverá antes ser um aniquilador e destruidor de valores". Pound, um pouco depois, exigirá de todo artista a tarefa de "tornar novo", ir à frente de sua época e transformá-la ao mesmo tempo transformando a própria natureza da arte.

A arte moderna partilhará dos elementos de revoltas e dissolução, de violência e fragmentação, de destruição e reconstrução. Elementos que darão à arte a sua ambiguidade intrínseca. Parafraseando aqui o personagem Aschenbach, criado por Thomas Mann em Morte em Veneza, o artista "tem compaixão pelo abismo - ele próprio é o abismo".

Desde os corpos fragmentados por cortes radicais pelo surrealismo, aos bonecos-humanos-manequins manipulados em gestos patéticos e mecânicos no teatro e na dança, ao cinema do grotesco e do inconsciente do expressionismo, da montagem ready-made de uma roda de bicicleta com um banquinho de Duchamp e Kurt Schwitters com suas assemblage (pintura com roda dentada, por exemplo) e a Ursonate- em tudo isso, o fragmento impunha-se como desdém ao todo.

Na base da modernidade, projetos filosóficos e políticos: Nietzsche denunciará o fracasso do projeto racionalista ocidental, fundado numa razão limitada, derivada do idealismo platônico, que teria levado a Europa à degeneração de suas forças vitais, dionisíacas. Criticará o cristianismo como a "moral dos escravos", anunciando a "morte de Deus".

Marx denunciará o sistema capitalista, o mundo burguês, que sobrevive graças à exploração da mão-de-obra do trabalhador, submetido ao regime da mais-valia e do trabalho alienado. A vida será reificada em todos os seus aspectos, dirá depois T. W. Adorno.

Freud vai desenvolver a ideia do inconsciente, criticando a razão que se acreditava dona de si mesma, mostrando que não somos senhores de nós mesmos, pois somos governados por forças inconscientes, derivadas das irracionais pulsões que a civilização tentou de todas as formas controlar para se edificar. O resultado dessa repressão é uma civilização descontente e a paixão que desenvolvemos pela violência, pela destruição, pelo instinto de morte.

T. W. Adorno chegou a vaticinar a impossibilidade da poesia depois do assassinato sistemático de milhares de judeus em campos de concentração. Benjamin diagnosticará o presente como um lugar de ruínas e guerras, onde a melancolia do mundo das coisas não será redimida pelo trabalho (como ideário da ética protestante), ou pelo conhecimento (projeto de dominação da natureza exterior e interior pela ciência), já que precisamente o conhecimento e o trabalho condenaram a natureza inteira à melancolia e à tristeza.

A existência, sendo, por definição, impossível, é, contudo, irrevogável. O artista moderno não sairá em fuga do Aufhebung hegeliano, onde a dialética não é sintetizada, mas antes continuamente elevada a uma nova série de forças e antinomias conflitantes entre si. A arte moderna, por isso, será ambígua, mantendo uma desconfiança em relação ao mundo moderno, mas não deixando de lado seu compromisso com a modernidade. Sua base será construída por fragmentos e sensações do presente.

Desmontar, minar, reconstruir as velhas formas, ou seja, adotar a máxima do menino-poeta-pervertido Rimbaud: "Il faut être absolutement moderne". Se a palavra se desarraigou, se as imagens perderam a coerência, se pensamento e sentimento vivem separados, se o símbolo perdeu a transcendência, a arte também não poderá ter mais um significado claro. A escritura clássica não dava mais conta do presente, e a literatura tornou-se para escritores como Joyce, dentre outros, apenas um problema da linguagem. O poeta Yeats diz: "A literatura há de ter a capacidade de derrotar o real em qualquer nível".

A crise da certeza, a desagregação da palavra e da imagem, parece também dizer: não podemos mais contar com o "Homem" (conceito perigosamente desconstruído por Foucault). Resta-nos a arte para dizer isso. Gregor Samsa acorda metamorfoseado em asqueroso inseto na obra de Kafka (se "o artista é a antena da raça", os inseticidas nazistas já se prenunciavam ali em Kafka). Também o início da "morte do sujeito", como na peça de Arthur Miller, Morte do caixeiro viajante, onde o personagem principal passa a vida acreditando na virtude do trabalho, acreditando que vivendo honestamente seria rico e feliz, até que é despedido e perde o senso da realidade, mergulhando numa crise profunda e desesperadora. A revelação de que o trabalhador não passa de um objeto descartável dentro do sistema capitalista.

Mallarmé ressoará em Beckett na medida em que os seus textos procurarão superar a própria linguagem, tecendo constantes comentários à ironia que é utilizar a linguagem para dizer a sua inescapável insuficiência.

Ortega y Gasset, num famoso ensaio sobre Goethe, disse: "Viver é precisamente a necessidade inexorável de tomar determinações, ingressar num destino exclusivo, aceitá-lo - isto é, resolver ser esse destino. Temos, quer isso nos agrade ou não, de realizar nossa vocação, nosso programa vital, nosso eu autêntico". Ou não seremos nada. Todo artista tem aqui a sua fé. Mesmo que essa fé seja a dura certeza, como diz Raskólnikov em Crime e Castigo, "de que devemos assumir o sofrimento nós mesmos".

Assumir o sofrimento, mas não de graça: o artista deixa de ser um moralista burguês, mas um criador independente, enxovalhador e perturbador da ordem do mundo. Explodir a discursividade, implodir a cultura digestiva e comercial onde "tudo existe e nada tem valor", criticar acirradamente o imenso panorama da futilidade, é não se dobrar à ordem do mundo.

O capitalismo contemporâneo não deixará de desejar contaminar tudo, mesmo a arte, essa eterna manifestação da subversão de todos os valores: qualquer espécie de conduta humana se tornará permissível no instante em que se mostre economicamente viável, tornando-se "valiosa"; tudo o que pagar bem terá livre curso. Eis ai a essência do niilismo moderno.

Por isso, é preciso continuar a lutar. É preciso continuar a continuar...

Mas hoje, para continuar, é preciso antes dar um passo atrás para poder dar dois outros à frente, e isso significa saber o que representou a arte e o pensamento de Pound, Tchécov, Thomas Mann, Dostoiévski, Eliot, Joyce, Stravinski, Whitman, Ibsen, Schoenberg, Marx, Nietzsche, Freud, Einstein, Proust, William James, Valéry, Picasso, Rilke, Kafka, Brecht, Duchamp, Woolf, etc.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 19/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'JDC' AND colunas.ano = 2013 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIOLÊNCIA SEXUAL NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE
ELENA DE FÁTIMA
LÉON DENIS
(2006)
R$ 8,89



MARKET LEADER INTERMEDIATE PRACTICE FILE
DAVID COTTON; DAVID FALVEY; SIMON KENT
LONGMAN DO BRASIL
(2003)
R$ 12,00



RECEITAS COM ERVAS AROMÁTICAS
NÃO INFORMADO
LIVROS DE VIDA
(1997)
R$ 22,11



APARÊNCIAS E OUTRAS CENAS DO COTIDIANO - 1ª EDIÇÃO
JÚLIO EMÍLIO BRAZ
PALLAS
(2009)
R$ 26,95



OLHAR, ESCUTAR, LER - 1ª EDIÇÃO
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 98,95



CURSO PRÁTICO DE ORATÓRIA
DANIEL DE LUCCAS
DANIEL DE LUCCAS
(1985)
R$ 12,00



RED LUNA - A BIBLIOTECA DO CZAR (NOVO, LACRADO)
GABRIEL MORATO MARCOS INOUE
GUTENBERG
(2013)
R$ 19,00



CLINICA ORTOMOLECULAR V. 1
EFRAIM OLSZEWER
ROCA
(2000)
R$ 66,90



ROUBO DE CORAÇÃO SABRINA
ELAINE COFFMAN
NOVA CULTURAL
(1997)
R$ 5,00



A PRIMEIRA BÍBLIA DE NATÁLIA E LUCAS
MARIA AMIN - MARIA LÚCIA
BELO HORIZONTE
(2006)
R$ 9,90





busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês