A sedução da narrativa | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/7/2013
A sedução da narrativa
Marta Barcellos

+ de 3200 Acessos

O "era uma vez..." já era. Foi substituído por "baseado em fatos reais!" Grandes narrativas? Imagina, ninguém mais lê Guerra e paz. As narrativas agora são fragmentadas ou performáticas, como os novos tempos, como manda a tecnologia, como afinal é o sujeito contemporâneo. No lugar do romance do século XIX, que morreu e morreu, a antinarrativa.

Será?

Se você intui que não é bem assim, mas anda envergonhado de admitir que gosta de ler uma boa ficção (se é flagrado, jura não se tratar de realismo), vá ao cinema. Não, não é para constatar que as tramas bem urdidas ainda imperam na linguagem da telona, mas para se deliciar com uma ode à narrativa tradicional.

Em Dentro da casa, o diretor François Ozon vai além da homenagem distanciada e aponta também caminhos para a narrativa contemporânea, essa que parece constrangida de começar com "era uma vez" e por isso se disfarça de história "real" ou sem narrador. Há camadas narrativas para todos. Sem a arrogância das piscadelas para os eruditos (raramente discretas, já que autores e críticos adoram exibir sua intimidade com a alta cultura), o filme é repleto de referências e citações. Mas quem "apenas" se deixar ser fisgado pelo enredo não aproveita menos: talvez estes "inocentes" sejam os verdadeiros homenageados.

O ponto de partida é um liceu francês, mas não qualquer um: chama-se Gustave Flaubert. A tradição e a modernidade estarão em tensão todo o tempo, dando o tempero cômico, enquanto a trama, que se constrói exibindo todos os seus truques narrativos, fisga os expectadores/leitores. Não à toa o filme foi sucesso de público na França, com 1,2 milhão de pagantes, uma cifra mais próxima das comédias ligeiras do país do que dos filmes autorais de seus cineastas.

Na volta às aulas, somos apresentados a Germain (Fabrice Luchini), um professor de literatura apaixonado pelas narrativas clássicas. Corrigindo redações nas quais os alunos descrevem seus fins de semana como resumidos a pizza e televisão, aqui símbolos do mau gosto da indústria de consumo (na França, talvez pizza mais que televisão), o professor vai encontrar, e se deixar seduzir, pelo texto de um aluno, Claude, que se revelará uma espécie de duplo seu.

Aprendiz de escritor, Claude (Ernst Umhauer) senta-se sempre no fundo da sala, como seu mestre fazia nos tempos de estudante para poder observar os outros, ter o melhor ponto de vista de um narrador. Germain, que se confessará um escritor fracassado, projeta-se no aluno-escritor, e ambos acabam por construir uma narrativa fundada na tradição (thriller no cinema; folhetim na escrita): uma narrativa-crítica da classe média. Como fez Gustave Flaubert.

A figura do escritor francês paira sobre o filme. Além da fachada do liceu, seu nome está na capa dos livros indicados pelo professor, e sua obra projeta-se na personagem Esther, uma Madame Bovary moderna e igualmente entediada em seus valores pequeno-burgueses. A beleza blasé de Emmanuelle Seigner lhe cai como luva. A classe média, seus personagens anônimos e comuns, exerce sobre Claude e seu professor o mesmo efeito da burguesia sobre os escritores e artistas da segunda metade do século XIX. O mesmo misto de desprezo e fascínio que levou Flaubert a escrever Madame Bovary.

Claude "adentra a casa" da classe média por intermédio do colega de classe Raphael, estereótipo do indivíduo idiotizado pela cultura de massas. É na observação apurada da rotina de sua casa e sua família, a mãe Esther e o pai também Raphael, que se construirá a literatura de Claude.

Nota-se no filme a ênfase dada aos riscos inerentes à liberdade democrática que caracteriza a escrita. O professor, a quem caberia a autoridade do enunciado numa relação hierárquica, perde o controle sobre seu aluno aprendiz, sobre o que ele escreve, sobre quem vai ler seus capítulos. O perigo está no ar. O valor atribuído à escrita é tão grande na trama que sua prática determina todos os rumos.

Quando Germain, assustado com as consequências, orienta seu aluno a sair "da casa", que é sua fonte de inspiração -, Claude se nega. E o culpa pelo estímulo literário: "Foi ideia sua". O professor continua lhe emprestando livros, e tenta manter-se como crítico distanciado da trama através de lições de narratologia. As classificações e os esquemas narrativos, que remetem às primeiras teorias de Aristóteles, são utilizados como tentativa de enquadrar a escrita produzida pelo pupilo, numa referência à ânsia classificatória que acompanha os estudos literários desde a época de Flaubert.

Germain busca, em vão, disciplinar Claude com a mediação do seu saber e questionamentos sobre estilo narrativo. Ora, se ele quiser satirizar o comportamento da família, estará criando uma paródia! Zombar dos personagens, como se fosse superior a eles, é fácil, diz o professor: "Difícil é não julgá-los, como fez Flaubert". Claude, ao mesmo tempo que aprende, ironiza cada lição. Induzido a adotar o gênero realista, escreve o capítulo seguinte repleto de números e descrições.

As técnicas de manipulação da narrativa escrita são potencializadas pelos recursos do cinema: também Ozon parece seguir e rir das lições, ao utilizar uma trilha sonora de suspense quando o aluno testa o gênero de mistério, ou a diluir a imagem de Esther nas nuvens do céu quando Claude recorre à poesia para sensibilizar a personagem. "Metáforas são uma bomba atômica numa casa de classe média onde nunca entrou a poesia", diz o professor.

O desvelamento dos truques narrativos (o quadro negro chega a ser utilizado para mostrar o diagrama do conflito que prende o leitor à trama, a exemplo da manipulação utilizada por Sherazade para poupar sua vida) faz emergir a crítica contemporânea à validade das grandes narrativas realistas, já sem a função do passado de dar sentido às ações humanas.

Se a chamada crise da representação acirrou o debate entre narrativistas e antinarrativistas, Ozon de certa forma dá uma resposta pessoal à questão, por meio de sua prática artística: agradou o público e entusiasmou os críticos com uma trama linear, que lança mão de artifícios clássicos da narratologia e prende a todos pelo conflito e pelo suspense. Em vez de se encabular por estar sendo "artificial", se apropria com ironia das discussões e dos impasses que rondam as artes em geral.

Isso se dá por meio da personagem adoravelmente encenada pela inglesa Kristen Scott Thomas. Jeanne, mulher do professor, administra uma galeria de arte e incorpora o discurso afiado da contemporaneidade. Corrige, por exemplo, as novas donas do negócio (gêmeas que ela reconhece como provincianas sem gosto, que deveriam ter herdado uma delicatessen em vez de uma galeria), que lhe perguntam sobre o que a obra de uma artista chinesa representa: "Não se trata de 'representação', mas de 'apresentação'".

Só que, embora negue a possibilidade de representação do real, Jeanne é uma leitora apaixonada da literatura "realista" de Claude, a espécie de leitor que funciona como coautor da obra: ela preenche as lacunas com sua imaginação, a ponto de "ajudar" Ozon a transformar capítulos em cenas do filme. Em suas contradições, a esposa do professor personifica a crise da arte, uma arte que não quer representar, mas busca seu futuro arrastando consigo a tradição.

O nome de sua galeria, O labirinto do Minotauro, assusta os clientes, diz ela, e de seu comentário pode-se depreender tanto o temor à fera da mitologia grega quanto o estranhamento do público médio em relação à cultura erudita. A escrita hermética dos catálogos da galeria é ridicularizada pelo professor e até por ela mesma, que parece tentar se convencer sobre o valor das experiências antinarrativas.

Além da artista chinesa (que ela comenta ter nascido na verdade em Los Angeles!), criadora de imagens aleatórias no computador, outro exemplo de arte moderna seria a "pintura verbal", uma gravação na qual o artista descreve uma pintura que será destruída em seguida. "Ele está zombando da obsessão da indústria cultural com objetos tangíveis", ela defende, ao mesmo tempo em que tenta desesperadamente tornar seu "comércio viável".

A seriedade de Jeanne ao descrever a intenção de cada obra de sua galeria arranca risos da plateia atenta àquela camada narrativa, mas vale lembrar que seu discurso não está distante daquele empregado em defesa da arte conceitual. Da mesma forma, sua ironia sobre o mau gosto da classe média retratada por Claude reflete sem dúvida uma tensão ainda latente entre a cultura elevada e a de massas.

Um diálogo em torno do valor da originalidade, em tempos de reprodutibilidade da obra de arte, se destaca: questionando a verossimilhança da narrativa construída pelo aluno, ela estranha que a família retratada possua uma aquarela de Paul Klee. "Não faz sentido 'arte pura' numa casa de classe média", ela diz. Ao que Germain responde, provocando-lhe espanto: "Desconfio que é uma cópia".

A China, presente em vários detalhes da rotina da família de classe média, faz o contraponto à arte pura. A classe média se interessa por arte ou por mão de obra barata?, indaga o professor, quando vê os pais de Raphael na inauguração de uma exposição. De fato, Esther confunde decoração com arte, mas isso não impede que o narrador-aluno se encante por ela e transforme seu desprezo inicial em literatura.

Dentro da casa é um filme francês e com referências francesas, mas bem podia inspirar uma versão brasileira. Afinal, o que não falta por aqui é tensão entre alta e baixa cultura, ainda mais em tempos de ascensão de uma nova classe média. Mas que isso seja feito por meio de uma trama inteligente e ágil, como a de Ozon, e não por uma reflexão erudita ou por uma comédia global.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 26/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. Elon Musk de Julio Daio Borges
03. Hitler e outros autores de Marta Barcellos
04. As sobras completas, poesias de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti
05. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DO VALOR DA CAUSA E SUA IMPUGNAÇÃO
LUIZ CLAUDIO AMERISE SPOLIDORO
LEJUS
(1997)
R$ 5,00



MEMORIAS REVISITADAS: O INSTITUTO AGGEU MAGALHAES NA VIDA DE SEUS
ANTONIO TORRES MONTENEGRO E TANIA FERNANDES
FIOCRUZ
(1997)
R$ 17,82



TURISMO IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS
AMALIA INES G. DE LEMOS
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



A SOCIOLOGIA DA VIDA ECONÔMICA
NEIL J. SMELSER
BIBLIOTECA PIONEIRA
R$ 11,00



ANTOLOGIA - AMOR ENTRE LETRAS
VÁRIOS AUTORES
ALL PRINT
(2011)
R$ 8,30



AS AVENTURAS DE ALENCAR ALMEIDA
GUILHERME AZEVEDO
V
(2005)
R$ 4,20



A SEMÂNTICA DE DAVIDSON
JONATAN HENRIQUE PINHO BONFIM
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CASE SOLARI LOCALI
PETER VAN DRESSER
FRANCO MUZZIO & C
(1979)
R$ 20,00



MENINO ANTIGO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSÉ OLYMPIO
(1974)
R$ 10,00



GUIA INTERNET DE CONECTIVIDADE
CYCLADES BRASIL
CYCLADES
(1996)
R$ 4,00





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês