90125: o renascimento do Yes | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/11/2013
90125: o renascimento do Yes
Diogo Salles

+ de 2200 Acessos

Exatos trinta anos depois de lançado, 90125 permanece como um marco na história do prog oitentista. Por sua proposta mais acessível, o disco representou uma reviravolta na carreira do Yes e ainda desperta amores e ódios entre fãs e críticos. Enquanto detratores babam de raiva, admiradores o ouvem de joelhos. Mesmo negligenciado nessas listas de discos em voga hoje (até o livro 1001 Discos o ignorou), 90125 é um dos discos mais importantes dos anos 80. Mas a história por trás de sua composição foi tortuosa e seu lançamento aconteceu quase que por acidente. Uma junção de fatores fez o Yes sair de um período de trevas e renascer das cinzas.

No final dos anos 70, tudo parecia acabado para o Yes. E para o prog rock, que foi atropelado por sua própria autoindulgência e pelo movimento punk. Bandas como King Crimson e Emerson Lake & Palmer já estavam virando página virada da história. Para o Yes o fim já vinha se anunciando desde 1978, quando lançaram o desastroso Tormato, que culminou com a saída de Jon Anderson e Rick Wakeman. Mas Chris Squire resolveu chamar Trevor Horn para os vocais e Geoff Downes para os teclados, com a intenção de modernizar o som do Yes. O resultado se tornou o disco Drama (1980), que tinha boas ideias, mas carecia de força. Fim da turnê, fim da linha para o Yes. Foi cada um para o seu canto. Steve Howe e Geoff Downes foram formar o Asia e Trevor Horn voltou a produzir artistas pop. Só sobraram Chris Squire e o baterista Alan White, que não estavam dispostos a entregar as armas e saíram à procura de novos músicos para um novo projeto.

Em 1981, eles se esbarram em Jimmy Page, ainda de ressaca com o fim do Led Zeppelin, e juntam-se para uma jam. Desse ensaio, saem 4 músicas, que podem ser encontradas em bootlegs sob o nome de XYZ (tirado de eX-Yes-&-Zeppelin). Mas o projeto não iria adiante. Depois de lançar o single "Run With The Fox" com White, Squire vai então fuçar os arquivos da Atlantic, em busca de "new acts" (ou um milagre, talvez), até ouvir a fita de um jovem e desconhecido guitarrista sulafricano. Gostou e o convidou para uma jam.

Depois de lançar três discos solo que caíram na obscuridade, Trevor Rabin já tinha várias músicas compostas para um novo disco e foi tentar a sorte em Los Angeles. Ao apresentar "Owner of a Lonely Heart" a um chefão de uma grande gravadora, ele ouve a seguinte resposta: "Embora achemos que sua voz se encaixe no Top 40, não achamos que essa batida é apropriada nesse momento." E assim se seguiu em todas as outras gravadoras em que ele tentou. Depois de uma tentativa frustrada de formar uma banda com Keith Emerson e Jack Bruce, e de quase se juntar ao Asia em 1982, Rabin aceita o convite de Squire para formar uma nova banda, batizada de Cinema. Para encorpar o som do trio, Squire queria um tecladista e lembrou-se de Tony Kaye, que havia saído do Yes em 1971. Agora um quarteto, eles começam os ensaios, com Rabin e Squire dividindo os vocais.

Meses depois, com as músicas quase prontas, Squire, cheio de más intenções, convida Jon Anderson para ir à sua casa. O encontro dos dois acontece na garagem, às escondidas, pois a mulher de Squire não queria o vocalista por perto. Squire coloca a fita no carro. Eles ouvem "Owner of a Lonely Heart", "Leave It" e "Hold On". Anderson fica impressionado e diz que adoraria cantar, mas avisa: "se eu cantar, vai soar como Yes". Squire assentiu, como se dissesse "essa é a ideia". Chegando ao estúdio, Anderson grava duas músicas, ouve algumas outras e sugere mudanças nas letras, dando-lhes mais substância. Trabalha pelas 3 semanas seguintes e logo se torna membro da banda. Aí surge a dúvida: que banda, Cinema ou Yes?

Por algum tempo a questão do nome se torna o assunto central das discussões. Já era sabido que havia pelo menos outras duas bandas chamadas Cinema, que ameaçavam processá-los se usassem o nome [nota: não se sabe se elas processaram uma à outra]. No final, com 4 ex-membros do Yes na banda, eles concluem que seria ridículo não usar o nome. Voto vencido, Rabin concorda, e o Yes está de volta. 90125 (número de série do disco no catálogo da Atlantic) é lançado oficialmente em novembro de 1983 e se torna a consagração para a banda, com o single/clipe de "Owner of a Lonely Heart" no topo das paradas. O álbum vendeu 6 milhões de cópias e atingiu uma marca jamais sonhada por uma banda progressiva. Parafraseando Trevor Rabin, você pode não gostar, mas não pode não ouvir esse disco.

A seguir, o tracklist comentado:

1) Owner of a Lonely Heart - foi esse riff que chamou a atenção de Squire e o fez procurar Rabin para uma jam. Durante as gravações, o produtor Trevor Horn foi enfático: "eu não quero saber do resto das músicas enquanto não acertarmos esta, porque será um hit". É possível perceber a evolução da música ouvindo sua demo, lançada por Rabin no disco 90124.

2) Hold On - com levada mezzo bluesy, mezzo heavy, e sem perder a sofisticação, tornou-se um dos grandes momentos da banda no palco, principalmente pelo solo inspirado de Rabin.

3) It Can Happen - uma das músicas que eles trabalharam quando ainda eram Cinema, antes da chegada de Jon Anderson. Squire canta essa versão inicial e ela só é lançada oficialmente como bônus no box-set YesYears, de 1991. O refrão é o mesmo da versão final, mas nota-se uma grande diferença nos versos e o solo de guitarra também foi retrabalhado.

4) Changes - outra que Rabin já trouxe praticamente pronta ao estúdio e, apesar de Anderson contribuir na letra, os vocais principais continuaram a cargo de Rabin. Se torna um clássico absoluto e um dos melhores momentos de Rabin na banda.

5) Cinema - originalmente intitulada "Time", é fruto das jams feitas quando ainda eram um quarteto. Conta-se que a primeira versão teria mais de 20 minutos de duração, com muitos solos e improvisos. Na versão final, ela continuou instrumental, mas foi editada para 2 minutos - "to fit the 90125 atmosphere", segundo Rabin - e venceu o Grammy de "melhor performance de rock instrumental". Infelizmente, essa versão longa nunca foi lançada e não há nenhum bootleg na praça. Segundo boatos, a fita original dessas jam sessions estaria em poder de Alan White, mas até hoje ninguém o questionou a respeito. O mistério permanece no ar.

6) Leave It - uma música que soa diferente de tudo o que já foi feito, por causa do método pouco ortodoxo usado na gravação. De acordo com Alan White, nesta música eles fizeram tudo ao contrário. Primeiro eles gravaram todos os 27 vocais, depois a bateria e por último adicionaram as guitarras e teclados. É uma música que os vocais são usados como instrumentos e fazem a música se sustentar apenas através deles. Pode-se comprovar isso na versão "a capella" lançada como lado B do single.

7) Our Song - com levada pop e um belo riff de guitarra, acabou sendo ofuscada pelos clássicos e se tornou uma espécie de "lado B" do disco. Foi também a menos tocada na turnê.

8 ) City of Love - com um riff pesado e extremamente simples, causou estranhamento em alguns. Mas a música cresceu e se desenvolveu durante a turnê. Com a adição de solos e improvisos, sugeria um clima de jam e ganhou um verniz mais progger no palco.

9) Hearts - o flerte mais claro com o progressivo. Rabin recorda como ela foi composta: "eu já tinha o refrão e a parte mais pesada, mas faltava algo. Aí Tony Kaye chegou para os ensaios e começou a improvisar o lick que se tornou a introdução da música. Ao ouvir aquilo, gritei na hora 'é isso! Essa é a parte que falta!' ".

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site Geek Musical.


Diogo Salles
São Paulo, 22/11/2013


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles
01. Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B - 22/7/2011
02. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
03. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
04. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
05. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA SAPERE AUDI
DIVERSOS
PUCMINAS
(2011)
R$ 30,00



A LUNETA MÁGICA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
PAULUS
(2008)
R$ 6,90



ESTRANHOS PERSONAGENS
GWEN MOFFAT
FRANCISCO ALVES
(1979)
R$ 7,90



CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS
CELI SCALON, GLÁUCIA VILLAS BÔAS, TOM DWYER
TOMO EDITORIAL
(2011)
R$ 32,00



O ROMANCE DA CIÊNCIA 2 A EDIÇÃO
H. GORDON GARBEDIAN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1944)
R$ 6,47



A VACA FOI PRO BREJO THE COW WENT TO THE SWAMP
MILLÔR FERNANDES
RECORD
(1998)
R$ 10,00



MEU PAI, ACABARAM COM ELE (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
(1997)
R$ 4,00



LA VIE SEXUELLE DE CATHERINE M.
CATHERINE MILLET
SEUIL
(2001)
R$ 50,00



MISTERIOSO
CHRISTINA LAUREN; MAURICIO TAMBONI
UNIVERSO DOS LIVROS
(2015)
R$ 15,00



VIDAS ILUSTRES
HENDRIK WILLEM VAN LOON
GLOBO
(1945)
R$ 12,50





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês