Aqui, ali, em qualquer lugar perto do palco | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Contratos de Seguro de Vários pela Juruã (1990)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Do Seguro Contra Fogo de J. Stoll Gonçalves pela Empreza Graphica (1926)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Seguros Legislação de Nilton Alberto Ribeiro pela Francisco Alves (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/1/2002
Aqui, ali, em qualquer lugar perto do palco
Adriana Baggio

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Praça do Povo - Espaço Cultural - João Pessoa/PB

Noite de sábado, show de Rita Lee no Espaço Cultural, aqui em João Pessoa. Concorrendo com ela, Skank no Forrock e Gil e Banda (argh!!!) Beijo no Clube Cabo Branco, fora uma rave (yes, nós temos raves!) do Mercado Capim Fashion, espécie de Mercado Mundo Mix local. Muita atração para uma cidade de 600 mil habitantes, onde 599 mil são funcionários públicos aposentados. Errrr, brincadeirinha...

É claro que fui no show da Rita Lee, por vários motivos. Em primeiro lugar, porque eu amo Rita Lee, adoro Beatles, comprei o novo CD, Aqui, Ali em Qualquer Lugar, e achei o máximo. Segundo, não são tantas as oportunidades de atrações culturais por aqui. Terceiro, minha carteirinha de estudante permitiu pagar apenas 10 pila pelo ingresso. Em Curitiba, sairia por volta de R$ 30 ou R$ 40, eu acho. Lá os shows dela aconteceram quase sempre no Teatro Guaíra. Além de imobilizar o público, ainda elitiza bastante. Aqui o esquema foi mais popular. O Espaço Cultural, local da apresentação, é de uma fundação ligada ao governo estadual. A estrutura e o conceito são muito interessantes. O Espaço Cultural abriga o Teatro Paulo Pontes, o Cine Bangüê, o Museu José Lins do Rêgo, a Galeria Archidy Picado, além de escola de música, clube de xadrez, planetário, lojinhas de artesanato, agência dos Correios e do Banco do Brasil. Um amplo espaço aberto e coberto divide duas construções principais, uma em cada extremidade do Espaço, que deve ser mais ou menos do tamanho de duas quadras. Uma das coisas mais legais de lá são as cadeiras do teatro e do cinema. É muito pitoresco! Parecem cadeiras de praia, daquelas de lona. Mas essas são feitas de estrutura de madeira e um couro azul. Enquanto estão vazias, as cadeiras ficam com o couro esticado. Quando você senta, o couro se desenrola dos bastões que ficam nas costas e na dobra dos joelhos e você afunda. Se a peça ou o filme forem muito chatos, dá pra tirar uma soneca das mais agradáveis. Assim como quase todo o Espaço, as cadeiras estão sentindo o peso da falta de manutenção e de cuidado, e os ácaros em breve terão posse legítima do local por usucapião.

A área que divide as duas extremidades do Espaço Cultural é chamada de Praça do Povo. Como disse, é um vão enorme. Minha capacidade para descrição de estruturas é muito limitada, mas vou tentar explicar como é. O teto, muito alto, é suportado por uma espécie de treliça gigante, que por sua vez se apóia em enormes colunas de ferro, que através de cabos de aço, fazem com que o negócio todo fique em pé. Sei que aquilo não cai por causa da tensão dos cabos de aço puxando as treliças, mas não sei dizer como isso funciona. Deu pra entender? Ok, eu sei que não, mas quando vier para João Pessoa, não deixe de visitar o Espaço Cultural, principalmente se você for engenheiro civil (ou então olhe mais uma vez a imagem que está no começo da coluna).

Pois bem, o show da Rita foi na imensa Praça do Povo. A Praça é plana, mas nas bordas há uma inclinação, uma rampa. O palco ocupa uma das extremidades, e é da largura da parte plana, terminando exatamente onde começa a rampa. O público fica na frente do palco e tem muitos metros para se espalhar para os lados e para o fundo, sem precisar chegar até a parte inclinada. No entanto, a exclusão social neste estado alcança até quem conseguiu comprar ingresso para o show. Assim como outras vezes, os organizadores venderam ingressos simples e mesas. As mesas ficam exatamente na frente do palco. O espaço das mesas, cercado por cordas, também termina exatamente onde começam as rampas laterais. Portanto, os "excluídos" que compram ingresso simples têm que escolher entre se equilibrar nas rampas para tentar ver o show de perto, de um ângulo agudo, ou ficar de frente para o placo, mas depois da área das mesas, ou seja, a muitos, muitos metros de onde as coisas acontecem.

No outro show que assisti no Espaço Cultural, de Marisa Monte, fiquei de frente para o palco, depois das mesas. Daquela distância, se fosse o Djavan que estivesse lá não teria feito diferença, já que eu não enxergava nada mesmo. Para poder ver melhor Rita Lee, resolvi tentar as rampas laterais. Ela começou o show e deve ter tido a seguinte visão: logo depois do palco, com uns 3 metros de altura, um espaço separando ela e a área das mesas; atrás e ao lado da área das mesas, separados por um cordão de isolamento, estávamos nós, o resto do público, que nem era tão grande assim, e ficou longe de lotar a Praça do Povo. Depois da primeira música, Rita deu boa noite a João Pessoa e perguntou o que aquele povo todo estava fazendo lá atrás e dos lados. E com a expressão mais cândida do mundo, perguntou se o pessoal das mesas se importaria que nós, os "excluídos", ficássemos logo em seguida do palco, na área antes das mesas. Foi a glória! Corremos todos para a frente do palco, e fiquei na primeira fila.

Meu torcicolo foi sendo construído durante todo o show. Dava para ver a caquinha do nariz de Rita Lee. Dava para ver as gotinhas de suor escorrendo do maravilhoso pescoço do marido dela. Achei o máximo ela ter percebido a exclusão, e a situação ridícula que aquela distribuição de público causava. Durante o show ela teve outras atitudes de "deliciosa anarquia", como disse um amigo. Fez uma pesquisa eleitoral, e todos os candidatos citados foram vaiados, exceto Lula; chorou por causa da posição de Maluf em primeiro lugar nas pesquisas para governador de São Paulo; falou das mulheres afegãs. A gente sabe que esses momentos não são tão autênticos assim, que ela repete as brincadeiras em todos os shows da turnê. Mas Rita Lee é muito carismática, muito simpática, e muito profissional. Ela sabe que está ali para divertir o público que pagou ingresso, mesmo que pareçam meia dúzia de gatos pingados provincianos distribuídos em um local inadequado.

As músicas do show foram basicamente do novo disco, com versões e arranjos para músicas dos Beatles, e antigos sucessos. Para lembrar os 20 anos da morte de Elis Regina, completados exatamente naquele dia 19, Rita cantou Alô, alô, marciano; também fizeram parte do repertório Óculos, dos Paralamas, e uma versão para I want to hold your hand, dos Beatles. Esta versão ficou um barato. Não dá para lembrar da letra, mas é uma coisa muito simples, aparentemente pueril, sobre um bode e uma cabra. A versão de Rita para o som do "haaaannnnnd", na voz dos Beatles, era um sonoro bééééééééé... Considerando que a gente está no nordeste, e bodes e cabras são muito comuns por aqui, a apresentação desta música em particular foi muito feliz. O público adorou, assim como quase veio abaixo quando Rita Lee apresentou a banda e, entre os músicos, João Barone.

De tudo que aconteceu de bom neste show, o que mais me marcou foi o fato de ela ter percebido a "segregação" do público e ter se dado ao trabalho de chamar atenção para o ridículo daquela situação. É lógico que, como o espaço é muito grande e estava longe de ficar lotado, a aproximação do público era mais interessante para ela, também. E depois, se não estivéssemos ali, no gargarejo, para quem o (maravilhoso, vitaminado!) Roberto de Carvalho iria jogar suas palhetas?

Para ouvir e curtir:

Aqui, Ali, em Qualquer lugar

Aqui, Ali, em Qualquer Lugar - Rita Lee - Abril Music


Adriana Baggio
Curitiba, 24/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Liberdade de Ricardo de Mattos
02. A verdade somente a verdade? de Adriane Pasa
03. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner
04. Sérgio Santos, Edu Lobo e Dori Caymmi de Rafael Fernandes
05. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos de Rafael Fernandes


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2002
22h34min
Dri, Poderosa, vitaminada a sua crítica! A-d-o-r-e-i a história da subversão da segregação (à qual estamos, infelizmente, acostumados). Depois de descrever os absurdos sócio-espaciais do show, a sua narração do momento anárquico da Rita é climática! Fiquei até emocionada. Aliás, não há nada de errado com suas descrições espaciais (e olha que sou, ou fui, arquiteta!). Deu pra visualizar tudo, da treliça da cobertura às cadeiras de lona – e ficou mais claro q muita revista especializada. Quero umas cadeiras de lona também! (sem ácaros, por favor!)
[Leia outros Comentários de dani sandler]
28/1/2002
21h19min
Dani, querida, obrigada pelos comentários! Fico feliz que tenha gostado, e muito orgulhosa por você, uma arquiteta, ter entendido minhas treliças! Se algum dia eles se desfizerem das cadeiras, peço para guardar algums para você! Ou, quando vc vier para cá de novo, pode visitar João Pessoa e conhecer tudo in loco!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL GARNI - A HISTÓRIA DA SENSIBILIDADE
HUBERT FICHTE
BRASILIENSE
(1989)
R$ 11,12



PLANTAS PARA CASA
JOAN COMPTON
MELHORAMENTOS
(1970)
R$ 5,00



ESTACAO CARANDIRU
DRAUZIO VARELLA
CIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA - 9859
JOSÉ PRADO MARTINS / ELISABETH CASTELLANO (ORG.)
EDUNICEP
(2003)
R$ 14,00



O PATINHO FEIO VAI TRABALHAR
METTE NORGAARD
DVS
(2007)
R$ 32,00



A FILOSOFIA NA ÉPOCA TRÁGICA DOS GREGOS
FRIEDRICH WILHELM NIETZSCHE
ESCALA
(2008)
R$ 29,90
+ frete grátis



SKYLINE 3 STUDENTS BOOK A
SIMON BREWSTER E OUTROS
MACMILLAN
(2005)
R$ 7,90



O CÔNSUL HONORÁRIO
GRAHAM GREENE
ARTENOVA
(1973)
R$ 25,90
+ frete grátis



INCLUSIVE EDUCATION: A GLOBAL AGENDA
SEAMUS HEGARTY, COR AND MEIJER, SIP JAN PIJL
ROUTLEDGE
(1996)
R$ 129,00



SAFARI EMCANTOS DE ÁFRICA ENCHANTED CORNERS OF AFRICA
LUÍS LOURO
BOOK TREE
(2013)
R$ 100,48





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês