Sentido para a liberdade | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2002
Sentido para a liberdade
Bruno Garschagen

+ de 1700 Acessos

A necessidade de purgar os pecados faz o Deus cristão ser fundamental na vida dos ocidentais. Como aquela mãezona alemã superprotetora, mas implacável na violência verbal e física. Seria impossível para uma numerosa turma viver num mundo de desejos ilimitados sem a crença de “algo” que absolvesse a alma.

Aqueles vícios, aquela mentirinha sem valor ou aquela traição deslavada não poderiam ficar sem o perdão dos olhos longos que vê de cima e por cima, das barbas. Não há lágrima que sirva melhor à alma do que a catarse espontânea de saber que existe salvação às piores vilanias e atrocidades; aos mais insidiosos insultos e imposturas.

E não adianta fazer o “bem” sem um motivo que o justifique ou sem ter a quem atribui-lo. Pega mal pacas simplesmente afirmar “fiz porque era o certo” ao invés do desgastado e sempre citado “Deus quis assim”.

As religiões cristãs costumam atrair e conservar a turma através da imagem do padrasto punitivo e da barganha da purificação pela boa conduta. O diabo, meus caros, sempre foi o grande amigo do cristianismo. Como atrair a massa sem o terror do inferno? Judas também foi fundamental. Se comportou conforme o script: seu beijo assexuado abriu caminho para toda a via crucis e todo o blábláblá que o leitor sabe de cor.

Não há dúvidas de que o escambo espiritual é tão poderoso que qualquer outra escolha é tida como “errada”, anticristã, enfim. Talvez justifique porque livres-pensadores ou espíritos livres não passem de personagens estranhos e logo embalsamados por adjetivos do tipo ateus, agnósticos, niilistas, quando, na verdade, qualquer definição, por mais ampla, dificilmente abrangeria seus pensamentos mais puros e impuros.

Imagine se Deus não existisse — ou tivesse morrido, como declarou W. F. Nietzsche. Quantos continuariam a ser bondosos por acreditar nisso como uma forma de vida? Quantos manteriam a conduta íntegra sem o medo do Big Father? Quantos veriam um sentido na liberdade espiritual?

Não há porto mais seguro do que a religião. É o caminho mais rápido para se purgar os pecados: viver, pecar e purgá-los novamente. Houve um tempo em que ainda imaginava o ser humano capaz de praticar o autodomínio e a responsabilidade. Engano ululante. É possível encontrar essas atitudes em pequenos grupos incapazes — pela deficiência quantitativa — de gerar qualquer transformação social.

O mais curioso e desanimador é que essa análise, que deveria atingir como um machado os que crêem na existência do imponderável, serão digeridas pelos grupos que citei. E causar uma ou outra reação de despeito ao invés de fazer pensar. Na falta de argumentos ou considerações, é melhor agredir. Reagir agressivamente (“tenho minha opinião e pronto”) é sempre a melhor forma de esconder as deficiências do intelecto. E dificilmente se consegue alguém para debater sem que a esgrima verbal se restrinja às idéias expostas. O que se vê (como vi por duas vezes) é o ataque pessoal de figuras cuja biografia não fariam parte nem de rótulo do papel higiênico “Carinhoso”.

Há necessidade de uma ética maior, que transcenda as crenças religiosas e se baseie no respeito. Talvez seja esse o sentido não compreendido do Humanismo. Respeitar ou amar porque “algo” ou alguém deseja assim — seja Deus, Maomé, Gandhi, Cristo, o padeiro, Fernando Henrique —, reduz o sentimento à insignificância de uma existência vulgar.

Se não há escolha, mas imposição, o sentido perde-se na escuridão de uma manhã de inverno em que os frutos apodrecem na árvore da submissão.

Concepção

A mais sensata (e não cristã) definição de Deus que li foi forjada por Aristóteles (384-322 .C.). Para o grego, Deus é pura forma isenta de matéria; não é uma parte do universo e nem está no espaço nem em movimento, é a causa última do movimento.

Não se trata de um Deus criador, então. O mundo coexiste eternamente com Ele, acreditava Aristóteles. Por essa concepção, é falso dizer que Deus se interessa pelo mundo e dedica amor à humanidade porque existe acima e além do mundo, num estado transcendente de contemplação, friamente desligado de nossa maneira de pensar. Alerta-nos o filósofo de nossa irresponsabilidade ao transferir para o transcendente nossa responsabilidade.

Máximas

Deus está morto. Mas seu cadáver não deixa de ser violado.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 5/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti
03. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro
04. Dostoiévski era um observador da alma humana de Luiz Rebinski Junior
05. O cinema visita a funilaria de Vicente Escudero


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Anauê - 21/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA
PETER DRUCKER
PIONEIRA
(1999)
R$ 13,00



HUMOR 100% SEXUAL
NANI
DESIDERATA
(2007)
R$ 12,00



NINTENDO WORLD--6--NOS TEMOS A FORÇA!
CONRAD
CONRAD
R$ 18,00



ENFIM SÓS!...
MÁRCIA LEITE
SCIPIONE
(1991)
R$ 5,00



NEOCONSUMIDOR DIGITAL, MULTICANAL & GLOBAL
MARCOS GOUVEA DE SOUZA
GS & MD
(2009)
R$ 20,00



CHICO XAVIER E NOSSO LAR EM CORDEL F. A. LISBOA
F. A. LISBOA
CLARIM
(1994)
R$ 5,00



A SOLUÇÃO VIAGRA A CURA DA IMPOTÊNCIA
DR. STEVEN LAMM
RECORD
(1998)
R$ 26,91



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL 18
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



SENTIDO DINÂMICO DA DEMOCRACIA
ELIAS CHAVES NETO
BRASILIENSE
(1982)
R$ 25,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês