Sentido para a liberdade | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2002
Sentido para a liberdade
Bruno Garschagen

+ de 1600 Acessos

A necessidade de purgar os pecados faz o Deus cristão ser fundamental na vida dos ocidentais. Como aquela mãezona alemã superprotetora, mas implacável na violência verbal e física. Seria impossível para uma numerosa turma viver num mundo de desejos ilimitados sem a crença de “algo” que absolvesse a alma.

Aqueles vícios, aquela mentirinha sem valor ou aquela traição deslavada não poderiam ficar sem o perdão dos olhos longos que vê de cima e por cima, das barbas. Não há lágrima que sirva melhor à alma do que a catarse espontânea de saber que existe salvação às piores vilanias e atrocidades; aos mais insidiosos insultos e imposturas.

E não adianta fazer o “bem” sem um motivo que o justifique ou sem ter a quem atribui-lo. Pega mal pacas simplesmente afirmar “fiz porque era o certo” ao invés do desgastado e sempre citado “Deus quis assim”.

As religiões cristãs costumam atrair e conservar a turma através da imagem do padrasto punitivo e da barganha da purificação pela boa conduta. O diabo, meus caros, sempre foi o grande amigo do cristianismo. Como atrair a massa sem o terror do inferno? Judas também foi fundamental. Se comportou conforme o script: seu beijo assexuado abriu caminho para toda a via crucis e todo o blábláblá que o leitor sabe de cor.

Não há dúvidas de que o escambo espiritual é tão poderoso que qualquer outra escolha é tida como “errada”, anticristã, enfim. Talvez justifique porque livres-pensadores ou espíritos livres não passem de personagens estranhos e logo embalsamados por adjetivos do tipo ateus, agnósticos, niilistas, quando, na verdade, qualquer definição, por mais ampla, dificilmente abrangeria seus pensamentos mais puros e impuros.

Imagine se Deus não existisse — ou tivesse morrido, como declarou W. F. Nietzsche. Quantos continuariam a ser bondosos por acreditar nisso como uma forma de vida? Quantos manteriam a conduta íntegra sem o medo do Big Father? Quantos veriam um sentido na liberdade espiritual?

Não há porto mais seguro do que a religião. É o caminho mais rápido para se purgar os pecados: viver, pecar e purgá-los novamente. Houve um tempo em que ainda imaginava o ser humano capaz de praticar o autodomínio e a responsabilidade. Engano ululante. É possível encontrar essas atitudes em pequenos grupos incapazes — pela deficiência quantitativa — de gerar qualquer transformação social.

O mais curioso e desanimador é que essa análise, que deveria atingir como um machado os que crêem na existência do imponderável, serão digeridas pelos grupos que citei. E causar uma ou outra reação de despeito ao invés de fazer pensar. Na falta de argumentos ou considerações, é melhor agredir. Reagir agressivamente (“tenho minha opinião e pronto”) é sempre a melhor forma de esconder as deficiências do intelecto. E dificilmente se consegue alguém para debater sem que a esgrima verbal se restrinja às idéias expostas. O que se vê (como vi por duas vezes) é o ataque pessoal de figuras cuja biografia não fariam parte nem de rótulo do papel higiênico “Carinhoso”.

Há necessidade de uma ética maior, que transcenda as crenças religiosas e se baseie no respeito. Talvez seja esse o sentido não compreendido do Humanismo. Respeitar ou amar porque “algo” ou alguém deseja assim — seja Deus, Maomé, Gandhi, Cristo, o padeiro, Fernando Henrique —, reduz o sentimento à insignificância de uma existência vulgar.

Se não há escolha, mas imposição, o sentido perde-se na escuridão de uma manhã de inverno em que os frutos apodrecem na árvore da submissão.

Concepção

A mais sensata (e não cristã) definição de Deus que li foi forjada por Aristóteles (384-322 .C.). Para o grego, Deus é pura forma isenta de matéria; não é uma parte do universo e nem está no espaço nem em movimento, é a causa última do movimento.

Não se trata de um Deus criador, então. O mundo coexiste eternamente com Ele, acreditava Aristóteles. Por essa concepção, é falso dizer que Deus se interessa pelo mundo e dedica amor à humanidade porque existe acima e além do mundo, num estado transcendente de contemplação, friamente desligado de nossa maneira de pensar. Alerta-nos o filósofo de nossa irresponsabilidade ao transferir para o transcendente nossa responsabilidade.

Máximas

Deus está morto. Mas seu cadáver não deixa de ser violado.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 5/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dostoiévski era um observador da alma humana de Luiz Rebinski Junior
02. Personagens secundários em séries de Rafael Fernandes
03. Verão, de J.M. Coetzee de Daniel Lopes
04. O Código de Defesa do Consumidor e Maradona de Daniel Bushatsky
05. Projeto Itália ― Parte II de Eduardo Mineo


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OUTERNET - VIAGEM NO TEMPO
STEVE BARLOW; STEVE SKIDMORE
ROCCO
(2006)
R$ 8,02



GLOSSÁRIO GEOLÓGICO
VICTOR LEINZ
COMPANHIA EDITORIAL NACIONAL
(1982)
R$ 10,00



HOMENS E MELODIAS (COMPOSITORES E CANÇÕES)
LEONARD A. PARIS
ITATIAIA
(1960)
R$ 15,00



MOVIMENTOS POPULARES NA IDADE MÉDIA - COLEÇÃO DESAFIOS
JOSÉ RIVAIR MACEDO
MODERNA PARADIDÁTICO
R$ 20,00



BODY FOR LIFE
BILL PHILLIPS
MANOLE
(2000)
R$ 17,00



CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL - 02 VOLUMES
N. PISKUNOV
MIR
(1973)
R$ 40,00



A APARIÇÃO DO DEMÔNIO NA FÁBRICA ORIGENS SOCIAIS DO EU DIVIDIDO NO SUBÚRBIO OPERÁRIO
JOSÉ DE SOUZA MARTINS
34
(2008)
R$ 30,00



DA PROPRIEDADE DAS MINAS E JAZIDAS
VERA DE SÃO PAULO
BRASILEIRA DE DIREITO
(1974)
R$ 12,00



ARTEMIS FOWL - O MENINO PRODÍGIO DO CRIME
EOIN COLFER
RECORD
(2001)
R$ 10,00



O VIOLINO E OUTROS
LUIZ VILELA
ATICA
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês