Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
>>> Serie Literária I Conto Frederico Paciência de Mário de Andrade pela Companhia editoria nacional (1978)
>>> Viagem ao Rio Grande do Sul de Auguste de Saint-Hilaire pela Ariel (1935)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 1 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Do Parapeito Vital de Vania Clares pela Autor (1996)
>>> Ensaios Céticos - Prêmios Nobel de Literatura de Bertrand Russell pela Opera (1970)
>>> Enciclopédia do Homem - No tempo dos primeiros automóveis (1900) de Pierre Miquel pela Lutécia (1977)
>>> Teatro - Coleção dos Prêmios Nobel de Literatura de William Butler Yeats pela Delta (1963)
>>> A História da Filosofia de James Garvey, Jeremy Stangroom pela Octavio (2013)
>>> La Argentina y Europa (1950 - 1970) de Vários autores pela Universidad Nacional del Sur (1999)
>>> A Luz Que Se Apagou de Rudyard Kipling pela Delta (1962)
>>> La Batalla en el frente social de Israel en los años 1970 de Vários autores pela Oficina para investigaciones economicas y sociales (1970)
>>> Prêmio Nobel de Literatura - Adeus ás Armas de Ernest Hemingway pela Delta (1969)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado e Alcy pela Ática (2016)
>>> O Sapo que Virou Príncipe: Continuação de Jon Scieszka ( pela Companhia das Letrinhas (2010)
>>> Português : linguagens, 6ª. Série : língua portuguesa de William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2006)
>>> Em busca do eu interior. Histórias e parábolas para aquecer seu coração de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Quero um Gato de Tony Ross pela Martins Fontes (1998)
>>> Gente da França de Alcantara Silveira pela Grd (1991)
>>> Amanhã É Outro Dia de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas / Francisco Messejana (Adaptação ) pela Abril Cultural (1973)
>>> A Cura Através da Terapia de Vidas Passadas de Brian L. Weiss pela Sextante (2001)
>>> Obazine de Pierre Bergounioux pela Le Lieu de l (2021)
>>> A Estratégia do Olho de Tigre de Renato Grinberg pela Gente (2011)
>>> A Casa Sonolenta - 16ª Edição - 29ª reimpressão de Audrey Wood e Don Wood pela Ática (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2018
Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
Renato Alessandro dos Santos

+ de 8100 Acessos

“É bom falar, é bom conversar com um amigo, a quem se abre o coração”, diz Sem Medo a Teoria. São dois guerrilheiros, comandante e comandado, conversando no interior da floresta tropical que é Mayombe, que é Angola. “Guardar para si não dá, só quando se é escritor. Aí um tipo põe tudo num papel, na boca dos outros. Mas quando se é escritor é preciso desabafar, falando”. Este é Sem Medo. Qualquer semelhança com o orixá Ogun, o “prometeu africano”, não será mera coincidência.

Personagem admirável, o leitor segue-o de perto romance adentro, desconfiando de que o guerrilheiro poderia ser Pepetela. Seria possível? Seria, se a literatura não fosse ficção, o contrário da vida. “A acção é outra espécie de desabafo, muitos de nós utilizam esse método, outros batem na mulher ou embebedam-se”, continua Sem Medo. “(...) a conversa franca que me parece o melhor, a mim que não sou escritor. Não foi por acaso que os padres inventaram a confissão, ela corresponde a uma necessidade humana de desabafo”.

Tribalismo

Não há sequer um pôster de Marx ou Lênin nos muros de Dolisie ou em alguma árvore na floresta. São anos de chumbo. Mas os dois revolucionários ficariam orgulhosos lendo Mayombe. Os soldados encontram na guerrilha o caminho para a independência de Angola. É hora de pôr a teoria em prática: Pepetela, o escritor, aplica em seu romance o que Pepetela, o guerrilheiro, aprendeu em seus anos de luta armada. É coerente; é sedutor; é profundo. A ideologia percorre os labirintos da selva; vêm honestidade, honra e coragem, virtudes encontradas na maioria dos guerrilheiros, que, pensando no bem-estar social do grupo e do Mayombe, querem levar a revolução adiante. Angola para os angolanos.

Na guerra colonial contra Portugal, na selva, guerrilheiros de grupos diversos formam um conjunto que pode ser visto como simulacro de uma nação composta de um punhado de tribos (kimbundos, kikongos, umbundos), que, por força de lutar contra o inimigo em comum, esforçam-se para se entender, até porque, para se reconquistar um país, é preciso ter unidade e um caminho que leve todos a um mesmo lugar.

Mas, zumbindo, açoita o tribalismo que, dentro da cabeça do guerrilheiro, faz de Mayombe ― escrito em 1971 e publicado em 1980 ― um vespeiro, um microcosmo do que Angola vai acabar vivendo após 1975, quando a independência do país, automaticamente, transforma-se em uma guerra civil, e, na algaravia ímpar de culturas, de tradições e de códigos tribais, ninguém conseguirá se entender. É por isso que, mais do que a floresta gigantesca, Mayombe é Angola, rica em cultura ancestral, de tradição secular interrompida e desprezada pelo colonialismo português. Tudo obedecendo aos ditames da civilização ocidental. Um vexame.

Negro lá, índio cá

À mercê dessa realidade terrível, civilizar, para toda nação que foi pilhar África, significou ir aquém de aprender com outra cultura. A alteridade lusitana, ou melhor, a ausência dela, impôs a relação servil em que o europeu não se reconheceu no outro ― negro lá, índio cá ― e, por isso, longe de valorizar as diversas culturas encontradas pelo caminho, tentou apagar a alma da colônia, buscando por meio da política da assimilação, por fim oficializada por Salazar, alinhar africanos que deveriam ser, tendo a língua como elo, mais portugueses do que angolanos, moçambicanos, guineenses, são-tomenses e cabo-verdianos. As independências tardias, diferente do que houve no Brasil, um século e meio antes, trouxeram a guerra, e com ela refugiados, que, nômades, foram levar adiante ― mais uma vez ― a diáspora africana. Não é fácil ser mãe, suspira África, jamais reclamando de sua sorte, ou da falta dela.

Dentro de Mayombe, a floresta é o cenário principal, onde se ouvem muitas vozes: a narrativa traz vários narradores anexados ao fio principal, onisciente, que segue Sem Medo, o comissário e outros, enredo adentro, alterando a narração entre terceira e primeira pessoa. Leitores aspirantes ao serviço militar, aqueles que trazem o coração verde-oliva, vão se esbaldar com Mayombe, e os transes que enfrentam os guerrilheiros do MPLA (Movimento Popular para Libertação de Angola) ou da UPA (União das Populações de Angola) ― nêmesis dos “tugas”, os portugas ― não têm nada de hollywoodiano, de batalhas épicas, mas traz o sangue daqueles que, caindo sobre o chão de seu país, chão de batalha, morreram por Angola, como reclama um bilhete em CAIXA ALTA deixado por Sem Medo, numa emboscada aos portugueses:

SACANAS COLONIALISTAS, VÃO À MERDA, VÃO PARA A VOSSA TERRA. ENQUANTO ESTÃO AQUI, NA TERRA DOS OUTROS, O PATRÃO ESTÁ A COMER VOSSA MULHER OU IRMÃ, CÁ NAS BERÇAS!

Polifonia

A história envolve o leitor. A tática de Pepetela, o autor, é deixar que, na fabulação, vários narradores-guerrilheiros deem sua versão do que vai. Quase todo mundo tem voz aqui; quer dizer, as mulheres e o inimigo, não. Quando o sobrinho de Sem Medo, Vewê, também um combatente, esperando alguma espécie de nepotismo, esbarra na ideologia austera do tio, seu comandante, cai em uma discussão que cresce como uma enchente, até que é interrompida pelo Comissário, que defende o sobrinho de Sem Medo, horrorizado pela truculência do outro. A superfície esconde a profundeza da alma humana, e o que poderia ser uma discussão passageira leva mais barulho para a base, onde, divididos, os guerrilheiros convivem, soterrados em dúvidas e insatisfação. Um por todos e todos por um? A ideia é essa, mas, em certas horas de desespero, fica mais para salve-se quem puder...

A fim de defender o que pensa, essa discussão é retomada por Mundo Novo, que, por meio de uma análise focada no tribalismo, oferece outro ponto de vista ao leitor, e assim vai, com um narrador por vez formando múltiplas vozes, numa polifonia cujo maior mérito é dar ao outro a possibilidade de se expressar, e não é assim que funciona entre adultos? Na base no meio da selva, no rio de surucucu, no quartel na cidade, ou no mato rasteiro do campo, o enredo vai tomando forma, levando a gente, atenta, a tiracolo.

Viver ou hibernar? Eis a questão

Os verdadeiros leitores de Mayombe não são aqueles estudantes forçados a encará-lo por causa do vestibular ― embora em muitos sempre há rebeldes em crisálida constante que, no livro, encontrarão razão de ser ― mas as pessoas que se sentirão recompensadas pela narrativa de Pepetela e que, certamente, partirão em busca de obras dele e de outros autores da contemporânea literatura africana de língua portuguesa, que está, como toda arte literária, sempre à espera de novos leitores dispostos a, com ela, compartilhar a vida, enriquecendo-a e multiplicando-a, imprevisível, uma vez que viver é “criação constante, morte e recriação”, enquanto “a rotina é exatamente o contrário da vida”, isto é, “é a hibernação”.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 13/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
02. American Horror Story: Asylum de Duanne Ribeiro
03. A favor do voto obrigatório de Luis Eduardo Matta
04. Itinerário de leituras on-line de Julio Daio Borges
05. Ser brasileiro nas Olimpíadas de Daniela Sandler


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
02. O massacre da primavera - 29/5/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diccionario Ideológico Político de La Transición 60 Años En las P
Emilio Attard (tomos 1, 2 e 3)
Federico Domenech (valência)
(1995)



Dictionnaire des Religions
E. Royston Pike (capa Dura)
Pressesuniversitaires
(1954)



Pobreza, Desigualdad Social y Ciudadanía: los Límites
Alicia Ziccardi (compiladora)
Clacso
(2002)



Era uma Vez no Instituto de Educação
Zilá Simas Enéas
Autora (rj)
(1998)



Salário Mínimo / Instrumento de Combate à Desigualdade
Dieese
Ford Foundation
(2010)



Bandolim
Leny Werneck
Melhoramentos
(1986)



Estatica de las Estructuras - 4 Tomos
Schreyer/ramm/wagner
Editorial Blume
(1969)



Os Jovens Deixam Sangrar Com Caetano Veloso
Manchete Nº 983 de 20 de Fevereiro 1971
Bloch
(1971)



Questions Sur La Chine Après La Mort de Mao Tsé-toung
Charles Bettelheim (capa Dura)
François Maspero (paris)
(1979)



Nássara Desenhista
Cássio Loredano (dedicatória)
Mec/secretaria da Cultura
(1985)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês