Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2018
Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2100 Acessos

“É bom falar, é bom conversar com um amigo, a quem se abre o coração”, diz Sem Medo a Teoria. São dois guerrilheiros, comandante e comandado, conversando no interior da floresta tropical que é Mayombe, que é Angola. “Guardar para si não dá, só quando se é escritor. Aí um tipo põe tudo num papel, na boca dos outros. Mas quando se é escritor é preciso desabafar, falando”. Este é Sem Medo. Qualquer semelhança com o orixá Ogun, o “prometeu africano”, não será mera coincidência.

Personagem admirável, o leitor segue-o de perto romance adentro, desconfiando de que o guerrilheiro poderia ser Pepetela. Seria possível? Seria, se a literatura não fosse ficção, o contrário da vida. “A acção é outra espécie de desabafo, muitos de nós utilizam esse método, outros batem na mulher ou embebedam-se”, continua Sem Medo. “(...) a conversa franca que me parece o melhor, a mim que não sou escritor. Não foi por acaso que os padres inventaram a confissão, ela corresponde a uma necessidade humana de desabafo”.

Tribalismo

Não há sequer um pôster de Marx ou Lênin nos muros de Dolisie ou em alguma árvore na floresta. São anos de chumbo. Mas os dois revolucionários ficariam orgulhosos lendo Mayombe. Os soldados encontram na guerrilha o caminho para a independência de Angola. É hora de pôr a teoria em prática: Pepetela, o escritor, aplica em seu romance o que Pepetela, o guerrilheiro, aprendeu em seus anos de luta armada. É coerente; é sedutor; é profundo. A ideologia percorre os labirintos da selva; vêm honestidade, honra e coragem, virtudes encontradas na maioria dos guerrilheiros, que, pensando no bem-estar social do grupo e do Mayombe, querem levar a revolução adiante. Angola para os angolanos.

Na guerra colonial contra Portugal, na selva, guerrilheiros de grupos diversos formam um conjunto que pode ser visto como simulacro de uma nação composta de um punhado de tribos (kimbundos, kikongos, umbundos), que, por força de lutar contra o inimigo em comum, esforçam-se para se entender, até porque, para se reconquistar um país, é preciso ter unidade e um caminho que leve todos a um mesmo lugar.

Mas, zumbindo, açoita o tribalismo que, dentro da cabeça do guerrilheiro, faz de Mayombe ― escrito em 1971 e publicado em 1980 ― um vespeiro, um microcosmo do que Angola vai acabar vivendo após 1975, quando a independência do país, automaticamente, transforma-se em uma guerra civil, e, na algaravia ímpar de culturas, de tradições e de códigos tribais, ninguém conseguirá se entender. É por isso que, mais do que a floresta gigantesca, Mayombe é Angola, rica em cultura ancestral, de tradição secular interrompida e desprezada pelo colonialismo português. Tudo obedecendo aos ditames da civilização ocidental. Um vexame.

Negro lá, índio cá

À mercê dessa realidade terrível, civilizar, para toda nação que foi pilhar África, significou ir aquém de aprender com outra cultura. A alteridade lusitana, ou melhor, a ausência dela, impôs a relação servil em que o europeu não se reconheceu no outro ― negro lá, índio cá ― e, por isso, longe de valorizar as diversas culturas encontradas pelo caminho, tentou apagar a alma da colônia, buscando por meio da política da assimilação, por fim oficializada por Salazar, alinhar africanos que deveriam ser, tendo a língua como elo, mais portugueses do que angolanos, moçambicanos, guineenses, são-tomenses e cabo-verdianos. As independências tardias, diferente do que houve no Brasil, um século e meio antes, trouxeram a guerra, e com ela refugiados, que, nômades, foram levar adiante ― mais uma vez ― a diáspora africana. Não é fácil ser mãe, suspira África, jamais reclamando de sua sorte, ou da falta dela.

Dentro de Mayombe, a floresta é o cenário principal, onde se ouvem muitas vozes: a narrativa traz vários narradores anexados ao fio principal, onisciente, que segue Sem Medo, o comissário e outros, enredo adentro, alterando a narração entre terceira e primeira pessoa. Leitores aspirantes ao serviço militar, aqueles que trazem o coração verde-oliva, vão se esbaldar com Mayombe, e os transes que enfrentam os guerrilheiros do MPLA (Movimento Popular para Libertação de Angola) ou da UPA (União das Populações de Angola) ― nêmesis dos “tugas”, os portugas ― não têm nada de hollywoodiano, de batalhas épicas, mas traz o sangue daqueles que, caindo sobre o chão de seu país, chão de batalha, morreram por Angola, como reclama um bilhete em CAIXA ALTA deixado por Sem Medo, numa emboscada aos portugueses:

SACANAS COLONIALISTAS, VÃO À MERDA, VÃO PARA A VOSSA TERRA. ENQUANTO ESTÃO AQUI, NA TERRA DOS OUTROS, O PATRÃO ESTÁ A COMER VOSSA MULHER OU IRMÃ, CÁ NAS BERÇAS!

Polifonia

A história envolve o leitor. A tática de Pepetela, o autor, é deixar que, na fabulação, vários narradores-guerrilheiros deem sua versão do que vai. Quase todo mundo tem voz aqui; quer dizer, as mulheres e o inimigo, não. Quando o sobrinho de Sem Medo, Vewê, também um combatente, esperando alguma espécie de nepotismo, esbarra na ideologia austera do tio, seu comandante, cai em uma discussão que cresce como uma enchente, até que é interrompida pelo Comissário, que defende o sobrinho de Sem Medo, horrorizado pela truculência do outro. A superfície esconde a profundeza da alma humana, e o que poderia ser uma discussão passageira leva mais barulho para a base, onde, divididos, os guerrilheiros convivem, soterrados em dúvidas e insatisfação. Um por todos e todos por um? A ideia é essa, mas, em certas horas de desespero, fica mais para salve-se quem puder...

A fim de defender o que pensa, essa discussão é retomada por Mundo Novo, que, por meio de uma análise focada no tribalismo, oferece outro ponto de vista ao leitor, e assim vai, com um narrador por vez formando múltiplas vozes, numa polifonia cujo maior mérito é dar ao outro a possibilidade de se expressar, e não é assim que funciona entre adultos? Na base no meio da selva, no rio de surucucu, no quartel na cidade, ou no mato rasteiro do campo, o enredo vai tomando forma, levando a gente, atenta, a tiracolo.

Viver ou hibernar? Eis a questão

Os verdadeiros leitores de Mayombe não são aqueles estudantes forçados a encará-lo por causa do vestibular ― embora em muitos sempre há rebeldes em crisálida constante que, no livro, encontrarão razão de ser ― mas as pessoas que se sentirão recompensadas pela narrativa de Pepetela e que, certamente, partirão em busca de obras dele e de outros autores da contemporânea literatura africana de língua portuguesa, que está, como toda arte literária, sempre à espera de novos leitores dispostos a, com ela, compartilhar a vida, enriquecendo-a e multiplicando-a, imprevisível, uma vez que viver é “criação constante, morte e recriação”, enquanto “a rotina é exatamente o contrário da vida”, isto é, “é a hibernação”.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 13/11/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel - 8/5/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês