Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 2/7/2024
Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 900 Acessos


Depois de cantar em alto e bom som que não escreveria mais, fruto da decepção em relação ao meio literário ― com seus prêmios, rodadas de pizza, tapas nas costas e ações entre amigos ― Marcelo Mirisola retorna com um delicioso e amargo fruto de sua criação: Espeto Corrido, pela Velhos Bárbaros ― edição do autor ― em uma primeira tiragem numerada de 50 exemplares.

A literatura de Mirisola ― quem já leu, sabe ― é impiedosa. Politicamente incorreta, desconcerta os bem-pensantes. Mas, para além disso, o autor tem algo raro: estilo. Depois da leitura de seus livros, fica a impressão de que lemos alguém que, de fato, escreve uma literatura única, arrojada não apenas na construção de seus personagens em desvario, mas compondo cada frase que exige que se releia ― pois dá gosto ver sua formação, a inteligência, a sutileza e a maldade de sua construção.

Mirisola é autor de uma vasta obra, dentre os quais, os romances A vida não tem cura, Como se me fumasse, Notas de arrebentação, Memórias da Sauna Finlandesa, Hosana na sargeta etc. E as notáveis e imperdíveis crônicas de O Cristo empalado.

Um autor que escreve com tesão e, para jogar a casa abaixo, não economiza nas marretadas. Em Espeto Corrido, a verve tragicômica se destaca. Impiedoso com os personagens, faz de suas vidas uma sucessão de desastres. Não há saída, como diz Ângela Rorô numa música: “a vida não presta”.

E raros são os escritores que encaram de frente, e com pessimismo agudo, essa verdade. Não há redenção, muito menos sublimação ― a pedrada atinge o vidro e o espatifa a cada frase de Mirisola. E quem joga a pedra é o autor, que parece gozar, esse o lado cômico de tudo, ao assistir ao fracasso das existências que ganham vida na sua obra.

O livro é composto de uma série de histórias, digamos, bizarras. Sua base é a crença (irônica, já que se trata de Mirisola) em milagres. Diz o autor “Eu acredito em Milagres. É mais do que necessário, diante da carnificina que é a vida, acreditar em milagres”.

E o milagre, no caso, é o aparecimento do Tinder como possibilidade de mais uma vez se poder tentar criar relações humanas viáveis. É a partir das relações estabelecidas via Tinder que Mirisola conecta vidas humanas que serão imediatamente chafurdadas na selvageria da existência.

Eu não vou aqui resumir as histórias de Espeto Corrido, já que o espaço de uma resenha é curto. O que importa é dizer que tipo de literatura se trata: quando estamos diante de um romance que escapa ao registro do tipo bom-mocismo, literatura de convento para freiras, literatura pedagógica e/ou ideológica de redenção/salvação.

Não há nada disso na obra de Mirisola. Por isso, evidentemente, o autor se torna um marginal, uma espécie de desterrado. Na orelha do livro, escrita por Leo Lama, ele diz: “Marcelo Mirisola está isolado de sua geração como todo criador honesto deve estar(...) Precisamos contar com artistas que sabem que é preciso permanecer à margem, ainda que uma ampla escala de leitores lhes seja devida”.

Os encontros via Tinder (esse “açougue virtual”) anunciam para seu personagem principal uma espécie de felicidade possível, já que realiza, via aplicativo, uma comunicação entre humanos.

Aí é que mora a filosofia: esses humanos não são mais que “restos humanos” ― ou o que sobrou de uma desestruturação total de si mesmos, descritos impiedosamente pelo escritor.

Mirisola também aproveita para pensar criticamente o Brasil e suas zonas de (des)conforto, como a ilusória miragem de uma zona sul Copacabana-carioca dos sonhos dos anos 50, confrontada com a imagem do país alegre que se desfaz nos ferrados anos de verde-e-amarelo do tempo presente ― com suas “madames socialites, influencers & feitoras”, uma rede de corruptos lobos travestidos de cordeiros, numa transa do mal que envolve políticos, figurões do judiciário, artistas da Globo, polícia, milícia etc.

São alfinetadas-sínteses aqui e ali que apontam o desastre de um país dominado pela absoluta falta de sentido, um país que se parece com uma churrascaria de beira de estrada, onde todas classes sociais comem a mesma carne, mas pagam cada qual com a desgraça pessoal de suas vidas.

Claro que nem o Tinder suportará tal personagem. “Sua conta foi banida do Tinder(...) Você não poderá mais acessar sua conta do Tinder ou criar novas contas no futuro”.

O livro se encerra com um “Daqui para a frente é a realidade imposta pela censura, vida que segue, punheta(...)”

Uma alegoria sobre a impossibilidade de se escrever livremente num mundo que exige o politicamente correto do artista, da arte, da vida. Naufrágio da arte.

“Artista bom é artista morto”, já disse alguém. Como aconteceu com Hilda Hilst, por exemplo, que era “impublicável” para o grand monde da literatura ― mas que, ao morrer, viu sua obra sendo devidamente impressa e discutida, o mesmo poderá acontecer com Mirisola, quando alguma poderosa editora comprar seu espólio e o transformar num fetiche subversivo que renderá um saco de moedas de ouro aos seus cofres.

Como disse Aldir Blanc sobre Mirisola: “Marcelo Mirisola é um escritor imenso e o futuro o consagrará(...) Um país que sofre as ignomínias pelas quais passamos, que tem vermes insaciáveis em seu organismo político-social, da presidência do Senado aos empresários, empreiteiros, ruralistas, banqueiros et caterva, precisa de um criador de caso com pena afiada, de vários deles, ou morre à míngua de septicemia(...) Mirisola não é odara, não tem bom astral, não economiza ofensas, não poupa os bem-pensantes tão em voga(...) Os textos, como o autor, são paradoxais: nos iluminam por suas sombras, nos redimem lançando maldições, nos lavam a alma ao enfiá-la de cabeça no pântano em que vivemos”.

Dito e feito, não dá para não ler Mirisola, corram à livraria. E aproveitam para conhecer ― quem ainda não conhece ― toda a obra de Mirisola.


Para ir além
O livro Espeto Corrido pode ser adquirido no @sebodobac.

Nota do Editor
Leia também "O herói devolvido?", "O Herói Devolvido" e "Três vezes Mirisola".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/7/2024

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Casa de Ramos de Elisa Andrade Buzzo
03. Greatest hits em forma de coluna de Ana Elisa Ribeiro
04. O Sol e Louis Armstrong de Arcano9


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Adormecida
Anna Sheehan
Leya
(2012)



Castro Alves Em São Paulo e Em Sua Faculdade de Direito
R. Limongi França
Oliveira Mendes
(1997)



Understanding Women - The Definitive Guide to Meeting, Dating and Dumping, If Necessary
Romy Miller
The Book Factory
(2004)



De frente com a verdade
Mônica de Castro
Vida & Consciência
(2011)



Dilema Mortal
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2012)



Livro Literatura Estrangeira As Vinhas da Ira Volume 1
John Steinbeck
Abril Cultural
(1982)



Desenvolvimento gerencial na administração pública do Estado de São Paulo
Organizadoras Lais Macedo de Oliveira, Maria Cristina Costa Pinto Galvão; autores Alberto Brito...[et al.].
Fundap
(2009)



A Essência Da Meditação
Martin Claret
Martin Claret
(1998)



Agaguk - Vol. 26
Yves Theriault
Delprado
(2015)



Livro Religião Para o Dia Nascer Feliz
José Carlos de Lucca
Petit
(2003)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês