Nazismo na era do videogame | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/4/2002
Nazismo na era do videogame
Daniela Sandler

+ de 4500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

É mais um videogame com lutas, perseguições, ataques e mortes. A tarefa do jogador é caçar e destruir o maior número possível de inimigos. Os ditos inimigos são representados com feições grotescas, monstruosas ou ridículas. Destruí-los é salvar o mundo, no videogame. Você, leitor, há de estar bocejando: afinal, a maior parte dos videogames corresponde mais ou menos a essa descrição. Não há novidade, não há choque. Esse tipo de brinquedo não é apenas comum: parece inofensivo e banal.

Pois bem, esse novo videogame, que ganhou espaço no noticiário norte-americano, chama-se “Limpeza Étnica”. O herói é homem e branco. Os inimigos são negros, judeus e hispânicos. Se você ainda acha que isso não passa de brincadeira de mau-gosto, pense duas vezes. Os autores e fabricantes do jogo têm propósitos mais sérios do que divertir os impulsos racistas de seus consumidores.

De sua sede em Virgínia, EUA, a autodenominada “Aliança Nacional”, associação de extremíssima direita, decidiu criar e produzir o jogo como parte de seu arsenal de propaganda e doutrinação. Livros, discursos e reuniões políticas, ao que parece, não são suficientes para atingir o público-alvo da Aliança: homens brancos de 15 a 30 anos. O presidente da Aliança, William Pierce, um senhor polido e calmo, cabelos brancos e fala pausada, solta barbaridades ao repórter em voz mansa, como se ignorasse a conotação explosiva e chocante de suas idéias.

Partido Nazista Norte-Americano

Essas idéias – uma mistura de conservadorismo político, racismo e violência, Ku Klux Klan e nazismo – sugerem que a eliminação de todos os não-brancos, não-americanos e não-protestantes (entre outras não-qualificações) irá curar os Estados Unidos de seus problemas e restituir a segurança nacional, além de dar o merecido tratamento a grupos considerados vis e prejudiciais (os negros, judeus e hispânicos). Pierce foi oficial do Partido Nazista Norte-Americano (ANP) – sim, isso existe, mas o nome do partido foi depois trocado para Partido Nacional-Socialista do Povo Branco. Pierce deixou o ANP para integrar a Aliança Nacional.

Note-se que o jogo, que começou a ser vendido em janeiro, ainda nem foi adaptado ao cenário pós-World Trade Center – a Aliança Nacional vem fermentando e espalhando suas idéias independentemente da recente onda xenofóbica atiçada pelo ataque terrorista de setembro passado (que, se não justifica o racismo, pelo menos ajuda a entender sua intensificação).

“É preciso difundir nossas idéias”, diz o presidente da associação. O jogo é um meio eficaz e rápido – uma espécie de “aprenda brincando” pervertido. Goebbels, o ministro de informação e propaganda de Hitler, certamente aprovaria. O problema não é, simplesmente, que o videogame possa acabar inspirando algum usuário mais destrambelhado a praticar em alvos concretos suas proezas virtuais. O problema é que esse é justamente o propósito do videogame.

Uma coisa é falar sobre os efeitos inadvertidos de filmes, jogos ou tevê (a “banalização da violência”, como dizem alguns). Outra coisa é um produto concebido como meio para provocar esses efeitos. Esse videogame não é inofensivo. Esse videogame não é simplesmente ultrajante. Esse videogame é uma arma. E está sendo vendido, legalmente, sem censura ou impedimento, do mesmo modo que a Aliança Nacional publica e propaga suas idéias impunemente.

Neutralidade perigosa

O repórter da rede ABC pergunta: “Mas o senhor não está preocupado com a possibilidade de esse jogo acabar machucando alguém de verdade?” O presidente da Aliança responde que “isso é irrelevante. O importante é passar a mensagem.” A alguns passos dali, diante de seu computador, está o responsável pelo desenvolvimento do jogo propriamente dito, um jovem de cabeça raspada e visual agressivo. De novo, o sorriso e a fala calma fazem um contraponto sinistro. Ele explica suas decisões de criação: “O jogo é passado em Nova York. Por quê? Ué, judeus, Nova York... saca?” É bom lembrar que a multiplicidade social de Nova York, seu cosmopolitanismo, são vistos com desconfiança e reprovação por boa parte dos norte-americanos, que vivem em cidades e grupos sociais muito diferentes da metrópole.

Peter Jennings, o âncora do telejornal que noticiou o jogo há duas semanas, não escondeu sua crítica, definindo o videogame como mais um dos absurdos de uma era em que deveríamos combater a violência e a intolerância, e não difundi-las. Mas o repórter se manteve perigosamente neutro. Manteve o tom de voz imparcial, não fez comentários e – principalmente – não fez perguntas críticas e delicadas com as quais poderia ter confrontado os representantes da Aliança Nacional.

Mas a neutralidade é perigosa e comprometedora, neste país em que a liberdade de expressão é confundida com vale-tudo. A democracia acaba privilegiando iniciativas repressivas, discriminatórias e autoritárias – e potencialmente virulentas. Para a maior parte do público, o comentário de Jennings pode ter sido sutil ou rápido demais. No atual clima de pânico social, em que o preconceito latente dos norte-americanos vem ganhando exposição e sendo recebido, no mínimo, com complacência, é preciso mais que isso.

É preciso ser tão ou mais didático que os autores do videogame, é preciso repetir claramente as críticas, e é preciso definir “liberdade” em função da sociedade e da convivência coletiva – a velha história do “minha liberdade termina quando a sua começa”. Liberdade de expressão não pode ser anarquia. Um jogo chamado “Limpeza Étnica”, explicitamente divulgado como propaganda ideológica, não pode ter permissão legal de venda. Nós – o público, e o repórter – não podemos fazer de conta que aquele velhinho simpático é apenas alguém com idéias próprias e direito de dizê-las seriamente no horário nobre da tevê.

Para quem se interessa...

O site da ADL (Anti-Defamation League, ou Liga Antidifamação), que luta contra o racismo, o extremismo político e o anti-semitismo, mantém várias páginas com informações sobre a Aliança Nacional, com o objetivo de alertar o público para esses – e outros – perigos.


Daniela Sandler
Rochester, 3/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. FLIPS de Elisa Andrade Buzzo
03. Séries? Que papo é esse? de Fernando Lago
04. O Valor da Ideia de Daniel Bushatsky
05. O elogio da narrativa de Luis Eduardo Matta


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2002
12h48min
Olá, Daniela, A neutralidade diante das intenções do róseo Pierce (sim, pois no máximo ele é róseo, pois branco ninguém é, exceto o Michael Jackson) está muito próxima da conivência. E ser conivente com idéias tolas (apesar de perigosas) é, no mínimo, ser um tolo a mais. O repórter, pois, se não é racista, é ao menos um tolo a mais. A ignorância em si não é um mal. O mal é a ignorância ativa. E esses grupos e associações não brincam em serviço. Criar jogo de computador com o propósito de propagar o ódio é um fato que deveria preocupar o mais estóico dos homens sensatos. Rogério Prado(http://www.pradomacedo.blogspot.com) P.S. Será que esses caras odeiam tanto os negros a ponto de recusar um convite para jantar com a Naomi Campbel? Se recusam, a discussão não cai somente sobre o racismo, né?
[Leia outros Comentários de Rogério Prado]
3/4/2002
15h58min
É bem isso mesmo essa discriminação e a formação de grupos extremistas e o que de mais irracional pode se formar. Concordo plenamente, sendo que no atentado ao WTC, morreram mais estrangeiros que norte-americanos. Sendo assim temos que promover uma campanha via internet para frear tal ação animalesca, oras nazismo!!!!
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENIN - OBRAS ESCOLHIDAS - VOL. 4
VLADIMIR I. LENIN
AVANTE - LISBOA
(1986)
R$ 60,00



AUTOGRAFI DELLARCHIVIO MEDICEO AVANTI IL PRINCIPATO VOLUME I
ALBERTO MARIA FORTUNA/CRISTIANA LUNGUETTI
CORRADINO MORI
(1977)
R$ 116,90



ELEMENTOS DE DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO TRABALHISTA
FRANCISCO DE LIMA; FRANCISCO DE LIMA
LTR
(2015)
R$ 65,00



YÔGA MITOS E VERDADES
MESTRE DE ROSE
NOBEL
(2006)
R$ 29,75
+ frete grátis



O FUTURO DA MEMORIA
GORDON BELL JIM GEMMELL
ELSEVIER
(2010)
R$ 11,50



GRANDEZAS DO BRASIL NO TEMPO DE ANTONIL (1681-1716)
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
(1996)
R$ 4,00



SPA - RECEITAS DE SAÚDE EM CASA
MARCIA REGINA DAL MEDICO
ALAÚDE
(2008)
R$ 27,70



CIÊNCIA E FÉ : O REENCONTRO PELA FÍSICA QUÂNTICA
BISPO RODOVALHO
LUA DE PAPEL
(2013)
R$ 24,90



SEREI NORMAL ? RECOMENDADO A RAPARIGAS A PARTIR DOS 13 - 15 ANOS
ANITA NAIK
GRADIVA
(1996)
R$ 24,78



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2013)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês