A Copa café-com-leite | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Quinta-feira, 13/6/2002
A Copa café-com-leite
Adriana Baggio

+ de 3800 Acessos

O que melhor caracteriza a sociedade do espetáculo - essa que a gente vive hoje - é justamente a capacidade que a mídia tem de transformar eventos corriqueiros em grandes espetáculos. A espetacularização garante a atração, e na esteira do diferente, do atrativo, muitas idéias pegam carona. O problema é que hoje custa muito chamar atenção. Os efeitos especiais no cinema são cada vez mais ousados, e acho que tudo, ou quase tudo, já pode ser feito. Os crimes estão cada vez mais bárbaros, e ao mesmo tempo, cada vez mais freqüentes. Limites humanos são transpostos todos os dias. Cenas que a gente achava que só veria no cinema, como o atentado de 11 de setembro do ano passado, viraram realidade. As novelas não conseguem mais alcançar o absurdo da vida real, e por isso, a vida real teve que ir para a televisão. No meio disso tudo, o que é a Copa do Mundo? Nada, só uma cosquinha nesse circo que virou nosso dia a dia.

Para piorar, a Copa desse ano é sui generis. Primeiro, porque a seleção brasileira custou a ser selecionada. Depois de mais tropeçar do que passar pelas eliminatórias, o Brasil finalmente chega à Copa do outro lado do mundo. Para resgatar a atratividade que o campeonato já teve, a mídia faz malabarismos. Quer coisa mais hiperbólica do que chamar de "Fenômeno" um jogador que há anos não tem passagem regular por um gramado? Fenômeno sim, mas só se for de mídia. Esse menino tem que dar o retorno para os que nele investiram, assim como a Copa precisa dar retorno aos patrocinadores e à Globo, que pagou uma fábula pelos direitos de transmissão, mas parece que não está conseguindo empatar as contas.

O segundo diferencial desta para as outras edições da competição é o horário. As transmissões acontecem na alta madrugada e pela manhã. Para não deixar o ânimo do público arrefecer, a mídia empurra os jogos goela abaixo do espectador. Os horários acabaram alterando um pouco o perfil dos anunciantes que relacionam seus produtos com o evento. Tudo bem, futebol no Brasil é tão unânime que qualquer produto ou serviço pega carona na Copa. Esse artifício, comum na publicidade, normalmente é utilizado quando o evento, acontecimento ou data comemorativa tem a ver com o produto a ser divulgado ou com o público-alvo. No caso do futebol, a universalidade do tema permite que tudo possa ser associado ao clima da competição, desde farmácia até as manjadas cervejas. Neste ano, no entanto, a Copa ganha um outro gancho, que é o horário dos jogos. Se em outras edições a comemoração esperada pedia cerveja, desta vez fica um pouco mais difícil associar com naturalidade Antarcticas, Kaisers e Brahmas com comemorações às 6, 8 horas da manhã.

Tudo bem, as cervejas nem se incomodaram com isso. O que importa é o clima, e o clima pode permancer 24 horas por dia. Por outro lado, este novo gancho acaba abrindo espaço para que outros produtos busquem um naco maior do poder de consumo do torcedor brasileiro. Uma marca de café de Curitiba publicou um anúncio fantástico, mostrando que seu produto pode ajudar o torcedor brasileiro a se animar para ver as partidas. É a vez também dos hotéis e restaurantes que servem café da manhã, tirando a primazia dos bares na hora de receber as hordas de torcedores.

Ano de Copa mais eleição é o sonho dos publicitários, e é o sonho dos políticos também. Os candidatos às próximas eleições, assim como uma revendedora de pneus ou uma rede de farmácias, que teoricamente não têm nada a ver com futebol, também aproveitam o good will do povo brasileiro para angariar a simpatia do eleitorado. Não que essa estratégia seja muito arrojada ou moderna. Diferentes regimes, em diferentes épocas, usaram o esporte, e mais especificamente a Copa do Mundo, para legitimar suas atrocidades. O ditador italiano Benito Mussolini aproveitou a Copa de 34 para difundir as idéias facistas e mostrar o sucesso de seu sistema de governo. Mais tarde, em 1936, Hitler faria a mesma coisa, dessa vez com as Olimpíadas. Mas não precisamos ir tão longe, nem no tempo nem no espaço, para exemplificar deturpação do espírito das competições esportivas em favor da boa imagem das nações. O próprio governo brasileiro, em 1970, capitalizou o máximo que pôde o tricampeonato. A conquista da Copa representou para a ditadura um espelho de duas faces. Um dos lados refletia para o exterior a imagem de um país em desenvolvimento, uma economia pujante, um povo alegre e satisfeito cujo espírito vencedor era representado pelo desempenho dos 11 jogadores em campo. A outra face mostrava, para o lado de dentro, um país que estava dando certo, como se a conquista do título legitimasse as atitudes do governo.

Em 1978, na Argentina, a relação entre política e esporte atingiu o cúmulo da sordidez. Como as partidas já eram transmitidas para o mundo inteiro, foi fundamental apresentar uma Buenos Aires limpa, organizada, que não mostrasse aos estrangeiros a repressão e tortura que sofriam aqueles que eram contrários ao regime militar. Assim como fez o Brasil, a Argentina também queria capitalizar o resultado da competição. Como a Copa estava sendo realizada no país, era fundamental que a seleção anfitriã vencesse. Não há provas, mas todos os indícios mostram que a partida na qual o Peru perde de 6 a 0 para a Argentina foi armada. Pessoalmente para nós, brasileiros, essa situação causa mais revolta ainda. Se não fosse por esse resultado, o Brasil poderia ter sido tetra muito antes da década de 90. Invicta, a seleção canarinho foi considerada campeã moral dessa Copa.

Mas e em 2002? As brigas mais "podres" são protagonizadas por marcas de cervejas e refrigerantes, na luta pela preferência do consumidor. Aparentemente, não existem interesses políticos específicos em jogo. É claro que, se o Brasil vencer, a euforia da conquista pode amolecer ainda mais o já amaciado espírito crítico nacional, talvez prejudicando uma possível mudança de paradigma na escolha do presidente. No entanto, a Copa do Mundo não é mais a mesma. A seleção brasileira quase não se classifica para o mundial. A seleção campeã da última Copa perde na estréia para um time africano e é desclassificada já na primeira fase. Para acompanhar os jogos, é melhor um inocente pãozinho com café do que cerveja e churrasco. Por tudo isso, a mídia está rebolando para fazer do Mundial uma atração mais espetacular do que tem sido na realidade. E nesse rebolar vão, de esteira, os grandes anunciantes. Na falta de espetáculo melhor para vender os produtos, a idéia é caprichar na fantasia do palhaço para que o povo se anime e dê risada.


Adriana Baggio
Curitiba, 13/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
05. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS
DALE CARNEGIE
COMPANHIA NACIONAL
(2003)
R$ 30,00



VENCER É SER VOCÊ
EDUARDO FERRAZ
GENTE
(2012)
R$ 12,00



AS MINAS DE PRATA 2
JOSÉ DE ALENCAR
N/D
R$ 5,00



LOS ILUSTRES MAESTROS
PAULO DE CARVALHO-NETO
VOZES
(1991)
R$ 4,00



SETE LAGRIMAS PARA APOLO
PHYLLIS WHITNEY
RECORD
(1963)
R$ 7,00



ESTICANDO A GRANA
RICARDO HUMBERTO ROCHA E RODNEY VERGILI
CAMPUS
(2007)
R$ 4,40



APRENDA A FAZER PÃO
COORDENAÇÃOCLÁUDIA PICAZZO
TRÊS
(1995)
R$ 30,00



FAUST
CHARLES GOUNOD
EDITIONS PAROLES DAUBE
(1996)
R$ 38,82



ESTADO E ENERGIA ELÉTRICA
ADRIANO PIRES RODRIGUES & DANILO DE SOUZA DIA
INSTITUTO LIBERAL
(1994)
R$ 8,82



DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES DE PROJETOS
MÁRCIO RODRIGUES ZENKER
ELSEVIER
(2014)
R$ 55,00





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês