A pirataria, a numeração e o mercado da música | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/7/2002
A pirataria, a numeração e o mercado da música
Julio Daio Borges

+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Desde o quinhentismo, ou desde as primeiras manifestações artísticas (literárias?) na colônia, que o Brasil está pelo menos 50 anos atrasado no que quer que faça a classe artística local. Diogo Mainardi, em seu Contra o Brasil, ironiza o suicídio e a tísica dos nossos poetas românticos, décadas depois do chamado spleen que deflagrou o movimento. Boa parte da crítica (não só a parcela prafrentex das instalações, da arte eletrônica e das intervenções em vídeo) afirma que, em matéria de competição, só podemos participar, no ombro-a-ombro, quando a peleja envolve manifestações recentes da expressão humana, do modernismo pra cá, em suportes como televisão, rádio e internet, por exemplo. (Outros acreditam que nem nisso podemos arriscar qualquer passo.)

A relativa juventude do continente americano naturalmente limitaria o alcance de suas iniciativas, no que diz respeito aos grandes empreendimentos do espírito (as tais "catedrais", aludidas por Otto Maria Carpeaux). De fato, a imprensa norte-americana (Gutenberg inaugurou seu invento e, graças a ele, Vespúcio fez circular as cartas que imporiam seu nome ao continente) é uma das mais desenvolvidas no mundo, fazendo frente à inglesa, à francesa, à alemã e a qualquer outra em todo tempo e lugar. O mesmo não se pode dizer da literatura norte-americana, soterrada pela menção de Kafka, Mann e Proust, juntos ou em separado, e sem qualquer perspectiva de melhora, apesar de todo o esplendor material estadunidense, como charmosamente nos convence George Steiner (em Nenhuma Paixão Desperdiçada).

O Brasil não fugiria a essa sina, podendo, no entanto, se afirmar, no museu de grandes novidades. Na música popular, logo de início, onde se colocaria em pé de igualdade com o que se faz em Cuba e na América do Norte (ambas as nações abastecidas pelo manancial que vem da África). Na televisão, que não é propriamente um orgulho nacional, mas que volta e meia é chamada à cena para proclamar que temos, em nosso seio, a quarta maior rede mundial de tevê (a mesma que se estrepou ao estender seus tentáculos até a Itália de Berlusconi). E na publicidade (para ficar em apenas três exemplos), que, apesar dos publicitários, produziu agências premiadas anualmente no circuito mundial (embora, às vezes, tome chamadas de sujeitos como Oliviero Toscani). Enfim, ainda que não possamos rivalizar na pintura com Picasso, na poesia com Eliot e na música com Stravisnki, fazemos até que bonito nesses nossos arroubos de nação jovem.

Ainda assim, o Brasil deu um tremendo passo pra trás, com toda essa história da numeração de fonogramas e com toda essa discussão que agora se inicia sobre o direito do autor. Fez lembrar as vanguardas que aqui ecoam tardiamente, muito embora o mercado local seja globalizado (nos problemas) e a indústria brasileira da música também se veja às voltas com a pirataria que hoje grassa sem precedentes. Ou seja: estampar números nas capas dos CDs, ou obrigar compositores e artistas a assiná-los um a um, é o mesmo que cobrar pedágio por onde não passa mais ninguém, pedir que se pague pelos trechos esburacados, sustentar o matagal e os sapos coaxando brejeiros. Com a internet (MP3s, Napsters e similares), e com a explosão dos chamados genéricos (a R$ 5 em qualquer camelô), as vias de escoamento deixaram de ser as tradicionais há muito tempo: já se fala em 60% da "prensagem" nas mãos dos chinas e do mercado negro. Por que então vir com esse projeto fora do tempo?

Espanta que um dos soldados em campanha tenha proclamado sua independência recente (das majors), em altos brados, aproveitando a logística das bancas de jornal para justamente escoar seu produto, graças a uma brecha que permitiu encartá-lo como publicação impressa. Pois é; mas como no Brasil não existe nada mais conservador que um progressista no poder (e nada mais progressista que um conservador no poder), esse mesmo desbravador sucumbiu aos clamores de Brasília e empenhou-se pela modernização de um sistema já obsoleto no mundo inteiro, esquecendo-se dos ideais de um selo fundado por ele, sob a auspiciosa alcunha de "universo paralelo". Não que a venda em meio a jornais e revistas tenha se consolidado como uma alternativa (até por causa de iniciativas subseqüentes das quais não se teve notícia), mas o exercício de pensar uma saída é sempre mais válido do que o atual retrocesso ao qual se assiste.

Talvez seja uma tática, um reflexo condicionado, uma estratégia para a sobrevivência, esse negócio de fechar os olhos para o tempo presente. Afinal, o futuro não parece muito radioso, num País onde, além da música que está nas paradas, se adquire desde a última versão do software até aquele longa-metragem do qual não se conhece nem o trailer, pelos mesmos cinco reais, por telefone ou na avenida que já foi símbolo da portentosa civilização do café, a Paulista. Fora que a copiagem indoor, feita a partir de computadores pessoais (que nem precisam ser de último tipo), através de gravadores de CD (e, daqui a pouco, de DVD), já é prática corriqueira, em que alguém da turma compra e os todos demais providenciam sua réplica, digitalmente idêntica, com a facilidade de quem envia um e-mail. Isso tudo sem entrar no mérito da (discussão cansativa sobre) distribuição e aquisição de faixas via internet.

Tudo bem, ninguém encontrou ainda uma solução - nem nos mercados mais avançados - para essa problemática (o dinheiro das gravadoras vai, cada vez mais, se esvaindo, apesar dos crescentes gastos com mecanismos anti-duplicação, anti-reprodução, anti-cópia). O erro dos nossos agitadores da MPB, portanto, talvez não esteja nas intenções (salvar o criador da rapinagem da indústria é um assunto relevante e sempre em pauta). Lamenta-se, isso sim, que o século XXI não tenha chegado para os legisladores brasileiros, que ficam ainda excitadíssimos com todos os aspectos burocráticos da coisa, quando a geração X ou Y - que efetivamente dita os padrões de consumo - não foi absolutamente contemplada em toda a discussão a respeito. Se quisermos sair da defasagem histórica, no debate de idéias, devemos atentar não só para as bravatas dos quarentões e dos cinqüentões de sempre, mas sim para o que pensam os artífices dessa nova música.


Julio Daio Borges
São Paulo, 19/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
02. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
03. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
04. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
05. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/8/2002
18h10min
Sabe, Julio Daio, o seu artigo, além de pertinente, lembrou-me de um fato que se deu com o Drummond(iria fazer 100 anos em outubro de 2002). Lá pelos anos 80, o poeta escrevia crônicas no JB. Uma delas foi memorável e dizia bem o que o brasileiro pensa de direitos autorais. Drummond recebeu um pagamento da rádio estatal da Suécia porque um de seus poemas foi traduzido e entrou no ar gélido da Suécia. Drummond não acreditava porque os suecos eram tão honestos, já que ele jamais poderia supor que um dia(na verdade o poema foi declamado à noite)um poema seu fosse ecoar em país tão longínquo."Como não sei sueco -disse a certa altura- nem sequer poderia reconhecer o meu poema. Mas lá estava, em cima de sua mesa, o cheque que tanto intrigava. Direito autoral é questão de consciência e de honestidade, não adianta numerar, é preciso que o pagador tenha vergonha na casa! Alberto Beuttenmuller.
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
15/8/2002
18h40min
Júlio, acho perfeitamente válido o espírito do seu texto a respeito de direito autoral, dizendo a pura verdade: direito autoral é uma questão de honestidade (talvez, nem mesmo de cultura). Contudo, é um assunto bem complexo. Por um lado, precisamos levar em conta aquele direito autoral que tem como objetivo ressarcir os investimetos e gastos feitos para se chegar a uma criação efetivamente boa e útil. Evidentemente, isso se aplica mais ao mundo das criações tecnológicas, mas tem aspectos de mérito bem mais legítimos do que nas criações meramente psicológicas ou espitituais ou subjetivas, ou ainda, com qualquer nome que se queira dar. E o maior mérito está ligado a um esforço objetivo bem maior, envolvendo períodos de tempo bem maiores, investimentos e gastos concretos. Por outro lado, devemos pensar nas criações que resultam mais do "talento" do que da "competência", e neste caso, não podemos fechar os olhos para o fato de que, via de regra, não há gastos nem investimentos e, geralmente, não envolve períodos de tempo muito longos. Muito bem. Neste caso das criações que saem do talento, a preocupação não se dá em relação a gastos, investimentos, esforços objetivos, nem nada. O que se procura corrigir é simplesmente o fato de que terceiros não devem lucrar com algo que tenha sido pelo talento do autor. Paradoxalmente, no primeiro caso das criações tecnológicas, resultantes portanto mais da "competência" do que do talento, que inequivocamente tem mais mérito objetivo, a própria lei estabelece um limite bem curto de tempo durante o qual ocorre o "ressarcimento" (royalties). Quando muito, se não estou enganado, uns 5 anos. Já no segundo caso, o do talento, a lei prevê 60 anos de "ganhos" que nada têm a ver com ressarcimento. Enfim, na comparação entre "competência" e "talento", aparecem três agravantes beneficiando o "talento": (1) Exige menos tudo (2) Protege por 60 anos!!! (3) Demonstra preocupação em que os outros não usufruam, que é quase "mesquinha", embora legítima até certos limites. Então, Júlio, Direito Autoral é um assunto muito complexo e, em geral, muito mal interpretado, ou seja, sempre com muitoas propósitos de premiar muito mais uma "idéia" do que um "arregaçar mangas", que envolve despesa, investimento e período longo de trabalho objetivo e quase sempre exaustivo. Não sei se ajudo em alguma coisa com este tipo de análise, mas minha intenção é boa. Parabéns pela sua matéria. Um quente abraço. Haroldo Amaral
[Leia outros Comentários de Haroldo Amaral]
6/12/2002
11h14min
Alberto (#1): de fato, é uma questão de consciência. Por mais que se inventem sistemas, há sempre uma maneira de burlá-los. Haroldo (#2): não acho que o problema seja esse. Em outras profissões, idéias também são remuneradas. Vide a explosão das "consultorias", no reino da administração de empresas. De qualquer jeito, obrigado e abraços ao dois, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LEI DE FALÊNCIAS
JUAREZ DE OLIVEIRA
SARAIVA
(1988)
R$ 6,00



SEU IMÓVEL COMO COMPRAR BEM
MAURO HALFELD
FUNDAMENTO
(2002)
R$ 20,00



CORDEL EM ARTES E VERSOS
MOREIRA DE ACOPIARA
ACATU
(2010)
R$ 6,00



VIDA, SEXO, ETIQUETA E CULINÁRIA ( DO RICO E DO POBRE)
IBRAHIM SUED
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 6,90



MULHERES LIBERADAS
BARBARA RASKIN
CIRCULO DO LIVRO
(1994)
R$ 7,19



PROJETO ARARIBÁ: HISTÓRIA 7
MARIA RAQUEL APOLINÁRIO
MODERNA
(2010)
R$ 6,00



SUPERANDO OS DESAFIOS INTIMOS
ROBSON PINHEIRO
CASA DOS ESPIRITOS
(2006)
R$ 18,90



REENCARNAÇÃO - REVELAÇÃO DE OUTRAS VIDAS
J. H. BRENNAN
HEMUS
(1982)
R$ 5,00



VERBOS INTER 2000 - DICCIONARIO DE VERBOS Y SU CONJUGACIÓN GRAMÁTICA (ESPANHOL)
SOPEMA
SOPEMA
(1991)
R$ 85,00



THE COMPLETE BOOK OF SEX MAGIC
LEONARD R. N. ASHLEY
BARRICADE BOOKS
(2003)
R$ 79,90





busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês