A Mentira, de Nelson Rodrigues | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/9/2002
A Mentira, de Nelson Rodrigues
Ricardo de Mattos

+ de 12000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Toda família tem um momento em que começa a apodrecer. Pode ser a família mais decente, mais digna do mundo. Lá um dia aparece um tio pederasta, uma irmã lésbica, um pai ladrão, um cunhado louco. Tudo ao mesmo tempo." (Nelson Rodrigues in "Flor de Obsessão")

É costume a pessoa precisar completar uma data "redonda", para merecer as atenções voltadas sobre ela. Em 1.991, aprendi quase tudo o que sei sobre Mozart, devido às comemorações pelo bicentenário de sua morte. Este ano, Os Sertões completam cem anos; só daqui a outros cinquenta Euclides da Cunha será lembrado.

No mês de agosto recém terminado, Nelson Rodrigues completaria noventa anos. Devido ao facto, ganhou adaptações para a televisão, reprise de outra já adaptada (visto o aniversário de vinte anos de falecimento ter ocorrido recentemente, em 2.000), e a reedição de sua obra por uma editora. Para quem não a conhece, uma boa introdução é o romance A Mentira, escrito entre 21 de junho e 31 de agosto de 1.953, publicado inicialmente sob a forma de folhetim no semanário carioca Jornal da Semana - Flan. A reedição poderia vir acompanhada das ilustrações iniciais de Darel, e seria mais económico para o leitor se este breve romance dividisse o volume com outras obras.

As 121 páginas de texto d'A Mentira podem ser lidas em poucas horas. A trama desenrola-se num crescendo de tensão que amarra a atenção do leitor e chega a um final imprevisível. Esta imprevisão decorre do engenho de Nelson Rodrigues, pois apesar de julgá-lo inesperado, lembramo-nos do título do romance e percebemos estar tudo em ordem. Nós quem demos atenção demais às falsas pistas fornecidas.

Neste romance, não se deve buscar aquilo que se costuma atribuir ao escritor e dramaturgo. Não me lembro agora de palavrões, e não existem cenas de sexo. Temos sempre em mente o Nelson do cinema (Neville d'Almeida) e da televisão, mas estes meios buscam na obra do escritor apenas o que atrai a audiência, o público, subestimando personagens cuja eloquência dispensa recurso constante ao erotismo. Repare-se neste romance a convergência do jornalista e do dramaturgo. Ou um meio caminho entre a reportagem policial e o teatro, como se preferir. A sinopse da obra, saída de seu próprio punho, lembra muito a redacção de um boletim de ocorrência, porém melhor feito, como deveria ser à época. Cogito se este exultar do sexo e da escatologia não atrapalha o entendimento da obra rodrigueana, valorizando o aspecto menos relevante.

Notamos a presença do jornalista no dinamismo e na economia da linguagem, bem como em um detalhe: um só narrador, mas com uma infinidade de informações, muitas vezes desencontradas fazendo parecer que muitos falam ao mesmo tempo por ele, cada um dando a sua versão dos factos. Imaginamos o repórter com o bloco de notas na mão, aqui e ali colhendo dados sobre o evento. Além disso, deve-se lembrar que como jornalista, Nelson Rodrigues tinha acesso a uma ampla gama de tipos, praticamente prontos para suas páginas. Quem nos jornais também encontrava material farto para seus escritos era António Maria, com seu Romance dos Pequenos Anúncios, mas aqui segue-se pelo humor e pelo lirismo.

Já o dramaturgo é visível na estrutura da obra, composta de forma a predominarem os diálogos, e neles encontrar sua força. Acredito ser pouco o necessário para transpor este romance ao palco, sendo até fácil imaginá-lo encenado, durante a leitura.

A personagem principal é Lúcia, menina de catorze anos, a quem poderíamos classificar satisfatoriamente de estrupício. A mentira não é contada, mas sustentada por ela. Tudo começa com um banal enjoo, sua ida ao médico e uma vez no consultório, o diagnóstico da gravidez. Tal determinação é um desconhecido sintoma da demência do próprio ginecologista, pois afirma estar grávida toda e qualquer mulher que o procura. Esta loucura só é revelada no final do livro, mas até lá, todo um lodo de imundície e histeria reprimido durante anos pela família vem à superfície e começa a tragar seus membros. Esta família é composta de pai (Dr. Maciel), mãe (Dª Ana), cinco filhas - das quais Lúcia é a caçula e preferida do pai - , e pelos maridos das três primeiras, para um dos quais caberia outra frase rodrigueana: "Na mulher, certas idades constituem, digamos assim, um afrodisíaco eficacíssimo. Por exemplo: - catorze anos!".

Lúcia recebe a notícia da gravidez e ao invés de rebelar-se, reclamar, desmentir, acha bonito e aceita seu novo, inda que falso, estado. Começa acolhendo a criança "a nascer" mesmo vendo sua família desmoronar, e até foge de casa ao saber das considerações sobre o aborto (e quem o faria seria o mesmo médico que atestou a gravidez). Nos primeiros interrogatórios sobre o nome do pai, respondia sempre "ninguém", talvez querendo dizer não haver nem um progenitor, nem uma gravidez. Seja como for, depois atribui a paternidade ao seu vizinho, aleijado a quem costuma visitar. Inicialmente pensamos em incesto, depois acreditamos no paralítico como pai. Por fim, somos influenciados pela maldição de Dª Ana, lançada contra o marido ao ser levada para o manicómio: "O pai do teu neto será teu assassino!". Sendo o Dr. Maciel assassinado por um dos genros, pensamos estar tudo encerrado. E nesta parte descobre-se a mentira, pois Lúcia sequer fora violada.

Nelson Rodrigues é imparcial no tratamento de seus personagens, todos eles portadores de alguma mazela. Vez ou outra é usado algum adjectivo, mas o tratamento geral é isento, não se toma partido deste ou daquele. Se pessoalmente tinha alguma coisa contra algum dos tipos descritos, não deixa transparecer. Não se deve levar em consideração aqui suas frases e aforismos. Ele sabia muito bem como provocar as pessoas com eles: "A pior forma de solidão é a companhia de um paulista". As descrições são fiéis, mesmo se cruéis. A adoração inicial do pai transforma-se em atracção pela menina, ao saber que ela pode não ser sua filha. Pensa em usufruir deste novo dado num lugar remoto. Em certa altura, após ter sido baleado por Dª Ana, Dr. Maciel volta ao quarto do casal, de onde foi retirado para ser socorrido, e onde ela permanece inerte. O diálogo travado mostra o paroxismo da crueldade por parte dele:

"E, súbito, aproximando-se, pergunta:
-Por que não te mataste?
Admira-se:
- Eu?
E ele caricioso, ignóbil:
- Você, sim! Eu deixei você livre, esperando isso, justamente, esperando que você acabasse com a vida. Lá embaixo, houve um momento em que eu julguei sentir cheiro de gás. Então, pensei: 'É ela!' Mas você tem medo! Não quis se matar
".

Pessoas reais transformadas em personagens. Tipos que não precisamos recorrer à imaginação para ver nas ruas, no emprego, na vizinhança. O mundo de Nelson Rodrigues é aquele no qual vivemos e identificamos logo, se não demasiado alheios à realidade.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 12/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
02. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim de Ricardo de Mattos
03. Para ler o Pato Donald de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/9/2002
12h05min
Parabéns pelo artigo e ao mesmo tempo homenagem a Nelson Rodrigues. Além de tds comentários e considerações feitas ainda acredito que NR tbm retrata exatamente a "safadeza" dos "homens", a hipocrizia da Sociedade em si. O pensar de homens e mulheres que nunca revelam suas intenções, a troca de favores que pensavámos ser maior cultivada em nossa cultura, a política, a corrupção, o funcionalismo público, e simplesmente a fraqueza, beleza e sensibilidade do Ser Humano.
[Leia outros Comentários de Elisabete39]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês