De uma volta ao Brasil - II | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/7/2004
De uma volta ao Brasil - II
Eduardo Carvalho

+ de 5900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Descrevi, na coluna passada, a primeira metade da viagem que fiz, há quatro anos, durante dois meses e meio pelo Brasil. Encerrei o texto anterior em Tutóia, na divisa entre o Piauí e o Maranhão, depois de mais ou menos um mês de viagem. Não comentei nossa passagem por Alcântara, mas tudo bem: não comentei também outras coisas, porque não cabe tudo neste espaço - nem na minha memória ficou tudo detalhadamente gravado. Vamos embora.

De Tutóia fomos para Jeriocoacara, uma praia sempre considerada, pelos guias internacionais, entre as cinco mais bonitas do mundo - muitas vezes encabeçando a lista. É um exagero. Jeri - como chamam os íntimos - fica a 60 km do asfalto e passou décadas sem eletricidade. Atraiu, portanto, hippies de todos os lados, que gostam de mostrar que se isolam - e, por isso, não podem ir tão longe, senão fugiriam despercebidos dos turistas convencionais. Jeri, hoje em dia, está incluida no pacote de paulistas que passam três dias em Fortaleza, e seu público então pode ser separado em dois grupos: o dos estudantes e mochileiros que pretendem alcançar lugares exóticos e os estrangeiros e adultos que querem apenas conhecer uma praia bonita. É esse, em resumo, o perfil de quem viaja pelo litoral brasileiro.

Em Jericoacara, no entanto, apesar da fama de rústica, são os adultos que buscam conforto que estão no lugar mais apropriado. A praia é realmente lisa e limpa, linda, e a vila ainda não está - não estava - destruída ou descaracterizada, com a invasão de turistas. Mas é uma espécie de Disney World hippie: como se aqueles rastafáris fossem contratados para emprestar um clima de descontração ao ambiente. O estereótipo não convence. Mas diverte, quando se percebe que esse comportamento é baseado não numa crítica, mas numa ignorância mesmo do que é a sociedade que pretendem desprezar. Todos caminham com Sartre embaixo do braço, e soam sérios quando abrem o livro.

Passamos um dia na Lagoa Azul, que fica perto de Jericoacara. Fomos de caminhonete, em companhia de uns dez estrangeiros. Era um grupo variado: um matemático norueguês, uma apresentadora da MTV Argentina, um casal português e um gay holandês, que eu me lembre. Passamos a manhã nadando na Lagoa, e à tarde comemos e jogamos futebol - eu joguei só cinco minutos, até torcer o tornozelo. Saímos às seis da tarde, para pegar a camionete de volta - por causa do chilique da modelo argentina e do seu namorado, que interromperam a partida de futebol. Ficaríamos até mais tarde, inclusive o motorista, que não parecia com pressa. Subimos na caçamba, então, e o casal de portugueses na cabine. Era noite - e o céu, mais uma vez, impressionante. Todos estávamos cansados e em silêncio, olhando as estrelas, até que, de repente, nossa camionete, no meio daquele deserto, acerta a frente de outra camionete. Foi, na verdade, mais para um empurrão, porque os dois motoristas estavam devagar e, numa passagem que só cabia um, disputavam quem iria entrar na frente. Nosso motorista começou a gritar pela janela, até sair da cabine - e cair no chão, de tão bêbado. Foi cômico, e assustador: porque, resolvido o problema, ele quis nos compensar pelo inconveniente - nos levando para um passeio nas dunas. Não era exatamente o que queríamos: à noite, depois desse susto, subir e descer dunas na caçamba de uma camionete guiada por um motorista bêbado. Ele insistiu, e fomos - mas, sinceramente, não precisava.

Em quatro dias em Jericoacara, visitamos Nova Tatajuba, comemos um pão delicioso numa conhecida padaria da vila, tive meu canivete roubado, fomos procurar, de madrugada, uma baleia encalhada ao lado da Pedra Furada, etc. - e pegamos o carro em Jijoca, no quinto dia, para guiarmos até Fortaleza. Para eu guiar, quer dizer: porque um x-salada numa lanchonete suspeita forçou o meu amigo a deixar suas forças nos postos onde abastecíamos o carro. Chegamos em Fortaleza depois das 22 hrs., sem lugar para ficar - a não ser uma recomendação imprecisa do casal de portugueses que conhecemos em Jericoacara. Não descobrimos a pousada indicada, mas encontramos o quarteirão, na Praia do Futuro - e alugamos um quarto apertado e abafado, que nos custou 4 reais por dia. Não reclamamos, então - e tentamos aproveitar a cidade. O Centro Cultural Dragão do Mar foi uma surpresa agradável. A lagosta do Colher de Pau é, em comparação com São Paulo, muito mais barata e mais fresca, portanto imperdível. Não procurávamos mais praias, muito menos as urbanas. Fortaleza me impressionou pela limpeza e pela riqueza - nos melhores bairros, pelo menos. Ao contrário do nosso próximo destino, Canoa Quebrada.

Jericoacoara é o que foi Canoa Quebrada, há 30 anos - e o que será, se não tomar cuidado. Canoa Quebrada é uma vila que mistura turismo de classe-média e moradores locais, que ficaram por lá quando era moda andar na praia pelado. Nem a praia é especialmente bonita. Quando perdi meu óculos, num bar, perguntei para um rastafári se ele havia o havia encontrado - e ouvi uma bronca desnecessária e cansativa, de que não é porque ele era negro e tinha um visual "diferente" que era ladrão. Ladrão talvez não, mas ficou difícil desvincular sua imagem da de um idiota preconceituoso. Fiz a barba em Canoa Quebrada, com um barbeiro barretense e simpático - e barbudo -, e fomos embora. Para Natal, onde dormimos num hotel de nome curioso: Amazonacre, que tinha outra filial em Rio Branco. Dormidos e saímos rapidamente de Natal, no dia seguinte - para descansarmos, por uma semana, na Praia da Pipa, ainda no Rio Grande do Norte.

A Pipa já é uma praia com freqüência mais normal e mais educada, e menos gente buscando fazer tipinho. Quando começou a ficar famosa, atraía por causa dos golfinhos, que nadavam todo dia na frente dos turistas, e das falésias, que continuam lá. Hoje, os golfinhos estão na praia ao lado, ainda mais bonita e vazia, onde os avisados passam o dia. Nessa praia, pegamos onda com golfinhos ao lado, enquanto um barco cobrava fortunas para mostrá-los em alto mar - e muitas vezes não conseguia. Encontramos na Pipa o matemático norueguês que conhecemos em Jericoacoara, e com ele alugamos um bugue para irmos até a divisa com a Paraíba, a uns 30 km pela praia. Atravessamos rios e balsas, e entramos preocupados numa floresta, em busca de uma lagoa preta - preocupados porque, naquela semana, cinco presos haviam escapado de uma prisão próxima, e suspeitavam que se escondiam por ali. Achamos apenas a lagoa, felizmente, onde passamos horas, sozinhos. Continuamos até a Paraíba, até o Rio que divide os estados, e voltamos - só que na volta a balsa já tinha fechado, e precisamos pegar a estrada asfaltada. Com um bugue quase despedaçado, à noite, corremos entre buracos e caminhões, até chegarmos na Pipa, todos resfriados - depois de um dia de calor e sol, e uma noite fria, com vento na cara, andando de bugue. O norueguês passou os cinco próximos dias na cama, contando as telhas do casebre em que dormia.

Nós fomos para Caruaru - a cidade de Álvaro Lins e do meu avô, que se conheceram crianças. Álvaro Lins é um dos meus críticos literários brasileiros favoritos - e Caruaru é uma das minhas cidades brasileiras favoritas. Chegamos em Caruaru à meia-noite, nos acomodamos às 2 da manhã - porque todos os hotéis estavam fechados -, e fomos direto jantar na feira. As duas barracas que serviam refeições estavam abertas, servindo os comerciantes acordados, que enquanto comiam assistiam, em silêncio, à Sessão Coruja na televisão. Escolhemos entre carne de sol e frango - ambos enormes e baratos. A feira de Caruaru é inacreditável: vende de tudo e funciona 24 horas. Alguns comerciantes não tem com quem revezar, e dormem em serviço - e na cabeça, para se proteger da iluminação, vestem uma calcinha escura. Têm relógio, tênis, calça, bolsa, artesanato, alicate, bola de futebol, tudo - simplesmente tudo está à venda na feira de Caruaru, e com desconto. Na cidade, tem também o museu de Luiz Gonzaga, ao lado de onde funciona a maior Festa de São João do Brasil. O artesanato de barro, popular no nordeste, é quase todo baseado no estilo do Mestre Vitalino, de Caruaru - e seu filho está lá até hoje, em plena produção. A Banda de Pífanos é também de Caruaru, mas não vimos sua execução - fomos, depois de dois dias, na quarta-feira, para Recife, na semana anterior ao carnaval.

Na sexta-feira fomos e voltamos de Porto de Galinhas, onde o mar é muito azul. No sábado, em Recife, acontece - dizem - a maior concentração humana do mundo, no Galo da Madrugada. É um evento dispensável, se você se incomoda um pouco em ser empurrado, de um lado para o outro, durante horas, sem conseguir andar. Consegui escapar rapidamente, e voltar para casa. Passamos o domingo de carnaval em Olinda, onde tentaram proibir o axé. Na época, a moda era funk, e me lembro de muita gente se agarrando e de meninas fazendo xixi - deveria escrever mijando? - na calçada, com a discrição de uma cadela rottweiler. Havia, desfilando pelas ruas, meia dúzia de bonecos gigantes, com uma bandinha tocando frevo - mostrando, como num museu, o carnaval de antigamente, de uma época que, aparentemente, ninguém sentia falta. Todo mundo estava - parecia - feliz.

Nós nunca nos esquecemos de que - apesar de visitar, por exemplo, o carnaval de Olinda - nosso ritmo era outro: nós não morávamos em Recife, e não pegamos um avião de São Paulo para passar quatro dias bebendo e pulando. Estávamos em uma viagem longa. Tínhamos compromissos. As aulas já haviam começado. Precisávamos chegar em São Paulo, no máximo, na semana depois do carnaval. Segunda-feira de carnaval, então, acordamos às 5 da manhã, arrumamos o carro, e fomos embora - para Salvador, a 1.000 km de distância. Antes, paramos na Praia do Forte, para encontrar algumas amigas, e pegarmos os convites para o camarote daquela mesma noite. Quase dormimos na festa. Na terça, fomos assistir os Filhos de Ghandi homenagear ACM, e na quarta viajamos para outra cidade bacana, onde fomos extremamente bem recebidos: Santo Amaro da Purificação, conhecida, pelos íntimos, como "terra de Caetano". Santo Amaro é uma cidade pequena e agradável. Tem uma comida sensacional, mas infelizmente não pudemos passar mais de um dia na cidade - e saímos no dia seguinte a que chegamos, voltando, pelo interior da Bahia, para o litoral, até o norte do Espírito Santo.

Cruzamos o Espírito Santo como cruzamos Alagoas e Sergipe - olhando tudo pela janela do carro, e sem conhecer nada a não ser postos de gasolina. Não tínhamos tempo. Guiando mais de 1.000 km novamente, do Espírito Santo chegamos no Rio, onde deixamos uma encomenda em Copacabana. Tiramos duas fotos na praia para registrar a passagem - e continuamos com um destino inusitado, para quem já havia conhecido, em dois meses de viagem, praias demais. Fomos - precisávamos ir - para Trindade, onde o Rio de Janeiro se separa de São Paulo, e onde o fã clube de Renato Russo deve manter a sua sede. É em Trindade que se reúne adolescentes rebeldes, que fogem em casa em busca de um lugar tranqüilo e remoto. É, podemos dizer, Jericoacoara de fim-de-semana, porque é mais perto e mais feia - só que sem os turistas normais de Jeri. Fomos para Trindade para encontrar uma amiga do meu amigo. Cheguei em Trindade à uma da manhã e saí às 6, sozinho - porque meu amigo, comprometido, passou mais alguns dias por lá. Foi o suficiente para eu ouvir um discurso de meia hora, de um cara de mais de 30 anos, dizendo que o Roberto Marinho "manda" no Brasil, a Internet é uma ferramenta "perigosa" e o brasileiro é "um povo alienado" - inclusive, e principalmente, eu, porque discordei de uma ou outra opinião. Ou talvez porque não estava usando a camiseta do Renato Russo. Vai saber.

Fui-me embora para São Paulo. Pela Rio - Santos, ou BR-101 - que eu acompanhava, com poucos desvios, desde seu ponto inicial, em Touros, no Rio Grande do Norte. Parei em Bertioga para comer um pastel, como se estivesse voltando de Ubatuba, depois de um fim-de-semana comum. A estrada estava carregada. Fui devagar - parecia, mas não era, para mim, um fim-de-semana normal. Depois de mais de 10.000 km. de estrada, passando por lugares abandonados e perigosos, era estranho, de repente, estar de novo em São Paulo. Eu estava, há um mês, perdido no interior do Maranhão, e há dois dias atravessara pequenas pontes na Bahia, em cidades antigas, numa manhã e nebulosa vazia. Eu havia chegado no estado de São Paulo - e a cidade, aos poucos, se aproximava. Tudo era muito diferente: os carros, as pessoas dentro dos carros, a forma de dirigir, as praias, a estrada. E a cidade, quando cheguei: entendi então, naquele momento, a sensação de quem veio do interior e nunca esteve antes em São Paulo. O tamanho da cidade assusta.

Hoje, depois de quatro anos, visitei mais capitais, conheci melhor outras, viajei a outras partes do nordeste, etc., e ainda sobra muito para conhecer no Brasil. Fui recentemente, por exemplo, ao sul de São Paulo, e encontrei beleza e pobreza inesperadas, num parque desconhecido. Vou bastante para o interior, e fico espantado com o que vejo, por exemplo, na feiúra de Mairiporã ou na riqueza de Ribeirão Preto. De São Paulo a Maresias, a 200 km, no litoral, há também muita coisa para se observar: a diferença entre as construções, a decadência das padarias, o mau gosto dos shoppings, as indústrias funcionando, as favelas crescendo, o pequeno pedaço de Mata Atlântica que ainda existe intacto, que em manhãs ensolaradas forma uma paisagem maravilhosa com os morros da região. Não é preciso ir longe para se conhecer o Brasil. Mas é recomendável: porque a distância renova nossa capacidade de percepção do que está perto - e nos ajuda a descobrir novidades.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 30/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé de Marilia Mota Silva
02. As duas divas da moderna literatura romântica de Luis Eduardo Matta
03. Viver para contar - parte 2 de Marcelo Barbão
04. O Quarto do Filho é emocionante de Clarissa Kuschnir


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2004
01h37min
Aluguel de bugue, convite de camarote, mais de 10.000 km de estrada... só por curiosidade, quanto custou essa viagem?
[Leia outros Comentários de Kid Durepox]
30/7/2004
15h28min
Fala, Eduardo! Me diverti muito com as suas histórias, aliás como sempre. Pontual, crítico e divertido ao mesmo tempo. Foi ótimo lembrar de alguns lugares que você citou e situações inusitadas pelas quais ali passei. Em vários momentos me peguei rindo na frente do computador... Um forte abraço pra você.
[Leia outros Comentários de Emmanuel]
6/8/2004
15h26min
Como sempre, muito bom.
[Leia outros Comentários de Fabio]
12/8/2004
14h12min
eduardo, foi ótimo acompanhar suas aventuras. me deu saudade dos lugares que conheço e vontade de ir aos que ainda desconheço. acho que não pode haver melhor elogio a um relato de viagem... bom, quando vc quiser conhecer melhor os recantos das minas gerais, tenho umas dicas bacanas, de belorizontina que gosta de viajar. um beijo.
[Leia outros Comentários de gabi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IDADE BIOLÓGICA
ELIANA GUIMARÃES E MARIA LUCIA DOS SANTOS
SENAC
(2003)
R$ 7,19



UM PIANO PARA CAVALOS ALTOS
SANDRO WILLIAM JUNQUEIRA
LEYA
(2012)
R$ 10,00



GINÁSTICA MODERNA SEM APARELHOS
ILONA PEULER
FORUM
(1973)
R$ 10,00



APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS
VÁRIOS AUTORES
PENSO
(2008)
R$ 70,00



MODELO DE PERFEIÇÃO
KATHERINE GARBERA
HARLEQUIN
(2011)
R$ 7,80



COMENTÁRIOS AOS DIÁLOGOS INICIÁTICOS
MARTA
LORENZ
(1998)
R$ 10,00



ELEMENTOS DO ESTILO TIPOGRÁFICO - VERSÃO 3. 0
ROBERT BRINGHURST
COSAC & NAIFY
(2005)
R$ 55,00



COMO VIVER MAIS E MELHOR SÓ PARA HOMENS
CRISTINA ARCANGELI
COMPANHIA NACIONAL
(2007)
R$ 18,00



O BEST SELLER
OLIVIA GOLDSMITH
RECORD
(1998)
R$ 23,20
+ frete grátis



A PURPOSE FOR MY STRENGTH, 15 INTERMEDIATE
MILTON M. AZEVEDO
FTD
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês