Kerouac era viciado em burritos | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O silêncio dos intelectuais
Mais Recentes
>>> Rogai por Nós Agora e na Hora da Nossa Morte de Biba Arruda pela Gente (1999)
>>> Napló 1968 - 1975 de Márai Sándor pela Vorosvary Publishing (1968)
>>> Tributo ao Mercado - Desequilibrio Concorrencial de Etco pela Saraiva (2010)
>>> História Em Aberto - a Revolta da Vacina de Nicolau Sevcenko pela Scipione (1993)
>>> Bacharéis Criminologistas e Juristas de Marcos César Alvarez pela Ibccrim
>>> Ever After High - Vilania Geral de Suzanne Selfors pela Salamandra (2015)
>>> Português- nos Dias de Hoje 7 de Faraco; Moura e Campopiano pela Leya (2015)
>>> Macht Und Herrschaft in Der Bunderepublik de Urs Jaeggi pela Fischer
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Núcleo (1994)
>>> O Diário de Bordo do Etevaldo de Anna Muylaert pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Mensagens de Luz por Chico Xavie de André Luiz por Chico Xavier pela Interágil Comunicação (1978)
>>> Os Melhores Jornais do Mundo de Matias M. Molina pela Globo (2007)
>>> A Vida Não É Real de Francisco de Assis Brasil pela Clube do Livro (1976)
>>> Os 100 Segredos das Pessoas Felizes de David Niven pela Sextante (2001)
>>> Michaelis Pequeno Dicionário - Espanhol Português - Português Espanhol de Michaelis pela Melhoramentos (1992)
>>> O Livro dos Monstros de Fran Parnell e Sophie Fatus pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Sinopses Jurídicas - Direito das Coisas Volume 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (1997)
>>> Regulamento do Hospital de Niversindo Antonio Cherubim pela Edições Loyola + Sao Camilo (2011)
>>> O Enigma do Quatro de Ian Caldwell; Dustin Thomason pela Planeta do Brasil (2005)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História de Sinais de Luzia Faraco Ramos pela Ática (1992)
>>> Sou Insensato de Cristovam Buarque pela Garamond (2007)
>>> Pelé, a Autobiografia de Edson Arantes do Nascimento pela Sextante (2006)
>>> As Constituições Imperiais Como Fonte do Direito Romano de Acacio Vaz de Lima Filho pela Ícone (2006)
>>> O Diário de Bridget Jones de Helen Fielding; Beatriz Horta pela Record (1998)
COLUNAS >>> Especial Gastronomia

Terça-feira, 5/6/2001
Kerouac era viciado em burritos
Arcano9

+ de 2900 Acessos

Vamos começar com o que é absolutamente necessário: você gosta de comida mexicana? Se não gosta, Ok, parceiro, desça já deste trem.

Segunda pergunta: gosta de burritos?

Eu gosto, e muito. É uma invenção divina. Lembro a primeira vez em que eu fui apresentado. Acredita que até dois anos atrás eu nunca havia ido a um mexicano? Estava de partida para viver aqui na Inglaterra e um amigo me levou no La Botequila - um finado restaurante-bar-clube que funcionava na região da nova Faria Lima, em São Paulo. O lugar era bem alto astral e a comida... imagine, o burrito nem era bom, e mesmo assim eu falei "tenho que experimentar mais esse treco". O treco: uma tortilha grande de trigo - um pão bem fino em forma de panqueca. O recheio da panqueca é de carne de vaca bem temperada, cozida e desfiada, misturada com feijão meio como a gente come em forma de tutu. Mas esse recheio pode variar, tem burritos de frango, de carne de porco, com salada, com arroz... Depois de enrolado, o burrito (que nos lugares quentes tem uns 20 centímetros de comprimento) é colocado no prato e acompanhado de guacamole fresca e aquele molho de tomate com tabasco. Alguns restaurantes também apresentam o burrito com acompanhamento de arroz, ou com aquele queijo derretido por cima, mas... bem.... estou indo depressa demais. E ainda não é hora da janta.

Como saboreia melhor quem sabe o que está comendo, vou levar você para uma curta jornada de descoberta e apreciação gustativa. A busca do Santo Graal dos burritos, se você quiser chamar assim, pois, para mim, foi mais ou menos isso, numa viagem que fiz à Califórnia.

A Califórnia é a terra do burrito. Disso eu não tenho dúvida. Não é o México, porque no México o burrito é apenas mais uma estrela das Plêiades enchillada-taco-burrito-tamal-quesadilla. Na Califórnia, o burrito se vestiu com a cultura fast-food e virou burrito Taco Bell, se vestiu com os vegetais da galera cool de São Francisco e ficou mais natureba. E ganhou status de especialidade, uma especialidade paralela ao vinho do Napa Valley. Mas, antes que você pergunte, sim, estive no México, em Tijuana, e fui comer. A cidade, empoeirada como no filme Traffic, tem só um atrativo - a conhecida Avenida de la Revolución, intoxicada de compadres que querem tirar dólares dos turistas a todo custo. Difícil achar comida mexicana realmente decente naquelas ruas, ainda mais para mim, que não queria pernoitar na cidade. Onde eu comi foi numa lanchonete no térreo do hotel Nelson, na própria avenida, mas não achei nada de mais. Aliás, tudo naquela cidade é meio decepcionante. Talvez eu já estivesse sugestionado pelo que haviam me dito, que eu não precisava ir ao México para experimentar burritos celestiais.

Desencanei do México (não tinha tempo para ir mais ao sul, ficou para a próxima), peguei a fila no posto da fronteira, rasguei o asfalto, ultrapassei San Diego e o Monte Palomar e descansei meus olhos no sol permanentemente escaldante, alguns dias depois, em East Los Angeles - a região de maior concentração de mexicanos na segunda maior cidade dos Estados Unidos.

Lá pela Cesar Chavez Avenue há numerosas taquerias, mas escondida em uma rua transversal fucei e descobri um lugar sem dúvida especial. Era uma da tarde de um dia normal da semana, terça-feira, e não notei muitas lojas ou escritórios por perto - ainda assim, a fila na porta era de umas dez, quinze pessoas, beirando o asfalto fumegante. De turista, só eu. Todos na fila falavam aquele dialeto espanglish (quem já esteve no sul da Califórnia aprende a reconhecer). Depois da espera de 20 minutos (que eu enfrentei meio São Tomé), abriu-se a porta do pequeno salão do El Tepeyac Café, e o ar condicionado me deu um abraço. Paredes não tão opressivamente decoradas com motivos mexicanos, mas um mínimo necessário. Ambiente escuro, mas agradável. Um balcão e várias mesas, nenhum grande conforto. Sentei-me no balcão e a garçonete gorda e sorridente me entregou o cardápio.

Sabe quando você vê uma coisa que você não acredita? Dezenas de tipos diferentes de burritos. Burritos de carne, de frango, burritos (mojados), burritos de vegetais. Um cardápio de burritos!

Como não sou burro, pedi um dos mais populares, para ver o que o pessoal já havia provado e aprovado. O que veio foi um prato gigante, com um burrito com carne gostosa, bem desfiadinha e suavemente picante, feijão, queijo derretido por cima e coberto com uma infernal calda de molho vermelho picante. Um burrito "mojado". Eu, que sonho pimenta, delirei até quase ter uma indigestão. Se você for lá, garanto que vai encontrar um burrito que combina com seu signo. O que você não vai evitar é comer demais.

Depois de jiboiar aquele banquete por uns dias, Deus me disse que era hora de voltar à jornada de fé. E para onde seguir? Que refeição poderia suplantar o banquete dos deuses do El Tepeyac?

Assim como Rio e São Paulo, Los Angeles e São Francisco são rivais no estado dourado. Talvez não tão rivais quanto as duas cidades brasileiras (não de tantas formas e de modus vivendi diferentes), mas em uma categoria com certeza: gastronomia. Qualquer leigo poderia pensar que SanFran, pela sua proximidade das regiões produtoras de vinho e por tradicionalmente ser o lar dos intelectuais, beatniks e inovadores da Califórnia, também é a capital da famosa cozinha californiana. Sim, certinho. Mas Los Angeles vence no quesito variedade, com a presença maciça de imigrantes de muitas partes do mundo e em quantidade - especialmente mexicanos. Mexicanamente falando, burritamente falando, as duas cidades vivem há anos em pé de guerra. E o motivo é a invenção do bairro de Missiones, em SanFran, o bairro-reduto dos imigrantes do sul da fronteira na cidade.

O burrito Missiones é especial. A experiência de devorar um na taqueria Can-Cún me fez lembrar da curta jornada a Tijuana. Você sai do metrô, anda por uma avenida suja e lotada de placas em espanhol, e à medida que anda pensa: "hum, esse burrito deve ser um churrasco grego melhorado". Aí chega na taqueria, que também é suja, decorada com bandeirolas mexicanas. O ruído das dezenas de pessoas que entopem do lugar oculta quase completamente a música de uma rádio local em língua espanhola, que transmite músicas de mariachis. Vejo uns caras na chapa, preparando a carne, e uns outros preparando tortilhas, um sujeito no caixa e nada mais. Peço uma cerveja Sol e um burrito completo, para levar. Eles me devolvem com rapidez e eficiência um "embrulho" de papel alumínio, de umas 300 gramas. "Pesado, hem?", penso comigo mesmo, antes de abrir o presente. O burrito Missiones é diferente dos outros por dois motivos. A tortilha (sempre fresca), em vez de aquecida no vapor, é jogada numa grelha por pouco tempo. Isso faz com que ela fique um pouco mais pegajosa, mas ela se desfaz na boca, uma delícia. O segundo motivo é o arroz. A cada mordida, você desbrava aquele território vasto e desvenda a carne, arroz, feijão, salada. Mas o que faz um burrito Missiones ser um burrito Missiones, o detalhe que fundamental, é a presença do arroz, a composição arroz-feijão (olha aí, eu inconscientemente em busca das minhas raízes tupiniquins). Da mesma forma que no El Tepeyac, um burrito da Taqueria Can-Cún é, às vezes, mais do que uma pessoa agüenta comer sozinha. Refeição perfeita para quem andou o dia inteiro de bondinho e foi e voltou a Sausalito e Alcatraz.

Se a Califórnia é mesmo a terra do burrito, muita gente insiste que SanFran é a capital. Como um colega que é dono de um site só com críticas de burritos que comeu em vários restaurantes do mundo. Fiquei espantado, porque o que ele fala da Can-Cún bateu com o que eu achava. "San Francisco é a cidade dos burritos", diz ele na The Burrito Page, "Há mais taquerias de qualidade e bons burritos nesta cidade do que em qualquer outra que eu conheça". Há um outro cara que, com grandes aspirações, inspirado em Kerouac, ousou escrever The History of The California Burrito. Muito bom para você que, mesmo tendo lido este texto até aqui, não acredita o quanto um burrito pode mudar a vida de uma pessoa normal. Na curta história, o cara lembra de uma passagem de On The Road em que Sal Paradise e uma de suas namoradas, Terry, estão em um vinhedo em Bakersfield.

Nightfall came. Terry went home for supper and come to the barn with delicious tortilhas and mashed beans.

O dono do site disse que foi à loucura quando percebeu que essa passagem significava a iniciação de Kerouac nos burritos californianos. Pode ser viagem, mas, coincidência ou não, fiquei muito, muito intrigado. Puxa! Que tipo de prato leva as pessoas a fazer leituras arcanas de trechos de On The Road?

Refletindo, digerindo, divagando, levitando meu taco Mission, fui para o hotel e aprendi que comer demais de noite é um convite à insônia. Que bom. Aproveitei mais uma noite linda na região da baía - a última, antes de voltar para Londres. Aqui, bem longe dos burritos californianos, continuo buscando surpresas nos restaurantes mexicanos escondidos, no fog. E você? O que me diz dos burritos daí?

Para ir além

The History of the California Burrito

The Burrito Page

Taqueria Can-Cún
2288 Mission St., Mission, São Francisco . Telefone 1-415-252-9560. Perto da estação Bart 16th & Mission. Evite ir muito tarde - o bairro é meio assustador à noite. A taqueria Can-Cún também tem filiais em 1003 Market St, esquina com a 6th, perto do Terderloin (também evite ir de noite) e em 3211 Mission St. O burrito básico custava US$ 5 até uns meses atrás.

El Tepeyac Cafe
812 N Evergreen Ave., Boyle Heights, East Los Angeles. Telefone 1-323-268-1960. Por um bom burrito mais uma Coca-cola eu paguei pouco mais de US$ 8 dólares.


Arcano9
Londres, 5/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
02. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro
03. Crítica à internet chega à ficção de Marta Barcellos
04. Stephen Walt e o imperialismo dos 'liberals' de Celso A. Uequed Pitol
05. A sedução da narrativa de Marta Barcellos


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2001
01. Duas formas de perder a virgindade no West End - 5/3/2001
02. O que realmente importa - 17/12/2001
03. Qualquer diversão é bem-vinda - 4/5/2001
04. Quando road movie encontra inocência adolescente - 19/3/2001
05. Ler ao acaso - 19/11/2001


Mais Especial Gastronomia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Turismo Religioso Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abumanssur
Papirus
(2003)



A Oração
Papa Francisco; Sandra Martha Dolinsky
Benvira
(2013)



Era Lisboa e chovia
Dário Moreira de Castro Alves
Nórdica
(1984)



O Maníaco Magee - Lendas Não Nascem Feitas, São Criadas
Jerry Spinelli
34
(2012)



A morena da estação
Ignácio de Loyola Brandão
Moderna
(2010)



Os 50 Hábitos Altamente Eficazes do Vendedor Pit Bull
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2006)



O Jeito Apple de Fazer Design (lacrado)
John Edson
Saraiva
(2013)



Textos Sentidos, Leituras e Circulação
Maria Flávia Figueiredo e Outros (org)
Unifran
(2014)



Chico, Eu e a Oitava Séria
Lino de Albergaria
Saraiva
(2010)



Anúncios de serviços de prostituição em cafetões
Israel Neich
The EU
(2006)





busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês