50 Anos de Preguiça e Insubmissão | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/6/2001
50 Anos de Preguiça e Insubmissão
Rafael Lima

+ de 6200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Provavelmente a grande injustiça pela qual Charles Schulz passou em vida foi não ter completado 50 anos fazendo sua daily strip. Peanuts foi a tira humorística mais importante de todos os tempos; basta dizer que o próprio módulo espacial que pousou na Lua foi batizado pela NASA como Snoopy. Quando parou de fazer sua tira, por causa do agravamento de seus problemas de saúde (há anos o traço já estava tremido), Schulz ganhou homenagens de tudo quanto era cartunista editorial americano.

Sua morte fez pensar nos sobreviventes, naqueles poucos que atravessaram décadas com um mesmo personagem. O primeiro nome que vem à mente é Lee Falk, 60 anos de Mandrake e Fantasma. Mas Falk "apenas" escrevia as tiras. Tinha que existir alguém prestes a completar 50 anos contínuos carregando nas costas o fardo de criar uma piada por dia, mesmo que com assistentes. Esse nome era Mort Walker.

Pouca gente sabe que, quando começou, Beetle Bailey (O Recruta Zero) nem recruta era: a história girava em torno do cotidiano na high school de um personagem cujos olhos nunca apareciam, sempre cobertos por um chapéu desbado que só aumentava-lhe o ar de desleixo. Mort, aos 27 anos, já tinha algum nome quando resolveu fazer um ganho extra com a tira. Depois de 6 meses sem cair na boca do povo - apenas 5% da população tinha ido para a high school -, e com o início da Guerra da Coréia, um editor sugeriu que Beetle se alistasse. Mort não deu uma de artista e ainda aproveitou o gancho para fazer graça. No primeiro quadro da tirinha, Zero está numa esquina quando vê duas ex-namoradas se aproximando, uma de cada canto. Fugindo do pior, corre para dentro da primeira loja que vê - um posto de alistamento militar... Já nessa época o mote humorístico era o desrespeito pela ordem estabelecida, e a preguiça crônica que fazia Zero dormir nos lugares mais incomuns. O que ninguém imaginava era o quanto esse engraçado vício iria fazer as patentes militares rodarem a baiana...

Os coadjuvantes que Mort Walker inventa para Zero tem a funcionalidade de uma tranca de carro, e a maneira como ele decide quais teriam vida curta e quais seriam mais explorados tem o pragmatismo de um dono de rancho selecionando ovos na granja. Eles são estilizados e caricaturais como convém ao humor: Cosmo, o empreendedor, vindo de New York; Platão, o intelectual no meio de xucros; Dentinho, o caipira inocente e burro; Quindim, o terror das mulheres, com bigodinho à la Quequé. Walker mostra aquele talento que Renato Aragão tinha quando era engraçado, de preparar toda uma situação, envolvendo o leitor até a surpresa, em geral uma piada visual, no último quadro da tira. Desenhista brilhante, já sabia todos os truques para fazer rir com seu desenho, mas simplificou o traço até que o ponto do minimalismo, aquele em que você olha uma bolinha com hachuras diagonais e acredita estar vendo uma almôndega, tal a força de seu universo icônico.

O que torna o humor o Recruta Zero genuinamente engraçado, e universal, é o fato de estarmos lidando com uma característica humana - a preguiça. Mort Walker não faz comentários-cabeça nem aposta na alta inteligência de seus leitores, porque sabe da transitoriedade da vida de uma tira diária. E é exatamente aqui que reside sua capacidade subversiva, ao expôr o ridículo da condição humana em situações extraordinárias, ao desmoralizar a autoridade, tematizada no eterno conflito Zero-Tainha, opressão/desobediência, gato-e-rato. A partir da década de 60 os leitores crescem, assim como os protestos formais do Exército, sem se dar conta do teatro de absurdo que iria protagonizar. A primeira providência foi banir a tira do Star and Stripes, o jornal oficial das forças armadas. A argumentação era a de amante traído: a Aeronáutica tinha Terry e os Piratas, um exemplo de patriotismo que chegou a merecer citação no Congresso; a Marinha tinha o Capitão César, outro herói militar, e o que tinha o exército? Um recruta vagabundo...

O aparecimento do cachorro Oto, com nome e tipo físico inspirados no cartunista Otto Soglow, tipifica exemplarmente o modo Walker de fazer humor. Não era preciso nem texto para achar graça na figura do rotundo Sgto. Tainha andando ao lado daquele cachorro igualzinho a ele, só que uniformizado, pelo quartel. Em tira antológica, após levar uma descompostura do Tainha por uma besteira que havia feito ("Pense, Oto, pense!"), Oto comenta, tristonho: "we can't all be snoopy". Trocadilho do nome do cão mais intelectual que os quadrinhos já viram com xereta, esperto. Em outra historieta, os recrutas se banham em um rio quando Platão dá pela falta das roupas, que eles haviam deixado na margem. No quadro seguinte, uma trinca de ursos uniformizados estende a bandeija para receber o rancho, enquanto o Cuca sussurra para o Tainha: "Eu avisei que essa idéia de vestir o cachorro não ia dar certo". O que os militares poderiam fazer contra um humor como esse, que já na década de 60 ultrapassava a barreira dos 1000 jornais?

Porque Walker nunca foi, de jeito nenhum, o tipo de cartunista revolucionário, provocador, que entra na lista negra de Nixon, que, enfim, enxerga antes as tendências, capturando o zeitgeist, como Jules Feiffer foi para a Manhattan do fim dos anos 50, Gary Trudeau (Doonesbury) para o meio político dos anos 70, Scott Adams (Dilbert) para o mundo corporativo dos anos 90, ou Quino (Mafalda) para a América Latina depois da II Guerra. Ele se alinha com temas mais universais em seus temas, menos contextualizados; não é o catalizador das mudanças, mas tem o papel importantíssimo de sintetizar e disseminar as novidades entre o mainstream, que o lê sem ficar ofendido. Assim, o papel do recruta na década de 70 é enorme. Logo nos primeiros anos é introduzido o tenente Durindana, um personagem negro de cabelo black power, bigode e cavanhaque, que já chega dizendo: "Não tem nenhum criolo nesse quartel?" Em cima dele vários comentários sobre o movimento negro são feitos, conquistando a simpatia dos leitores mais liberais. Quando Tainha e o Cuca resolveram entrar numa dieta, os Vigilantes do Peso (Weight Watchers) enviaram um abaixo assinado enorme aos jornais, dando força para eles não desistirem. Também é dessa época o aparecimento da Dona Tetê, a secretária boazuda que veio cobrir as férias da Srta. Blips, e talvez a pior das dores de cabeça de Mort Walker.

Dona Tetê era exatamente o tipo de alvo que o crescente movimento feminista queria. A tira foi acusada de sexismo para baixo, enchendo a caixa postal de Walker com cartas de protesto. Sempre ligado nos anseios de seu público, Mort vai aos poucos suavizando as piadas e diminuindo as investidas do General Dureza, e já em 1986 é possível ver a Srta Blips falando em "assédio sexual". Mort confessaria: "Tudo que eu quero é escrever uma história em quadrinhos cômica e se as pessoas começarem a reagir dessa maneira eu vou acabar desenhando sobre isso". Realmente acaba, mas não do jeito que esperava: em 1999, o General Dureza é enviado para um sensitivity program, tal a força do patrulhamento politicamente correto nos anos Clinton.

Em 2000, foi lançada uma seleção comemorativa com o melhor de 50 anos, feita pelo próprio Walker, que fecha com uma marco veradeiramente histórico: pela primeira vez, os olhos do Beetle Bailey foram mostrados. Fazia graça consigo mesmo, a marca do grande humorista. Aquele cujas questões são universais, clássicas, e cujo trabalho sobrevive 50 anos, ultrapassando os limites de saturação dos jornais, e envelhecendo muito menos do que as queixas dos seus detratores.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 26/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal
04. O humor no divã de Freud de Carina Destempero
05. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2002
05h25min
hola .. como vai !?!??! sou um fãn do R. Zero e infelismente não acho + revista dele para minha coleção ... venho pedir a vc´s que se tiver com mandar tiras para mim via e-mail eu agradeseria !!!e a historia de R.Z esta bem escrita foi muito bom mesmo conhecer este site !!
[Leia outros Comentários de Clecio Nunes]
10/1/2002
08h39min
Clecio, as tiras do Recruta Zero nao estao sendo publicadas em nenhuma revista atualmente. Nos jornais, O Globo ainda publica diariamente. Na internet, leia na pagina do King Features syndicate, a agencia distribuidora: http://www.kingfeatures.com/features/comics/bbailey/about.htm
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
6/6/2002
16h14min
Rafael, você se lembra de uma revista que saía no final dos anos 70, com uma temática bem similar à do Zero? Era um recruta também, e as estórias se passavam em um quartel. Puxa, faz muito tempo, nao lembro nem o nome... Acho que era da RGE. Não sei nem qual era a origem daqueles quadrinhos (na época, eu estava recém aprendendo a ler, se tanto). Talvez fosse nacional. Desde já, obrigado.
[Leia outros Comentários de Leandro]
6/6/2002
16h42min
Leandro, ou eu muito me engano ou essa revista era uma espécie de pirataria do Zero, ou seja, um personagem da mesma temática com nome parecido (do mesmo jeito que a Vecchi fez com Tex e Chet). Não me lembro de ter lido, mas arriscaria dizer que o material era 100% nacional. Também não recordo o nome.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
7/6/2002
13h40min
Olha só... depois de muito pesquisar... http://terra.arremate.com.br/user/images/85/858506.jpg Chamava-se "Recruta Biruta". Será que passou do número 1? Ah, e ao contrário do que imaginamos, era da Editora Abril. Grato.
[Leia outros Comentários de Leandro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TÊNIS: REGRAS, TÉCNICA, TÁTICAS
MARCOS PRIMO DE LIMA E SILVA
EDIOURO
(1979)
R$ 7,90



IMPLANTANDO A GOVERNANÇA DE TI
AGUINALDO A. FERNANDES / VLADIMIR F. DE ABREU
BRASPORT
(2006)
R$ 130,00



SAUVER NOS SOLS POUR SAUVEGARDER NOS SOCIETES
RABAH LAHMAR (COORD.) E OUTROS
CHARLES LÉOPOLD MAYER
(2002)
R$ 15,00



ELEMENTOS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL
W. A. GRANVILLE & P. F. SMITH; W. R. LONGLEY
CIENTIFICA
R$ 20,00



MÃES E FILHAS - A ARTE DE CRESCER E APRENDER A SER MULHER
EVELYN BASSOFF
SARAIVA
(1990)
R$ 10,00



SEITAS II
DONALD W. KALLER
CEIBEL
(1983)
R$ 8,02



CONSTRUINDO CONSCIÊNCIAS - CIÊNCIAS - 7º ANO
CARMEN MARIA DE CARO E OUTROS
SCIPIONE
(2011)
R$ 16,90



INDISCRETO
CHARLES DUBOW
COMPANHIA ED NACIONAL
(2013)
R$ 12,00



O GOSTO DOS BEIJOS
MARCIA KUPSTAS
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 12,00



ELES CONTINUAM ENTRE NOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIENCIA
(2008)
R$ 10,79





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês