O nome do jogo | Carlos E. F. Oliveir

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> O Que os Homem Não Contam Sobre Negócios para Mulheres de Cristopher V Flett pela Novo Conceito (2010)
>>> O Japão como Primeira Potencia de Ezra F Vogal pela Unb (1982)
>>> Um Passarinho Me Contou de Biz Stone pela Best Seller (2014)
>>> 101 Perguntas Que as Crianças Fazem Sobre Deus de Vários Autores pela United Press (1999)
>>> Mundo Psíquico de Grauben Barreto pela Asharam
>>> O Fantasma que Falava Espanhol de Luiz Galdino pela FTD (1989)
>>> Vida Conjugal-um Caminho para Se Construir a Dois de José Junior e Ielane de Mendonça pela Palavra da Fe (2007)
>>> Surfando as Ondas do Mercado de Raimar Richers pela RR&ca (1996)
>>> Tô P... da Vida Dicas Valiosas para Pessoas Que Explodem à Toa de William Gray Defoore pela Landscape (2005)
>>> O Menino do Pijama Listrado de John Boyne; Augusto Pacheco Calil pela Seguinte (2007)
>>> Halo: um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Céu e do Inferno de Alexandra Adornetto pela Agir (2010)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare; Rita Sussekind pela Galera Record (2010)
>>> Memorial de Aires de Machado de Assis pela 00
>>> Àgape de Padre Marcelo Rossi pela Globo (2010)
>>> O Que e Administração de Paulo Roberto Raymundo pela Brasiliense (2006)
>>> Acontecências de Vilma Guimaraes pela Jose Olympio (1968)
>>> Principais Temas Em Dermatologia para Residência Médica de Inaê Cavalcanti pela Medcel (2008)
>>> Information Tecnology For Management - Transforming Organizations in T de Vários Autores pela Wiley (2004)
>>> Chang e Eng de Darin Strauss pela Companhia das Letras (2001)
>>> Grande Dicionário de Sinônimos e Antônimos de Ediouro pela Ediouro (1996)
>>> Auto da Barca do Inferno - Coleção L&pm Pocket de Gil Vicente pela L&pm (2014)
>>> O Último Êxodo - Final dos Tempos - Terceiro Milênio de Mauro Fonseca pela Lorenz (1996)
>>> Treze Noites de Terror de Luiz Roberto Guedes pela Brasil (2000)
>>> Corpos Frágeis Mulheres Poderosas de María Martoccia; Javiera Gutiérrez pela Ediouro Sinergia (2003)
>>> Poesia de Fray Luis de Leon pela Alianza Editorial (1986)
COMENTÁRIOS

Quinta-feira, 31/5/2007
Comentários
Leitores


O nome do jogo
Gostei da exposição clara do tema mas acredito que algumas posições, mesmo vindo de Borges, a esta altura escapam da perspectiva. Vejo a crítica como um apoio para o leitor em formação e a superestima corrente ao valor da critica traz um certo vício do mercado. Enquanto o leitor não atinge uma maturidade com os elementos que o enredam na literatura, ele deve sim, ouvir amigos, ler cadernos especializados e ter auxílio sabendo que livros custam dinheiro, ás vezes ganho sem mérito. Acredito até que esta história de ganhar dinheiro nada tenha a ver com escrever livros ou vender livros terá alguma coisa a ver com literatura? Apartado de toda esta questão ficou o leitor que este escritor é desde sempre, e o prazer que esta introspecção trouxe para a sua própria formação. Falamos de blogs e livros, acredito que não, o nome do jogo é mercado; e como escrever é um exercício individual em busca de afirmação, é muito comum alguns tropeços do ego, ainda que adiante se reestabeleça algum equilíbrio.

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Carlos E. F. Oliveir
31/5/2007 às
21h37 201.65.37.4
(+) Carlos E. F. Oliveir no Digestivo...
 
Dogmas literários e swap
Guga, sempre achei que escritor começasse no leitor, que tornasse escrever necessário e o rigor de escrever com apuro fosse latente. Vejo a disciplina como parte de um compromisso consigo mesmo, em aprimoramento e experimentações. O tanto que já se falou de escritor bom ou ruim, dos aspirantes a escritor; faz parecer uma religião de talento mediunico. Alguns grandes escritores sofrem de uma certa decrepitude dos modelos cosmogônicos em que investiram, então eles ficam repetitivos, perdem de certa forma a capacidade de nos surpreender, mas acredito que isto não os transforme em escritores ruins. Dentro da polêmica alimentada sobre o escritor iniciante, pouco se falou da queda de nível da crítica que celebra uma busca por cânones, é mais fácil. Então que suprimam o sujeito e critiquem textos apócrifos sem referencia pessoal. Escritores jovens ou jovens escritores, não sei... Frequento livros, experimento formas, percebo alguns estilos e reconheço ao menos a ousadia de experimentar.

[Sobre "Escritor, jovem escritor"]

por Carlos E. F. Oliveir
31/5/2007 às
21h08 201.65.37.4
(+) Carlos E. F. Oliveir no Digestivo...
 
Sobre o evento...
Ana, o evento no Museu de artes e ofícios é que dia e que horas, por favor?

[Sobre "Livros e letras"]

por juliana
31/5/2007 às
18h52 150.164.101.75
(+) juliana no Digestivo...
 
Sobre pedofilia
é um assunto delicado que temos de tomar cuidado pra não tratar com pieguice e não ceder ao senso-comum (que, como você bem nota, costuma estar comprometido com "a hipocrisia do silêncio social"). é muito negativo generalizar a complexidade desse tema, reduzindo-a à personificação daquele que abusa, muitas vezes pintado como "monstro" ou termo que o valha. o abuso de crianças não começa nas mãos do agressor; não só é socialmente silenciado, como socialmente estimulado - basta ver os programas de auditório em que meninas de quatro anos rebolam de mini-saia para uma platéia que urra e baba. mais, muito mais do que delicado, o assunto é extremamente complexo. mesmo uma afirmação como a de que o abuso de crianças é "uma chaga social de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as classes", por mais óbvia que possa parecer, não deve ser dita sem reflexão. pois tal abuso só tem sido assim considerado nas últimas décadas. embora a opressão do mais fraco não seja nenhuma novidade.

[Sobre "Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela"]

por Marcos Visnadi
http://naminhacanja.blogspot.com
31/5/2007 às
18h04 201.52.69.8
(+) Marcos Visnadi no Digestivo...
 
Bom texto, sem ser sisudo
Concordo com a Adriana. Na verdade, o Humor mesmo, "de verdade", é sempre inteligente. Não tem um texto do Guga "sério" ou "sisudo" - e ele tira um sarro legal (discretamente), na minhão percepção, de muita coisa, inclusive dos "aspirantes a escritor", o que é um barato. O García Márquez, só pra citar um, também tem um humor fantástico (fantástico mesmo) no jeito de enxergar o mundo (até o Euclides da Cunha tem, ou desperta). Belo texto, abraços

[Sobre "Escritor, jovem escritor"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
31/5/2007 às
16h44 201.67.220.247
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Aula
Ana, nesses pedacinhos de texto revelas o quão instigante, rico, infindável em causos e histórias, é nosso país (esse grande "sertão", afinal). A mudança do foco narrativo é uma aula para muitos "aspirantes". E por mais que a fase dos regionalismos - segundo os livros de História - tenha passado, acho que todas as nossas heranças, nossas muitas heranças, que vagueiam vivas pelo país afora, sempre têm (e merecem) um lugar especial em nossa produção literária. Por acaso, venho fazendo uma releitura de Os Sertões, mais voltada à esta questão da gênese do país. Parabéns por esta "aula". Abraços.

[Sobre "Conte a sua versão da história, uai"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
31/5/2007 às
16h12 201.67.220.247
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Reposta (continuação)
Seria esta minha opinião baseada na morfologia? Segundo o Aurélio, existe o uso antiquado do termo “pelo” como aglutinação da preposição “per” com o pronome oblíquo “o” (exemplo: “Padre Antônio Vieira não pudera fazer grandes progressos, pelo não ajudar a memória, rude e pesada”). Talvez esta seja a origem das minhas impressões na interpretação: “pelo” contém essa origem, com carga de pronome oblíquo, transmitindo a idéia de uma situação ativa do suposto sujeito, neste caso o leitor, em busca de uma obra disponível. Já “apenas” não transmite a idéia de quem foi atrás do quê. Este advérbio de intensidade tem a carga exata para o contexto da idéia: “se apenas uma pessoa leu” demonstra a irrelevância da exposição maciça, e também que a validade não pressupõe a publicação. “Subtil” Paralaxe, estaria você “do lado de lá” do Atlântico? Abraço! Vicente Escudero

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Vicente Escudero
31/5/2007 às
13h46 200.168.153.132
(+) Vicente Escudero no Digestivo...
 
Resposta (continua...)
Colega "Paralaxe". Sua observação é válida. Entretanto, o trecho do diálogo reproduzido é meramente exemplificativo e, como eu mesmo citei, na linha acima dele: "A conversa foi mais ou menos assim". Essa sua preocupação faria algum sentido se o trecho estivesse completo, terminando uma idéia. Aliás, você não só terminou a idéia como também atribuiu um sentido pessoal. Na entrevista, lembro-me de que Ferreira Gullar, ao dar essa resposta para a telespectadora (despretensiosa, ressalte-se), quis enfatizar a questão da irrelevância da publicação maciça do trabalho diante do processo de criação. Se eu tivesse usado "pelo menos", na minha opinião, estaria transmitindo um sentido no qual o leitor teve que procurar pelo trabalho, uma situação em que o leitor vai até o trabalho que já está publicado... (continua)

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Vicente Escudero
31/5/2007 às
13h38 200.168.153.132
(+) Vicente Escudero no Digestivo...
 
a diferença em causa
Amigo Vicente Escudeiro, serve este comentário só para referir uma subtil diferença entre as expressões "apenas" e "pelo menos", pois parece-me que Ferreira Gullar, na sua resposta, pretendia acentuar a validade do que escrevia, independentemente das dificuldades inerentes a um neófito da palavra, pois dava como bem empregue o tempo e o esforço gasto na escrita porque "pelo menos uma pessoa" tinha lido a sua prosa. Creio que "se apenas uma pessoa" leu o que escreveu, ele deveria estar preocupado com a qualidade do seu trabalho, visto que sendo "só uma pessoa" receptora do trabalho literário por ele desenvolvido, ele não poderia considerar que estava "tudo bem...". Este comentário é feito por uma pessoa comum, não literato, e serve "apenas" para referir a diferença em causa, e não para criar polémica ao artigo desenvolvido; "pelo menos" assim o espero...

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Paralaxe
http://www.grupo-paralaxe.net
31/5/2007 às
11h48 89.152.14.48
(+) Paralaxe no Digestivo...
 
Nem 8, nem 88, nem 880...
Enquanto isso, vejo nos EUA a incorporação de palavras em espanhol a conversas do dia a dia. Mas também vou dizer uma coisa, não devemos cometer o erro francês. Por exemplo, se muita da tecnologia digital foi inventada nos Estados Unidos, faz bastante sentido usar os termos técnicos do inglês... Senão fica muito difícil de ler a literatura técnica. Tive aula de circuitos digitais com um livro em francês... Foi terrível! Flip-flop é um flip-flop, e bit é bit... Claro que em "marketing", poderíamos inventar uma palavra em português. Temos algumas das melhores empresas de marketing do mundo...

[Sobre "Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?"]

por Ram
31/5/2007 às
03h47 71.202.209.152
(+) Ram no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Seguinte historia
Cees Nootboom
nova fronteira
(2008)



O crepúsculo do macho: depoimento
Fernando Gabeira
Codecri
(1980)



O Misterioso Sr. Quin
Agatha Christie
Nova Fronteira
(1978)



360° Física - Caderno de Infográficos
Lauri Cericato
Ftd
(2015)



A Amizade
Francesco Alberoni
Rocco
(1989)



Uma Vida Inventada: Memorias Trocadas e Outras Historias
Maite Proenca
Agir
(2008)



O Batedor de Faltas
Claudio Lovato Filho
Record
(2008)



Inglês Volume único
Edilza Perri
Ftd
(1992)



O Vento de Oalab
João G. Luiz
9788517768910
(2016)



Castro Alves Poesia
Eugênio Gomes
Agir
(1990)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês