a questão da reportagem | Rogério Kreidlow

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A morte do professor de literatura
>>> Guía de lacónicos
>>> Mazelas do coronelismo
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
Mais Recentes
>>> Das Blut des Skorpions de Massimo Marcotullio pela Roman
>>> Projeto Athos; Geografia 8 de Sonia Castellar/ Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Compromisso Total de Hug Davidson pela Campus (2003)
>>> Estatística Aplicada de Norean R. Sharpe pela Bookman (2011)
>>> Porque os Gerentes Falham 8 Ed de John Mccarthy pela Mcgraw Hill (1988)
>>> Judge & Jury de James Patterson pela Warner Books (2007)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> Viver é Feito a Mão de Nilma Lacerda pela Positivo (1905)
>>> Tanglewreck - o Guardiao do Tempo de Adriana Lisboa; Jeanette Winterson pela Rocco (2010)
>>> Matemática Básica, 2: Números Fracionários - Frações de Senac pela Senac (2000)
>>> Fazendo História e Cutucando a Memória de José Carlos pela Textonovo (2013)
>>> O Fio da Navalha de Somerset Maugham pela Abril Cultural (1974)
>>> Revisaço - Delegado de Polícia Civil de Rogério Sanches e Outros pela Juspodivm (2013)
>>> Naufrágio Entre Amigos de Eduardo Sabino pela Patuá (2016)
>>> Karma For Todays Traveler de Phra Bhasakorn Bhavilai pela Phra Bhasakorn Bhavilai (2005)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo
>>> Ginástica Postural Global de E. Souchard pela Martins Fontes
>>> Beauty and the Beast de Richard Northcott pela Helbling (2014)
>>> Caças e Aviões de Ataque Modernos - Guia de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Losing Control de Stephen D. King pela Yale University Pres (2010)
>>> Maktub - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Gold (2006)
>>> Vinho para Leigos de Ed Mccarthy pela Mandarim (1996)
>>> Geografia Geral e do Brasil 3 ª Edição de Harbra pela Paulo Roberto Moraes (2005)
>>> Nosso Século: 1900/1910 - a era dos Bacharéis - 1ª Parte 1º Vol. de Vários Autores pela Abril Cultural (1985)
>>> O Enigma das Palavras de Da Editora pela Ajeb
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 1/6/2007
Comentários
Leitores


a questão da reportagem
Adriana, a questão da reportagem, hoje, é talvez a mais debatida nos cursos de comunicação, entre futuros jornalistas e também no mercado - e, engraçado, é talvez a coisa que mais deixa saudade (mesmo naqueles que nunca fizeram reportagem de verdade) no público e na "ralé" das redações. Toda essa "conversação" me interessa e muito, desde os tempos de faculdade, mas precisaria de bem mais que mil caracteres para explaná-la. É bom quando jornalistas se abrem, da maneira como fazes, e contam um pouco do seu dia-a-dia, da sua vida. Desmistifica a profissão, que é tão massacrada, por um lado, e, por outro, tão mal cuidada por uma leva de profissionais (ou pseudo-profissionais). Com mais tempo, talvez compartilhe algumas idéias por e-mail a respeito disto. Abraços

[Sobre "Nunca mais do que a reportagem"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
1/6/2007 à
01h51 200.101.250.202
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Gram e o fim do Los Hermanos
esse segundo CD do Gram está simplesmente perfeito! eu já havia adorado o primeiro, uma verdadeira pérola, um achado após o fim do Los Hermanos... mas este segundo está muito mais elaborado, com letras mais profundas, a instrumentação mais precisa, e o conteúdo existencialista reforçado... pra ouvir muitas vezes seguidas! Junto com outra banda que vem atraindo órfãos do Los Hermanos, "Móveis coloniais de acaju", embora com outro estilo, o Gram se firma como uma das bandas mais criativas do novo rock brasileiro...

[Sobre "Seu minuto, meu segundo"]

por Angelo
1/6/2007 à
00h24 201.79.29.200
(+) Angelo no Digestivo...
 
Exercício seminal.
Ana, nada como permitir que a manifestação mais expressiva, literatura, protagonize sua própria relação com seus interessados. Experimentamos os recortes mais diversos de textualidades poderosas, que não cabem em compassos, regras ou estereótipos e o unico julgamento possível é dos próprios julgadores e seus juízos vagos, que as vezes tornam estéreis letrados em fecundos relatores de sentenças. A expressão da literatura é feita pela experiência do leitor e da sua familiaridade com o código, se há nesse exemplo claro a ponte concreta com a oralidade, ora que os normatistas se denominem gramáticos e vivam a língua como fetiche. Literatura é sobretudo registro e quanto mais domínio das possibilidades e dos recursos, maior será a riqueza obtida dentro das leituras possíveis. Que bom que um evento possa ser narrado; viva a oralidade, e que alguns ainda possam se lembrar o que seja narrativa. Um exercício necessário e como tal rico em todas as suas possibilidades. Valeu, Ana.

[Sobre "Conte a sua versão da história, uai"]

por Carlos E. F. Oliveir
31/5/2007 às
21h59 201.65.37.4
(+) Carlos E. F. Oliveir no Digestivo...
 
O nome do jogo
Gostei da exposição clara do tema mas acredito que algumas posições, mesmo vindo de Borges, a esta altura escapam da perspectiva. Vejo a crítica como um apoio para o leitor em formação e a superestima corrente ao valor da critica traz um certo vício do mercado. Enquanto o leitor não atinge uma maturidade com os elementos que o enredam na literatura, ele deve sim, ouvir amigos, ler cadernos especializados e ter auxílio sabendo que livros custam dinheiro, ás vezes ganho sem mérito. Acredito até que esta história de ganhar dinheiro nada tenha a ver com escrever livros ou vender livros terá alguma coisa a ver com literatura? Apartado de toda esta questão ficou o leitor que este escritor é desde sempre, e o prazer que esta introspecção trouxe para a sua própria formação. Falamos de blogs e livros, acredito que não, o nome do jogo é mercado; e como escrever é um exercício individual em busca de afirmação, é muito comum alguns tropeços do ego, ainda que adiante se reestabeleça algum equilíbrio.

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Carlos E. F. Oliveir
31/5/2007 às
21h37 201.65.37.4
(+) Carlos E. F. Oliveir no Digestivo...
 
Dogmas literários e swap
Guga, sempre achei que escritor começasse no leitor, que tornasse escrever necessário e o rigor de escrever com apuro fosse latente. Vejo a disciplina como parte de um compromisso consigo mesmo, em aprimoramento e experimentações. O tanto que já se falou de escritor bom ou ruim, dos aspirantes a escritor; faz parecer uma religião de talento mediunico. Alguns grandes escritores sofrem de uma certa decrepitude dos modelos cosmogônicos em que investiram, então eles ficam repetitivos, perdem de certa forma a capacidade de nos surpreender, mas acredito que isto não os transforme em escritores ruins. Dentro da polêmica alimentada sobre o escritor iniciante, pouco se falou da queda de nível da crítica que celebra uma busca por cânones, é mais fácil. Então que suprimam o sujeito e critiquem textos apócrifos sem referencia pessoal. Escritores jovens ou jovens escritores, não sei... Frequento livros, experimento formas, percebo alguns estilos e reconheço ao menos a ousadia de experimentar.

[Sobre "Escritor, jovem escritor"]

por Carlos E. F. Oliveir
31/5/2007 às
21h08 201.65.37.4
(+) Carlos E. F. Oliveir no Digestivo...
 
Sobre o evento...
Ana, o evento no Museu de artes e ofícios é que dia e que horas, por favor?

[Sobre "Livros e letras"]

por juliana
31/5/2007 às
18h52 150.164.101.75
(+) juliana no Digestivo...
 
Sobre pedofilia
é um assunto delicado que temos de tomar cuidado pra não tratar com pieguice e não ceder ao senso-comum (que, como você bem nota, costuma estar comprometido com "a hipocrisia do silêncio social"). é muito negativo generalizar a complexidade desse tema, reduzindo-a à personificação daquele que abusa, muitas vezes pintado como "monstro" ou termo que o valha. o abuso de crianças não começa nas mãos do agressor; não só é socialmente silenciado, como socialmente estimulado - basta ver os programas de auditório em que meninas de quatro anos rebolam de mini-saia para uma platéia que urra e baba. mais, muito mais do que delicado, o assunto é extremamente complexo. mesmo uma afirmação como a de que o abuso de crianças é "uma chaga social de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as classes", por mais óbvia que possa parecer, não deve ser dita sem reflexão. pois tal abuso só tem sido assim considerado nas últimas décadas. embora a opressão do mais fraco não seja nenhuma novidade.

[Sobre "Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela"]

por Marcos Visnadi
http://naminhacanja.blogspot.com
31/5/2007 às
18h04 201.52.69.8
(+) Marcos Visnadi no Digestivo...
 
Bom texto, sem ser sisudo
Concordo com a Adriana. Na verdade, o Humor mesmo, "de verdade", é sempre inteligente. Não tem um texto do Guga "sério" ou "sisudo" - e ele tira um sarro legal (discretamente), na minhão percepção, de muita coisa, inclusive dos "aspirantes a escritor", o que é um barato. O García Márquez, só pra citar um, também tem um humor fantástico (fantástico mesmo) no jeito de enxergar o mundo (até o Euclides da Cunha tem, ou desperta). Belo texto, abraços

[Sobre "Escritor, jovem escritor"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
31/5/2007 às
16h44 201.67.220.247
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Aula
Ana, nesses pedacinhos de texto revelas o quão instigante, rico, infindável em causos e histórias, é nosso país (esse grande "sertão", afinal). A mudança do foco narrativo é uma aula para muitos "aspirantes". E por mais que a fase dos regionalismos - segundo os livros de História - tenha passado, acho que todas as nossas heranças, nossas muitas heranças, que vagueiam vivas pelo país afora, sempre têm (e merecem) um lugar especial em nossa produção literária. Por acaso, venho fazendo uma releitura de Os Sertões, mais voltada à esta questão da gênese do país. Parabéns por esta "aula". Abraços.

[Sobre "Conte a sua versão da história, uai"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
31/5/2007 às
16h12 201.67.220.247
(+) Rogério Kreidlow no Digestivo...
 
Reposta (continuação)
Seria esta minha opinião baseada na morfologia? Segundo o Aurélio, existe o uso antiquado do termo “pelo” como aglutinação da preposição “per” com o pronome oblíquo “o” (exemplo: “Padre Antônio Vieira não pudera fazer grandes progressos, pelo não ajudar a memória, rude e pesada”). Talvez esta seja a origem das minhas impressões na interpretação: “pelo” contém essa origem, com carga de pronome oblíquo, transmitindo a idéia de uma situação ativa do suposto sujeito, neste caso o leitor, em busca de uma obra disponível. Já “apenas” não transmite a idéia de quem foi atrás do quê. Este advérbio de intensidade tem a carga exata para o contexto da idéia: “se apenas uma pessoa leu” demonstra a irrelevância da exposição maciça, e também que a validade não pressupõe a publicação. “Subtil” Paralaxe, estaria você “do lado de lá” do Atlântico? Abraço! Vicente Escudero

[Sobre "Blogs, livros e blooks"]

por Vicente Escudero
31/5/2007 às
13h46 200.168.153.132
(+) Vicente Escudero no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Devarim #38
Vários autores
Narrativa Um
(2019)



Fenomenologia e Teoria Literária
Maria da Glória Bordini
Edusp
(1990)



Obras Completas de Monteiro Lobato Literatura do Minarete
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1959)



Der Ruf des Blauen Flusses
Nicole Alexander
Blanvalet Taschenbuch Verlag
(2014)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
Ática
(1995)



Beloved Homes!a Drop in Book of Nine Much Loved Homes
Lena Allblom
Ikea Family
(2007)



Os Contratos Mercantis à Luz do Código Civil
J. A. Peneval Santos
Malheiros
(2006)



Pai Goriot (Coleção Elefante)
Honoré de Balzac
Ediouro
(1972)



O Filósofo Peregrino
Marcos Bulcão
Record
(2014)



Princesinha Sofia (capa Dura)
Catherine Hapka
Abril
(2017)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês