Amores possíveis | Helion

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
>>> Ribolópolis de Andy Mulligan pela Sesi Sp (2016)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela L&Pm Pocket (2015)
>>> Almanaque de harry potter e outros bruxos de Ana Paula Corradini pela Panda Books (2003)
>>> Lavoura arcaica de Raduan Nassar pela Companhia Das Letras (2017)
>>> Açúcar amargo de Luiz Puntel pela Ática (1990)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 5/7/2002
Comentários
Leitores


Amores possíveis
Interessante o seu comentário e fiquei curioso para ler o livro, apesar das restrições que você faz a ele. Não sei se a autora aborda o tema, mas é interessante verificar como a internet realmente inverte a seqüência tradicional das relações amorosas: primeiro nos deparamos com o outro a partir de sua expressão escrita, depois (usualmente) pela voz, através do telefone e, só depois, através do contato visual. É exatamente o contrário das relações tradicionais, permitindo assim um desnudamento, uma abertura, que não é usual entre estranhos. Se isso será bom ou ruim, se essa nova seqüência vai revolucionar as formas de relacionamento, só o tempo dirá./// Penso também num veículo como esse Digestivo, no qual as afinidades – e, mais freqüentemente, as divergências – expressas por escrito entre desconhecidos também assumem uma crueza, um ímpeto, que dificilmente ocorreriam em contatos pessoais. São novas maneiras de amar e de odiar...

[Sobre "A internet e o amor virtual"]

por Helion
5/7/2002 às
14h49 200.154.217.156
(+) Helion no Digestivo...
 
Futebol e pentes
Leio tanta filosofia sobre o futebol e me lembro de algo que me aconteceu estando em Maceio, Dezembro 1997. Um carinha, de cujo nome nao me lembro, estudante de Medicina, filhinho de Dotor, fluente em frances, critica duramente seu namoradinho pelo terrivel crime de torcer com paixao pelo seu Flamingo adorado. Os argumentos, bom, voces conhecen, ne? 15 minutos depois o cara descobre que eu tenho um pente daqueles plasticos, grandes e feios no bolso traseiro da calca. Ai o dotorcinho falou, escandalizado: "Acho engracado voce carregando esse pente no bolso da calca" Entao ta, Flamingo - Vasco, bobagem para adormecer o povao ignorante, MEU pente no bolso da MINHA calca, assunto da maior importancia. Da licenca!

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Dudu
5/7/2002 às
10h36 199.242.231.156
(+) Dudu no Digestivo...
 
Paranóia? Onde?
Prezado Gian: Seu texto tem pontos interessantes sobre a paranóia, mas infelizmente não passa dos pontos comuns já discutidos por todo mundo numa mesa de bar - e pontos equivocados, como chamar a Idade Média de "Idade das Trevas". Se vc ler Etienne Gilson, vai descobrir que a Idade Média não foi nada irracional e que a paranóia que dizem ter sido criado pela Igreja Católica era, na verdade, fruto de escolas dentro da Igreja e que foram expulsas pelo Papa por causa de seu cunho herético. Além disso, como vc pode chamar de "Idade das Trevas" uma época que tinha Santo Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Abelardo, Meister Eckart e, bem no final, Dante Alighieri. Por acaso a nossa época - tão paranóica - tem como rivalizar com a honra destes nomes? No mais, se vc quer saber o que é realmente o efeito da paranóia na vida e na arte, leia Thomas Pynchon, em especial "V." e "O Leilão do Lote 49", ambos editados pela Cia de Letras. Um abraço e continue com seu trabalho Martim

[Sobre "A Soma de Todos os Medos"]

por Martim Vasques
5/7/2002 às
08h51 200.211.122.213
(+) Martim Vasques no Digestivo...
 
Em favor do que
Usei o termo "minoria sem defesa” parodiando as várias minorias altamente defendidas pelas inumeráveis ongs, que por sua vez são altamente patrocinadas pelo reduzidíssimo número de cofres mundiais. Não estou dizendo que ninguém deva ajudar ninguém. Mas o fato de haver mais ONGS em defesa dos meninos de rua no Rio de Janeiro do que propriamente meninos de rua, conforme levantamento da Universidade de Minas Gerais, talvez possa esclarecer o que digo. Ainda que as ONGS sejam o sinal de uma época de declínio do poder dos estados, eles também (quem tenha olhos que veja) cumprem o papel de desestabilizadores do próprio estado. Nesse sentido são globalistas e estão a favor, queiram ou não, saibam ou não, da nova ordem mundial. A paródia que usei foi para enfatizar a solidão de qualquer empreendimento intelectual. Incluindo a solidão financeira, principalmente quando as reflexões estão contra a maré. Com relação a transcendentalidade da tradições eu reafirmo, mas não disse que não são culturais. Disse que a cultura é posterior. A cultura é consequencia e não causa das religiões. Um pouco de história nos mostra isso. O estudo comparado das religiões nos indica também uma tradição primordial berço dos mitos e dos símbolos, cuja estrutura está muito além dos estruturalismos sociológicos ou antropológicos. O reducionismo sociológico ou econômico e o relativismo cultural pretendem destruir a supremacia do fenômeno transcendental, do mistério, do segredo, do sagrado. Substituir o universal pelo internacional é uma das metas. Dessa pobreza o marxismo não fala, pois ele próprio participa desse parricídio. Concordo que o volume de temas proposto resvala num nível perigoso de generalizações e que exige um nível intelectual brilhante. Não disse que o Felix tenha conseguido essa proeza, mas não pretendi julgá-lo por esse critério. Meu elogio foi por ter encontrado alguém que discute os mesmos problemas, que se inquieta pelas mesmas coisas, que tem a coragem de não parecer retrógrado, direitista, fdp ou sei lá o que mais. Com relação a bibliografia devo desculpar-me, quis dizer REFERÊNCIAS em geral, com suas notas, etc. Não podemos negar-lhe um agradecimento por essa gentileza, que são as notas de roda-pé, ainda que não concorde com suas reflexões. Que ele seja panfletário eu não concordo. Talvez seu artigo tenha a tônica dos panfletos, mas credito isso ao próprio objeto de sua reflexão, aliás ao nosso objeto de reflexão: a cadeia de relacionamentos entre os fenômenos culturais modernos. Não tenho dúvidas de que há um espécie de padrão entre os vários fenômenos culturais abordados. Difícil sintetizá-los, mas é necessário comentá-los, exercitar o intelecto para antever a unidade nesses vários aspectos da modernidade. Ainda que seja uma síntese fragmentária, característica própria da modernidade, mas que a cada dia observa-se uma linha mais clara entre esses vários fenômenos. Por falar em bibliografia permita-me citar alguns: O Mundo Moderno, de René Guénon; A Nova Era e a Revolução Cultural, de Olavo de Carvalho, são livros importantes para esse tema. De quem ele é a favor eu não posso responder por ele. Mas creio que a defesa foi em favor da racionalidade, da informação verdadeira, sem ideologismos.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
5/7/2002 às
07h04 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
panfleto, panfleto...
Finalmente, Ronaldo, você diz que o artigo de Felix Meier “não é panfletário”. Eu não tinha usado essa palavra, mas agora que você a apresentou, não tenho como deixar de dizer: ele é panfleto em estado puro, no sentido de que “ataca alguém ou algo com críticas irônicas”, de que é “polemista”./// Bem, então como definiríamos um artigo que, em vinte parágrafos, declara-se contra as causas: defesa das terras indígenas, a proteção ambiental, o marxismo, os intelectuais da USP, o Movimento dos Sem Terra, o Iluminismo da Revolução Francesa, o movimento gay, o movimento pela defesa dos descendentes de quilombolas, o movimento negro em geral, a CNBB, o próprio governo FHC, o gramscismo, o movimento feminista, o movimento em defesa do aborto, os movimentos de meninos de rua, as ONGs em geral, Lula, Fernando Gabeira?/// Como denominar esse formidável esforço generalizador, senão como a quintessência do panfleto?/// Só falta definir uma coisa: a favor de que ou de quem é o artigo? Só consegui pescar uma única exaltação, em réplica a um leitor: aos “ricaços que pagam impostos” e que garantem os seus (F. Meier) proventos de aposentado da União. Um final estranho, sem dúvida. Caberia ao autor se explicar melhor. Mas jamais poderíamos fugir de classificar o texto segundo a palavra que você mesmo trouxe: panfletário. Um desabafo panfletário contra todo e qualquer argumento ou movimento que desagrada ao autor.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
20h48 200.154.217.31
(+) Helion no Digestivo...
 
que minoria sem defesa?
Ronaldo, se eu li entrelinhas demais, desculpe. Vou ler de menos agora: quem é a “minoria sem defesa” com que você intitula seu comentário? Poderia explicar, por favor?/// Bem, se você acha que as tradições são fundamentalmente transcendentais e não culturais, como eu julgo ter entendido, não vamos discutir por isso. É a sua opinião e nem me parece ser o central nesse debate./// Você defende o artigo do Felix dizendo que a generalização é uma das características da racionalidade. Diria que é um dos momentos da mesma, mas não me parece que seja razoável a generalização que abarca da música do Tiririca a Gramsci, dos meninos de rua à Revolução Francesa. Apenas um intelectual com um estofo formidável conseguiria articular isso tudo sem fazer o resultado parecer uma geleia geral./// Ao contrário do que você diz, as “citações bibliográficas” não o redimem deste problema. Há um único livro citado, da Bibliex. Se você tanto condena o academicismo, não deveria também se entusiasmar com uma base bibliográfica assim tão pujante./// continua...

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
19h52 200.154.217.99
(+) Helion no Digestivo...
 
Minoria sem defesa
Helion, creio que você leu entrelinhas demais em meu comentário. Eu apenas fiquei entusiasmado com a oportunidade do artigo pois a situação atual pede tais intervensões. Com relação as tradições se ancorarem em racionalidades eu discordo pois os fundamentos são trasncendentais e não culturas. A racionalidade é ai posterior, vem a título de comentário ou suporte as várias esferas da realidade. O cultural é posterior e a antropolgia e a sociologia chega bem depois do fenômeno espiritual ter fundado a civilização. Não acho o artigo do Felix genérico. Há ótimas referências e com citações bibliográficas. Um artigo nem precisa ser tão específico assim. Não é um documento acadêmico (graças a Deus). Dizer que ele não foi racional pelo grau de generalização também é estranho. A generalização é inclusive uma das características da racionalidade. Ainda que tivesse sido genérico não foi falacioso, panfletário ou irresponsável. Se ele representa uma minoria não o é por vontade própria. Hoje em dia quem consegue ter uma visão de mundo mais abrangente e profunda que a patrocinada pela mediocridade midiática já é minoria. E uma minoria sem ongs para defesa. abraços

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por RONALDO
4/7/2002 às
14h04 200.249.133.135
(+) RONALDO no Digestivo...
 
A arte da crítica
É sabido que os "custos de entrada" na internet são baixos. Nesse sentido, é mais barato montar na web um site de venda de livros usados do que abrir um sebo numa rua comercial. Fazendo um paralelo com o jornalismo, os custos fora da internet também tendem a ser mais elevados. Como se pode imaginar, jornalistas de sucesso, como Daniel Piza, não "chegaram lá" apenas por serem inteligentes, cultos, articulados, mas porque também e sobretudo lutaram bravamente por seus lugares nas instituições em que atuam. Essa briga por espaço é frequentemente árdua e inclui aturar chefes intratáveis, almoços/jantares intermináveis, granjear simpatias e esquivar-se de armadilhas corporativas, etc. É humano e natural que alguém que tenha brigado tanto olhe com azedume para a nova mídia, no caso a internet, que altera as regras do jogo, reduzindo a importância relativa tão duramente conquistada. Concordo com você que ambos os "setores" só têm a ganhar na medida em que colaborarem mutuamente. Se a um lado, o internético, não chega a ser doloroso estender a mão, ao outro, o do jornalismo tradicional, caberá o bom senso de apertá-la. Evocando Bob Dylan, times they are changing...

[Sobre "Digestivo nº 88"]

por Toni
4/7/2002 às
13h13 200.180.4.212
(+) Toni no Digestivo...
 
Irracionalidades
Ronaldo, há diferentes tradições espirituais na humanidade. A manutenção de valores é uma delas. A busca por maior justiça social é outra. Nem sempre são incompatíveis, e ambas pretendem se ancorar também em diferentes racionalidades. Critiquei – pretendi que racionalmente – o artigo do Felix justamente por ser uma exposição genérica, que chamava de “bantustão” tudo aquilo que parecia lhe desagradar. O que não era, convenhamos, uma forma racional de argumentar. Cabia a ele rebater minha crítica, e não o fez, pelo menos até agora. O que não ajuda muito a sua afirmação de que ele expressa uma luta da “minoria culta e pensante” contra os “irracionais e desinformados”. Saudações.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
11h29 200.154.217.169
(+) Helion no Digestivo...
 
Irracionalidades
Excelente artigo, boa pesquisa e muito oportuno em tempos de irracionalidade como o nosso. A maioria da população "pensante" influenciada que está pela cultura moderna, revolucionária, desconstrucionista, reivindicatória, etc, terá forte aversão aos argumentos. Na verdade, estou quase convencido de que os argumentos não têm mais força contra a maré revolucionária, contra a desinformação e a ignorância. Os valores universais, as contribuições das várias tradições espirituais da humanidade estão sendo mumificadas por essa turba festiva. Creio que uma nova fase de grande irracionalidade está surgindo, dos dois lados, pois toda ação provoca uma reação contrária. Ninguém estará preparado pra isso, a não ser os de cultura e formação intelectual e espiritual.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
4/7/2002 às
09h51 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Dois Maiores Amores
Francisco Cândido Xavier
Geem
(1983)



O Quadro Perdido - a Busca de uma Obra-prima de Caravaggio
Jonathan Harr
Intrinseca
(2006)



Tambourin
Edmond Diet
Ricordi
(1920)



Encontros, Desencontros e Reencontros
Florangela M. Desidério
Paulinas
(1982)



O Maravilhoso Poder das Plantas Edição Ampliada e Atualizada
Eliza Biazzi
Casa Publicadora
(2002)



Tia Júlia e o Escrevinhador
Mario Vargas Llosa
Nova Fronteira
(1978)
+ frete grátis



A Mente de Adolf Hitler
Walter C. Langer
Leya
(2018)



Saara Palco de Redenção
Eurípedes Kuhl; Claudinei
Petit
(2003)



O Evangelho Segundo o Espiritismo
Allan Kardec
Feesp
(1991)



Penguin Readers
Pearson Education
Pearson Education
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês