Ato de pura vaidade | Raul Almeida

busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
>>> Boca Migotto lança livro sobre cinema gaúcho durante o 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que eles disseram antes do último suspiro
>>> Amor muito mata
>>> Garganta profunda
>>> Monte Sinai (reeditado)
>>> Antonio Candido
>>> O Rosto de Cristo
>>> A morte absoluta
>>> Eleições na quinta série
>>> Desenrock-se
>>> Tabus do Orkut
Mais Recentes
>>> Tarzan, o Magnífico - Volume 13 de Edgar Rice Burroughs pela Codil (1959)
>>> Tarzan o Invencível - Volume 11 de Edgar Rice Burroughs pela Codil (1959)
>>> Origami, Darwin e os triângulos mágicos de Carlos Genova pela Escrituras (2012)
>>> Zen Budismo e Psicanálise de D. T. Suzuki / Erich Fromm / Richard de Martino pela Cultrix
>>> Italiano Em 30 Dias: Aprenda um Novo Idioma Em Apenas um Mês Com Cd de Berlitz ; Paola Frattola pela Martins Fontes (2008)
>>> Italiano Em 30 Dias: Aprenda um Novo Idioma Em Apenas um Mês Com Cd de Berlitz ; Paola Frattola pela Martins Fontes (2008)
>>> A longa e sombria hora do chá da alma (Dirk Gently – Livro 2) de Douglas Adams pela Arqueiro (2016)
>>> Feito em Casa - Pães e Fermentos de Dick e James Strawbridge pela Publifolha (2015)
>>> Justiça - O Que é Fazer a Coisa Certa de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Parola Chiave: Dizionario di Italiano per Brasiliani de Carlo Alberto Dastoli pela Martins Fontes (2012)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupré pela Atica (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Somente Sua de Sylvia Day pela Paralela (2014)
>>> Ilhabela Seus Enigmas de Jeannis Michael Platon pela Sportmar (2006)
>>> O Príncipe de Machiavelli pela Exposição do Livro
>>> Doenças Infecciosas e Parasitárias de Ministério da Saúde pela Brasilia (2010)
>>> Os Pensadores - Sartre de Jean Paul Sartre pela Abril Cultural (1978)
>>> Segredos Submersos do Atlântico de Eduardo Meurer pela Termo Ventura (2004)
>>> O Vôo da Cobra de Lucas Izoton Vieira pela Qualitymark (1998)
>>> Moedor de Carne de Eduardo Lisboa pela Humanaletra (2018)
>>> Moedor de Carne de Eduardo Lisboa pela Humanaletra (2018)
>>> Jack Welch: o Executivo do Século de Robert Slater pela Negocio (1999)
>>> Toda Sua de Sylvia Day e Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Aqueles de Brasília de Rubens Ferneda pela Giostri (2013)
>>> Os Pensadores - Piaget de Jean Piaget pela Abril Cultural (1978)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 10/9/2010
Comentários
Leitores


Ato de pura vaidade
A maior parte das centenas ou milhares de criaturas que se pretendem escritoras sabe, muito bem, que não tem a menor chance de "emplacar" um trabalho qualquer, seja uma coletânea de contos, um ensaio, um romance ou mesmo uma autobiografia. A facilidade de se produzir um objeto-livro, independente do conteúdo, bastando pagar e receber qualquer tiragem que caiba no bolso do pretenso autor, está ajudando aos egos mais afoitos, na grande façanha de tornar-se "escritor". O oportunismo também produz "autores" escondidos na sombra dos "ghost-writers" e, aí, tome "celebridade" contando a própria historia de sucesso, meretrizes descrevendo sua gênese profissional etc. e tal... Escrever para si mesmo é catarse, é purgação, é um prazer ingênuo ou um ato de pura vaidade. Se não for para ser lido, pra que escrever? A outra ponta também precisa ter qualidade. Com 51% de adultos sem o ensino médio completo, a coisa fica difícil. Não dá para comparar os mercados brasileiro e americano.

[Sobre "Escrevemos para nós mesmos (?)"]

por Raul Almeida
10/9/2010 às
12h31 189.25.136.227
(+) Raul Almeida no Digestivo...
 
Só agradam aos críticos
Caro Rafael Rodrigues, andei pensando sobre este assunto hoje pela manhã, e, posteriormente, ao receber o e-mail do Digestivo Cultural, encontrei o seu texto, por pura coincidência. Estive exatamente pensando, e me indagando, por que alguns autores, especialmente poetas e contistas, fazem questão de escrever apenas para si, para críticos literários e para alguns outros escritores que gostam do que eles escrevem. Não pensam em momento algum, pelo que percebo, ou se pensam não fica patente este pensamento, no público leitor. Mas eu me refiro sem demagoria, ao cidadão comum, que em sua maioria acaba se distanciando dos autores por acharem os textos de difícil entendimento. Longe de ser político, mas se um escritor não consegue se comunicar com um leitor comum, é porque seu texto está complexo, prolixo, pedante, enfim, creio que só serve para agradar críticos literários, e outros autores que apreciam o mesmo estilo. Bom, por falta de espaço vou ficando por aqui. Abraços.

[Sobre "Escrevemos para nós mesmos (?)"]

por Sergio Tavares
10/9/2010 às
12h23 201.51.88.240
(+) Sergio Tavares no Digestivo...
 
Movimento literário constante
As imagens que marcaram: autor de quadrinhos tratado como popstar e milhares de pessoas consumindo literatura, concordo, são imagens de Bienal. Mas note, o nome já diz: Bienal, movimento a cada dois anos. A educação que transforma o bruto tem que ser diária, cotidiana. A Bienal, sem desmerecê-la, é elitizada, para poucos. Precisamos que saraus, feiras de livros, movimentos literários periféricos sejam incentivados, precisamos que a literatura não tenha apenas palco para estrelas, estas ficam longe da terra. Há que se trabalhar na comunidade em que se vive, juntando a família e amigos para ler uns aos outros, tal qual fazemos para jogos de futebol e último capítulo de novela. Isto, sim, seria impressionante. A Bienal é maravilhosa, mas também, com as verbas e incentivo que tem, não poderia ser diferente. É um evento livreiro que marca a vida, precisamos de movimento literário que componha a vida.

[Sobre "A Bienal do Livro ― diário de bordo"]

por Eliana de Freitas
http://www.elianadefreitas.recantodasletras.com.br
10/9/2010 às
11h48 200.171.248.6
(+) Eliana de Freitas no Digestivo...
 
É preciso pensar nos leitores
Há uma diferença entre escrever para si mesmo e não importar-se com os leitores. Melhor dizendo, escrever para si mesmo é mais "escrever o que quer, sem preocupar-se em agradar", o que é uma atitude correta por parte do escritor, que não se vende a um segmento qualquer, social, político, ou de consumo. Mas preocupar-se com leitores é essencial. No entanto, a dificuldade principal continua sendo a distribuição: eu publiquei um romance às minhas custas, tenho distribuído gratuitamente, pois essa era a finalidade: divulgação. Mas mesmo uma distribuição gratuita é problemática, e, por incrível que pareça, há veículos de divulgação cultural que se recusam a ajudar um empreendimento assim, e mesmo o livro sendo gratuito cobram para divulgá-lo!

[Sobre "Escrevemos para nós mesmos (?)"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
10/9/2010 às
11h41 189.25.91.207
(+) Gil Cleber no Digestivo...
 
Não é tão simples assim
Caro Rafael, querer ser lido é inerente à maioria dos autores, mas atingir este objetivo não é "simples assim". Se você não é um autor conhecido, vai à Bienal para autografar e fica horas sem vender um único livro. Mesmo que você bata altos papos com leitores, troque ideias incríveis, somente um, outro ou mais provavelmente nenhum, comprará o seu livro. A não ser que, além de escritor, você seja bom vendedor. E note que, para chegar lá, no Anhembi, você teve que ter agenda livre, pagar combustível, estacionamento e, se passar o dia, terá que comer. Sem nenhum livro vendido, a verba terá de ter vindo de outra fonte de renda. Outro ponto: se você não está estabelecido por uma editora, não tem ponto de venda na Bienal, nas livrarias ou na Flip. Em Paraty, autores que vendiam seus livros na rua foram repreendidos por policiais. Esses são os fatos que não nos permitem sermos lidos.

[Sobre "Escrevemos para nós mesmos (?)"]

por Eliana de Freitas
http://www.elianadefreitas.recantodasletras.com.br
10/9/2010 às
11h08 200.171.248.6
(+) Eliana de Freitas no Digestivo...
 
Circo político brasileiro
Parabéns pelo excelente texto, Marcelo! Concordo com grande parte dos comentários, mas percebo, infelizmente, que o quadro traumático vivenciado pela política continuará ainda o mesmo enquanto nós, integrantes de uma "elite escolarizada", segundo o comentário feito por Regina acima, formos minoria. Li uma estatística assustadora que reforça os comentários: apenas um em cada quatro brasileiros é completamente alfabetizado, de acordo com pesquisa da INAF de 2005 sobre os indicadores de analfabetismo funcional (Fonte: "Analfabetismo e a Inviabilidade do Brasil", Gustavo Ioschpe). Enquanto for este o quadro, sinto que teremos diversos palhaços fazendo sucesso no circo político brasileiro.

[Sobre "A quem interessa uma sociedade alienada?"]

por Gabriel Marques
http://www.portalconstitucional.blogspot.com
10/9/2010 às
11h00 189.105.115.254
(+) Gabriel Marques no Digestivo...
 
Luta contra a moda e a mídia
Olá, sou poeta gaúcho e muito apreciei o ritmurbano deste teu texto. Uma viagem de comparações e de possibilidades num universo onde a poesia está em primeiro plano. Foi legal saber que no México a vida cultural acontece e é valorizada. Nestes Brasis continuamos lutando contra a moda e a mídia, na sua (des)função diária de alienação popular. Abraço.

[Sobre "Tempo vida poesia 3/5"]

por Ricardo Mainieri
http://www.mainieri.blogspot.com
10/9/2010 às
10h53 201.7.143.5
(+) Ricardo Mainieri no Digestivo...
 
A posteridade depende do hoje
Muito bom teu artigo, Rafael. Pessoalmente, escrevo por necessidade de dizer alto e a outros o que sinto; criar, contar na ficção coisa possível e mesmo tida como impossível de ocorrer. Venho repetindo que nada imita tão bem a vida, que nos choca, espanta e maravilha diariamente. A concorrência com a realidade é, pois, dificílima. Ainda assim, escrevo. E quero ser lido, sim. Edito eu mesmo até o momento minhas publicações: "O dia do descanso de Deus", 2007, novela de minha estreia, uma tragédia em prosa, e "O Império Bandido", 2010, um drama policial. Ofereço meus livros na rede, a amigos, e também volto a bairros onde atuei promovendo a cultura em espetáculos artísticos e oficinas, na minha cidade. Vou, à convite, a conversas em associações de moradores, escolas, saraus poéticos. Penso que a posteridade do que se escreve dependerá do que fizer o escritor hoje. Como fale do mundo que observa ou o imagine, ou mesmo o releia.

[Sobre "Escrevemos para nós mesmos (?)"]

por Adroaldo Bauer
http://retornoimperfeito.blogspot.com
10/9/2010 às
10h32 201.7.143.6
(+) Adroaldo Bauer no Digestivo...
 
Que situação engraçada, essa
Não dá mesmo para atribuir este poema a Borges, e quase acho engraçado visualizar a Sra. Kodama recusando-se a receber os direitos autorais, rsrsrsrs!!! Mas serviu de matéria-prima para um belo ensaio por parte de nossa cara Isabel! Destarte os questionamentos sobre o valor literário, a falsa atribuição do poema dá margem a uma situação que o próprio autor poderia abordar em um de seus contos...

[Sobre "Instantes: a história do poema que não é de Borges"]

por Adalgiso Junior
8/9/2010 às
19h10 189.25.64.117
(+) Adalgiso Junior no Digestivo...
 
Coelho adora Borges
Excelentes esclarecimentos da Isabel. Concordo com a opinião da Camila Silveira e acrescento que o mundo virtual é cheio de textos cuja autoria é atribuída a autores famosos e que não tem nada a ver com eles. Também encontrei uma "preciosidade", o livro "O Aleph", de Paulo Coelho. Mas não é que o Jorge Luis Borges também escreveu um livro com esse título? Donde concluo que Paulo Coelho adora o Borges...

[Sobre "Instantes: a história do poema que não é de Borges"]

por Luzia Helena
8/9/2010 às
18h17 187.113.191.105
(+) Luzia Helena no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Perdas e Ganhos
Lya Luft
Record
(2003)



Era uma Vez... o Corpo Humano - a Respiração
Vários Autores
Globo/planeta
(1995)



O Livro das Formas Vol. 4
Biblioteca Infantil
Biblioteca Infantil



Filosofia para Não Filósofos
Neidson Rodrigues
Cortez
(2011)



Massagem - Tecnicas e Resultados
Carla-krystin Andrade e Paul Clifford
Guanabara Koogan
(2001)



Inteligência Corporal
Edward Abramson
Best Seller



Passion Play
Jerzy Kosinski
Círculo do Livro



Disfunção Cerebral Mínima na Criança
Paul H Wender
Manole
(1974)



O último Moicano
James Fenimore Cooper
Melhoramentos
(1997)



A relação terapeuta paciente em fonoaudiologia
Regina Celi machado Cupello
Revinter
(1995)





busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês