A arte assombrada | Pedro Maciel

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Filas
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Mais Recentes
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Difel (1983)
>>> Não enviem orquideas para miss blandish de James Hadley Chase pela Globo Rs (1967)
>>> Cérebro & Ossos de Pé da letra pela Pé da letra (2021)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/1/2006
A arte assombrada
Pedro Maciel

+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

“Para mim o mistério, o fantástico, existe no cotidiano e é um elemento que respiro com prazer. Adoro filmes de horror, de preferência vampiros. Só leio ficção científica e acredito firmemente na existência de outras dimensões e de infinitos universos paralelos. Acredito também que fadas, gnomos, anjos, demônios são todos habitantes de outras dimensões que atravessam a barreira e surgem no mesmo mundo. Eles deram origem aos nossos mitos ancestrais, o mito do anjo, o mito do demônio. Do bem e do mal”.

As palavras são de Farnese de Andrade, em depoimento inédito de 1976. A partir deste depoimento revelador, pode-se entender a obra e a história de vida do artista. Farnese de Andrade (1926-1996) passou a vida debatendo-se com fantasmas, sonhos e obsessões.

Os objetos do artista revelam os extremos da vida, como a fecundação, germinação, nascimento e morte. Desenhista, gravador, escultor e pintor, é também conhecido como um dos pioneiros da invenção de objetos no Brasil. Desde o início dos anos 60, o artista apropria-se de detritos encontrados em praias, restos de demolições, fragmentos de fotos, oratórios populares, ex-votos e gamelas para criar seus objetos.

O drama de Farnese de Andrade (Ed. CosacNaify), uma espécie de iluminista das sombras, passou-se entre os sentimentos de estranhamento e opressão em relação à religião, à família e à sexualidade. Acreditando ultrapassar o conteúdo da existência que teria quase se esvaído por obra de uma grande angústia, Farnese permaneceu, entretanto, preso ao passado e à sua biografia, a fim de restaurar o seu pensamento atormentado. Recria com as suas soturnas assemblages (obras criadas a partir da justaposição de objetos naturais ou fabricados) uma arqueologia existencial.

“Conheço pouca coisa mais triste do que os trabalhos de Farnese de Andrade”, anota Rodrigo Naves, no esclarecedor texto de apresentação do artista. E prossegue: “Essas cabeças de boneca arrancadas ao corpo lembram maldades da infância. As madeiras gastas de seus trabalhos guardam um tempo esponjoso, que se acumula sobre os ombros e nos paralisa os movimentos. As fotografias e imagens presas nos blocos de poliéster falam de um passado que nos inquieta, mas que não podemos remover ou processar, já que não mais nos pertence.”

Pode-se afirmar que a linguagem barroca de Farnese, além de recuperar as qualidades do ornamental e do cenográfico, busca revelar a essência do tempo. “Seus trabalhos, em vez de serem uma montagem de objetos e imagens, são na verdade uma colagem dos tempos, que, no entanto, tendem sempre a se instalar numa região do passado a que não teremos mais acesso. O mundo da infância, as proibições dos adultos, as interdições imemoriais se reúnem num só espaço, fundem-se, unificam-se de tal forma que jamais poderão ser desvendados. Resta sofrer. Remoer interminavelmente essas culpas sem expiação, essas faltas por que não somos responsáveis, mas que nos vergam sob seu peso”.

O mundo inconsciente, o acaso, os sentimentos afetivos, a religiosidade, e, principalmente, o tempo são matéria-prima de toda obra do artista. Não o tempo de Heráclito que, perplexo com o problema do tempo, pergunta: por que ninguém desce duas vezes o mesmo rio? E nem o tempo do poeta Boileau que diz que “o tempo passa no momento em que algo está longe de mim”.

O que se revela de forma surpreendente nesta obra é que Farnese viveu recolhendo sensações perdidas, memórias inconfessáveis ou coisas imaginadas para traduzir a nostalgia de outros mundos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente em 13 de julho de 2002, no caderno “Idéias”, do Jornal do Brasil.

Para ir além






Pedro Maciel
Belo Horizonte, 9/1/2006

Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/1/2006
09h35min
No assombro do autor, revejo o assombro do personagem-título, quanto ao existir, ao ser e às implicações a que isso nos leva. A aceitação da turbulência interior, expressa no processo criativo do artista enfocado, o teria levado a, durante toda a vida, expressar a densidade das sombras que o envolveram desde sempre, como um manto protetor. No processo deslumbrante de sua inadequação à vida comum, o personagem parece ter-se refugiado no místico e no fantástico – como, aliás, quase todos nós, por mais incrédulos que pareçamos ser...
[Leia outros Comentários de Elizabeth Castro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1500: a Grande Viagem
Paulo Saab
Augustus
(1996)



Drogas, uma Discussão Necessária
Jose Roberto Simao
Ftd
(1997)



O Machado Gentil
R N Morris
Planeta
(2007)



Migração Em Sumaré o Tempo e o Espaço do Migrante
Francisco Antonio de Toledo
Anadarco
(2009)



A Sala Vip
Irving Wallace
Record
(1989)



Tropical Sol da Liberdade
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(2008)



Bolívia Vocação e Destino
Omar de Barros Filho
Versus
(1980)



Anotações para um Livro de Baixo-ajuda
Luiz Arraes
7 Letras
(2005)



Mamãe, Descobri Como Ficar Rico
Paulo Mercavence
Cbje
(2008)



Leadership Magic Myth Or Method
J. W. Mclean
Amacom
(1992)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês