Entrevista com Guilherme Fiuza | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
Mais Recentes
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
ENTREVISTAS

Terça-feira, 1/2/2011
Guilherme Fiuza
Maurício Dias

+ de 39700 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Guilherme Fiuza em foto de Sheila Guimarães

Guilherme Fiuza é colunista da revista Época e autor dos livros Meu nome não é Johnny (Record, 2004), 3000 dias no bunker (Record, 2006), Amazônia, 20º Andar: De Ipanema para o topo do mundo, uma jornada na trilha de Chico Mendes (Record, 2008) e Bussunda ― A vida do casseta (Objetiva, 2010).

Acompanho os textos de Guilherme Fiuza desde os tempos do
site nominimo. Ao ler Bussunda ― A vida do casseta, a biografia que escreveu sobre o saudoso humorista, percebi no livro uma série de questões que me interessavam. A obra é oportuna, sobretudo por não ser apenas sobre o personagem-título, mas uma narrativa sobre um grupo de humoristas/escritores que conseguiram tornar-se realmente influentes no aspecto sócio-comportamental junto ao público.

É retratada a época de criação do
TV Pirata, primeiro programa do qual Bussunda e os Cassetas participaram em continuidade, quando o veículo se permitiu um nível de sofisticação que me parece distante de sua realidade atual.

É mostrado também que empreendimentos que envolvem várias cabeças são sempre sujeitos a conflitos e disputas. Um fato que pode ser constatado no livro é que Boni, o homem que fomentou a
TV Pirata, correu uma série de riscos ao apostar no programa. Curioso que seja pai do principal incentivador dos reality shows no Brasil, os quais, de certa forma, são o anti-TV Pirata; pois, enquanto este tentava levar certa sofisticação ao grande público, os reality shows parecem procurar o menor denominador comum...

Entrei em contato com o autor e combinamos a entrevista, a qual foi feita via
e-mail. ― MD

Você é neto de uma figura ilustre, o doutor Sobral Pinto. Quais as influências deixadas por ele na sua formação intelectual/moral?

Meu avô é reconhecido como grande jurista e um homem arrojado na defesa das liberdades, tendo se destacado na defesa de presos políticos de duas ditaduras (Vargas e militar). Mas o que sempre me chamou mais atenção foi o fato de ser um homem de fé. Não a fé estritamente católica, mas a fé na vida e em si mesmo, que a meu ver embasava toda a sua coragem e seu espírito público.

Há pelo menos dois livros sobre seu avô, um deles escrito pelo professor americano John Watson Foster Dulles. Você acha que a trajetória do doutor Sobral Pinto já foi devidamente contada ou ainda haveria material para mais um livro?

Acho que Sobral Pinto está no hall de personalidades brasileiras que precisam ser resgatadas com mais vigor, sob o risco de passarem a existir apenas na memória dos estudiosos. Este ano completam-se 20 anos de sua morte, acho que seria oportuno um novo projeto biográfico sobre ele. Até porque era um homem muito interessante, apaixonante, capaz de arrebatar as novas gerações.

Sobre o jornalista Guilherme Fiuza. Quando de sua opção pela carreira, quais eram os jornalistas que te agradavam, os que você admirava?

Zuenir Ventura, Fernando Morais, Augusto Nunes, Ruy Castro e Nelson Motta.

Quais áreas você setorizou em seus primeiros anos de redação?

Literatura, depois meio ambiente, no Jornal do Brasil. E política em O Globo.

Como você vê a questão do pluralismo político na mídia hoje, com a internet, em relação ao período em que você deu seus primeiros passos na profissão?

Nos anos 80 ainda havia a sedução dos grandes debates políticos, do voto de opinião, dos oradores brilhantes. A imprensa e o colunismo político tinham mais peso no dia a dia do Congresso e dos governos, porque a opinião pública estava mais ligada nos movimentos e palavras dos líderes. Hoje um percentual bem maior do eleitorado sequer lê jornal, e a internet fragmentou a informação. Não há mais o grande "ponto de encontro" da opinião pública nos principais veículos, ou pelo menos isso se diluiu bastante. Acho que a cobertura política e a política em si vivem uma grande crise de identidade e de representatividade.

Você é alguém que emite opiniões políticas em suas colunas. Tem interesse pelos articulistas que optam por assumir a não-isenção em seus textos?

Acho que há um mal-entendido em relação à questão da isenção. Você pode ser isento mesmo quando opina, mesmo quando forma um juízo sobre determinado assunto e defende abertamente aquele ponto de vista. Acho que falta de isenção é quando você está de alguma forma comprometido com a parte que defende. Sempre deixo claro nos meus textos quem eu acho que está certo ou errado em determinado tema, e não douro pílula ao fazer a crítica. Acho saudável a posição de todos os autores que correm o risco de expressar suas preferências, desde que de forma consistente e não-alinhada.

Você trabalhou no Jornal do Brasil. Quando do encerramento da versão impressa, já não se encontrava lá. Como foi acompanhar de fora o processo de esvaziamento desse veículo tão tradicional e como vê a lacuna deixada por ele para a vida cultural e para o mercado jornalístico do Rio de Janeiro?

Quando entrei no JB, em 1987, ele ainda era uma potência editorial e já era um fracasso administrativo. Desde aquela época se dizia que a empresa estava quebrada. Foi uma pena, especialmente porque não surgiu um substituto, e isso certamente empobreceu culturalmente o Rio de Janeiro e o Brasil.

Um sujeito comum que trabalhe oito horas por dia raramente tem sua vida transformada em livro. O personagem ― real ― que você optou por descrever em Meu nome não é Johnny vendia drogas para jovens. Ao virar personagem de livro e filme, de certa forma ele se tornou um ícone, e está eternizado. Você em algum momento cogitou a hipótese de, como autor, estar contribuindo para a mitificação de alguém que não pode ser considerado um exemplo positivo?

Não procurei oferecer bom exemplo a ninguém. Encontrei uma história que me pareceu rica em termos humanos, jornalísticos e literários, portanto uma história que merecia ser contada.

Qual era sua experiência prévia com audiovisual quando da adaptação de Meu nome não é Johnny para o formato de roteiro ― junto com Mariza Leão e Mauro Lima? Como foi o processo de elaboração, desde o início o trabalho foi em grupo?

O roteiro do filme é de autoria de Mauro Lima e Mariza Leão. Colaborei desde o início do processo, sugerindo cenas e às vezes corrigindo ligeiramente o rumo, mas a estruturação da história para o cinema foi um trabalho do diretor e da produtora. Eu não tinha experiência prévia com audiovisual, e aprendi mais do que ajudei.

Quando se adapta um texto literário para o formato de roteiro são necessários muitos cortes e mudanças. O "autor da obra original" e o "seu lado roteirista" alguma vez se encontraram em um impasse entre a necessidade de reformatar aquele conteúdo e o temor de descaracterizar a obra em que se baseava?

Foram vários os impasses. Acho muito importante no livro, por exemplo, a parte da história que se passa no manicômio judiciário. Todos quebramos muito a cabeça até entender que o filme tinha que desenvolver bastante a fase do protagonista pré-prisão. Tivemos portanto que comprimir fortemente a saga dele no manicômio, com todo o cuidado para não perder os elementos dramáticos que provêm daquela parte da história.

Seu livro Bussunda ― A vida do casseta talvez esteja apresentando a uma nova geração um humor que à época foi altamente inovador, o do programa TV Pirata, o qual não era exatamente o estilo do programa televisivo do Casseta e Planeta. Em janeiro de 2011, o caderno de TV do jornal O Globo promoveu um encontro entre alguns dos atores do TV Pirata. Na ocasião, um dos redatores, Marcelo Madureira, falou que tal experiência hoje seria impossível, pois a TV (aberta) tem de cortejar as classes C e D. Você concorda com esta visão? Acha que a TV emburreceu?

A TV Pirata realmente não seria possível hoje. Não só porque a audiência da TV aberta está mais massificada, mas porque a sociedade como um todo está mais intolerante com certas sátiras a ela mesma, especialmente quando atingem as minorias. Não acho que a TV tenha emburrecido. O público é que perdeu jogo de cintura.

No livro há trechos como aquele em que você relata que a mãe do personagem-título, ao contar histórias para os filhos, "...dava um jeito de inserir nas fábulas infantis os personagens Fidel e Raul, dois irmãos que liberaram uma ilha de um império." (pág. 36, § 6º) Em algum momento do processo de elaboração houve a tentação de emitir suas próprias opiniões sobre os personagens ou sua formação de jornalista estabelecia o relato "sem julgamento" como imperativo?

Não existe esse dilema. O que o autor não pode é abrir mão de seu olhar crítico, com medo de virar juiz da história. Se uma mãe ao ninar os filhos substitui os três porquinhos por Fidel Castro, isso não é o narrador criticando o comunismo. É só um fato sui generis que fala por si e merece ser narrado pelo que revela dessa personagem materna.

Fora este e outros exemplos de doutrinação exercida desde o berço sobre o personagem-título, como a mãe desejar batizar o filho de "Agapanto" (de acordo com o texto, flor associada à revolução cubana), no livro Bussunda ― A vida do casseta, ao falar sobre Mané Jacó ― um ex-agregado do grupo Casseta ― você aponta dificuldades de relacionamento entre ele e o pai já na adolescência: "César Jacobina apoiava a ditadura militar de 1964. Mané Jacó, no movimento estudantil desde os 15 anos, mal tolerava ouvir o pai chamar o golpe de 'revolução'. A rotina de atritos cada vez mais febris levou o garoto a procurar trabalho. Tendo dinheiro poderia ter opinião. Um preço alto para ser ele mesmo em casa, o que saía de graça numa família comunista e libertária como a dos Besserman Vianna (nota: os verdadeiros sobrenomes de Bussunda)." (pág. 162, § 1º) Considera haver algum contrassenso entre este trecho e outros referentes à criação de Bussunda, como "o menino era proibido pela mãe de ver novelas e programas de auditório, considerados alienantes. Não podia ver, em nenhuma hipótese, Amaral Netto, O Repórter." (pág 123, § 6º) Por que um pai que tenta impor opiniões ao filho é caracterizado como repressivo e outro que faz o mesmo seria "libertário"?

Porque nos dois casos há doutrinação, mas na casa de Bussunda havia mais tolerância e liberdade do que na casa de Mané Jacó.

As conversas com os integrantes da Casseta para obter os relatos para o livro foram em grupo ou houve muitos encontros individuais? Qual deles se mostrou mais reticente/inacessível e qual o mais disposto a falar?

Todas as entrevistas foram individuais e todos os membros do grupo se mostraram absolutamente dispostos a contar tudo.

A quantidade de entrevistas necessárias para escrever um livro acaba gerando laços sociais entre autor e entrevistados?

Não necessariamente. Quando a parceria entre o autor e a fonte funciona bem, o que emerge é uma espécie de cumplicidade profissional. O Sergio Besserman, por exemplo, irmão mais velho do Bussunda, tinha sido minha fonte no livro 3000 dias no bunker e essa experiência ajudou bastante no projeto seguinte, na base da confiança mútua. Acredito que a marca da minha relação com ele sempre será, basicamente, a da cumplicidade profissional.

Você tem quatro livros publicados, todos de não-ficção. Costuma ler ficção? Quais autores? Há possibilidade de algum dia experimentar a prática do texto ficcional?

Leio ficção, mas sou chato para ler ficção. Como no romance tudo é possível, a trama tem que me parecer muito convincente para que eu reconheça dramaticidade nela. Meu preferido é Nelson Rodrigues, que me parece o mais honesto de todos em seus delírios. Estou trabalhando neste momento com um projeto de ficção (para TV), e tem sido bem difícil esse exercício de deixar de observar o que o personagem fez, para escolher o que ele fará...

Nota do Editor
Mauricio O. Dias é roteirista de cinema e mantém o blog comoeueratrouxaaos18anos.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 1/2/2011


Mais Entrevistas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/3/2011
11h59min
Nossa, fiquei com uma péssima impressão do Guilherme Fiuza. Nota-se, pelo texto, que o entrevistador leu as obras de Fiuza, se aprofundou a respeito daquele que seria o objeto da sua entrevista. E Fiuza é lacônico, seco em suas respostas. Tudo o que jornalista nenhum gosta - afinal, melhor editar muita informação do que não ter informação. Gostaria de saber qual teria sido a reação do Dom Fiuza se suas fontes de pesquisa para os livros agissem como ele agiu...
[Leia outros Comentários de Marla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




No Meio da Noite Escura Tem um Pé de Maravilha
Ricardo Azevedo
Atica
(2002)
R$ 60,00



Cidade Corrompida
Ross Macdonald
Record
(2000)
R$ 10,00



Direito do Trabalho
Henrique Correia
JusPodivm
(2013)
R$ 45,00



Sciencia Política
Alberto Salles
Senado Federal
(1997)
R$ 22,00



San Francisco: City Guide
Tom Downs
Lonely Planet
(2006)
R$ 28,82



Ame-me porque te amo
J. A. Beltrão
Independente
R$ 10,00



Verbos Españoles Conjugados
Paloma Rubio
Sociedade General Española
(1996)
R$ 33,00



Concurso De Agentes Nos Delitos Especiais - Direito
Mariana Tranchesi Ortiz
Ibccrim
R$ 20,00



Macho do Século XXI
Cláudio Henrique dos Santos
Claridade
(2013)
R$ 10,48



História da riqueza do homem
Leo Huberman
Zahar editores
(1978)
R$ 15,00





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês