Mens sana... um ano depois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2005
Mens sana... um ano depois
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos
+ 4 Comentário(s)


4,8 Km, em Angra, no feriado de Ano Novo

Fez mais de um ano que eu voltei do spa. Fez mais de seis meses que eu comecei a academia. Fez mais de três meses que eu participei da minha primeira corrida. Passada, então, a euforia, as pessoas me perguntam: "E, você? Continua com aquele negócio de mens sana in corpore sano [I, II e III]?" - como se fosse uma fase, uma moda passageira e eu, em algum momento, devesse "desencanar". Continuo. E não porque seja um sacrifício, e eu sinta a necessidade de periodicamente me martirizar, mas porque incorporei os princípios como se fosse uma filosofia de vida - a única em que me dou ao luxo de acreditar.

Como um credo religioso, se você quiser pensar, é difícil convencer as pessoas (e eu nem quero), mas eu sou "outro" desde abril do ano passado. Cada vez mais. Confesso que meu maior medo, durante algum tempo, foi voltar atrás. E eu me agarrava às minhas conquistas quando uma tentação aparecia ou quando eu simplesmente saía da linha. Era uma resposta à recaída ou à sua, aparente e recorrente, ameaça.

Com o tempo, fui percebendo que as tentações eram importantes, e as recaídas, também - para poder voltar. E firmar alguns princípios. É quase impossível esquecer alguns sabores e sensações, e você quer voltar a eles nem que seja para confirmar se eles continuam os mesmos e se eles não te dominam mais. Agora não me lembro da primeira vez em que fui ao McDonald's depois de voltar do spa. Mas não foi a única; nem será a última. Acontece, porém, que aquilo vai perdendo a graça, e você vai perdendo a vontade, mesmo que haja - no fundo - um gosto simples de transgressão no ar. Ou seja: você, de repente, quer lembrar do sabor do hambúrguer na boca; experimenta mas aquilo não te diz nada (ou então, vá lá, não te diz mais muita coisa; ou assim taaanta coisa); recorda por um instante; mas se arrepende logo depois - porque o crime, ou o prazer, não compensa, e é só.

Sempre quando eu como um chocolate (ou alguma outra coisa de que eu consulto as calorias antes), depois, correndo, me lembro de quanto eu preciso para queimar aquele negócio. Um Sensação, por exemplo, que eu resolvi (re)experimentar semanas atrás, exige 15 minutos de corrida ou mais, para ser compensado pelo exercício - afinal, são 180 calorias. Um Big Mac ou McChicken, ou Mc-qualquer-coisa, equivale a 40 minutos, 1 hora - e assim vai... Você sabe o que é uma hora correndo? Sabe o que são 15 minutos? Se soubesse, não comeria. Ou pensaria duas vezes. Ou sei lá. (Ou, melhor, sei: sei que não vale 5 minutos, 10 minutos, 15 minutos... 1 hora.)

Mas o peso, puro e simples, deixou de ser importante. Depois que emagreci 10 quilos (os 10 quilos que almejava) vivo oscilando um quilo ou dois, mas não importa. Deixa de importar porque você ganha outros parâmetros. Eu, por exemplo, sei que - mesmo que continue com o mesmo peso - a massa muscular aumenta enquanto a gordura diminui. A corrida me deu uma "definição" que eu nunca tive, principalmente da cintura pra baixo. Com a Carol, brinco que a minha bunda está diminuindo (o sentador não é mais aquele banco amplo; às vezes, preciso me equilibrar para não machucar o osso...). Não quero ser magro campo-de-concentração; muito menos engrosso o coro do visual top model. Até porque, piadas à parte, estou muito longe, e - como quis frisar - a perda de peso deixa de importar.

Também não fico fazendo musculação. Alias, pelo bem do exercício aeróbico, desde o começo do ano, passei a faltar. (Preciso, inclusive, voltar.) Fiquei tão viciado na sensação de limpeza mental depois de 40, 50 minutos de bicicleta ou corrida que abdiquei das atividades "acessórias". Depois de 10, 12 horas trabalhando, é necessário que eu esvazie a mente pelo desgaste do corpo (desgaste entre aspas). Minha imagem preferida é a da torção de um pano, de um tecido ou de uma roupa suja no tanque. Ou imaginar que estou "zipando" meus problemas, meu trabalho e meu dia, reduzindo, na minha cabeça, o "espaço" que eles ocupam (ou que eles deveriam ocupar).

Meu tio falou que se sente jovem de novo e tem dias em que lhe dou razão: volto, por alguns minutos, a ter 17 anos. A juventude pela juventude é idiota, como sabemos todos; para mim, o mais importante é a sensação de poder tudo de novo. De poder qualquer coisa. De poder, simplesmente, realizar o que parecia, até poucas horas, impossível ou improvável. Essa convicção me levou a mudar uma porção de coisas na minha vida e posso dizer que estou sendo bem-sucedido, embora, muitas vezes, me sinta ainda mais sobrecarregado (os superpoderes trazem super-responsabilidades). Mas, no geral, estou caminhando mais para "o lado bom" do que para "o lado ruim". (Sei que está abstrato e vou tentar exemplificar.)

Aqui, no Digestivo. Eu sempre tive a sensação de que estava começando, às 9 horas, tarde. Voltei do spa e mudei para as 8. Entrei na ginástica e, em alguns meses, mudei para as 7. Parece coisa de workaholic, mas só assim estou conseguindo realizar uma porção de projetos que estavam engavetados. De lá pra cá (não cito na ordem), reinaugurei o Blog. Comecei, e reforcei, minhas colaborações com a mídia off-line (Estadão, O Globo, Rascunho... and so on). Escrevi, finalmente, e pus no ar, um "Manual de Estilo" para os Colunistas. Implementei os Anúncios. Lancei novas e melhores Parcerias. Antecipamos a comemoração de 5 anos de site. Louvamos os 4 anos de Colunas. Os acessos bateram recorde. As menções aumentaram. Viramos revista. Viraremos livro logo mais. Virão as Entrevistas. Veio a Busca. Aberta a empresa, faturamos mais do que nunca (até porque, antes, o faturamento praticamente não existia). Editora. Eventos. Mudanças estruturais. Os planos são muitos. E não param de se realizar, o que é fundamental.

Pode ser que não tenha nada a ver com a minha mudança em 2004; mas eu acho que tem. É impossível não associar.

Antes, trabalhava, trabalhava e a impressão era de que não saía do lugar. No linguajar corporativo, estava sempre apagando incêndio. A rotina, as tarefas rotineiras, digo, devem ser uma parte da vida - e só conseguimos aprimorá-las ou, ao menos, olhá-las de fora, em perspectiva, quando saímos dessa roda-vida. A parada, para o exercício físico, traz isso. A oportunidade de entrar e sair do dia-a-dia, todos os dias, e repensar processos e transformá-los no dia seguinte, na semana seguinte, no mês seguinte... Caso contrário, você embarca num ciclo infinito, que vai te consumindo - e você, eternamente esgotado, não consegue explicar, nem entender, por quê. Afinal, estou fazendo tudo certo, estou cumprindo, estou entregando, estou dando o meu melhor... E nada.

O exercício também traz a convicção necessária para ser um agente transformador (você me desculpe seu eu aqui estiver soando como auto-ajuda). Porque todo mundo sabe o que está errado em sua rotina; ou, pelo menos, tem uma vaga noção. Falta força para começar e persistência para continuar. E para colher frutos. Eu lia esse tipo de conselho no livro do Nuno Cobra (sim, depois de muita insistência, de algumas pessoas, eu li) e achava que comparar as transformações na própria vida à conquista de pequenos objetivos numa corrida fosse balela de preparador físico, mas não é, não. Realmente, existe uma similitude. O desenvolvimento da própria capacidade, a superação dos limites, as vitórias mínimas, de cada dia, encontram, sim, eco na existência do indivíduo. As metas que você traça para o "treino" da semana seguinte se convertem, metaforicamente, em metas profissionais e pessoais; os degraus que você sobe em matéria de condicionamento físico podem ser, no futuro, degraus no mundo do trabalho e no universo da família; as bandeiras que você finca em territórios antes inatingíveis podem ser bandeiras na sua geografia íntima de sonhos e realizações.

Eu continuo com a corrida. Há um tempinho, fui ao Rio com a Carol e demos a volta na Lagoa correndo. É indescritível a sensação. São 7,5 Km. Eu vinha de uma prática de 40 minutos, duas ou três vezes por semana, e quando encarei a Lagoa Rodrigo de Freitas, sem saber exatamente o tamanho do percurso, achava que não ia dar. A Lagoa era grande; passava por todas aquelas montanhas; atravessava praias. Depois de menos de uma hora, estávamos no mesmo ponto onde começamos. Havíamos dado a volta. Não era uma prova oficial; ninguém estava filmando ou fotografando; não guardamos registro nenhum. Era mais para nós. Na verdade, não existem testemunhas para as grandes realizações - porque elas começam pequenas, porque ninguém dá bola pra mais um começo (igual aos outros), e porque só assistimos ao desfecho (ou ficamos sabendo que ele se concretizou). Então você me lê e pensa que foi tranqüilo. E, de certa maneira, foi. Mas você tem de ir lá, correr, para saber efetivamente como foi. Ou tem de correr você mesmo. Que tal? Quem sabe, daqui a um tempo, a gente corre junto. E você ainda vai poder escrever o seu próprio "Mens sana in corpore sano"...

Para ir além
Leia também "Salvem as baleias humanas", mais uma polêmica desperdiçada pela Superinteressante (a outra foi "Jornalista virou commodity", que teve principalmente esta e esta repercussão).


Julio Daio Borges
São Paulo, 10/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Noel Rosa de Fabio Gomes
03. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
04. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
05. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2005
08h32min
Querido Julio, parabéns! Realmente as pequenas conquistas, as metas físicas que conseguimos conquistar (infelizmente também sei o quanto isso custa) encontram eco na exitência do indivíduo como um todo. Só depois de experimentarmos é que podemos sentir o bem que o exercício físico traz!
[Leia outros Comentários de Vera C. Assumpcao]
11/6/2005
14h15min
Só posso dizer que tenho inveja da sua disposição, claro uma inveja saudável! Toda sorte do mundo na sua empreitada, ainda vou seguir seus passos! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Gutemberg Motta]
11/6/2005
21h37min
Pois é, Julio-sem-u, tá lá no Espinosa: o que conspira contra o poder do corpo conspira contra tudo, conspira contra Deus, por isso, caminhe, caminha, e é bem melhor caminhar com a Carol do que em caminhadas evangélicas, creio, ou talvez, sendo amigo da Daniela, que gás, essa mulher, caminhar com ela por tantas espirais, você é mais retilíneo, parece. Eu tremo de pensar em academias, mas veja, era obrigado a caminhar, até por motivos profissionais, andar, andar, e quando você anda realmente pensa melhor, e talvez por estar assim, meio que andando pouco, fico pensando em academias... Bom mesmo é andar nas ruas de uma cidade, imagino o quanto é privilegiado quem pode andar em cidades imensas, e menos perigosas que São Paulo, se bem que andar por São Paulo é uma aventura que nenhum Baudelaire, Aragon, Breton teve sequer a concepção... Tremem os labirintos de Borges, e quem sabe a gente caminha junto por aqui, Julio, sei lá se é melhor no Butantã, Morumbi ou Jabaquara, mas vamos caminhando, e Baccios!!!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
11/6/2005
23h37min
"Oxigenar o cérebro". É bom. Com o músculo cardíaco à toda eu penso melhor. Fica então combinado uma corridinha no barreiro (2km cada volta) antes daquela pizza... Abraço.
[Leia outros Comentários de Emilio Moura]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BARBIE, A PEQUENA ESTILISTA - 1ª ED.
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2013)
R$ 9,89



UM DIA DAQUELES - UMA LIÇAO DE VIDA PARA LEVANTAR SEU ASTRAL
BRADLE TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2001)
R$ 4,00



SOMBRAS DE JULHO
CARLOS HERCULANO LOPES
ATUAL
(1994)
R$ 7,00



LA VIOLENCIA, EL SEXO Y EL AMOR
GILBERT TORDJMAN
GEDISA
(1981)
R$ 19,82



A REFORMA DA LEI S. A. - ATRAVÉS DA LEI Nº10. 303
THEMISTOCLES PINHO E ÁLVARO PEIXOTO
FREITAS BASTOS
(2002)
R$ 24,28



A ESCOLA E A AGRESSAO DO MEIO AMBIENTE
DEBESSE/ARVISET
DIFEL
(1974)
R$ 6,00



100 PRAIAS QUE VALEM A VIAGEM
RICARDO FREIRE
GLOBO
(2008)
R$ 15,00



OS AVENTUREIROS NA GRUTA DO TESOURO VOL 3
ISABEL RICARDO AMARAT
MULTINOVA
(1999)
R$ 39,60



NAVIO FANTASMA Á VISTA OS MEUS MONSTROS
THOMAS BREZINA
MELHORAMENTOS
(2005)
R$ 4,00



CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO
ÁLVARO PÔRTO MOITINHO
ATLAS S. A.
(1963)
R$ 11,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês