Inutilidades e pianos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32327 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Bolo de chocolate recheado de frutas com cobertura de chocolate
>>> Homenagem ao nascimento de Heidegger
>>> Rapper Flávio Renegado solta a voz da periferia no programa Arte do Artista
>>> Cineasta Estela Renner debate formação na primeira infância no Estação Plural
>>> Campo Limpo Celebra 79 anos com grande festa ao público
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
Últimos Posts
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
>>> Insone
>>> Sobre a Filosofia (obrigatória) no ensino médio
>>> Estátuas de areia
>>> Diário de um niilista
>>> 10.049 km pelo Brasil
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Orkut way of life
>>> Blog é coisa séria. Já a Veja...
>>> O grande ausente
>>> O Apanhador no Campo de Centeio
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O Apanhador no Campo de Centeio
>>> Dialogando com o público leitor
>>> Do Surrealismo
>>> História do livro e do leitor
>>> Ascensão e queda do cinema iraniano
Mais Recentes
>>> Manual de Contabilidade Societária
>>> As tardes de um pintor
>>> Capitães da areia
>>> Histórias para o rei
>>> Nada na língua é por acaso
>>> O advogado do diabo
>>> Os limites do sentido
>>> A linguística e o ensino da língua portuguesa
>>> Textualidade e ensino
>>> História da escola em São Paulo e no Brasil
>>> Resenha
>>> Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística
>>> Ensino de gramática: descrição e uso
>>> Pequena gramática do português brasileiro
>>> A emoção e a regra
>>> A fórmula do texto
>>> Descobertas acidentais em ciências
>>> Gabriela cravo e canela
>>> O rei, o Rio e suas hiistórias
>>> Esboço para uma teoria das emoções
>>> Verdes vales do fim do mundo
>>> O Jogador
>>> A Humilhação do Redentor- Encarnação e Sofrimento
>>> Automotivação- ''É Fácil''- O Caminho do Sucesso
>>> As Múltiplas Faces da Velhice no Brasil
>>> Desenvolvendo Relacionamentos Familiares
>>> Manual do Auxiliar de Célula
>>> Noções Básicas de Discipulado - Para Jovens - Jumoc
>>> Manual da Escola de Oraçao
>>> Limites do Sofrimento
>>> Quero Minha Vida de Volta
>>> Quero Minha Vida de Volta
>>> Quero Meu Filho de Volta
>>> Quero Meu Filho de Volta
>>> Piranguçu: a Cidade das Garças
>>> O Noviço o Juiz de Paz na Roça - Objetivo
>>> Meu Vale Encantado
>>> Sonho de uma Noite de Verão - Objetivo
>>> Antologia Brasileira Diamantes II
>>> Mitos Gregos - Objetivo
>>> Sonho de uma Noite de Verão - Objetivo
>>> Princípios para uma Vida Feliz
>>> Um Pastorzinho Peregrino Em Busca da Paz Com Deus
>>> Filhos Brilhantes Alunos Fascinantes (Edicão De Bolso)
>>> Recados Do Corpo E Da Alma
>>> O Menino Mágico
>>> Como Deus Planejou Você - Questões Sobre Sexualidade Graça e Fé
>>> Fiel testemunha: vida e obra de William Carey
>>> 150 Segredos para Criar Filhos Felizes
>>> Saqueando o Inferno - Vol.1
COLUNAS

Quarta-feira, 16/8/2006
Inutilidades e pianos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Tia Lígia

Minha melhor amiga tem uma tia chamada Lígia. A tia Lígia é esposa de um desses caras que passaram a vida se mudando de cidade, de estado, por causa do emprego. Não sei se é funcionário público, do tipo auditor da Receita. Ou se é gerente de banco. Não sei. Mas o cara vivia pulando de galho em galho e a tia Lígia ia atrás. Do mesmo jeito que ela mal conseguia esquentar o assento, ela tinha lá suas mordomias. O empregão do maridão valia as penas previstas. Quando se casou, tia Lígia não sabia que seria assim, tão nômade, mas bem que gostava de ter grana de sobra, fazer boas viagens, ter bons casacos e criar os dois pimpolhos, nascidos entre uma estrada e outra, com mimos de mamãe ricaça.

Tia Lígia nem era muito apegada a nada. Era um transtorno fazer mudança, tirar menino da escola, matricular de novo, arrumar novos amigos para jogar buraco, essas coisas. Mas o maior problema de tia Lígia era o piano. Aquela coisa enorme pra lá e pra cá. E tia Lígia não largava a mão.

O trambolho carcomido por cupins estetas, o diabo do piano que ela punha na sala de toda casa em que morava. Mandava trazer o piano, depois mandava chamar o afinador de pianos, que cobrava uma fortuna. Mas tia Lígia não abria mão do piano. Ele tinha que ser o cenário de toda sala de estar em que tia Lígia morava. O mais interessante, no entanto, era que ninguém em casa, nem tia Lígia, sabia tocar piano.

Antônio

Eu tenho uma amiga casada há muitos anos. Ela é loura, magra, dos olhos tão azuis que deixam a gente cego. Os olhos dela parecem sempre bem cedo. Ela é professora e tem uma fala muito mansa.

A Áurea, minha amiga, é esposa do Antônio, que também é professor, só que de outro lugar. O Antônio teve uma vida difícil, cheia de arritmos que ele não deixou que se metessem nos planos dele. Antônio estudou, trabalhou, casou com a Áurea e teve dois filhos.

A infância do Antônio foi complicada. O pai saiu, a mãe desistiu, a avó reagiu como podia. Antônio cresceu, leu, escreveu e virou professor. Comprou um lote, construiu uma casa e expandiu os planos. Criou os meninos e mudou de vida, junto com a Áurea. Mas embora tudo isso pareça muito evoluído, tem uma coisa que Antônio não saciou na vida: a vontade de tocar piano.

Aquele instrumento grande, bonito e imponente lhe parecia uma jóia de fazer música. O som do piano e os pedais davam em Antônio uma paixão diferente. E bem que Antônio tentou. Insistiu, pediu, sugeriu, insinuou. Queria aprender a tocar piano. Mesmo com toda aquela agenda: "tocar piano bem leva 15 anos". Tempo não era problema para Antônio, ele era vivo que nem gente.

Antônio não desistia. Queria tocar. Não precisava nem dizer outra coisa. Não servia. O piano era o instrumento de cordas mais bonito do mundo. Até que um dia Antônio resolveu pedir. Atravessou, um dia, o caminho da avó e disse, com todas as notas: quero um piano. A avó sorriu. Teve uns dias para pensar. Todo corredor da casa era esconderijo. Antônio sonhava acordado, já tinha planos até de onde pôr o piano. A avó pensava e sofria. Onde já se viu? Um piano no meio da casa? Casa pequena, quarto, sala, banheiro. Onde enfiar um piano? Bobagem de menino que não sabe de nada. Antônio não teria tempo nem dinheiro para ter aulas de piano. Fazer o quê com aquele elefante branco?

Mas Antônio não desistiu. Pediu mais uma vez. Quero muito um piano. E a avó pensou em sanar o problema. Pôs Antônio na aula de datilografia.

Ana

Minha infância foi cheia de instrumentos musicais. O pai tinha o sonho de tocar teclados eletrônicos. Achava lindo. Piano não, porque demora demais a virar pianista, mas teclado é diferente, mais prático, mais rápido. E ler partitura? Era quase um segredo. Até que um dia o pai entrou numa escola de música. Aprendeu muito. Comprou teclado, modelo novo, teclado de móvel ou portátil. A casa cheia de música.

O irmão tocava flauta. Diz a mãe que flauta doce é o instrumento ideal para criança. Musicalização. Solfejo. Sabe solfejar. Daí eu também quis. O curso era o Leila Fletcher. Piano. Eu pedi uma guitarra, mas ganhei o curso de piano.

A professora ensinava a ler partitura e a entender arranjos. Também espetava meus pulsos quando eu os deixava caídos sobre as teclas. Piano é bonito, não posso negar. Mas o piano não era a minha praia. Pedi a guitarra.

Depois veio o professor de violão. Mas como é que eu ia aprender a tocar "Atirei o pau no gato"? Queria tocar muito em dois meses. Ansiedade, calos, cortes, cordas. Foi-se o violão. Mais tarde veio a bateria. Queria tocar Rush em um mês. Pudera. Ninguém quer que um adolescente ganhe uma bateria. Fiquei assim, treinando no colchão da cama, sujeita a batucar nas panelas. Nem isso.

De repente, o clique. O melhor instrumento é aquele que já nasce comigo. Então veio o canto. Esse, sim, atravessou as vontades todas da família. Cantar é bonito, mais do que piano. Um por um, todos juntos, e teríamos formado uma banda, cada um com seus sonhos musicais de infância.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O regresso, a última viagem de Rimbaud de Eugenia Zerbini
02. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2006
17h38min
ana elisa, muito legal! gostei mais da parte romanceada do que da verdadeira. estou curiosa para ver o que o antonio vai achar dessa mistura. eu gostei muito também de você ter colocado que eu sou magra e espero que seja parte do que é real e não do romanceado...
[Leia outros Comentários de Áurea]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PLANETA NÚMERO 8
VÁRIOS
TRÊS
(1975)



LDB E EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO
PAULO NATHANAEL PEREIRA DE SOUZA
PIONEIRA / THOMSON
(2001)



ARTE RETÓRICA E ARTE POÉTICA
ARISTÓTELES
DIFEL
(1964)



JEJUM CURATIVO
MÁRIO SANCHES
MADRAS
(2002)



TEX ITALIANO TUTTO Nº 382 - LA TIGRE NERA
SERGIO BONELLI
SBE
(2003)



LIÇÕES PARA A VIDA 3
JILL MASTERS
PRINCÍPIOS REAIS
(2016)
+ frete grátis



A GAGUEIRA - SINTOMATOLOGIA E TRATAMENTO
CLAIRE DINVILLE
ENELIVROS
(1993)
+ frete grátis



TAPS FOR PRIVATE TUSSIE - 1ª EDIÇÃO
JESSE STUART
DUTTON
(1943)
+ frete grátis



REVISTA PROBLEMAS: VIANINHA: 10 ANOS
SÉRGIO KRASELIS
NOVOS RUMOS
(1984)
+ frete grátis



RETRATO DO ARTISTA QUANDO VELHO
JOSEPH HELLER
COSAC NAIFY
(2002)
+ frete grátis





busca | avançada
32327 visitas/dia
846 mil/mês