Inutilidades e pianos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
31392 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O novo mundo das letrinhas
>>> 'Arqueologia Contemporânea' ressalta curiosidade da arte
>>> Expedições desvenda a história da capoeira no Brasil nesta terça (24/5)
>>> Estúdio Móvel debate conceito de economia verde no mundo contemporâneo
>>> Samba na Gamboa celebra Dorival Caymmi nesta segunda (23) na TV Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ler para ficar acordado
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Nunca fomos tão vulgares
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
Colunistas
Últimos Posts
>>> Adriane Pasa no Canadá
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
Últimos Posts
>>> Ceifadores
>>> Eterna carestia
>>> Transparências
>>> E agora Jose ? Ops, Michel...
>>> Côncavo e Convexo
>>> Lúdico e Trágico
>>> Elisa ou Mutações do feminino
>>> Como passar no doutorado?
>>> Juvenal, de poeta a balconista.
>>> Os madrugadores da Avenida Olívia Flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bonecas russas, de Eliana Cardoso
>>> Marcos Rey e a Idade de Ouro
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> 10 livros de jornalismo
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> A última casa de ópio, de Nick Tosches
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Os escritos rebeldes de um descolonizador
>>> Literatura e operariado
Mais Recentes
>>> 31 Poetas 214 Poemas
>>> O Cancioneiro de Lésbia
>>> Discurso de Primavera e Algumas Sombras
>>> 70 Historinhas
>>> Estorvo
>>> A Estrutura da Bolha de Sabão
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos
>>> Marília de Dirceu
>>> Um Copo de Cólera
>>> Amar se Aprende Amando
>>> O retrato de Dorian Gray
>>> O homem que queria ser rei e outras histórias
>>> Outra volta do parafuso
>>> O coração das trevas
>>> O assassinato e outras histórias
>>> Os sofrimentos do jovem Werther
>>> LEALTADES INVISIBLES- Reciprocidad en terapia familiar intergeneracional
>>> Le corps entre biologie et la psychanalyse- préface de François Dagognet
>>> ANAMNESE- A Filosofia e o retorno do Reprimido
>>> NOSSA VIDA TEM FUTURO- ESCATOLOGIA CRISTÃ 1
>>> Alô,Senhor Deus,Aqui é Anna ( Hallo, Mister Gott, hier spricht Anna ( ilustrações de Silvio Neuendorf)
>>> SARTRE Y SU EXISTENCIALISMO
>>> THE GOD CODE- The Secret of Our Past, the Promise of Our Future
>>> REFLEXÕES SOBRE A HISTÓRIA
>>> Libertando o coração-Espiritualidade e Psicologia Junguiana
>>> HISTÓRIA CONCISA DO TEATRO BRASILEIRO
>>> CULTURA POPULAR BRASILEIRA
>>> LIÇÕES DRAMÁTICAS - João Caetano
>>> MEU DESTINO É PECAR (Nelson Rodrigues)
>>> O MISTÉRIO DA CONSCIÊNCIA - António Damásio
>>> AO ENCONTRO DE ESPINOZA (As emoções sociais e a neurologia do sentir) - António Damásio
>>> RODA VIVA (Teatro) - Chico Buarque de Hollanda
>>> O CÓDIGO DO SER-Uma busca do caráter e da vocação pessoal ( The soul's Code)
>>> ENY E O GRANDE BORDEL BRASILEIRO
>>> DIÁRIOS I e II, de EUGÈNE IONESCO
>>> COLEÇÃO PRIMEIRAS OBRAS (TEATRO)
>>> HISTÓRIA E EFEMÉRIDES DO TEATRO BRASILEIRO
>>> The Mystery of creation according to RASHI- A new translation and interpretation of Rashi on Genesis 1 - VI
>>> Série heróis do AntigoTestamento- Retratos dos personagens notáveis de Adão e Eva a Os 400 anos de silêncio- 33 volumes
>>> JOÃO- introdução e comentário
>>> homem: habitação de Deus- A experiência cristã vivida em profundidade
>>> VEM, SENHOR JESUS- um estudo do livro de Apocalipse
>>> A CIÊNCIA E O CAMPO AKÁSHICO- Uma teoria Integral de Tudo
>>> LITURGIA DA IGREJA
>>> 1984
>>> O TEATRO NO CRUZAMENTO DE CULTURAS
>>> APRESENTAÇÃO DO TEATRO BRASILEIRO MODERNO
>>> A Encenação Contemporânea - Origens, Tendências, Perspectivas
>>> TEATRALIDADES CONTEMPORÂNEAS
>>> ARENA CONTA: ZUMBI
COLUNAS

Quarta-feira, 16/8/2006
Inutilidades e pianos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Tia Lígia

Minha melhor amiga tem uma tia chamada Lígia. A tia Lígia é esposa de um desses caras que passaram a vida se mudando de cidade, de estado, por causa do emprego. Não sei se é funcionário público, do tipo auditor da Receita. Ou se é gerente de banco. Não sei. Mas o cara vivia pulando de galho em galho e a tia Lígia ia atrás. Do mesmo jeito que ela mal conseguia esquentar o assento, ela tinha lá suas mordomias. O empregão do maridão valia as penas previstas. Quando se casou, tia Lígia não sabia que seria assim, tão nômade, mas bem que gostava de ter grana de sobra, fazer boas viagens, ter bons casacos e criar os dois pimpolhos, nascidos entre uma estrada e outra, com mimos de mamãe ricaça.

Tia Lígia nem era muito apegada a nada. Era um transtorno fazer mudança, tirar menino da escola, matricular de novo, arrumar novos amigos para jogar buraco, essas coisas. Mas o maior problema de tia Lígia era o piano. Aquela coisa enorme pra lá e pra cá. E tia Lígia não largava a mão.

O trambolho carcomido por cupins estetas, o diabo do piano que ela punha na sala de toda casa em que morava. Mandava trazer o piano, depois mandava chamar o afinador de pianos, que cobrava uma fortuna. Mas tia Lígia não abria mão do piano. Ele tinha que ser o cenário de toda sala de estar em que tia Lígia morava. O mais interessante, no entanto, era que ninguém em casa, nem tia Lígia, sabia tocar piano.

Antônio

Eu tenho uma amiga casada há muitos anos. Ela é loura, magra, dos olhos tão azuis que deixam a gente cego. Os olhos dela parecem sempre bem cedo. Ela é professora e tem uma fala muito mansa.

A Áurea, minha amiga, é esposa do Antônio, que também é professor, só que de outro lugar. O Antônio teve uma vida difícil, cheia de arritmos que ele não deixou que se metessem nos planos dele. Antônio estudou, trabalhou, casou com a Áurea e teve dois filhos.

A infância do Antônio foi complicada. O pai saiu, a mãe desistiu, a avó reagiu como podia. Antônio cresceu, leu, escreveu e virou professor. Comprou um lote, construiu uma casa e expandiu os planos. Criou os meninos e mudou de vida, junto com a Áurea. Mas embora tudo isso pareça muito evoluído, tem uma coisa que Antônio não saciou na vida: a vontade de tocar piano.

Aquele instrumento grande, bonito e imponente lhe parecia uma jóia de fazer música. O som do piano e os pedais davam em Antônio uma paixão diferente. E bem que Antônio tentou. Insistiu, pediu, sugeriu, insinuou. Queria aprender a tocar piano. Mesmo com toda aquela agenda: "tocar piano bem leva 15 anos". Tempo não era problema para Antônio, ele era vivo que nem gente.

Antônio não desistia. Queria tocar. Não precisava nem dizer outra coisa. Não servia. O piano era o instrumento de cordas mais bonito do mundo. Até que um dia Antônio resolveu pedir. Atravessou, um dia, o caminho da avó e disse, com todas as notas: quero um piano. A avó sorriu. Teve uns dias para pensar. Todo corredor da casa era esconderijo. Antônio sonhava acordado, já tinha planos até de onde pôr o piano. A avó pensava e sofria. Onde já se viu? Um piano no meio da casa? Casa pequena, quarto, sala, banheiro. Onde enfiar um piano? Bobagem de menino que não sabe de nada. Antônio não teria tempo nem dinheiro para ter aulas de piano. Fazer o quê com aquele elefante branco?

Mas Antônio não desistiu. Pediu mais uma vez. Quero muito um piano. E a avó pensou em sanar o problema. Pôs Antônio na aula de datilografia.

Ana

Minha infância foi cheia de instrumentos musicais. O pai tinha o sonho de tocar teclados eletrônicos. Achava lindo. Piano não, porque demora demais a virar pianista, mas teclado é diferente, mais prático, mais rápido. E ler partitura? Era quase um segredo. Até que um dia o pai entrou numa escola de música. Aprendeu muito. Comprou teclado, modelo novo, teclado de móvel ou portátil. A casa cheia de música.

O irmão tocava flauta. Diz a mãe que flauta doce é o instrumento ideal para criança. Musicalização. Solfejo. Sabe solfejar. Daí eu também quis. O curso era o Leila Fletcher. Piano. Eu pedi uma guitarra, mas ganhei o curso de piano.

A professora ensinava a ler partitura e a entender arranjos. Também espetava meus pulsos quando eu os deixava caídos sobre as teclas. Piano é bonito, não posso negar. Mas o piano não era a minha praia. Pedi a guitarra.

Depois veio o professor de violão. Mas como é que eu ia aprender a tocar "Atirei o pau no gato"? Queria tocar muito em dois meses. Ansiedade, calos, cortes, cordas. Foi-se o violão. Mais tarde veio a bateria. Queria tocar Rush em um mês. Pudera. Ninguém quer que um adolescente ganhe uma bateria. Fiquei assim, treinando no colchão da cama, sujeita a batucar nas panelas. Nem isso.

De repente, o clique. O melhor instrumento é aquele que já nasce comigo. Então veio o canto. Esse, sim, atravessou as vontades todas da família. Cantar é bonito, mais do que piano. Um por um, todos juntos, e teríamos formado uma banda, cada um com seus sonhos musicais de infância.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal
02. Os dez mais e os cinco menos da internet de Ram Rajagopal
03. Juventude alquebrada de Bruno Garschagen


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Sobre cafés e diversão 0800 - 11/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2006
17h38min
ana elisa, muito legal! gostei mais da parte romanceada do que da verdadeira. estou curiosa para ver o que o antonio vai achar dessa mistura. eu gostei muito também de você ter colocado que eu sou magra e espero que seja parte do que é real e não do romanceado...
[Leia outros Comentários de Áurea]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NATUREZA EM BOIÕES
VERA REGINA BELTRÃO MARQUES
UNICAMP
(1999)



ALBO SPECIALE N. 23 - PATAGÔNIA 
BONELLI / FRISENDA
SBE
(2009)



MEMÓRIAS LÍQUIDAS
HILDA LUCAS
EDITORA DE CULTURA
(2005)



O RENASCIMENTO DA NATUREZA- O REFLORESCIMENTO DA CIÊNCIA E DE DEUS
RUPERT SHELDRAKE
CULTRIX
(1997)



CONEXÕES
NORMAN LANCE
PLANETA DO BRASIL
(2011)



EXERCÍCIOS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA
ADAPTADOS E ATUALIZADOS POR PE HAROLDO J.RAHM E DRA NÚBIA MACIEL FRANÇA
LOYOLA
(2007)



PERCY JACKSON & OS OLIMPIANOS OS ARQUIVOS DO SEMIDEUS
RICK RIORDAN
INTRÍNSECA
(2016)



EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO, 3 VOLUMES
MARCEL PROUST
EDIOURO
(2004)



O VEREDICTO DE CHUMBO
MICHAEL CONNELLY
SUMA DE LETRAS
(2009)



A CABANA
WILLIAM P. YOUNG
SEXTANTE
(2008)





busca | avançada
31392 visitas/dia
1,1 milhão/mês