Inutilidades e pianos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
26377 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ferreira Gullar reflete sobre a poesia no cotidiano em entrevista ao Estúdio Móvel
>>> Leda Nagle entrevista cantor Zeca Baleiro e ator Adriano Garib no Sem Censura
>>> Baile Tropical chega à 100a. edição com festa no Rio
>>> Editora do Brasil lança Série sobre Temas Polêmicos
>>> Leda Nagle bate-papo com Jorge Aragão e Rosamaria Murtinho no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Dheepan, uma busca por uma nova vida
>>> São Paulo e o medo no cinema
>>> Pokémon Go, você foi pego
>>> Notas confessionais de um angustiado (IV)
>>> A Imagem do Som
>>> A noite do meu bem, de Ruy Castro
>>> Quando (não) li Ana Cristina César
>>> Elon Musk
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
>>> Eu blogo, tu blogas?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> *Sátiros e Ninfa*, etapas da criação
>>> Atrito amoroso
>>> Reverberações
>>> Preservativo para a inconveniência
>>> Se eterno fosse o amor
>>> A história da canção: entrevista Paulinho Moska
>>> O chato
>>> *Black flag*, etapas da criação em GIF
>>> Amor de A, a Z - Poema
>>> Filme: Um dia Perfeito - Fernando Léon Aranoa
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> Para amar Agostinho
>>> Saudade...
>>> Emprego? Exercite o desapego
>>> Festival literário em BH
>>> Il duello
>>> Meu filho e minha mãe
>>> Entrevista com Ryoki Inoue
>>> Como escrever bem - parte 3
Mais Recentes
>>> Para Filosofar
>>> Creio na Vida Eterna
>>> Visão Espiritual-um chamado radical para a verdadeira espiritualidade
>>> O Propósito do Pentecostes
>>> Experiencia y Transformación
>>> Pensando o Corpo e o Movimento
>>> Conhecereis a Verdade
>>> Viver bem apesar de tudo-Desfrutando a vida durante o tratamento
>>> nas Pegadas do Reino- proposta de um itinerário espiritual
>>> O Humorismo
>>> Antologia Internacional do Riso
>>> O Riso - Ensaio sobre a Significação do Cômico
>>> Como se faz Rir e o que penso... quando não tenho em que pensar
>>> Iniciação à Comédia
>>> Comicidade e Riso
>>> Consejos para un Comediante - Ética y Metamorfosis
>>> La Risa (O riso)
>>> Pequena História da Dança
>>> Teatro e Deficiência Mental - A Arte na Superação de Nossos Limites
>>> Fundamentos de la Danza
>>> A Pedagogia do Espectador
>>> Pedagogia do Teatro: Provocação e Dialogismo
>>> Ginástica Acrobática para Desenvolver o Físico
>>> Shiatsu - O Poder do Toque
>>> A pensão Eva
>>> Meditação
>>> Excursão a Tíndari
>>> Temporada de caça
>>> Medicina Indiana Ayurveda
>>> O ladrão de merendas
>>> A primeira investigação de Montalbano
>>> O medo de Montalbano
>>> A voz do violino
>>> Guinada na vida
>>> Um mês com Montalbano
>>> O Ano-Novo de Montalbano
>>> O cheiro da noite
>>> A lua de papel
>>> Água na boca
>>> A forma da água
>>> O cão de terracota
>>> A paciência da aranha
>>> O rei de Girgenti
>>> Os estupradores
>>> Tutancâmon biblioteca egito
>>> Egito mania volume 6
>>> English Plus
>>> O faraó Alado
>>> Brida
>>> O Espírito Santo Na Tradição Ortodoxa
COLUNAS

Quarta-feira, 16/8/2006
Inutilidades e pianos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Tia Lígia

Minha melhor amiga tem uma tia chamada Lígia. A tia Lígia é esposa de um desses caras que passaram a vida se mudando de cidade, de estado, por causa do emprego. Não sei se é funcionário público, do tipo auditor da Receita. Ou se é gerente de banco. Não sei. Mas o cara vivia pulando de galho em galho e a tia Lígia ia atrás. Do mesmo jeito que ela mal conseguia esquentar o assento, ela tinha lá suas mordomias. O empregão do maridão valia as penas previstas. Quando se casou, tia Lígia não sabia que seria assim, tão nômade, mas bem que gostava de ter grana de sobra, fazer boas viagens, ter bons casacos e criar os dois pimpolhos, nascidos entre uma estrada e outra, com mimos de mamãe ricaça.

Tia Lígia nem era muito apegada a nada. Era um transtorno fazer mudança, tirar menino da escola, matricular de novo, arrumar novos amigos para jogar buraco, essas coisas. Mas o maior problema de tia Lígia era o piano. Aquela coisa enorme pra lá e pra cá. E tia Lígia não largava a mão.

O trambolho carcomido por cupins estetas, o diabo do piano que ela punha na sala de toda casa em que morava. Mandava trazer o piano, depois mandava chamar o afinador de pianos, que cobrava uma fortuna. Mas tia Lígia não abria mão do piano. Ele tinha que ser o cenário de toda sala de estar em que tia Lígia morava. O mais interessante, no entanto, era que ninguém em casa, nem tia Lígia, sabia tocar piano.

Antônio

Eu tenho uma amiga casada há muitos anos. Ela é loura, magra, dos olhos tão azuis que deixam a gente cego. Os olhos dela parecem sempre bem cedo. Ela é professora e tem uma fala muito mansa.

A Áurea, minha amiga, é esposa do Antônio, que também é professor, só que de outro lugar. O Antônio teve uma vida difícil, cheia de arritmos que ele não deixou que se metessem nos planos dele. Antônio estudou, trabalhou, casou com a Áurea e teve dois filhos.

A infância do Antônio foi complicada. O pai saiu, a mãe desistiu, a avó reagiu como podia. Antônio cresceu, leu, escreveu e virou professor. Comprou um lote, construiu uma casa e expandiu os planos. Criou os meninos e mudou de vida, junto com a Áurea. Mas embora tudo isso pareça muito evoluído, tem uma coisa que Antônio não saciou na vida: a vontade de tocar piano.

Aquele instrumento grande, bonito e imponente lhe parecia uma jóia de fazer música. O som do piano e os pedais davam em Antônio uma paixão diferente. E bem que Antônio tentou. Insistiu, pediu, sugeriu, insinuou. Queria aprender a tocar piano. Mesmo com toda aquela agenda: "tocar piano bem leva 15 anos". Tempo não era problema para Antônio, ele era vivo que nem gente.

Antônio não desistia. Queria tocar. Não precisava nem dizer outra coisa. Não servia. O piano era o instrumento de cordas mais bonito do mundo. Até que um dia Antônio resolveu pedir. Atravessou, um dia, o caminho da avó e disse, com todas as notas: quero um piano. A avó sorriu. Teve uns dias para pensar. Todo corredor da casa era esconderijo. Antônio sonhava acordado, já tinha planos até de onde pôr o piano. A avó pensava e sofria. Onde já se viu? Um piano no meio da casa? Casa pequena, quarto, sala, banheiro. Onde enfiar um piano? Bobagem de menino que não sabe de nada. Antônio não teria tempo nem dinheiro para ter aulas de piano. Fazer o quê com aquele elefante branco?

Mas Antônio não desistiu. Pediu mais uma vez. Quero muito um piano. E a avó pensou em sanar o problema. Pôs Antônio na aula de datilografia.

Ana

Minha infância foi cheia de instrumentos musicais. O pai tinha o sonho de tocar teclados eletrônicos. Achava lindo. Piano não, porque demora demais a virar pianista, mas teclado é diferente, mais prático, mais rápido. E ler partitura? Era quase um segredo. Até que um dia o pai entrou numa escola de música. Aprendeu muito. Comprou teclado, modelo novo, teclado de móvel ou portátil. A casa cheia de música.

O irmão tocava flauta. Diz a mãe que flauta doce é o instrumento ideal para criança. Musicalização. Solfejo. Sabe solfejar. Daí eu também quis. O curso era o Leila Fletcher. Piano. Eu pedi uma guitarra, mas ganhei o curso de piano.

A professora ensinava a ler partitura e a entender arranjos. Também espetava meus pulsos quando eu os deixava caídos sobre as teclas. Piano é bonito, não posso negar. Mas o piano não era a minha praia. Pedi a guitarra.

Depois veio o professor de violão. Mas como é que eu ia aprender a tocar "Atirei o pau no gato"? Queria tocar muito em dois meses. Ansiedade, calos, cortes, cordas. Foi-se o violão. Mais tarde veio a bateria. Queria tocar Rush em um mês. Pudera. Ninguém quer que um adolescente ganhe uma bateria. Fiquei assim, treinando no colchão da cama, sujeita a batucar nas panelas. Nem isso.

De repente, o clique. O melhor instrumento é aquele que já nasce comigo. Então veio o canto. Esse, sim, atravessou as vontades todas da família. Cantar é bonito, mais do que piano. Um por um, todos juntos, e teríamos formado uma banda, cada um com seus sonhos musicais de infância.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
02. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
03. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/8/2006
17h38min
ana elisa, muito legal! gostei mais da parte romanceada do que da verdadeira. estou curiosa para ver o que o antonio vai achar dessa mistura. eu gostei muito também de você ter colocado que eu sou magra e espero que seja parte do que é real e não do romanceado...
[Leia outros Comentários de Áurea]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ROSAS PARA LEMBRAR
PHILLIP MARGOLIN
ROCCO
(1995)



VANGUARDA E MODERNIDADE
ANATOL ROSENFELD ET AL.
TEMPO BRASILEIRO
(1971)



HISTÓRIA DO TEATRO - ROBERT PIGNARRE
ROBERT PIGNARRE
EUROPA-AMÉRICA
(1979)
+ frete grátis



CULTURA POLÍTICA, QUESTÃO SOCIAL E DITADURA MILITAR NO BRASIL
SILENE DE MORAES FREIRE
GRAMMA
(2011)
+ frete grátis



A VOZ DO VIOLINO
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2001)
+ frete grátis



ADVANCED INTERNATIONAL TRADE: THEORY AND EVA
ROBERT C. FEENSTRA
PRINCETON UNIVERSITY PRESS
(2003)
+ frete grátis



A ESTRUTURA DAS REVOLUÇÕES CIENTÍFICAS
TOMAS S. KUHN
PERSPECTIVA
(2000)
+ frete grátis



STEVE JOBS - A BIOGRAFIA
WALTER ISAACSON
CIA.DAS LETRAS
(2011)
+ frete grátis



EL MAESTRO INTERIOR- EL MAESTRO, EL DISCIPULO, EL CAMINO
KARLFRIED GRAF DÜRCKHEIM
MENSAJERO
(2011)
+ frete grátis



TIJÓN, GONGÓN E OUTROS ESCRITOS
MIGUEL ÁNGEL ASTURIAS
EMBAIXADA DE GUATEMALA
(1999)
+ frete grátis





busca | avançada
26377 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server