Bataille, o escritor do exagero | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
>>> Programa musical Reverbera estreia na TV Brasil, Rádio MEC e web nesta sexta (23)
>>> Elian Woidello apresenta show Vinho barato e Cinema Noir no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
>>> Show de lançamento do Selo Blaxtream reúne grandes nomes do jazz e da música instrumental em SP
>>> Autobiografia de George Sand ganha edição brasileira em volume único
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Objetos de desejo
>>> Matéria prima
>>> Espírito Santo
>>>
>>> Fuga em Si
>>> Frutos
>>> Traço
>>> Criaturas
>>> Homo ludens
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 10 maneiras de tentar abolir o debate
>>> O amor é importante, porra
>>> Satã, uma biografia
>>> Pólvora e Poesia
>>> O que faz de um livro um clássico
>>> O Salão e a Selva
>>> O dia que nada prometia
>>> Ebook gratuito
>>> Palmada dói
>>> Fórum de revisores de textos
Mais Recentes
>>> Drogas e a Família
>>> Drogas, O universo paralelo
>>> Sitiado Em Lagos
>>> O Equilíbrio do temperamento Através da Música
>>> Cultura no Mercosul: uma política do Discurso
>>> Cristo Cósmico
>>> Coleção Série Princípios
>>> Vidas descoloridas, como Paulo se perdeu para as drogas.
>>> O Livro das Virtudes Uma antologia
>>> A Espiã
>>> Quarta-feira de Cinzas
>>> Cruzando o Paraíso
>>> A poética migrante de Guimarães Rosa
>>> Obra Reunida
>>> Dicionário Latim-Português Português-Latim
>>> Contos Mineiros
>>> Box Coleção História da Vida Privada
>>> Coleção de livros
>>> A Crônica
>>> Zen Budismo e Psicanálise
>>> A Essência do Eneagrama - Manual de Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade
>>> Guerra e Paz
>>> Depois da Morte
>>> Doze Reis e a Moça do Labirinto do Vento
>>> As Noites Difíceis
>>> Luxo
>>> Fome, Catástrofe Provocada pelo Homem? (Sociologia/Geografia Humana)
>>> Os Irmãos Karamázovi - Fiódor Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Ana Karênina - Leon Tolstói (Literatura Russa)
>>> Almas Mortas - Nicolai Gogol (Literatura Russa)
>>> Pais e Filhos - Ivan Turgueniev (Literatura Russa)
>>> Os Imortais da Literatura Universal (Biografias) Volume III
>>> Processamento de Dados
>>> Teilhard e a Vocação da Mulher
>>> Falsa Identidade- A Conspiração para Reinventar Jesus
>>> Olha para Mim
>>> The Nature of Technology: What it is and how it evolves
>>> Digital Futures for Cultural and Media Studies
>>> Creative industries
>>> Everything is workable: A zen approach to conflict resolution
>>> i of the vortex: From Neurons to self
>>> Arquivos do mal-estar e da resistência
>>> Linked: A nova ciência dos networks
>>> O segundo mundo: Impérios e influência na nova ordem global
>>> O médico quântico: Orientações de um físico para a saúde e a cura
>>> Viver de música: Diálogo com artistas brasileiros
>>> Reagregando o social: Uma introdução à teoria do Ator-Rede
>>> I Ching: Uma nova interpretação para os tempos modernos
>>> O século da canção
>>> Em busca de uma psicologia do despertar: Budismo, Psicoterapia e o Caminho da Transformação Espiritual Individual
COLUNAS

Terça-feira, 23/10/2007
Bataille, o escritor do exagero
Daniel Lopes

+ de 5800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Georges Bataille (1897-1962) foi um exagerado. Sua proposta intelectual foi nada menos que desvendar a totalidade da condição humana. Mesmo que soubesse ser isso impossível, não poupou esforços em sua busca e, para tanto, dedicou-se à ficção e à filosofia, que por sua vez englobava os mais diversos ramos do conhecimento. E, enquanto é bastante comum que escritores tenham sua ficção invadida por sua história pessoal e por suas idéias filosóficas, podemos dizer que poucos conseguiram se igualar a esse francês no que toca ao seguinte ponto: nele, essas três esferas formam um triângulo que em nenhum momento consegue ser rompido.

Assim é que eu encontrei no prefácio escrito para sua novela Madame Edwarda (inédito no Brasil) a filosofia que norteia toda sua obra. E assim é que lemos nas "reminiscências" de Histoire de l'oeil (no Brasil História do olho, Cosac Naify, 2003, 138 págs.) as experiências pelas quais o autor passou na infância e que basearam a construção dessa história de outra forma estranhíssima. Volto já a esses pontos.

Antes, é preciso dizer que também na vida pessoal Bataille freqüentou os extremos. Se, filho de pais não religiosos, após a morte destes resolveu adotar o cristianismo, chegando a matricular-se num tradicional seminário em 1917, na década de 30 ele se tornaria um membro do Círculo Comunista Democrático. Isso para, no final das contas, ficar conhecido como o "novo Marquês de Sade" - só que um Sade surrealista!

Mas, à Histoire de l'oeil. Como é de praxe em Bataille, trata-se de um livro pequeno, que narra as aventuras de dois jovens de dezesseis anos (de dezesseis anos!) que saem em busca do prazer que os sentidos podem proporcionar. Os jovens - Simone e o narrador - se conhecem numa praia, e, a partir de então, passam a dar asas à imaginação.

Não se trata, no entanto, de um livro que possa ser classificado como pornográfico e ponto final (como o foi logo após ser lançado, em 1928). Bataille tinha uma visão peculiar da realidade, que, numa peça de ficção, deveria ser mostrada em seu extremo. Onde encontramos isso dito explicitamente? No citado prefácio a Madame Edwarda: "O que significa a verdade fora da representação do excesso, se assim não vemos o que excede a possibilidade de ver, o que é intolerável de ver, como o que, no êxtase, é proibido de ser fruído? Se assim não pensamos o que excede a possibilidade de pensar...?"

A realidade extremada inclui a inversão de papéis. Assim, em Histoire..., é a mãe que surpreende a filha (Simone) em atos, hum..., heterodoxos com seu colega (o narrador), quando na maioria dos contos e romances o que ocorreria, no máximo, seria a filha surpreender a mamãe com a boca na botija do papai ou de outrem. E qual a reação da filha ao ser surpreendida pela mãe? Ela ordena: "Faça de conta que não viu nada". E assim se fez.

E, quando um bando de pré-adolescentes se reúne, o resultado não é o que comumente se esperaria, mesmo se imaginamos alguma diversão entre eles. A congregação da meninada dá nisso: "Resultou um odor de sangue, de esperma, de urina e de vômito que fazia recuar de horror". De fato, os personagens de Bataille só atingem o prazer por meios não convencionais. Assim, pululam em cada página os líquidos vitais - não apenas suor, sêmen e saliva, como também muito sangue e urina. São eles que, digamos assim, lubrificam a máquina da novela, e a mantém seguindo em frente.

Nos extremos de Bataille, obviamente não poderia faltar o sacrilégio. Simone, o narrador e um senhor inglês amigo dela vão aprontar das suas na Espanha - lugar-chave na formação do escritor, pois foi lá que ele descobriu e se impressionou com a tourada (presente na Histoire...), e onde deixou-se apaixonar por Nietzsche. No país ibérico, dentro de uma igreja, o trio envolve em orgia um pacato padre, que, mesmo a contragosto, tem ereção, goza e morre. Na seqüência, tem seu olho arrancado pelo inglês, a pedido de Simone, que quer realizar a fantasia de enfiá-lo no próprio ânus. Antes de morrer, o padre teve de escutar a "missa" que o inglês rezou a Simone: "(...) essas hóstias que você vê são o esperma de Cristo em forma de petit gâteau. Quanto ao vinho, os eclesiásticos dizem ser o sangue. Eles nos enganam. Se fosse mesmo o sangue, eles beberiam vinho tinto, mas eles bebem vinho branco, sabendo bem que se trata da urina".

Todas as referências a olhos e ânus ficam mais ou menos esclarecidas no texto que o autor escreve ao final do livro. É onde explica que foi filho de um pai sifilítico que acabaria cego e de uma mãe que, com a doença do marido, começara a se comportar como uma louca, tendo que ser vigiada pelo filho. "Na puberdade", lemos, "a afeição que eu sentia por meu pai se transforma em uma inconsciente aversão". A imagem da brancura dos olhos que não mais enxergam passa a repugná-lo. E Bataille fecha esse posfácio com um parágrafo que ilumina Histoire de l'oeil: "Essas lembranças, geralmente, não me incomodam mais. Elas, depois de longos anos, perderam o poder de me incomodar: o tempo lhes a neutralizado. Elas não podem retornar à vida a não ser deformadas, irreconhecíveis, sendo, ao curso da deformação, revestidas de um sentido obsceno".

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 23/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
04. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
02. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/10/2007
01h03min
Daniel nos deixa mal acostumados, pois torna a resenha tão agradável, que a vontade é seguir lendo o original e comentando com ele (Daniel), que só faz enxergar onde, normalmente, nosso míope olhar não alcança.
[Leia outros Comentários de Paulo Vilmar]
9/12/2007
11h20min
Muito interessante o texto. Talvez, via O Erotismo, chamá-lo de pensador "do excesso" ou da "pletora", seria mais interessante do que do "exagero", precisamente por Bataille ter diante das vistas uma coleção de pensamentos "da falta". Muito interessantes também as considerações do Fucô sobre ele. Muito boas as referências, especialmente das obras literárias! um abraço,
[Leia outros Comentários de Catatau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
PARMA
(1973)
R$ 5,00



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
ESTADÃO KLICK
(1997)
R$ 5,00



INOVAÇÃO EM AMBIENTES ORGANIZACIONAIS
MARCOS MUELLER SCHLEMM ORG.
IBPEX
(2005)
R$ 8,00



O ESPIRITISMO E O CLERO CATÓLICO
LÉON DENIS
CELD
(1995)
R$ 16,80
+ frete grátis



O POLVO ANIMADO
RUTH GALLOWAY
CIRANDA CULTURAL
(2010)
R$ 15,00



IMPÉRIO SOBRE OS TRILHOS II
FERNANDO GONÇALVES BRAME
GRAMMA
(2012)
R$ 58,00



BRINCANDO COM FOGO
PETER ROBINSON
RECORD
(2007)
R$ 18,00



EINSTEIN- OU A CRIAÇAO CIENTÍFICA DO MUNDO
MICHEL PATY
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2008)
R$ 17,60



O MENINO NO ESPELHO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1985)
R$ 11,00



CAPITÃES DA AREIA OBRAS ILUSTRADAS DE JORGE AMADO
JORGE AMADO
LIVRARIA MARTINS
(1970)
R$ 5,00





busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês