Eu, tu, íter... | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Twitter

Quarta-feira, 9/7/2008
Eu, tu, íter...
Guga Schultze

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Estava lendo, aqui no Digestivo, o ensaio de Luli Radfahrer, sobre o fim do e-mail, e pensando sobre o Twitter. Minha mãe tinha um tweeter na pia da cozinha, aquele pequeno triturador acoplado no ralo da pia. Mas o Twitter, que de certa forma também mastiga a comunicação, vem de tweet, que é o tititi dos passarinhos, em inglês. Muito mimoso, né? Hitchcock ia gostar disso.

Mas o e-mail é uma ferramenta com uma característica muito boa ainda: permite que você escolha o que ler, qual a mensagem que você quer ler. O hábito muito educado de escrever o "assunto" de um e-mail é fundamental. Tem e-mail que a gente não lê, que a gente simplesmente descarta e esquece. Com um pouco de prática você já reconhece a mala sem alça na primeira olhada.

O e-mail indesejado chega até você, mas não te contamina com sua mensagem chata. Você o descarta, você tira ele da frente dos seus olhos e segue sua vida em paz. A coisa é sutil: o e-mail passa essa sensação. Usando o e-mail você tem a impressão de que sua privacidade ainda está resguardada, esse é o diferencial. E essa impressão conta. Alguém poderia dizer que no Twitter, por exemplo, você não tem essa escolha. Claro, você escolhe quem seguir, mas o Twitter torna evidente que você não sabe fazer escolhas muito bem. Don't be a twit (pateta), mas às vezes não dá.

O Twitter torna visível, pra você mesmo, que você feqüentemente faz péssimas escolhas, que você não é tão esperto como tinha pensado, que você não passa de um desinformado em potencial, tentando acompanhar o ritmo de extraterrestres e suas mensagens criptografadas. Você sente vergonha de perguntar sobre todas aquelas siglas, todas aquelas expressões estranhas, todos aqueles nomes completamente desconhecidos que o sujeito que você "segue" tem o prazer perverso de postar.

Em suma, o Twitter é excludente. Para a grande maioria dos mortais, os não-iniciados, o Twitter diz exatamente isso: você é um não-iniciado. Não importa que os números me desmintam e que o Twitter esteja congestionado com milhões de usuários e que esse número aumente. Ele aumenta porque o Twitter é mesmo rápido, fácil e tem tudo para ser o território ideal do solipsismo. Tudo, absolutamente tudo, que reforçe o solipsismo natural do "cerumano" ― esse ser notável ― tem seus milhares de adeptos instantâneoas. Vamos ao Houaiss:

"Solipsismo:
substantivo masculino
1 Rubrica: filosofia.
doutrina segundo a qual só existem, efetivamente, o eu e suas sensações, sendo os outros entes (seres humanos e objetos), como partícipes da única mente pensante, meras impressões sem existência própria [Embora freq. considerado uma possibilidade intelectual (caso limite da filosofia idealista), jamais foi endossado integralmente por algum pensador.]
2 Derivação: por extensão de sentido.
vida ou conjunto dos hábitos de um indivíduo solitário"

Bem no meio da conectividade, da comunicação global massiva e sem fronteiras, da velocidade e instantaneidade do grande fluxo da informação mundial, está o germe do solipsismo absoluto. Tuiteiros são solipsistas natos. Existe alguma comunicação efetiva. Alguns gatos pingados trocam miados entre si e usufruem dessa possibilidade de uma forma inteligente ou, pelo menos, útil. Mas a própria pergunta inicial, que o Twitter coloca na porta de entrada, What are you doing?, o que você está fazendo, o que você anda aprontando, é um convite delicioso ao onanismo virtual.

As pessoas ouvem músicas e te avisam: "Ouvindo G.K.Tatoo, Simpsons botox at the devil's instance, oh mygod!" .

As pessoas dão notícias: "No BCT, imigrantes trocam vistos de entrada por DLs do Nick do Assholding CO."

As pessoas se confessam: "Uso pince-nez como piercing, mas não tolero a cara do Salamin Cornwall."

Você pensa: What a hell??? Mas até que é divertido. E você vai na onda e tasca: "Chegando em casa, ouvindo SPLHCB e pensando na tatuagem de oncinha da vizinha." Por que não?

Mas é impossível ler tudo. Aos apologistas da comunicação instantânea, ininterrupta e massiva: é humanamente impossível ler tudo. Muito menos absorver tudo. E, mesmo que fosse possível, você cairia numa esquizofrenia virtual. São milhares de assuntos, a seqüência deles é caótica e o requisito para entrar nessa corrente é: aprenda a ser indiferente, aprenda a ser leviano, breve e razoavelmente inconseqüente. São conselhos que, se fossem para orientar uma vida, você não daria a seu filho, se tiver um.

É curioso notar que na era da comunicação total, você precisa aprender a criar filtros, justamente para bloquear grande parte dessa comunicação. Saber filtrar o que interessa é tão ou mais necessário do que a informação em si. Você tem que estar consciente das suas prioridades o tempo todo, porque você simplesmente não tem mais tempo disponível a perder. Seu radar tem que estar muito bem ajustado, para separar o que é relevante do que não é.

A informação excessiva quase exige que você se torne um especialista, seja no que for. Um especialista, como disse o Millôr, é aquele sujeito que só não ignora uma coisa. E eles formarão nichos, e os nichos de especialistas não conversarão entre si. Profecias de Cassandra, minha triste princesa.

Sou dos que acham que uma pessoa que tem, digamos, cinqüenta e dois amigos, não tem quase nenhum. Acho que o ser humano tem uma capacidade natural de ter de oito a treze amigos e cento e quarenta e quatro conhecidos, fora os parentes e namorada(o)s. Não compilei os números, não fiz a pesquisa estatística e nem pretendo. Também desconfio que a minha intuição é genéticamente muito antiga, digamos, por volta de 40.000 a.C., quando os Cro-Magnons andavam, tribalmente, aprontando pela Europa e costumavam dizer: lutaremos até a morte para sobreviver. Dããã. Um contra-senso, mas aqueles Cro-Magnons eram realmente muito doidos.

De forma que gosto de encher o saco dos profetas da nova ordem, os apologistas da Matrix, que gostam muito da idéia, não de se libertar da Matrix, mas de ficar dentro dos seus casulos, em comunicação perpétua com outras borboletas em potencial, usufruindo de uma mente coletiva, criando uma realidade comum e sonhando um sonho comum de máxima produtividade, máxima eficiência e prazeres cor-de-rosa, muito educados e criteriosamente planejados. Mas, encher o saco dos caras é só um pequeno prazer, onanista e bobo, da minha parte. Não levo muita fé, porque sei que remo contra a corrente.

E, para não dizer que não falei de flores, o Twitter tem suas vantagens. É ótimo para quem tem alguma coisa a divulgar: um site, um negócio, uma obra, o que for. Você faz sua simpática propaganda e provavelmente colhe resultados. O fato de escrever com 140 toques também já filtra os mais verborrágicos e os que não têm o que dizer ― ainda que alguns insistam em postar numa seqüência sem fim ―, de forma que o Twitter mantém um nível, digamos, mais alto no quesito "um mínimo de inteligência", o que já é muito. Em relação ao Orkut, por exemplo. Sinto muito, mas eu experimentei o Orkut por dois meses. Procurei, por exemplo, grupos que eu julguei que seriam interessantes e que se mostraram tão aquém das minhas expectativas mais simples, que eu desisti. Das duas, uma: ou fui exigente demais ou o nível era baixo demais. Não sou presunçoso ― nada além do normal ― mas vou ficar com a segunda hipótese.

E, por último, penso que devo informar aqui que eu estou no Twitter. Quase escrevi que eu uso o Twitter. Não uso. Não tem nenhuma utilidade para mim, no momento. Vou lá para me divertir um pouco, o que já é muito. Há alguns dias postei uma bobagem por lá, porque estive lendo umas coisas do horóscopo chinês ― aquele negócio do ano do rato, ano do tigre etc ― e escrevi que descobri o meu ano: o ano nimato. No que me diz respeito, acho que acertei na mosca.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 9/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
03. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
04. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


Mais Especial Twitter
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2008
19h46min
A questão é complicada mesmo. Mas, sem sentirmos, vamos selecionando o que nos interessa e acabamos numa rotina internética. Às vezes, temos a grata surpresa de encontrarmos algo muito bom, que, de uma certa maneira, vai fazer parte da nossa seleção. Na maioria das vezes é uma decepção. Ainda bem que existem caras como você que fazem valer a pena esses passeios pela internet. Acho que vou comprar um Twitter para minha pia. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
19/8/2008
00h58min
Me parece que você volta à discussão "internet isola as pessoas", com um novo recurso para criticar. Concordo que o Twitter não tem ainda, se é que um dia terá, utilidade. É uma ferramenta efêmera, que promove o passageiro. Mas não concordo em nada com o solipsismo. Não enxergo gente solitária, vejo pessoas que querem compartilhar algo e que entendem que não precisam ficar restritas ao universo em volta (casa, escola, clube, faculdade etc) para fazer isso. E se o Twitter é uma via que leva a esse compartilhamento, ótimo! Grande abraço!
[Leia outros Comentários de rafael bucco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LEITURA DA SORTE NA UMBANDA E NO CANDOMBLÉ - 1ª EDIÇÃO
OMIRAN ONIDAJÓ
PALLAS
(2009)
R$ 36,00



O CAMINHO DA FELICIDADE
HUBERTO ROHDEN
ALVORADA
R$ 5,00



ESPAÑOL PARA TODOS LIBRO 3
EQUIPE DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE DE SALAMANCA
ÁTICA
(2002)
R$ 19,99



DRINK MORE WHISKEY
DANIEL YAFFE
CHRONICLE BOOKS
(2013)
R$ 75,00
+ frete grátis



MEMÓRIAS DE UM GIGOLÔ
MARCOS REY
ÁTICA
(1986)
R$ 7,90



SNOW FLOWER AND THE SECRET FAN
LISA SEE
RANDOM HOUSE
(2005)
R$ 22,28



UMA VIDA EMPOLGANTE A SERVIÇO DA DEMOCRACIA MAC ARTHUR
BOB CONSIDINE
CALVINO LIMITADA
(1943)
R$ 350,00



OS MORTOS NÃO SÃO BENVINDOS
NELSON SALASAR MARQUES
E. DO ESCRITOR
(1978)
R$ 14,99



NAÇÕES DO MUNDO - ESCANDINÁVIA
MARTIN MANN (EDITOR)
CIDADE CULTURA
(1987)
R$ 15,00



MEMÓRIAS EM LINHA RETA
FRANCO MONTORO
SENAC
(2000)
R$ 32,83
+ frete grátis





busca | avançada
41460 visitas/dia
1,4 milhão/mês