Palavras que explodem no chão | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
35052 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
>>> Lançamento: Smoked Rib Burger é a mais nova atração da Stage Burger
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Blogs
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Apontamentos de inverno
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
Mais Recentes
>>> Para entender Michael Jackson - Margo Jefferson (Biografia)
>>> Michael Jackson: Uma história sem fim. Revista Pop Star - Antero Leivas
>>> Michael Jackson: A vida, a música, o fim. Revista Bizz (Edição de Tributo)
>>> Nos idos de Março: A ditadura militar na voz de 18 Autores Brasileiros
>>> Fúria - Salman Rushdie (Literatura Indiana)
>>> A Clemência - Sêneca (Literatura Latina)
>>> Guernica: A tela de Picasso - Gijs van Hensbergen (Pintura/Biografia)
>>> Hermandad de Bordadoras y Tejedoras de Belén y Gigantería - Em ESPANHOL (Bonecos e Cultura Popular em Cuba)
>>> O Brasil, o povo e o poder - Miguel Arraes (História do Brasil)
>>> Karaíba: Uma história do Pré-Brasil - Daniel Munduruku (História do Brasil)
>>> Gregos: Vida Cotidiana - John Guy (Cultura Grega)
>>> A sociedade de todos os povos - José Arrabal (Literatura brasileira)
>>> Brizola e o Trabalhismo - Moniz Bandeira (Política/Trabalhismo)
>>> O desafio Amazônico - Samuel Murgel Branco (Ecologia/Política)
>>> As veias abertas da América Latina - Eduardo Galeano
>>> A crise do "Milagre": Interpretação crítica da economia brasileira - Paul Singer
>>> Economia Política do Trabalho - Paul Singer
>>> Igreja e Estado em Tensaõ e Crise - Thales de Azevedo (História e Religião)
>>> A Hegemonia dos Estados Unidos e o Subdesenvolvimento da América Latina - Celso Furtado
>>> O Partido Comunista na Gênese do Populismo - Arnaldo Spindel
>>> Geopolítica na América Latina - Nelson Bacic Olic
>>> Política e Rebelião nos Anos 30 - Marly Vianna (História do Brasil)
>>> O Império de Carlos Magno - Carl Grimberg (História Universal)
>>> Reforma Agrária: A luta pela terra no Brasil - Isaac Akcelrud
>>> Eternidade por um Fio - Terceiro Livro da Trilogia do Século
>>> Inverno do Mundo - Livro 2 da Trilogia o Seculo
>>> A Fé de Abraão
>>> Variantes Na Visualidade
>>> Satisfação Do Cliente - A Outra Parte Do Seu Trabalho
>>> Relatos De Sonhos E De Lutas
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Botânica Criptogâmica Volume 1 - Algas E Fungos
>>> Histórias Para O Coração
>>> A Garota no Trem
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> A Doçura Do Mundo
>>> A Expedição Kon Tiki
>>> Loucuras Do Futebol - 288 Histórias Reais E Absurdas
>>> Nuances Da Memória
>>> O Batuque Afro-brasileiro De Nélson Silva
>>> Tibério: As Memórias Do Imperador
>>> Manual Del Karma
>>> Eras Livro 1: Despertar
>>> A Condição Humana
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Romance Negro E Outras Histórias
>>> Dás Um Banho - Roberto Alves: O Rádio, o Futebol e a Cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> Cidade Democrática
COLUNAS

Sexta-feira, 19/6/2009
Palavras que explodem no chão
Marta Barcellos

+ de 4100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

O papo on-line corria solto, a partir de um link qualquer sobre monetização de blogs. Um participante do grupo, fazendo piada sobre o próprio desempenho como blogueiro empreendedor, revelou ter obtido por meio do AdSense um fabuloso lucro de US$ 0,57, o suficiente para comprar uma carteira de Derby. Um de seus interlocutores, provavelmente não fumante, sentiu a necessidade de uma comparação mais próxima, e lembrou que daria também para adquirir um pacote de estalinhos.

"O que é estalinho?", perguntou o blogueiro ex-fumante, fazendo desaparecer subitamente o tom jocoso da conversa. Eu, que às vezes me sinto infiltrada no grupo de colaboradores do Digestivo, entre tímida e ocupada demais para participar, percebi a enrascada de quem tinha feito a comparação. Como você, leitor que sabe o que é um estalinho, provavelmente morador do eixo Rio-São Paulo, faria uma descrição rápida e por escrito do que se trata?

No impulso, o não fumante foi explicando: "Ah, é um trem que a gente joga no chão..." Aqui a interrupção é minha. Um mínimo dos vocábulos usados no Rio e em São Paulo eu domino, porque morei nas duas cidades. Em assuntos relacionados ao universo infantil, considero-me quase especialista, já que presenciei a transformação de "bexiga" em "balão", "escorregador" em "escorrega" e "bolacha" em "biscoito" no ainda parco vocabulário da minha filha, na época da mudança. Estalinho, eu poderia garantir, faz parte de ambos os idiomas, "paulistês" e "carioquês". Mas nenhum paulista ou carioca se referiria a um artefato do tamanho de uma ervilha como a um "trem". Pelo visto, os domínios do estalinho eram maiores do que eu imaginava, deviam chegar também a Minas Gerais.

Enquanto eu tentava buscar no cérebro registros de "trens" pequeninos além-Minas, para não rotular precocemente o não fumante de mineiro, um outro participante do grupo, remetido ao universo lúdico-infantil, conseguiu colocar mais ruído na conversa. "Acho que estalinho é o mesmo que biriba em São Paulo", arriscou. Tinha confundido as brincadeiras: saiu da festa junina e foi parar no carteado. Ou eu estaria enganada dessa vez? Uma busca rápida no Aurélio confirmaria a minha suspeita de que o outro nome dado ao jogo biriba é buraco, e não estalinho. Mas acabei fazendo nova descoberta: além do jogo de cartas propriamente dito, biriba é também o nome do morto.

O nome do morto??? Sorte eu não ter entrado na conversa para explicar que biriba pode ser o morto do buraco. Já pensou a confusão, se o jogo só for conhecido assim no Rio? É verdade que o "carioquês" costuma ser bem compreendido em outros estados, provavelmente por conta das novelas da Globo. Mas daí a correr o risco de precisar esclarecer, em poucas palavras, o que é um jogo de buraco ou pacote de estalinho, sem direito a nenhuma mímica... Pois o Aurélio consegue, com pouca concisão. "Biriba: cada um dos montes de cartas que os parceiros que primeiro descartam as suas tomam para continuar o jogo, sem o quê não podem bater. Morto." Pela primeira vez me dei conta de como deve ser difícil a vida de um dicionarista. Não dava para culpar o provável mineiro por dizer que estalinho era um trem: como é difícil achar as palavras exatas para explicar algo tão simples!

Como ele ia dizendo, estalinho é um trem que a gente joga no chão e, continuou, "...explode, fazendo um estalo. É assim que a gente chama aqui no Amapá." Outro equívoco desfeito: apesar de recorrer ao "trem", o não fumante tampouco era mineiro.

Confesso que, nessas alturas, estava deliciada. Sou totalmente fascinada pelos regionalismos que separam e unem o nosso país. Por trás de cada expressão que nos causa estranhamento, está uma riqueza cultural a ser explorada, palavras nada aleatórias que revelam um pouco da história daqueles brasileiros ― tão diferentes, tão parecidos. E a aventura desse encontro dispensa agora longas jornadas de ônibus, passagens caríssimas de avião etc. Está tudo aqui, bem vivo, na internet, em bate-papos de gente que é amiga mas curte os festejos juninos de forma diferente. No final, todo mundo se entende.

O trem, por exemplo, não atrapalhou. A explicação do amapaense foi suficiente para o blogueiro ex-fumante e pouco monetizado entender o estalinho. "Saquei. Em Recife é traque de massa e aqui em Brasília eu não me lembro." Traque de massa. Bárbaro. E eu me achando muito culta com meu limitado vocabulário Rio-São Paulo. No dicionário, finalmente, decifro a charada inteira. Com as festas de São João tão próximas, vale a pena anotar. "Estalo: artefato pirotécnico, assim chamado porque dá um estalo quando arremessado contra um corpo duro." No Norte, é conhecido também como troque; em Alagoas, traque de chumbo; na Bahia, traque de massa; e no Rio haveria uma segunda denominação, de chumbinho (nunca ouvi falar).

Para quem não se encanta com o assunto, como eu, e acha que os transtornos na comunicação superam a curiosidade de encontrar expressões inusitadas aos nossos ouvidos regionais, vale lembrar que a confusão só vai aumentar. Tudo indica que, com a padronização do português, e seus reflexos em iniciativas editoriais, teremos muito mais contato com expressões lusitanas. Antes de reclamar pela enésima vez da tal unificação, vejamos o lado positivo: com um pouco de paciência, teremos muita diversão pela frente.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite. Leia também "É a mãe".


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 19/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles
02. Três vezes Mirisola de Rafael Rodrigues
03. O desempenho da China no desenvolvimento de costas de Vicente Escudero
04. Não basta ser pai (ou estado), tem que participar de Adriana Baggio
05. Depois do ensaio de Rafael Azevedo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2009
22h24min
Em São Paulo bolacha ainda é bolacha. Uma das diversões no meu ex-trabalho era mostrar bolachas para os cariocas e perguntar como aquilo chamava, para eles falarem que era biscoito. Também tinha uma diferença de percepção entre bolo e torta, mas eu esqueci. >.<
[Leia outros Comentários de Carolina]
22/6/2009
17h04min
O povo de nosso país tem várias maneiras de pronunciar o "português" e é sempre interessante prestar atenção na riqueza de detalhes da pronúncia, alimentação, vestuário e muitas outras "coisinhas" que às vezes não percebemos. Nosso Brasil é uma colcha de retalhos, tecido por cada região de maneira diferente, tornando nosso país rico nas divergências.
[Leia outros Comentários de Solange Boy]
22/6/2009
19h12min
Sabe, consigo aceitar as maiores tragédias da vida, desde que encontre algum consolo, mesmo que duvidoso. O seu argumento sobre a padronização do português até me serviria de consolo, não fosse eu apaixonado pelo trema. Gosto tanto, mas tanto, que acho que até "água" deveria ter trema: fica muito mais chique. Quanto à torta e ao bolo de Carolina, acredito que torta tenha recheio (e cobertura), enquanto que o bolo, não. Pelo menos no Rio Grande do Sul é assim. Agora, se gentes de outros estados colocam recheio no bolo e servem a torta a seco, isso já não é problema nosso, né?
[Leia outros Comentários de Sniffer]
24/6/2009
18h50min
Marta, adorei o texto! Também tenho muito interesse por esses regionalismos linguísticos. E, curiosamente, há poucos dias assisti a uma conversa do meu filho (que já mora em São Paulo há alguns anos) com minha mãe, francana-quase-mineira (Franca, no interior de São Paulo, tem características culturais de Minas, pela proximidade regional e origem histórica). "Vó, eu também chamava de estalinho, mas em São Paulo chamam de biribinha." E aquelas lagartas peludas, que queimam a pele? Lá são mandruvás, taturanas! E as deliciosas bolachinhas feitas para comer com café? Quitandas! Não é um barato? Parabéns e abraços.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
1/7/2009
09h04min
Bom dia, tarde ou noite, Marta. Como mineira posso dar minha colaboração nesse "troço". Confesso que desconhecia que o "trem" viajava para tão longe, lá na ponta. Mas aqui, em Minas Gerais, Trem é Tudo. É coisa grande e coisa pequena, é comida, objeto, veículo, bebida, brinquedo... E independente do que se quer dizer, o "trem" explica e todos nós entendemos. É incrível como a palavra sai "sem querer" e não causa estranheza na conversa. Assim como o famoso UAI. Não adianta uma pessoa de fora tentar falar UAI que não sai (digamos) certo. A gente percebe que não é daqui. Pelas várias entonações e significados o UAI é diferente. Ele é exclamação, interrogação e ponto final. Da mesma forma, pode reparar, o mineiro engole a última sílaba. "Mess" é "mesmo". Mas se você procura uma característisca forte "mess", repare nos diminutivos. Não ria, mas tudo a gente diminui. - Vamos tomar uma cervejinha aqui pertinn? - Aceita um queijinn? - Vou lá rapidinn e não demoro. (Sou mineiríssima e confesso. Uai!)
[Leia outros Comentários de Bianca]
13/7/2009
17h32min
Adorei o texto e também adoro os regionalismos e os sotaques. Muitas vezes, dentro da mesma cidade, encontramos falares diferentes. Aqui no Rio há uma certa "rivalidade" entre os adeptos do "sÔtaque", do "cÔncerto", do "tÔmate" e os do "sUtaque", "cUncerto" e "tUmate". Eu na verdade sou do time dos que virou a casaca. Era do segundo time, passei pro primeiro de tanto ser sacaneado por causa disso... E fiquei curioso a respeito da diferença entre torta e bolo, que nunca soube. Aqui no Rio, diferente do RS do Sniffer, torta é molhada e geralmente gelada, e bolo, não, ainda que confeitado e recheado.
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRÔNICAS ESCOLHIDAS
LIMA BARRETO - FOLHA DE S.PAULO
ÁTICA
(1995)
R$ 5,00



REFABULAR ESOPO -
DONALDO SCHULER
LAMPARINA
(2004)
R$ 24,85
+ frete grátis



O FIM DAS PIRÂMIDES A ORGANIZAÇÃO MOLECULAR E A NOVA ESTRUTURA DA...-901
GERALD ROSS E MICHAEL KAY
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



OS PENSADORES HEGEL VOL. I
HEGEL
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 10,00



ADMINISTRAÇÃO EM PUBLICIDADE - A VERDADEIRA ALMA DO NEGÓCIO
MARCÉLIA LUPETTI
THOMSON
(2003)
R$ 20,00



EXODUS 2
LEON URIS
ABRIL
(1981)
R$ 3,00



RANGERS A ORIGEM LIVRO 1 O TORNEIO DE GORLAN
JOHN FLANAGAN
FUNDAMENTO
(2016)
R$ 31,00



ESTACAO CARANDIRU
DRAUZIO VARELLA
CIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,00



CIDADES DE PAPEL
JOHN GREEN
INTRÍNSECA
(2013)
R$ 8,00



CADERNO DE VIAGEM RIO DE JANEIRO
PABLO DE LA RIESTRA
BEI
(2011)
R$ 25,00





busca | avançada
35052 visitas/dia
993 mil/mês