O comerciante abissínio | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
>>> JORNALISTA REESCREVE CONTOS DE FADAS À BRASILEIRA
>>> Aspirando & Expelindo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
>>> Fio de Eros II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Cultura pop
>>> O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Samba da benção
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Do maior e do melhor
>>> Eumeswil, de Ernst Jünger
Mais Recentes
>>> A odisséia da vida
>>> Napoleão Ataca Outra Vez
>>> Artemis Fowl - O Menino Prodígio Do Crime
>>> Atrás do espelho
>>> Como Gerenciar Seu Chefe
>>> 60 Verdades para administrar sua carreira
>>> Nana Nenê
>>> A Vendeta
>>> A República
>>> Escola Preparatória de Piano Op. 101
>>> Japonês o melhor guia de conversação
>>> 1º Centenário da Morte de Chopin
>>> Japonês Português expressões idiomáticas
>>> Aprender a viver filosofia para os novos tempos
>>> Quem mexeu no meu dinheiro ?
>>> Todos os nomes do mundo
>>> Jack definitivo segredos do executivo do século
>>> Pitágoras- Português- livro 10
>>> O Falso Câncer
>>> Os Pulmões e a Respiração
>>> Oomoto- A Vida de Nao e Onisaburo Deguchi
>>> Crime e Castigo - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Viagem ao céu/O saci - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Histórias de Tia Nastácia - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Fábulas - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A chave do tamanho - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O poço do visconde - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> História do mundo para crianças - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Caçadas de Pedrinho/Hans Staden - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A reforma da natureza/O minotauro - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Soluções positivas da Política Brasileira - Pereira Barreto (Política)
>>> Avaliação do Doente - Coleção Modernas Técnicas de Enfermagem
>>> Solo de clarineta
>>> O romance das equações algébricas. A história da Álgebra.
>>> Proteger e Defender
>>> Revolta em 2100
>>> A justiça de Caim
>>> Mulheres que atraem os homens e mulheres que os afastam
>>> O Ateneu
>>> Uma Breve História do Mundo
>>> Saga Crepúsculo - Com 5 Livros (Português) Capa Comum - Box set, 1 jan 2013
>>> 1822 - Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil - um país que tinha tudo pra dar errado.
>>> 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil
>>> A Coroa, a Cruz e a Espada - Lei, ordem e corrupção no Brasil
>>> Capitães do Brasil - A saga dos colonizadores
>>> Náufragos, Traficantes e Degredados - As primeiras expedições ao Brasil
>>> A Viagem do Descobrimento - Um olhar sobre a expedição de Cabral
>>> História do medo no Ocidente 1300-1800. Uma cidade sitiada
>>> Virginia Woolf - Uma Biografia
>>> Histórias para assustar o Mão Branca
COLUNAS

Quarta-feira, 7/4/2010
O comerciante abissínio
Guilherme Pontes Coelho

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Rui Pires © (http://rui-pires.artistwebsites.com)

Ele era um comerciante habilidoso. Sabia, como por um dom clarividente, as ervas para todas as necessidades, os tecidos para todas as indumentárias e acessórios, os animais para todos os trabalhos. Este saber nada tinha de mágico, na verdade. Era a manifestação de uma aguda sensibilidade, tanto de espírito quanto de sentidos.

Um andarilho. Harar, Aden, Tadjoura, Zeila... O deserto. O vazio. As cidades. Os mercados. Visitou cada um deles. Mercados apinhados, com cores e rostos distintos, à algaravia de vários idiomas. Entre essa gente, nosso comerciante andarilho, oferecendo cretone adamascado, merinó azul, flanela vermelha, pérolas Decan & Co.; botões ornamentados, fitas douradas, brillés. Panelas, tesouras, couro de bode. Ouro, almíscar. Seda, crepe, lona, algodão.

Item por item, ele conhecia um por um. Assim como as pessoas. A quem vender, a quem não vender. Por quanto vender: o preço justo para quem compra e lucrativo para ele. E o que e com que fim vender: o cretone adamascado, matéria-prima das maréchates, as mantas que vestem os abissínios; Bloknote, uma marca de blocos de papel, ideal para o alfabeto amárico ― debdabies amara ― por suas linhas estreitas; seda azul da Índia, adequada para confecção dos djanos, outro modelo de manta abassi. Assim por diante. Com precisão cristalina, ele comercializa bens: "Tecido de algodão, de trama cerrada, quente, espesso, com a resistência dos panos leves para vela, cortados no comprimento com faixas vermelhas e azuis de cinco centímetros de largura, separadas entre si por vinte centímetros".

Riqueza, longe disso. Mas, sim, próspero, à sua maneira. Nunca lhe faltou trabalho. Havia tanto o que comerciar, por sinal, que ele se aventurou a vender armas, seduzido pela chance de ganhos astronômicos. Mas a transação deu errado. Esta incursão pelo tráfico de armas, temperada com subornos absurdos e caprichos da realeza etíope, deixou um gosto amargo em sua boca. Voltou então a trabalhar entre aromas, fragrâncias, texturas, metais. Sua vocação.

"Próspero, à sua maneira". Nos onze anos em que viveu como comerciante, de 1880 a 1891, ocupou casas simples, indistintas das habitações nativas. "Vivia como um beneditino", disse um contemporâneo. Mal havia móveis onde morou, o que levava amigos a se perguntarem onde infernos ele dormia ― porque, além da ausência de camas, quando em casa, era sempre visto escrevendo, noite adentro, numa mesa improvisada. Escrevia muito, mas nada literário. Cartas, pessoais e comerciais. Primorosas pela concisão e pela sagacidade.

Os únicos luxos visíveis nas casas em que viveu eram os que ele proporcionava aos seus hóspedes, geralmente amigos precisando de um teto temporário, e à sua "família". Não família de sangue, mas de fato, composta por duas pessoas. Uma, o jovem criado abissínio, natural de Harar, adquirido em plena adolescência e que viveria uma década ao lado do seu amo, sempre diligente e prestativo (esta dedicação renderia uma profunda estima de seu mestre, a ponto de ele, o "fiel servidor", ser o único lembrado nos últimos dias de vida do seu senhor, tanto por necessitar de sua assistência quanto por destinar a ele uma certa herança). A outra, uma bela abissínia cor de café, natural de Choa, que desempenha as funções de empregada doméstica. Era tímida e doce e só saía de casa na companhia do comerciante andarilho. Gostavam de passear pelo mercado popular. Ele a ensinava francês com paciência e ternura. Planejava ter filhos com ela, contrariando seu espírito livre de andarilho por meio da perpetuação.

Sua família logo voltaria a ser apenas ele e seu servidor. A abissínia voltou para sua cidade, por vontade dele. A História não soube registrar nem seu nome, nem se fora contratada ou mesmo comprada. Esse relacionamento, nas palavras dele, foi uma "farsa".

(Estes envolvimentos domésticos alimentaram boatos de que ele também traficava escravos. Ah, foram só boatos mesmo, incentivados por preconceitos acadêmicos.)

Ele era assim. Facilmente seduzido por uma ilusão. Convicto e irascível em se desiludir.

Irascibilidade era uma de suas características. Sobretudo em questões de trabalho. Se algo desse errado na aquisição ou na oferta de suas mercadorias ele explodia contra quem quer que fosse. Estas mudanças radicais de humor eram toleradas por amigos e parceiros de negócios: é de se esperar isso de um homem sincero e mercador honesto.

Outra característica por todos notada, e por ele mesmo sempre alardeada, era sua constante expressão de tédio. Queixava-se sempre de estar entediado ― e seus amigos percebiam. Talvez por isso ― talvez! ― ele gostasse tanto de esforços físicos extenuantes. Era um caminhante incansável. Em suas caravanas, mal utilizava cavalos. Simplesmente caminhava quilômetros desérticos, impressionando pelo ritmo e pela resistência, vestido como um muçulmano. Tantas jornadas extremas lhe causariam uma sinovite incurável e mortífera.

Apesar do eterno tédio estampado no rosto, era um ótimo contador de histórias. Seus amigos gargalhavam ao ouvi-lo e ao ler suas cartas. O trabalhador obstinado, constantemente aborrecido e que nunca esboçava um sorriso era fonte de risos, quem diria.

Era um homem generoso. Não negava ajuda a ninguém e seguia o código universal da generosidade autêntica: agia em silêncio e jamais se vangloriava.

Magro, alto, loiro. Poliglota. Conhecedor do Corão. Olhos azuis penetrantes e inesquecíveis. O comerciante abissínio, Arthur Rimbaud.

Para ir além
Rimbaud na África (Nova Fronteira, 2007, 496 págs.), de Charles Nicholl.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 7/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
02. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
03. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
04. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry
05. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/8/2010
14h52min
Lindo texto!
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLANETA 47
VÁRIOS
TRÊS
(1976)
R$ 16,10



O FUNDADOR DO CRISTIANISMO
C. H. DODD.
PAULINAS
(1977)
R$ 29,90



CENTRO CIRÚRGICO (GUIAS PRÁTICOS DE ENFERMAGEM)
MERCEDES ARIAS LÓPEZ E MARIA DE JESÚS REDONDO
MCGRAW HILL
(2002)
R$ 15,00



O PODER DA PACIENCIA
M.J.RYAN
SEXTANTE
(2003)
R$ 5,00



MARKETING BÁSICO UMA VISÃO GERENCIAL - VOLUME 2
E JEROME MC CARTHY
ZAHAR
(1978)
R$ 10,00



A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO
URSULA K. LE GUIN
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 21,00



O LÓTUS E A CRUZ
RAIMUNDO CINTRA
PAULINAS
(1981)
R$ 15,00



O BOBO / O ARCO DE SANTANA - GRANDES ROMANCES UNIVERSAIS VOL. 10
ALEXANDRE HERCULANO; ALMEIDA GARRETT
W. M. JACKSON INC.
(1950)
R$ 10,00



CONTOS POPULARES DE PORTUGAL (LITERATURA PORTUGUESA)
JOSÉ VIALE MOUTINHO
AQUARIANA
(2012)
R$ 15,00



BAHIA DE TODOS OS SANTOS
JORGE AMADO
RECORD
(1983)
R$ 16,60





busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês