Paixão: dor e êxtase | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 11/5/2010
Paixão: dor e êxtase
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4800 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Dedicado a N.

"Este terrível filtro que me condena ao suplício, fui eu, eu mesmo quem o preparou... E o bebi em grandes goles de delícia." (Tristão e Isolda).

A paixão é um doce tormento. Todos sabem. O amor feliz não existe na história da literatura ocidental, escreveu Denis de Rougemont no seu famoso livro O amor e o ocidente. Temos a prova. E sabemos que isso não se resume apenas à literatura, mas às nossas próprias vidas.

Werther se matou com a arma que Carlota limpou momentos antes do tiro fatal que daria no próprio peito. Ele diz: "Elas passaram pelas tuas mãos, e lhes limpaste a poeira! Beijo estas armas mil vezes, pois foram tocadas por ti! A morte me vem como sempre desejei, pelas suas mãos". Sabendo da morte de Werther, por suicídio, "a vida de Carlota perigou por muito tempo".

Jeanne Hebuterne pulou da janela, estando grávida, porque seu amado, o pintor Modigiliani, havia morrido. Romeu e Julieta enlouqueceram e abraçaram o Nada com os corações partidos.

Tristão e Isolda mergulharam nas águas tenebrosas dos próprios sentimentos amorosos e Richard Wagner inspirou-se neles para compor a mais impressionante ópera da história, terminando a música com a mais dolorosa expressão de dor jamais criada por um músico: "Canção de amor e morte". Sobre o cadáver de Tristão, Isolda canta o Liebestod, e as duas almas se fundem numa só, no hálito do universo. Através do tecido orquestral Wagner faz sobressair nos acordes tristes e impressionantes do oboé o tema da magia do amor e do desejo ardente de Isolda pela união com a morte.

"Bem-me-quer, mal-me-quer", dizia Margarida no famoso trecho do Fausto, de Goethe, que nos mostra como o amor pode nos levar a estados perigosos. De sua alma atormentada pela ausência do amado sai o lamento doloroso:

"Foge-me o sossego!... Ah! Não encontro jamais, jamais, a paz do meu coração enfermo! Em toda a parte onde não o vejo, vejo um túmulo! O mundo inteiro se cobre de luto! Sinto a cabeça estalar, o espírito aniquilar-se! Fiquei o dia todo à janela para vê-lo ou para correr ao seu encontro. Seu andar altivo, seu porte majestoso, o sorriso de sua boca, o poder de seus olhos. E o encanto de sua palavra, o aperto da sua mão! E, ah, seu beijo! Sinto um aperto no coração quando ele se aproxima! Ah! Porque não posso agarrá-lo e prendê-lo para sempre! E beijá-lo à vontade! E acabar os meus dias sob os seus beijos!"

Madame Bovary delirava para lá e para cá, destruindo tudo à sua volta, porque estava em busca do que apenas alguns homens podem ter na vida: o amor absoluto.

Petrarca compôs os mais belos sonetos de amor à Laura, inventando a paixão e seus intermináveis delírios incontroláveis. E Dante precisou de Beatriz para viver a Vita Nuova e compor sua obra marcante.

Empédocles, filósofo da Antiguidade grega, dizia que o amor, Eros, é uma força que tende a unificação dos seres.

Quando se apaixona o sujeito é banhado numa emoção sublime, como relata Werther, o mais apaixonado dos amantes: "Uma serenidade maravilhosa, semelhante às doces manhãs de primavera, que gozo tão intensamente, tomou posse de minha alma inteira".

Para o racionalismo psicanalítico, a loucura de Werther é explicável: "a plenitude é inatingível porque o amor é proibido. Eis a estratégia do mito do amor: a conversão do impossível em interdição a fim de que seja mantida a promessa de felicidade". No amor, "da esperança ao fracasso, o sonho se transforma em martírio a serviço do gozo. Nega-se a castração para sustentar a ilusão de que o amado tem o que falta ao amante". (Ver Nadiá Ferreira no seu livro A teoria do Amor).

Os poetas, ao contrário da tradição racionalista, aceitam a indefinição da origem do amor. Veja-se Fernando Pessoa: "Porque quem ama nunca sabe o que ama/ Nem sabe por que ama, nem o que é amar...".

Segundo Jacques Lacan, as fantasias do amor quebram o limite entre a realidade e a mentira, conduzindo o homem a esbarrar em alguma coisa da ordem do intransponível.

Para o poeta Mário Alex Rosa, "Amor matemática não exata/ cálculo que não se calcula/ soma diminui multiplica/ na medida do impossível".

Ama-se para aceitar as meias-verdades ou se ama para encontrar toda a verdade?, pergunta Nadiá Ferreira em seu livro.

O apaixonado é uma espécie de Antígona que só pode vislumbrar a vida sob a forma do que está perdido. O amor cortês se fincava na tríade prisão da qual não se pode fugir ao se amar: sujeito/ objeto/ falta. Quem escapa disso até hoje?

O amor não gera só amor, gera desamor, ódio, nas palavras de Camões: "Mas como causar pode seu favor/ Nos corações humanos amizade,/ Se tão contrário a si é o mesmo amor?".

Freud, no seu livro Para além do princípio do prazer, reúne amor e morte, como os românticos, pois o anseio básico é o do Nirvana, o desejo de apagar a "febre chamada viver". Desejo de viver e de morrer. Todo apaixonado diz: "eu quero morrer!".

No estado de paixão o amado é divinizado, torna-se valor onipotente, por isso todos os dissabores são atribuídos a ele e somente a ele.

A paixão é o único lugar possível para o encontro total entre o Eu e as pulsões profundas da sexualidade. Por isso se diz que é mais intenso, mais gostoso e mais vibrante fazer amor quando se está apaixonado.

O amor místico não se diferencia da paixão. Como é o caso das descrições de São João da Cruz, com sua exclamação: "Ó queimadura suave", ou Santa Tereza, que quando em êxtase era possuída pelo amor divino, que assim descreveu: "É um martírio ao mesmo tempo delicioso e cruel. A alma desejaria que seu tormento nunca acabasse. Uma vez submetida a esse suplício, ela desejaria que durasse o que lhe resta de vida. Desse desejo que num instante penetra toda a alma nasce uma dor que a faz elevar-se acima de si própria e da criação".

Segundo Helmut Hatzfeld, nos seus Estudos sobre o Barroco, para Dante o amor é o grande segredo que enobrece a humanidade, a caritas que tudo abrange, que encerra dentro de si o amor sublime. A sua musa, Beatriz, além de ser a amada de sua juventude e o amor sublime e ideal, encarna também esse amor-caritas. Mas quando no inferno faz arder Francesca e Paolo, vítimas do amor sensual, Dante se sente intimidado, porque a força catastrófica da paixão o comove e abala: "Amor, che a nullo amato amar perdona". ("Inferno", Canto V, verso 105)

A paixão é também amor narcísico, como revela os sonetos de amor de Camões: "Transforma-se o amador na coisa amada/ por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar,/ pois em mim tenho a parte desejada".

Ainda Camões define muito bem o poder do amor sobre nós: "É estar preso por vontade;/ É servir a quem vence, o vencedor;/ É ter com que nos mata lealdade".

O amor às vezes é motivo de prazer e dor ao mesmo tempo, satisfação e insatisfação, como nos ensina o poema "Inferno de Amar", de Almeida Garret: "Este inferno de amar ― como eu amo!/ Quem me pôs aqui na alma... quem foi?/ Esta chama que alenta e consome,/ Que é a vida ― e que a vida destrói!/ Como é que se veio atear,/ Quando, ai quando se há de ela apagar?"

O amor romântico alimentava-se da infelicidade, da busca do sofrimento e de amar-se mais o amor que o próprio objeto amado. A dor sendo um meio privilegiado de conhecimento deve ser buscada incessantemente. Acaba-se por amar a chama ardente da paixão e a consciência do que arde em nós no momento do amor. O que se ama é o romance, com suas intensidades, variações, adiamentos, seu crescendo, até a catástrofe final ― uma viagem de autoconhecimento.

O coração apaixonado é caprichoso, como diz Werther: "Trato meu coração como se trata uma criança doente: satisfazendo a todos os seus caprichos". E não poderia ser diferente, dadas as exigências da paixão.

Diferente do desejo, que é apressado e fugaz, como disse Rougemont, "o amor é lento e difícil, compromete toda uma vida e exige esse mesmo compromisso para revelar sua verdade".

O pensador francês Roland Barthes escreveu em seu livro Fragmentos de um discurso amoroso que "o suicídio de Werther era a sua morte enquanto sujeito amoroso". Não só dele, Barthes, mas de todos nós que um dia nos apaixonamos perdidamente.

Pode-se saber tudo sobre a paixão, o que não é suficiente para se escapar de suas garras e ter paz dentro de seus deliciosos tormentos.

Termino com um trecho da ópera Tristão e Isolda, de Wagner, onde podemos encontrar algumas palavras sobre a impossibilidade da explicação do mistério do amor: "Esse mistério, não posso revelar-te. Mas onde estive? Não saberia dizer... Era lá onde sempre estive e onde estarei sempre: o vasto império da noite eterna. Nesse lugar, apenas uma ciência nos é dada: o divino, o eterno, o esquecimento original. Oh! Se eu pudesse contar! Se tu pudesses compreender-me".

Aviso aos navegantes: para provar do manjar dos deuses, para poder triunfar no amor, é preciso se submeter completamente à sua vontade, pois, uma vez declarada, a paixão exige muito mais do que satisfação; ela quer tudo, sobretudo o impossível: o infinito num ser finito.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
05. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2010
23h14min
Texto fantástico!
[Leia outros Comentários de Luiz Fernando Alves]
31/5/2010
11h24min
Sr. Jardel, simplesmente sublime seu artigo. Amei. Bjs., Lu.
[Leia outros Comentários de Luciene Felix]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIFICULDADES NA ELABORAÇÃO DE POSIÇÃO DEPRESSIVA; O INCONSCIENTE
TRIEB Nº 1 ANO 1991
SBPRJ
(1991)
R$ 28,82



FÁBULAS DE ESOPO
ROBERTO MATHIAS RECONTADO POR
CIRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 17,00



GALERIA PAULO FIGUEIREDO
CACILDA TEIXEIRA DA COSTA
GALERIA PAULO FIGUEIREDO
(1981)
R$ 85,00
+ frete grátis



INTRODUÇÃO À PENEUMÁTICA - P11
H. MEIXNER
FESTO DIDACTIC
(1977)
R$ 15,00



NOÇÕES DE PSICOLOGIA DA CRIANÇA - 7ª EDIÇÃO
JOÃO DE SOUSA FERRAZ -CAPA DURA
EDIÇÃO SARAIVA
(1965)
R$ 8,00



CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL - 9ª EDIÇÃO - ATUALIZADA ATÉ 05/01/2004
REVISTA DOS TRIBUNAIS
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 11,00



ÍNDIOS E CASTANHEIROS
ROBERTO DA MATTA & ROQUE DE BARROS LARAIA
PAZ E TERRA
(1978)
R$ 20,00



DUBLINERS
JAMES JOYCE
WORDSWORTH CLASSICS
(1993)
R$ 10,00



A CIVILIZAÇÃO BIZANTINA
STEVEN RUNCIMAN
ZAHAR
(1961)
R$ 64,71



PADRÕES DE CONTATO
JORGE LUIZ CALIFE
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 16,07





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês