Fazer conta de cabeça e a calculadora | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Flávia Galli ministra a palestra "O Novo mundo descobre a Ásia" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Dia 27 de maio em Campinas: nova edição do "Casa Flamenca" do Café Tablao
>>> Conferência de Celso Amorim celebra 30 anos da Editora Unesp e do Cedem
>>> "E o vento vai levando tudo embora", de Regiana Antonini, no Fashion Mall
>>> Dia 25 de maio a Orquestra Brasileira de Sapateado se apresenta no Fashion Mall
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
>>> Presidenta e presidento
>>> O antagonismo de um povo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio
>>> O mundo explicado por T.S. Spivet
>>> Minha casa, sua casa
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Os premiados da Mostra
>>> Cenas de um casamento
>>> Rafael Spregelburd e o novo teatro argentino
Mais Recentes
>>> O Texto na TV Manual de Telejornalismo
>>> A Biografia de Roger Federer
>>> Não Há Silêncio Que Nunca Termine
>>> EDGE - Coleção de quadrinhos
>>> O Cortiço
>>> Contos
>>> Indomada - The House of Night - Livro 4
>>> Olhinhos de Gato
>>> Janela Mágica
>>> Escolhida The House of The Night - 3
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma
>>> Vôo Noturno
>>> Traída - The House of Night 2
>>> Um Sentido para a Vida
>>> Manual do Ator
>>> Meu Corpo, Minha Prisão - Autobiografia de um Transexual
>>> Teu Amor Voltará
>>> Moisés - Príncipe do Egito
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - O Deserto Iniciático - Tomo II
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - A Catedral da Memória - Tomo I
>>> Conversações com Iberê camargo
>>> Ciberespaço: um Hipertexto Com Pierre Lévy
>>> A Linguagem Esquecida - Uma Introdução ao Entendimentos dos Sonhos
>>> O Testemunho do Senhor e a Necessidade do Mundo
>>> Imagens e Símbolos - Ensaio sobre o Simbolismo Mágico-Religioso
>>> O Sagrado e o Profano- a essência das religiões
>>> Antologia volumes 1 e 2
>>> Hora de Mudar - Richard Bandler- best seller
>>> Mensageiros do Amanhecer - Ensinamentos das Plêiades
>>> Terra Chaves Pleiadianas para a Biblioteca Viva
>>> Onde Existe Luz
>>> Nova gramática comparativa do grego e latin (Text: English, Greek, Latin)
>>> Fordlândia Ascensão e Queda da Cidade Esquecida de Henry Ford na Selva
>>> Amestrando Orgasmos Bípedes, Quadrúpedes E Outras Fixações Animais
>>> Como Ser Irresistível Para O Sexo Oposto
>>> A Última Grande Lição
>>> A Coragem Da Inocência
>>> O Lado Bom Da Vida
>>> Criando Meninas
>>> Jornalismo Internacional
>>> Contos
>>> O Pequeno Filósofo
>>> A Vitória Da Páscoa
>>> A Magia Dos Grandes Negociadores
>>> Fora De Mim
>>> Marley & Eu
>>> A Individuação nos Contos de Fadas
>>> Evangelhos Apócrifos
>>> Taras Bulba
>>> O Bosque das Ilusões Perdidas
COLUNAS

Sexta-feira, 10/8/2012
Fazer conta de cabeça e a calculadora
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos

Não guardei na memória como foi que aprendi matemática, mais precisamente, a aritmética mais básica que se pode imaginar. Talvez não tenha mesmo memória disso justamente porque acho que nunca aprendi direito a fazer contas. Somo, subtraio, multiplico e divido, claro, mas sem forçação de barra. Tenho cá uma quedinha pela adição, que, não sei por quê, me parece mais tolerável do que as demais continhas.

Depois de uns dias fazendo esforço para recuperar algo desse meu contexto de "ruim de matemática" (uma pecha que inibe todo aluno por não ser genial), consegui me lembrar das aulas de tabuada, isto é, decoreba, e do Quadro Valor de Lugar (QVL), apoio engenhoso para nos ensinar unidades, dezenas, centenas e lá vai.

Confesso que até hoje me fogem algumas contas de multiplicar. Essas tipo 7x8 me custam uns segundos de inspiração. E graças àquele que inventou o lápis-tabuada, que era, de outro lado, proibido na escola. Calculadora, então, nem num raio de quilômetros. A maquineta era coisa pra engenheiro ou pra gente que só precisava confirmar. Quem não domina tem de fazer conta de cabeça.

Conta de cabeça, conta de cabeça. Como é que eu vou enxergar isso? Abstração, visão, raciocínio. Foi outro dia que, conversando com um físico profissional, descobri por que razão dei de aprender apenas a demonstrar teoremas. É. A despeito de tudo, inclusive do professor, as únicas coisas que me pareceram ter sentido, nos tempos de segundo grau (nem se chamava ainda ensino médio), foram os escalonamentos e os teoremas. Paixão irrefreável por aquele finalmente, quando o mestre escrevia lá, com giz e suspiros, o CQD ou Como Queríamos Demonstrar. Para o meu delírio. Para tocar o sinal e vir lá qualquer outra aula. Bem, então, era isso: teorema é argumentação. Estava explicada minha associação.

E eu pensei que o tal de "fazer conta de cabeça" tivesse saído da moda, das diretrizes curriculares, dos programas de ensino, de onde quer que estivessem. Pensei que uma matemática mais pop ou uma fazeção mais aplicada de contas tivesse encontrado seu valor. Mas não. Estava cá meu pimpolho estudando a tabuada e tentando fazer contas de cabeça, isto é, tentando visualizar pauzinhos, bolinhas, cores, grossuras para então passar aos resultados.

Mas, não sejamos implicantes, houve um avanço: agora se pode calcular com calculadora. Não de primeira nem a conta mais fácil, mas para conferir. Qual não foi minha surpresa quando vi escrito, a tinta, no livro didático da editora famosa, um "Confira com a calculadora". Meu Deus, tiraram o peso das costas dos meninos, aleluia. Então pode-se conferir! Um elemento tão necessário, no dia a dia, para ir à padaria, para pegar ônibus, para comprar chiclete. Então admitiram a checagem, enfim.

Vamos lá. Faça as contas de cabeça. Some, diminua, divida, multiplique, mas veja se fez direito. Cate lá, com papai ou mamãe, uma máquina de calcular, calculadorinha aritmética, dessas made in China mesmo, pro adianto. Vai lá, fez a conta? Então mande bala: 34 + 72. E ainda tive de ensinar ao guri onde ficava o =.

Mas vocês nem imaginam o que foi que eu vi. Vocês não podem imaginar como foi que o garoto reagiu. Uma coisa linda mesmo, linda de se compartilhar. É um negócio que só vi poucas vezes, assim, de pegar no salto, no ato, na virada. Eu vi foi o encantamento dele ao ver a calculadora trabalhar. Foi um susto rápido e alegre o que ele demonstrou quando viu o produto da soma aparecer no visor, sem que ele visse a mágica por trás da interface, sem que ele percebesse qualquer suadeira no dispositivo, qualquer esforço ou tremedeira no somatório. Plim! Estava lá o 106 redondo, que nem o dele, confirmando que, sim, estava tudo certo. Calculadora não erra.

Eu mesma tenho umas tantas pra todo lado da casa, especialmente onde tiver gaveta, que é onde elas repousam sem poeira. Calculadora solar, sem precisar trocar baterias incômodas. Calculadora simples, dessas que vivem sumindo e aparecendo, feito caneta Bic. Isso sem falar naquelas HPs de engenheiros, que só faltam dar conselhos sobre o casamento.

Olha, mas eu vi o prazer e a exclamação nos olhos do menino. Tudo por conta de uma máquina que sabe calcular, sem fazer alarde. Tudo por causa de um tecladinho barato que me oferece o resultado certo, preventivo, atual.

E nessa brincadeira, fui lá na Wikipédia fuçar a calculadora, origens e espécies. Peguei logo um macete engraçado, que ninguém nunca me disse e que sempre me incomodou. Compro dessas calculadorinhas sem OFF e fico encucada, esperando que ela se apague. E não é que aprendi um truque? Se não tem OFF, é só apertar os sinais de dividir e multiplicar, ao mesmo tempo, junto com o ON. E a calculadora desliga. Diz que também funciona apertando-se o 5 e o 6 ou 4, 5 e ON. E nunca mais ficarei esperando a máquina desligar sozinha pra eu sossegar com meus múltiplos de dois.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
04. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
05. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIAGEM DE INVERNO E OUTROS POEMAS
HELDER MACEDO
RECORD
(2000)
R$ 15,00



DIÁRIO DE UM BANANA: A VERDADE NUA E CRUA - VOLUME 5
JEFF KINNEY
V&R
(2011)
R$ 12,00



MONTESQUIEU - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 15,00



O DIÁLOGO COMO MÉTODO: CINCO REFLEXÕES SOBRE HERMILO BORBA FILHO
LÚCIA MACHADO (ORG.)
PREFEITURA DO RECIFE/SECRETARIA DE CULTURA
(2006)
R$ 35,00



AS VALKIRIAS
PAULO COELHO
ROCCO
(1993)
R$ 5,00



SIN CITY - O ASSASSINO AMARELO
FRANK MILLER
DEVIR
(2005)
R$ 35,00



A MÃE
MÁXIMO GORKI
EUROPA AMÉRICA
(1978)
R$ 8,90



DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(2013)
R$ 10,00



FAÇA O SEU CORAÇÃO VIBRAR
OSHO
SEXTANTE
(2005)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DA SORTE: O VERDADEIRO LIVRO DOS SONHOS
AHMED AL-KHATIB
RIGEL
(2013)
R$ 35,00





busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês