Fazer conta de cabeça e a calculadora | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
57063 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Predadores humanos
>>> O gosto da cidade em minha boca
>>> Abominável Mundo Novo
>>> I-ching-poemas de Bruna Piantino
>>> Liberdade
>>> 10 coisas que a Mamãe me ensinou
>>> Bruxas no banheiro
>>> Quero ser Marina Abramović
>>> O Jagunço degolado
>>> O sublime Ballet de Londrina
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Daniel Piza Eterno
>>> Conheça o AgroTalento
>>> U2 no metrô
>>> Homenagem a Pipol
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Sobre o Dia das Mães
>>> Lançamento de István Mészáros
>>> Maria Rezende no Sesc BH
>>> Ristridi
>>> Cesar Huesca
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> PalavraNaTela2008, by MarioAV
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> Cinquenta tons de cinza no mundo real
>>> Umas e outras
>>> Juan José Morosoli - a solidão, a pureza, a viagem
>>> No passado, Adélia Prado
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O turista motorista
COLUNAS

Sexta-feira, 10/8/2012
Fazer conta de cabeça e a calculadora
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos

Não guardei na memória como foi que aprendi matemática, mais precisamente, a aritmética mais básica que se pode imaginar. Talvez não tenha mesmo memória disso justamente porque acho que nunca aprendi direito a fazer contas. Somo, subtraio, multiplico e divido, claro, mas sem forçação de barra. Tenho cá uma quedinha pela adição, que, não sei por quê, me parece mais tolerável do que as demais continhas.

Depois de uns dias fazendo esforço para recuperar algo desse meu contexto de "ruim de matemática" (uma pecha que inibe todo aluno por não ser genial), consegui me lembrar das aulas de tabuada, isto é, decoreba, e do Quadro Valor de Lugar (QVL), apoio engenhoso para nos ensinar unidades, dezenas, centenas e lá vai.

Confesso que até hoje me fogem algumas contas de multiplicar. Essas tipo 7x8 me custam uns segundos de inspiração. E graças àquele que inventou o lápis-tabuada, que era, de outro lado, proibido na escola. Calculadora, então, nem num raio de quilômetros. A maquineta era coisa pra engenheiro ou pra gente que só precisava confirmar. Quem não domina tem de fazer conta de cabeça.

Conta de cabeça, conta de cabeça. Como é que eu vou enxergar isso? Abstração, visão, raciocínio. Foi outro dia que, conversando com um físico profissional, descobri por que razão dei de aprender apenas a demonstrar teoremas. É. A despeito de tudo, inclusive do professor, as únicas coisas que me pareceram ter sentido, nos tempos de segundo grau (nem se chamava ainda ensino médio), foram os escalonamentos e os teoremas. Paixão irrefreável por aquele finalmente, quando o mestre escrevia lá, com giz e suspiros, o CQD ou Como Queríamos Demonstrar. Para o meu delírio. Para tocar o sinal e vir lá qualquer outra aula. Bem, então, era isso: teorema é argumentação. Estava explicada minha associação.

E eu pensei que o tal de "fazer conta de cabeça" tivesse saído da moda, das diretrizes curriculares, dos programas de ensino, de onde quer que estivessem. Pensei que uma matemática mais pop ou uma fazeção mais aplicada de contas tivesse encontrado seu valor. Mas não. Estava cá meu pimpolho estudando a tabuada e tentando fazer contas de cabeça, isto é, tentando visualizar pauzinhos, bolinhas, cores, grossuras para então passar aos resultados.

Mas, não sejamos implicantes, houve um avanço: agora se pode calcular com calculadora. Não de primeira nem a conta mais fácil, mas para conferir. Qual não foi minha surpresa quando vi escrito, a tinta, no livro didático da editora famosa, um "Confira com a calculadora". Meu Deus, tiraram o peso das costas dos meninos, aleluia. Então pode-se conferir! Um elemento tão necessário, no dia a dia, para ir à padaria, para pegar ônibus, para comprar chiclete. Então admitiram a checagem, enfim.

Vamos lá. Faça as contas de cabeça. Some, diminua, divida, multiplique, mas veja se fez direito. Cate lá, com papai ou mamãe, uma máquina de calcular, calculadorinha aritmética, dessas made in China mesmo, pro adianto. Vai lá, fez a conta? Então mande bala: 34 + 72. E ainda tive de ensinar ao guri onde ficava o =.

Mas vocês nem imaginam o que foi que eu vi. Vocês não podem imaginar como foi que o garoto reagiu. Uma coisa linda mesmo, linda de se compartilhar. É um negócio que só vi poucas vezes, assim, de pegar no salto, no ato, na virada. Eu vi foi o encantamento dele ao ver a calculadora trabalhar. Foi um susto rápido e alegre o que ele demonstrou quando viu o produto da soma aparecer no visor, sem que ele visse a mágica por trás da interface, sem que ele percebesse qualquer suadeira no dispositivo, qualquer esforço ou tremedeira no somatório. Plim! Estava lá o 106 redondo, que nem o dele, confirmando que, sim, estava tudo certo. Calculadora não erra.

Eu mesma tenho umas tantas pra todo lado da casa, especialmente onde tiver gaveta, que é onde elas repousam sem poeira. Calculadora solar, sem precisar trocar baterias incômodas. Calculadora simples, dessas que vivem sumindo e aparecendo, feito caneta Bic. Isso sem falar naquelas HPs de engenheiros, que só faltam dar conselhos sobre o casamento.

Olha, mas eu vi o prazer e a exclamação nos olhos do menino. Tudo por conta de uma máquina que sabe calcular, sem fazer alarde. Tudo por causa de um tecladinho barato que me oferece o resultado certo, preventivo, atual.

E nessa brincadeira, fui lá na Wikipédia fuçar a calculadora, origens e espécies. Peguei logo um macete engraçado, que ninguém nunca me disse e que sempre me incomodou. Compro dessas calculadorinhas sem OFF e fico encucada, esperando que ela se apague. E não é que aprendi um truque? Se não tem OFF, é só apertar os sinais de dividir e multiplicar, ao mesmo tempo, junto com o ON. E a calculadora desliga. Diz que também funciona apertando-se o 5 e o 6 ou 4, 5 e ON. E nunca mais ficarei esperando a máquina desligar sozinha pra eu sossegar com meus múltiplos de dois.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/8/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O cão da meia-noite de Gian Danton
02. Getúlio Vargas e sua nova biografia de Eugenia Zerbini
03. Twitter: A Crítica Como Vocação de Regina Lacerda
04. A morte de Sardanapalo de Delacroix de Jardel Dias Cavalcanti
05. A novíssima arquitetura da solidão de Marta Barcellos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Tapa na cara - 23/3/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Arte Postal e pré-estreia de série sobre arte contemporânea
>>> ENDA 2015 acontece entre 29 e 31 de maio, no Teatro Sérgio cardoso
>>> Gilvan Barreto lança livro no Espaço Cult
>>> TV Brasil estreia série "Venha ver o meu mundo!" nesta quinta (21)
>>> Samara Noronha: O 'Caos' rondoniense produzido pelo cantor Vinny!
>>> Alê Jordão apresenta a mostra "Spectrum" no Museu Oscar Niemeyer (MON) de Curitiba nesta quarta-feir
* clique para encaminhar

Arquipélago Editorial
José Olympio
Civilização Brasileira
Globo Livros
Best Seller
Intrínseca
Nova Fronteira
Bertrand Brasil
Cortez Editora
Editora Record
Hedra
WMF Martins Fontes
Editora Conteúdo
Editora Perspectiva
Companhia das Letras
Primavera Editorial
LIVROS


STRANGE FRUIT
MARGOLICK, DAVID

De R$ 42,00
Por R$ 21,00
50% off
+ frete grátis



NOIVA DE MESSINA,A
SCHILLER, FRIEDRICH

De R$ 49,90
Por R$ 24,95
50% off
+ frete grátis



PIERO DELLA FRANCESCA
LONGHI, ROBERTO

De R$ 149,90
Por R$ 74,95
50% off
+ frete grátis



31 PROFISSÃO SOLTEIRA
CLAUDIA ALDANA

De R$ 29,50
Por R$ 14,75
50% off
+ frete grátis



CONVERSAS COM WOODY ALLEN - (2 EDICAO)
LAX, ERIC

De R$ 80,00
Por R$ 40,00
50% off
+ frete grátis



A ECLOSÃO DO TWITTER
NICK BILTON

De R$ 44,90
Por R$ 22,45
50% off
+ frete grátis



O CONCEITO DE DIREITO
H. L. A. HART

De R$ 87,40
Por R$ 43,70
50% off
+ frete grátis



FORA DO TOM
STING

De R$ 58,00
Por R$ 29,00
50% off
+ frete grátis



O RITUAL DOS CHRYSÂNTEMOS
CELSO KALLARRARI

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



A CRÔNICA DOS WAPSHOT
JOHN CHEEVER

De R$ 25,50
Por R$ 12,75
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
57063 visitas/dia
1,3 milhão/mês