O que está por baixo do medo de usar saia? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
31120 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> O Brasil Visto do Céu faz um passeio pela costa do Sudeste
>>> REVISTA D+ CONQUISTA ABRANGÊNCIA NACIONAL
>>> Nicole Borger apresenta o CD "Raízes/Roots" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> TV Brasil apresenta o premiado curta 'Meu amigo Nietzsche' nesta sexta (23/9)
>>> Língua de Gato: nasce um grupo que canta histórias e encanta as crianças
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
Últimos Posts
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
>>> Insone
>>> Sobre a Filosofia (obrigatória) no ensino médio
>>> Estátuas de areia
>>> Diário de um niilista
>>> 10.049 km pelo Brasil
>>> Como responder a pergunta: você não trabalha?
>>> Poesia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Siba e a Fuloresta
>>> Entrevista com Sérgio Augusto
>>> Inflikted, do Cavalera Conspiracy
>>> Cinco Anos Esta Noite
>>> Um conto de duas cidades
>>> O papel do escritor
>>> Babenco traz sua visão do país Carandiru
>>> Strindberg e o inferno de todos nós
>>> O desafio de publicar
>>> Web 2.0 no Brasil
Mais Recentes
>>> Nós cheguemu na escola, e agora?
>>> Sobre a violência
>>> O livro didático de português: múltiplos olhares
>>> Retablo de las maravillas Retábulo das maravilhas
>>> A duas vozes
>>> O modernismo brasileiro e o modernismo português
>>> Os pastores da noite
>>> Mar morto
>>> Os milionários
>>> Sob a pele
>>> Terras do sem fim
>>> O pássaro do sol
>>> Tocaia grande
>>> Mar morto
>>> Rosto de caveira, os filhos da noite e outros contos
>>> A vida financeira dos poetas
>>> Linguística aplicada ao português: sintaxe
>>> Leitura, ortografia e fonologia
>>> Fonema e fonologia: ensaios
>>> Português culto falado no Brasil
>>> Sofrendo a gramática
>>> Iniciação à fonética e à fonologia
>>> Regência verbal e nominal: teoria e prática
>>> Acento e ritmo
>>> No reino da fala: a linguagem e seus sons
>>> O tópico no português do Brasil
>>> Certo ou errado?
>>> A Guerra de Deus - Uma Nova História das Cruzadas Vols. 1 e 2
>>> Memórias - Madame de Stäel
>>> A vida maravilhosa de Sarah Bernhardt - Louis Verneuil
>>> A Divina Sarah ( A vida de Sarah Bernhardt) - Arthur Gold e Roberto Fizdale
>>> Economizar sem Perder o Prazer de Viver
>>> Sexo entre mulher - um guia irreverente
>>> Guia valor econômico de inovação nas empresas
>>> Religião para ateus
>>> Deus foi almoçarLivro novo.
>>> Do golpe ao planalto - uma vida de repórter
>>> Caixa de Costura
>>> Por que mentimosLivro novo. - Os fundamentos biológicos e psicológicos da mentira
>>> Quatro Histórias de Ladrão e mais 26 histórias
>>> Profissionais da Educação Infantil volume 85 formação e construção de identidades
>>> Deixados para trás - A fuga - volume 10
>>> Pós-modernidade Ética e Educação
>>> O cardeal e a sra. White - A face oculta da Guerra
>>> Jacob o Padeiro - Uma sabedoria simples para um Mundo Complicado
>>> E no início eram as bases - Geografia política do voto e comportamento legislativo no Brasil
>>> Tipo assim: Adolescente
>>> Teoria da Literatura na Escola
>>> Euclides da Cunha - Contrastes e confrontos do Brasil
>>> O Fim da Evolução
COLUNAS

Quinta-feira, 27/2/2014
O que está por baixo do medo de usar saia?
Adriana Baggio

+ de 2500 Acessos



Em meados de fevereiro, último dia daquela onda de calor que torrou os miolos dos curitibanos, alunos de uma faculdade de Comunicação Social aqui da cidade foram para aula usando saia.

A inspiração veio do rapaz no Rio de Janeiro que não pode ir trabalhar de bermuda. Já que as saias não eram proibidas, foi o que ele vestiu. Ficou famoso nas redes sociais. Aproveitando o vácuo da repercussão, o apresentador de TV Rodrigo Faro postou fotinha no dia seguinte chegando de saia na emissora. Como se fosse o que ele veste todo dia.

Mas enfim. Os alunos não são celebridades em busca de audiência e nem são proibidos de usar bermuda na faculdade. Suas motivações eram outras: questionar as proibições sem sentido; gerar uma reflexão sobre as constrições sociais que regem o que se pode ou não vestir; provocar uma fratura no senso comum, para que se entenda que essas coisas que parecem tão certas não têm nada de naturais. São culturais e, como cultura, podem mudar de uma época para outra, dependendo do pendor da sociedade.

Ao serem apresentados a esta ideia - ir de saia para a faculdade -, alguns tiveram receio: "Melhor não, vão pensar que sou gay". Por mais que não haja a mínima relação entre roupa e orientação sexual, quem pode culpá-los por pensar assim? Estamos tão habituados aos simulacros de gênero e sexualidade da nossa sociedade que mal nos damos conta do tanto de desconhecimento que envolve o assunto e a maneira como lidamos com ele.

A saia é uma roupa associada ao gênero feminino. Mas não foi sempre assim. Durante muito tempo, todo mundo, fosse homem ou mulher, usava "saia". Imperadores machos e viris usavam saia. Conquistadores bárbaros e cruéis usavam saia. Jesus usava saia. (E eu nunca ouvi ninguém dizer que Jesus era gay por causa disso.)

Gênero é uma construção cultural que classifica os seres humanos em homens e mulheres, ou seja, em gênero masculino e feminino. As marcas de gênero incluem, é óbvio, aspectos físicos e gestuais, mas não se limitam a eles. E nem sempre as marcas de gênero que certa pessoa apresenta correspondem ao seu sexo biológico.

Ser homem ou mulher - ou melhor, macho e fêmea -, tem a ver com a genitália que apresentamos ao nascer. Mas nem sexo (genitália) nem gênero (construções culturais) definem o que é ser gay ou hétero. A homossexualidade e a heterossexualidade têm a ver com a orientação dos nossos relacionamentos afetivo-sexuais.

É importante frisar o uso da palavra orientação (e não de outra mais determinante ou normativa). Primeiro: trata-se de algo com o qual a pessoa nasce, e não de uma "opção" feita em determinado momento da vida. Segundo: ela indica, e talvez isso seja o mais assustador para alguns, que eventualmente um heterossexual pode experimentar um episódio de homossexualidade. E vice-versa.

Se essas explicações desconstroem a associação entre a roupa e a homossexualidade, elas não dão conta de outros aspectos do receio expresso lá no começo, que seriam: a masculinidade de alguém é algo tão frágil que pode ser colocada em xeque pelo simples uso de uma peça de roupa? Quantos pesos é preciso carregar para ser reconhecido como homem em nossa sociedade? E mais: por que essa obsessão em determinar o que homens e mulheres podem ou não vestir?

Até poucos anos atrás, ainda existia no código penal da França uma lei que proibia as mulheres de usarem calça comprida. Na sua origem, a justificativa para essa lei era a necessidade de se identificar claramente os gêneros. Algo que não seria tão peremptório se os gêneros fossem tratados com igualdade, se um não tivesse mais privilégio do que outro. Certo?

Aliás - e isso é interessante -, as saias, hoje, são quase que "proibidas" também para as mulheres. No dia em que os alunos foram de saia à faculdade, suas colegas também usaram a mesma peça. E não precisa ser muito observador para se dar conta que poucas vezes elas foram vistas na sala de aula com aquela roupa, tão obviamente feminina.

É porque hoje não se usa saia impunemente. Uma mulher de saia (não importa o comprimento) é mais suscetível ao assédio físico e verbal, às "passadas de mão" e "encoxadas" nos transportes coletivos, ao estupro. Duvida? Dê uma olhada nos cartazes e nas palavras de ordem das manifestantes quando protestam contra a violência. Você vai ler e ouvir muitas vezes a palavra "saia".

A experiência que meninos e meninas viveram naquele dia ensinou mais do que qualquer aula sobre o respeito ao outro, sobre diversidade, sobre o fato de que roupa não determina caráter. Já o tratamento dado ao episódio por um certo programa de TV também ofereceu a estes alunos, futuros publicitários e jornalistas, uma lição inestimável: a do papel e da responsabilidade que tem a mídia no reforço e na perpetuação de estereótipos negativos, que por sua vez servem de base para a discriminação, a intolerância e a violência.

Apesar da abertura de pensamento que certamente o "saiaço" conseguiu promover, não há ilusão de que o preconceito acabe. Preconceito todos nós temos. Se é difícil desconstruí-los, pelo menos compreenda como eles se estruturam, controle-os e guarde-os para você. Ter opinião é permitido. Mas julgar e agredir outras pessoas por um motivo tão besta quanto a roupa que decidiram vestir (ou despir), isso é inadmissível.

P.S.: também sobre saias, veja Por que as curitibanas não usam saia? e Pô, gostei da sua saia.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/2/2014


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE PERNAS PARA O AR - TEATRO DE REVISTA EM SÃO PAULO
NEYDE VENEZIANO
IMPRENSA OFICIAL
(2006)



POST-MORTEM
PATRICIA D. CORNWEL
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)



PARA ZOAR VASCAÍNO
MÁRIO BRITO DUKE
LEITURA
(2009)



OUÇA O SEU CORAÇÃO
KENNETH HAGAIN JR
GRAÇA



ECONOMIA REAL
JOÃO REZENDE
EDIÇÃO DO AUTOR
(2008)



MENSAGEM DE ARUNACHALA
PAUL BRUNTON
PENSAMENTO
(1969)
+ frete grátis



A PERVERSÃO DO TRAPEZISTA- O ROMANCE EM CORNÉLIO PENNA
LUIZ COSTA LIMA
IMAGO
(1976)
+ frete grátis



TEATROS Y POLÍTICA
FRANÇOISE MARPERO (ED.)
EDICIONES DE LA FLOR - ARGENTINA
(1969)
+ frete grátis



ESTREPOLIAS DE PEDRO MALASARTE - ADRIANO MARCENA (TEATRO PERNAMBUCANO)
ADRIANO MARCENA
CEL
(2011)
+ frete grátis



TEATRO MEXICANO: RICARDO DÍAS MUÑOZ
RICARDO DÍAS MUÑOZ
EDITORIALES UNIDAS
(1966)
+ frete grátis





busca | avançada
31120 visitas/dia
846 mil/mês